Pular para o conteúdo principal

Swans - Trilha sonora do fim do mundo


Swans é uma banda influente da cena de Nova York, Estados Unidos, ativa desde 1982-1997, reformulada em 2010, e até hoje liderada pelo cantor, compositor e multi-instrumentista "Michael Gira". Associado a uma cena marginal desde o inicio da carreira, seu som original era lento e pesado, com performances ao vivo que eram muitas vezes tão brutal e física que a mídia local o chamou de louco e doente, todas as vezes que o Swans iam se apresentar a polícia era chamada e locais eram fechados. 

Seu estilo inicial mexeu um pouco com as estruturas da época. Tambor de máquinas e amostras são integrados ao som. Michael Gira juntou-se vocalmente com "Jarboe", voz doce que deu a banda uma ampla gama sonora. Faixas apresentando Jarboe eram muitas vezes mais silencioso, mesmo, atuando como contraponto aos temas mais angustiantes  de seus álbuns. 

Com o tempo, este estilo viria a dominar porque fazia  um violão parecer brutal como uma guitarra de Heavy metal ou Hardcore. Na instrumentação exuberante de seus álbuns dos anos 1980 e 1990 antecipou o nascimento de post-rock.

Eventualmente, se separou em 1997 de Jarboe. "Gira" passou a lançar um trabalho solo, mais tarde formando a banda "The Angels of Light", que continuou o trabalho e suas influências. Jarboe lança trabalho solo e freqüentemente trabalha com outras bandas e artistas. 

A influência do Swans sobre o mundo da música é profunda. Através de seus mais de15 anos de existência, os vários estilos que exploraram deu à luz ao grindcore, pós-rock entre outros. Em janeiro de 2010 anunciou o reencontro e desde esse ano estão trabalhando juntos. 

Popular Posts

O melhor do que eu não escrevi no Portal Soterorock em 2018. Por Leo Cima.

Neste ano de 2018 o Portal Soterorock resolveu tirar alguns dias de folga. Algo próximo a trezentos e sessenta e cinco dias, quase um ano, é verdade. Porém, é fato que, depois de dez anos cobrindo a cena roqueira local, com textos ou podcasts, sem incentivo financeiro algum, o site decidiu que seria o momento certo para dar um tempinho nas atividades daqui, para priorizar e atender a outras demandas não menos importantes. Mas, mesmo distante das publicações, nos mantivemos atentos ao movimento do cenário, observando quem se manteve atuante, seja em estúdio, ou nos palcos.
Muita coisa aconteceu este ano na cena rocker da Bahia, desde discos lançados até uma boa frequência regular de shows na capital baiana, mesmo com um número cada vez menor de casas que recebe o gênero por aqui. E é esse segundo item que ganhará destaque aqui nesta matéria, em uma outra oportunidade falarei sobres os lançamentos baianos de 2018, vamos com calma. O fato é que, fazendo visitas a eventos, seja como um pag…

Série “As DEZ Caras do Rock Baiano” - Com Caroline Lima, (Voz na Chá de Pensamentos), apresentando "Kansu" o seu mais novo projeto!

A série “As 10 Caras do Rock Baiano” traz desta vez Caroline Lima, integrante do projeto experimental de música e arte Kansu Project , duo que conta também com Sérgio da Mata dividindo as composições. Na última quinta feira (28/03/2013), ás 22:30, foi lançado na página da Kansu Project no facebook o remix de “A Little Bit of Me”, seu primeiro single e, nesse ótimo papo descontraído e espontâneo, Caroline nos falou sobre o interessante processo de produção e gravação das músicas da dupla, suas influências e suas impressões sobre a cena local. Então se ajeite em sua cadeira, aproveite a entrevista, dê um curtir na página do grupo e “FEEL FREE”. 
SRP – O que é a Kansu Project, é um duo? E o que sgnifica? 
Caroline Lima - É um duo sim. Sou eu e Sergio da Mata, meu amigo de adolescência. Sobre o significado... foi a junção dos nomes de personagens de livros que escrevemos em 2002, também é o nome de uma província da China e o nome deriva desse idioma...alguns traduzem como "orquídea&quo…

“As Dez Caras do Rock Baiano” com Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute)

Chegando ao final da sua primeira fase, a série “As Dez Caras do Rock Baiano” traz em sua quinta entrevista uma das grandes personalidades já presente na cena local há muitos anos: o vocalista da The Honkers, Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute, como preferir). Nessa conversa, que foi uma das mais longas e intrigantes dessa série e realizada na época da volta da banda aos palcos soteropolitanos, Rodrigo falou sobre o que chama a sua atenção no cenário, o cuidado que um artista têm que tomar com a sua própria arte, como a quantidade de informação influencia no jeito raso de ser do novo roqueiro e sobre as intenções para o futuro da The Honkers, além de se mostrar como um autor de livros de auto ajuda em potencial. Você já sabe, se ajeite com firmeza na cadeira e embarque nessa entrevista dessa grande figura do rock da Bahia. 
SRP - Como foi ficar um ano longe da The Honkers? 

Rodrigo Chagas - Zorra... Normal, hehe. Cansei na sétima música. 

SRP – O que achou do retorno da The Honkers aos pa…