Pular para o conteúdo principal

Resenha: Show Messias Bandeira e Wander Wildner (05/10/12)


Não sou crítico de música e nem tão pouco jornalista profissional para escrever sobre algum show, mas gosto de rock e de coisas bem feitas, principalmente de coisas bem feitas. Na última sexta (05/09), no Portela Café, Messias Bandeira e Wander Wildner fizeram apresentações acima da média e atenderam as expectativas do público que compareceu em número significativo ao local do evento. Antes das apresentações, o dj Bruno Aziz aqueceu com clássicos do indie como Sonic Youth e principalmente Pixies, os ouvidos (em altíssimo e bom som) de quem já estava presente ou de quem estava chegando no local.

A primeira atração da noite foi o já conhecido e respeitado Messias Bandeira, que apresentou em seu show um repertório focado nas músicas do seu último e ótimo trabalho intitulado “Escrever-me, Envelhecer-me e Esquecer-me”. Acompanhado por uma banda competente, Messias mostrou mais uma vez para os seus conterrâneos que sabe utilizar muito bem nas suas composições elementos do britpop da década de noventa sem perder a atenção para o que há de novo na música atual. Com uma execução excelente das suas canções marcadas pelo amadurecimento de sua voz e por versões ao vivo de músicas como “Avenida Contorno”, que é uma das melhores do seu álbum, reforçou a ideia de que ele deveria cantar suas canções em português, além de “No Hay Banda” que também está presente no seu disco, mas que já fazia parte do repertório da Brincando de Deus. Apesar de ter sido uma apresentação curta, Messias realizou uma grande performance e preparou a audição para a atração seguinte.

Como a atração mais esperada da noite, Wander Wildner subiu ao palco para divulgar o seu novo dvd “Rodando El Mundo” e para lançar a sua cerveja Labareda, bebida essa que foi lançada em parceria do cantor com a Cerveja Coruja. A apresentação se iniciou com o Wander Wildner sozinho com a sua guitarra no palco e desde o princípio já se percebia, devido a sua presença marcante e pelo seu carisma, o domínio total do público que já o acompanhava (com a sua voz rouca e rasgada) nas suas canções. Foi como se o Elliott Smith encontrasse um verdadeiro punk na figura de uma mesma pessoa. Depois desta sequência foram chamados ao palco os músicos Morotó Slim e Rogério Gagliano para acompanhá-lo na segunda parte do show que foi ganhando mais volume a cada música tocada. Em seguida, foi também chamado ao palco o baterista Rex para executar a sequência final da apresentação que teve no seu total quase duas horas de duração em que foram tocadas canções como “Um Mundo Sem Joey”, “Eu Tenho Uma Camiseta Escrita Eu Te Amo”, “Bebendo Vinho”, “Amigo Punk” e a cover de “Um Lugar Do Caralho” do Júpter Maçã.

A apresentação do Wander Wildner foi excelente e me chamou muito a atenção o fato de ter sido organizada e ao mesmo tempo espontânea, bem estruturada e dividida em três partes distintas, como se fosse uma verdadeira ópera (punk)rock. Havia muita história viva do rock nacional em cima do palco, uma vez que o Wander Wildner é um roqueiro autêntico com direito a todas as marcas das cicatrizes que a vida pode nos dar e possuidor da sabedoria de juntar músicos versáteis que se divertiram muito com o som que estavam fazendo naquele momento, além de negar com naturalidade os pedidos da platéia para que tocasse músicas de sua antiga banda (foi uma negação justa, até porque lhe foi negado algo que ele pediu para que jogassem em cima do palco). Ao final, brindou o organizador do evento Rogério Bigbross, brindou a casa que o recebeu muito bem e brindou o público que compareceu ao show e frisou que, mesmo que não fosse ninguém assiti-lo, ele estaria lá tocando de qualquer forma, pois segundo o próprio, ele e seus companheiros são homens que fazem o que fazem. Repito: Gosto de coisas bem feitas.

Por: L.Cima

Popular Posts

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava

Sexto guia de singles de bandas baianas. Por Leonardo Cima.

Mais uma vez o Portal SoteroRock traz a sua lista de singles de bandas e artistas baianos, lançados ao longo desse período pandêmico no qual nos encontramos neste 2020. Para essa ocasião, a diversidade ainda marca uma forte presença nessa seleta. Rock, pop, metal, eletrônico, folk e o grande leque que se abre a partir desses gêneros vão aparecer para você aqui enquanto faz a sua leitura. Então, abra a sua mente, saiba um pouco sobre cada um dos trabalhos citados aqui, siga cada um nas redes sociais (se possível, é claro!) e, óbvio, escute as canções!! Se você acha que faltou algum artista/banda aqui nessa matéria, mande uma mensagem inbox pelo nosso perfil do Instagram, que iremos escutar! Midorii Kido - Sou o que Sou Para quem acha que o rock já se esgotou em termos de abraçar minorias e até mesmo acredita que é conservador, este primeiro single da drag queen Midorii Kido é um tapa na face daqueles que professam dessa maneira contra o gênero. Sou o que Sou é um rock forte,

O garage noir da The Futchers. Por Leonardo Cima.

Nesses últimos dois meses, o selo SoteroRec teve a honra e a felicidade de lançar na sua série Retro Rocks, os trabalhos de uma das bandas mais interessantes que a cena local já teve e que, infelizmente, não teve uma projeção devidamente extensa. Capitaneada por Rodrigo "Sputter" Chagas (vocal da The Honkers), a The Futchers foi a sua banda paralela idealizada e montada por ele próprio no final do ano de 2006. A propósito, o nome Futchers vem inspirado da dislexia do compositor britânico Billy Childish, que escreve as palavras da mesma maneira que as fala. Ele, ao lado de mais quatro integrantes, também de bandas locais da época, começaram os ensaios com uma proposta sonora voltada mais para o mood e o garage rock, se distanciando um pouco dos seus respectivos trabalhos nos grupos anteriores. Relembrando um pouco daquele período e como observador, esse "peso" de não ter que se repetir musicalmente recaía um pouco mais sobre Rodrigo. Não que houvesse isso