Pular para o conteúdo principal

Resenha: Show Messias Bandeira e Wander Wildner (05/10/12)


Não sou crítico de música e nem tão pouco jornalista profissional para escrever sobre algum show, mas gosto de rock e de coisas bem feitas, principalmente de coisas bem feitas. Na última sexta (05/09), no Portela Café, Messias Bandeira e Wander Wildner fizeram apresentações acima da média e atenderam as expectativas do público que compareceu em número significativo ao local do evento. Antes das apresentações, o dj Bruno Aziz aqueceu com clássicos do indie como Sonic Youth e principalmente Pixies, os ouvidos (em altíssimo e bom som) de quem já estava presente ou de quem estava chegando no local.

A primeira atração da noite foi o já conhecido e respeitado Messias Bandeira, que apresentou em seu show um repertório focado nas músicas do seu último e ótimo trabalho intitulado “Escrever-me, Envelhecer-me e Esquecer-me”. Acompanhado por uma banda competente, Messias mostrou mais uma vez para os seus conterrâneos que sabe utilizar muito bem nas suas composições elementos do britpop da década de noventa sem perder a atenção para o que há de novo na música atual. Com uma execução excelente das suas canções marcadas pelo amadurecimento de sua voz e por versões ao vivo de músicas como “Avenida Contorno”, que é uma das melhores do seu álbum, reforçou a ideia de que ele deveria cantar suas canções em português, além de “No Hay Banda” que também está presente no seu disco, mas que já fazia parte do repertório da Brincando de Deus. Apesar de ter sido uma apresentação curta, Messias realizou uma grande performance e preparou a audição para a atração seguinte.

Como a atração mais esperada da noite, Wander Wildner subiu ao palco para divulgar o seu novo dvd “Rodando El Mundo” e para lançar a sua cerveja Labareda, bebida essa que foi lançada em parceria do cantor com a Cerveja Coruja. A apresentação se iniciou com o Wander Wildner sozinho com a sua guitarra no palco e desde o princípio já se percebia, devido a sua presença marcante e pelo seu carisma, o domínio total do público que já o acompanhava (com a sua voz rouca e rasgada) nas suas canções. Foi como se o Elliott Smith encontrasse um verdadeiro punk na figura de uma mesma pessoa. Depois desta sequência foram chamados ao palco os músicos Morotó Slim e Rogério Gagliano para acompanhá-lo na segunda parte do show que foi ganhando mais volume a cada música tocada. Em seguida, foi também chamado ao palco o baterista Rex para executar a sequência final da apresentação que teve no seu total quase duas horas de duração em que foram tocadas canções como “Um Mundo Sem Joey”, “Eu Tenho Uma Camiseta Escrita Eu Te Amo”, “Bebendo Vinho”, “Amigo Punk” e a cover de “Um Lugar Do Caralho” do Júpter Maçã.

A apresentação do Wander Wildner foi excelente e me chamou muito a atenção o fato de ter sido organizada e ao mesmo tempo espontânea, bem estruturada e dividida em três partes distintas, como se fosse uma verdadeira ópera (punk)rock. Havia muita história viva do rock nacional em cima do palco, uma vez que o Wander Wildner é um roqueiro autêntico com direito a todas as marcas das cicatrizes que a vida pode nos dar e possuidor da sabedoria de juntar músicos versáteis que se divertiram muito com o som que estavam fazendo naquele momento, além de negar com naturalidade os pedidos da platéia para que tocasse músicas de sua antiga banda (foi uma negação justa, até porque lhe foi negado algo que ele pediu para que jogassem em cima do palco). Ao final, brindou o organizador do evento Rogério Bigbross, brindou a casa que o recebeu muito bem e brindou o público que compareceu ao show e frisou que, mesmo que não fosse ninguém assiti-lo, ele estaria lá tocando de qualquer forma, pois segundo o próprio, ele e seus companheiros são homens que fazem o que fazem. Repito: Gosto de coisas bem feitas.

Por: L.Cima

Popular Posts

Resenha: Revista Ozadia, número zero.

Sou um apreciador recente de quadrinhos, e já há algum tempo venho acompanhando o que vem sendo feito de bom neste ramo e fico salivando por novidades dos meus autores preferidos. Ao mesmo tempo que, assim como no rock, é muito bom saber que há uma movimentação local na produção de HQ’s e que essas produções saem de mãos talentosas e possuidoras de uma liberdade criativa que se iguala à música que aprecio. A mais recente novidade é a edição de número zero da revista Ozadia, que é uma compilação de cinco histórias eróticas escritas pelas mãos de sete quadrinistas e roteiristas daqui da Bahia. Lançada com o apoio do selo Quadro a Quadro e ganhando popularidade a cada dia que passa, a revista tem dois aspectos importantes para ser lida mais de uma vez: uma ótima fluência no seu texto e traços inspiradíssimos de seus desenhos. De Ricardo Cidade e Alex Lins, “Especimen” abre a Ozadia com uma ótima ficção cientifica pornográfica, onde a heroína sai em busca de coleta de amostras de um

As 10 Caras do Rock Baiano - Com a Banda Vômitos, "Punk Rock pra mendigo!"

O Portal Soterorockpolitano foi buscar na cidade de Barreiras os entrevistados da oitava entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano”, são eles o guitarrista Rick Rodriguez e o vocalista Tito Blasphemer, da banda Vômitos. Nessa entrevista eles falam sobre as condições da cena da sua cidade e do esforço para mante-la ativa, suas influências e a inspiração para as suas letras, além da repercussão do clipe da música “Facada”, que já chegou a mais de 3.000 visualizações no Youtube. Então, ajeite-se na sua cadeira e fique ligado para não tomar uma facada no bucho. Soterorockpolitano - Como e quando surgiu a banda? Rick Rodriguez - A banda surgiu em 2007, tínhamos um interesse em comum, que era o punk rock, e isso nos motivou a formar a banda na época, começamos tocando músicas dos Ramones, que era nossa banda preferida e logo em seguida começamos a compor, e ter nossas próprias músicas. Tito Blasphemer - Estávamos cansados da cena de nossa cidade, bandas que

4 Discos de Rock Baiano, a compilação das cinco publicações. Por Leonardo Cima.

Movidos pelo resgate da memória da cena independente da Bahia, no qual o selo SoteroRec tem feito com o Retro Rocks desde o inicio deste ano  e por todas as ações que o cenário também tem feito nesse sentido, decidimos trazer uma compilação especial do nosso site para você que nos acompanha.  Em 2017, o Portal Soterorock fez uma série de matérias que destacava alguns dos principais discos de rock lançados na Bahia ao longo dos anos. Essa série se chamava "4 Discos de Rock Baiano" e como o nome sugere, quatro discos eram referenciados nas matérias.  Foram ao todo cinco publicações com bandas/artistas de gerações distintas reunidas nesta coletânea.  Você vai encontrar aqui pontuações sobre as obras e o mais importante: o registro público sobre elas, para que possam ser revisitadas e referenciadas ao longo dos anos. Passar em branco é que não pode! O aspecto positivo de se visitar essas postagens é a de ver que a maioria das bandas e artistas citados nelas ainda estão em ativida