Pular para o conteúdo principal

Resenha: Show Messias Bandeira e Wander Wildner (05/10/12)


Não sou crítico de música e nem tão pouco jornalista profissional para escrever sobre algum show, mas gosto de rock e de coisas bem feitas, principalmente de coisas bem feitas. Na última sexta (05/09), no Portela Café, Messias Bandeira e Wander Wildner fizeram apresentações acima da média e atenderam as expectativas do público que compareceu em número significativo ao local do evento. Antes das apresentações, o dj Bruno Aziz aqueceu com clássicos do indie como Sonic Youth e principalmente Pixies, os ouvidos (em altíssimo e bom som) de quem já estava presente ou de quem estava chegando no local.

A primeira atração da noite foi o já conhecido e respeitado Messias Bandeira, que apresentou em seu show um repertório focado nas músicas do seu último e ótimo trabalho intitulado “Escrever-me, Envelhecer-me e Esquecer-me”. Acompanhado por uma banda competente, Messias mostrou mais uma vez para os seus conterrâneos que sabe utilizar muito bem nas suas composições elementos do britpop da década de noventa sem perder a atenção para o que há de novo na música atual. Com uma execução excelente das suas canções marcadas pelo amadurecimento de sua voz e por versões ao vivo de músicas como “Avenida Contorno”, que é uma das melhores do seu álbum, reforçou a ideia de que ele deveria cantar suas canções em português, além de “No Hay Banda” que também está presente no seu disco, mas que já fazia parte do repertório da Brincando de Deus. Apesar de ter sido uma apresentação curta, Messias realizou uma grande performance e preparou a audição para a atração seguinte.

Como a atração mais esperada da noite, Wander Wildner subiu ao palco para divulgar o seu novo dvd “Rodando El Mundo” e para lançar a sua cerveja Labareda, bebida essa que foi lançada em parceria do cantor com a Cerveja Coruja. A apresentação se iniciou com o Wander Wildner sozinho com a sua guitarra no palco e desde o princípio já se percebia, devido a sua presença marcante e pelo seu carisma, o domínio total do público que já o acompanhava (com a sua voz rouca e rasgada) nas suas canções. Foi como se o Elliott Smith encontrasse um verdadeiro punk na figura de uma mesma pessoa. Depois desta sequência foram chamados ao palco os músicos Morotó Slim e Rogério Gagliano para acompanhá-lo na segunda parte do show que foi ganhando mais volume a cada música tocada. Em seguida, foi também chamado ao palco o baterista Rex para executar a sequência final da apresentação que teve no seu total quase duas horas de duração em que foram tocadas canções como “Um Mundo Sem Joey”, “Eu Tenho Uma Camiseta Escrita Eu Te Amo”, “Bebendo Vinho”, “Amigo Punk” e a cover de “Um Lugar Do Caralho” do Júpter Maçã.

A apresentação do Wander Wildner foi excelente e me chamou muito a atenção o fato de ter sido organizada e ao mesmo tempo espontânea, bem estruturada e dividida em três partes distintas, como se fosse uma verdadeira ópera (punk)rock. Havia muita história viva do rock nacional em cima do palco, uma vez que o Wander Wildner é um roqueiro autêntico com direito a todas as marcas das cicatrizes que a vida pode nos dar e possuidor da sabedoria de juntar músicos versáteis que se divertiram muito com o som que estavam fazendo naquele momento, além de negar com naturalidade os pedidos da platéia para que tocasse músicas de sua antiga banda (foi uma negação justa, até porque lhe foi negado algo que ele pediu para que jogassem em cima do palco). Ao final, brindou o organizador do evento Rogério Bigbross, brindou a casa que o recebeu muito bem e brindou o público que compareceu ao show e frisou que, mesmo que não fosse ninguém assiti-lo, ele estaria lá tocando de qualquer forma, pois segundo o próprio, ele e seus companheiros são homens que fazem o que fazem. Repito: Gosto de coisas bem feitas.

Por: L.Cima

Popular Posts

"Carnaval, carnaval, carnaval / Fico tão triste quando chega o carnaval" Por Sérgio Moraes

Com uma sonoridade ímpar desde os idos de 1985, a Banda Organoclorados (Alagoinhas-Bahia), Lançou seu mais recente vídeo “No Carnaval a Gente Esquece”. Você pode ouvir nas plataformas de vídeo espalhadas pela web ou aqui! 



O vídeo faz um paralelo visual da vida cotidiana, euforia e desespero se misturando na obscuridade dos dias turbulentos que vivemos. Misturando imagens de alegria (num simples passeio pela calçadão das ruas com a banda) e desilusões diárias (Coquetel Molotov e afins). A sonoridade blues-Rock da canção é bem vinda, pois, a participação especial de Lucas Costa na gaita harmônica abrilhanta ainda mais as imagens e a sonoridade de “No Carnaval a Gente Esquece”.
Veja e tire suas próprias conclusões deste belo vídeo, letra e composição dos cinco caras!
Organoclorados é: Alan Gustavo - guitarra; André G - baixo; Artur W - guitarra e voz; Joir Rocha - bateria; Roger Silva - teclados.
Título: Trecho da letra de Luiz Melodia “Quando o Carnaval Chegou.”

Tem muito som no tabuleiro do rock aqui na Bahia. Por Leonardo Cima.

Depois do nosso hiato no ano de 2018, retomamos às nossas atividades aqui no site em 2019. É bem verdade que escrevemos menos do que esperávamos e pretendíamos, porém continuamos observando o que acontecia na cena ao longo desses doze meses que se passaram. Bastante som foi lançado, várias propostas sonoras diferentes ganharam a luz do dia e mantiveram esse ano como os seus antecessores: agitado em volume e em alta qualidade de produção.
Teve banda/artista apostando em single, ou fazendo as suas primeiras investidas solo, projetos musicais saindo do papel, banda lançando novidade depois de muito tempo sem disponibilizar um novo trabalho, ou seja, uma considerável quantidade de impulsos motivadores levaram à todas essas novidades da cena rocker da Bahia.
Então, resolvi fazer essas micro resenhas para compensar a minha baixa frequência por aqui pelo site no ano que passou e para fazer justiça com esses lançamentos, trazendo alguns títulos nessa matéria. Mas, frisando, essa não é uma lista…

Depois do inferno...Tem outro Inferno...Por Sérgio Moraes

Ouvir bandas novas já faz parte da rotina de quem faz este site acontecer. Há quem duvide e não acredite que escutamos tudo atentamente, letra por letra, acorde por acorde. Nosso trampo é sério porque amamos tudo isso. 
Amo mais ainda quando alguns amigos voltam do inferno com boas novas. É o caso da banda D.D.I (Depois do Inferno), projeto novo de André Jegue (que mantem sozinho o projeto “Funciona Face” e Ex-integrante da não tão distante BR-64) e também André Batista – Bateria, Rodrigo Magalhães - Contrabaixo Mateus Galvão – Guitarra. Todos remanescentes de outras bandas da cidade. 
A DDI nasce com uma identidade própria já marcada pelos trabalhos anteriores dos caras, o que me deixa bastante contente. Quando André Jegue se dedica a cantar Hardcore seus vocais ficam lindos e agressivos não devendo nada a bandas como Dead Fish (Referência relevante do gênero). 
A D.D.I liberou duas ótimas músicas do seu próximo trabalho, “Depois do Inferno” e “Facada do Cão”, (Ouça as duas!). Ambas…