Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de 2013

As 10 Caras do Rock Baiano” com Paulo Diniz (Banda Weise)

A penúltima entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano” traz Paulo Diniz, vocalista e guitarrista da banda Weise. O grupo está lançando o seu mais novo trabalho, o cd intitulado “Aquele Que Superou o Fim dos Tempos”, e neste papo o entrevistado falou sobre o seu processo de gravação, sobre seus shows e as dinâmicas dos seus instrumentos no palco e também sobre as suas impressões da cena baiana de rock. Para não perder o costume, ajeite-se na cadeira e aproveite o papo com o rapaz. 
SoteroRockPolitano - É o segundo disco de vocês, certo? O que mudou no som da Weise desde o seu primeiro disco até esse último que está sendo lançado?  Paulo Diniz - Na verdade nós lançamos até agora somente EPs, que foi o "Fora do Céu", depois um outro que não tinha nome, e o terceiro que era uma previa de duas músicas do álbum que vamos lançar agora...

ExoEsqueleto Sessions – Resenha do disco

Dizem que quando uma banda acaba, é por que uma outra melhor surgirá das suas cinzas. Na história do rock existem casos e mais casos desse tipo e a Bahia não foge a esse aspecto místico desse estilo musical. Geralmente, os músicos que se mantêm seguindo as suas carreiras apresentam uma certa evolução e uma certa maturidade em relação as suas bandas anteriores, como por exemplo a Retrofoguetes, a Hardrons e ao The Mars Volta. A boa nova em questão, é a banda ExoEsqueleto, que é formada por ex integrantes das bandas Sine Qua Non (Ricardo Bittencourt e Renato Almeida) e Headphones (André Dias). Neste ano de 2013 eles lançaram o seu primeiro trabalho, o disco intitulado ExoEsqueleto Sessions, que foi produzido pela própria banda e pelo produtor Vandex. O cd possui boas influências de blues, black music bem swingada, rock, música baiana e ótimos ecos de suas antigas bandas, tudo isso com um caráter bem intimista e um ótimo instrumental. A segurança dos músicos nos seus instrumentos já se fa…

The Hangover 2 (Comemoração aos dez anos de lançamento do disco de covers da The Honkers)

Mais um mergulho na cena rocker da cidade na ultima noite de sábado, no Dubliners Irish Pub do Rio Vermelho. A cada dia que passa, a casa tem se firmado como um dos principais lugares para se fazer rock na cidade e tem proporcionado boas apresentações e novidades para o seu público. O local já estava cheio quando chegamos e abrigava a festa de comemoração aos dez anos de lançamento do disco de covers da The Honkers, e tinha como atrações a própria Honkers e a sergipana Tody’s Trouble Band.

Resenha: “Eu Não Quero Ser o Que Você Quer”, tributo à Pastel de Miolos

Um tributo a alguma banda, ou a algum artista, costuma cair sempre no lugar comum. Tende-se a privilegiar um estilo musical específico e a contemplar um determinado público, acabando por afastar novos ouvidos e levar ao ouvinte uma sensação de deja vú e até mesmo, dependendo da expectativa, à uma certa frustração. Não é o caso de “Eu Não Quero Ser o Que Você Quer”, a homenagem à banda baiana Pastel de Miolos. Comemorando 18 anos de estrada, a PDM ganhou esse presente que contém nada mais e nada menos do que 34 bandas e artistas daqui e de fora do Estado, e que é uma verdadeira mistura de estilos musicais que enriquecem a obra. Essa diversidade é um aspecto interessante e que oferece um “cala a boca” para aqueles que insistem em afirmar que o cenário local está estagnado e sem mentes criativas.

Decadentes ou construtores?

Música New Wave, Hip Hop, drogas, pichações e insegurança fazem parte do universo usados no Filme:"Warriors, Selvagens da Noite"do diretor Walter Hill, para apresentar as mais exóticas gangues de rua da cidade de Nova York e todo movimento pós-Hippie da época.

“We Can Be Heroes” – Os dez anos do primeiro disco da The Honkers.

Não sei se alguém já fez isso antes, mas eu gostaria de ser o primeiro. Há dez anos era lançado um dos discos mais importantes do cenário rocker baiano, o “Bettween the Devil and the Deep Blue Sea” da The Honkers. Digo importante não só por ser um disco que tem se provado resistente ao tempo, mas também por conta de ser uma representação do que foi o cenário roqueiro da cidade, e do estado, na época em que foi lançado. Simplesmente Rodrigo, PJ, Thiago, Brust e Dimmy destroçaram o marasmo no qual o cenário da cidade vivia, exatamente como se um Jaeger abatesse um Kaiju, consolidando uma das grandes fases do rock na cidade.             O ano era o de 2002 e a cidade vinha de uma certa ressaca da década de 1990, amargando um período de poucas novidades na cena e com a maioria das bandas se dissolvendo. Mas me lembro de uma certa noite, quando fui assistir a um evento que reuniu a Retrofoguetes, Brincando de Deus, Snooze e The Honkers.Tinha uma TV no Idearium que estava passando os dois a …

Resenha: Revista Ozadia, número zero.

Sou um apreciador recente de quadrinhos, e já há algum tempo venho acompanhando o que vem sendo feito de bom neste ramo e fico salivando por novidades dos meus autores preferidos. Ao mesmo tempo que, assim como no rock, é muito bom saber que há uma movimentação local na produção de HQ’s e que essas produções saem de mãos talentosas e possuidoras de uma liberdade criativa que se iguala à música que aprecio. A mais recente novidade é a edição de número zero da revista Ozadia, que é uma compilação de cinco histórias eróticas escritas pelas mãos de sete quadrinistas e roteiristas daqui da Bahia. Lançada com o apoio do selo Quadro a Quadro e ganhando popularidade a cada dia que passa, a revista tem dois aspectos importantes para ser lida mais de uma vez: uma ótima fluência no seu texto e traços inspiradíssimos de seus desenhos. De Ricardo Cidade e Alex Lins, “Especimen” abre a Ozadia com uma ótima ficção cientifica pornográfica, onde a heroína sai em busca de coleta de amostras de um certo m…

Retorno da banda INVENA! (Pra quem gosta de rock na veia!)

Sabe aquelas bandas que você vai ver e sai de lá com vontade de tocar depois de ouvir um bom e velho rock and roll no sentido mais amplo da palavra? Os caras da banda INVENA mesmo Com alguns kilos e anos a mais nas costas, retornam aos palcos de Salvador com gás total. A INVENA desde sua volta, há alguns meses atrás, já andam colocando muita gente pra dançar ao ritmo quente do rock and roll tradicional que a banda nunca deixou de fazer. Assim estão sendo as apresentação da banda INVENA no largo do Carmo, Santo Antonio em Salvador- Bahia. 
A banda espera lançar oficialmente ainda este ano (2013) na capital baiana o seu EP de retorno, recheado com músicas autorais do grupo. (Trabalho de estúdio).
Flavio (Cabeça) comanda os vocais da banda, sempre mostrando muita disposição, energia e performances marcantes. O grupo ainda conta com Pedro Jorge (Ele mesmo, o mestre, PJ – Também The Honkers) nas guitarras.
O bom e velho rock and roll inspirado por Stones, The Police, Beatles, influências…

HOMENAGEM MERECIDA | (Show de lançamento do CD Tributo a Pastel De Miolos)

O Irish Pud do Rio Vermelho estava em clima de festa no último dia dezenove de outubro. O motivo para tal clima foi o lançamento do tributo à Pastel De Miolos Pdm, intitulado Eu Não Quero Ser o Que Você Quer, e estavamos lá para conferir essa merecida homenagem à uma das mais importantes e significativas bandas do cenário local. O evento ainda contou com a presença das bandas Latryna, Theatro de Seraphin e Snooze. Chegando lá já se percebia que o lugar estava mais cheio que o normal, com parte do público conversando e refrescando a garganta até o momento em que a primeira banda subiu ao palco. Vinda de Camaçari, a banda Latryna executou bem o seu repertório de canções punk e chamou muito a atenção por conta dos elementos grunge em algumas de suas canções. Eles prometem um EP para breve, quem os viu fica no aguardo. Na sequência vinheram a Theatro de Seraphin e a Snooze (Aracajú), a primeira com uma performance inspiradíssima do seu guitarrista Cândido Martínez e a segunda executando m…

The Hangover | Por Léo Cima

A última noite de sábado foi mais uma noite de incursão na cena rocker da cidade. Mais uma vez o Rio Vermelho era o lugar e o Irish Pub de lá oferecia uma noite com The Honkers, Os Jonsóns e Teenage Buzz. Chegamos já no final da apresentação da Teenage Buzz e senti aquela sensação de ter perdido uma boa festa. Os rapazes estavam mandando muito bem nas canções de influência sessentista garageira, com uma pitada de Syd Barret e na performance explosiva bem característica de algumas bandas da década passada. É a Honkers fazendo escola. Eles só vacilaram em não terem levado o EP para eu poder tapar o buraco da parte do show que eu não vi. Dá próxima vez eu chego mais cedo, ou eles atrasam o som um pouco mais. Acho que terão vida longa no cenário. Ainda na atmosfera sessentista da noite, Os Jonsóns entraram no palco e desfilaram o seu repertório de boas canções. Esse clima e o som da casa favoreceram e muito a performance dos rapazes, que foi melhor do que a performance do momento em que …

Resenha: “Amor Atlântico”, de André L. R. Mendes.

Desde os tempos como frontman do Maria Bacana, André L. R. Mendes já chamava a atenção com o seu talento de cantor e compositor no cenário local e o seu terceiro disco solo conserva esta condição, mas em um nível mais elevado e maduro ao que se apresentava na época de sua antiga banda. Com uma produção sempre muito cuidadosa de Jorge Solovera, “Amor Atlântico” é um disco de dez canções curtas ao violão e com texturas requintadas, de caráter intimista e com um tom de melancolia que remete a um final de tarde sentindo o cheiro da chuva leve ao lado de quem se ama. 
 O disco se difere dos anteriores por conta de um clima mais calmo, chegando a lembrar artistas como Bon Iver e Elliott Smith, ou até mesmo como o Billy Corgan na fase “Adore”, mas sem os aparatos eletrônicos. Logo se percebe essa característica da obra em sua primeira música, “As Velhas Ondas”, que é uma bela paisagem musical à beira da praia. O amor é um tema presente em quase todas as faixas, como por exemplo em “Sim, Dei…

Shows de rock no mês de Setembro movimentam Salvador!

A gangue de Rodrigo Sputter volta a atacar a cidade com seu rock fuleiro dos bons! O melhor de todos os tempos e resistente no melhor sentido da palavra The Honkers, acompanhado da fabulosa revelação Teenage Buzz e Os Josóns!.

Pra quem gosta de rock visceral e de verdade! Vá ao Rio vermelho no Irish Pub dia 28/09 e encontre essa gangue por apenas 10 reais as 22 horas!


Não conhece? não acredito! VEJA O VÍDEO!






Não conhece? Vou dar uma forma! VEJA VÍDEO

Programa Vertigo Indica, 8ª Edição

Chegando em sua oitavaª edição, o programa "Vertigo indica" trás um formato interessante de informar e indicar referências musicais dentro da cena de rock, pós-punk, industrial entre outros gêneros. Sob o comando de David Vertigo, (vocalista da banda de industrial, Modus Operandi) e edição e produção de Fernando Lopes, os caras vão aos poucos preenchendo essa lacuna que nos falta, sempre trazendo um conteúdo muito interessante.CONFIRA AQUI CANAL COM TODOS OS SETE PROGRAMAS ANTERIORES!

Queens of the Stone Age

Queens of the Stone Age,(também conhecidos pelo acrônimoQotSA) éumabandaestadunidensederockformada emPalm Desert,Califórniaem1997. É muito conhecida por popularizar o gênero que até os anos 2000 não era muito considerado, conhecido como stoner rock e pela sua constante mudança de integrantes, sendo o único integrante original o vocalista/guitarrista/compositor da banda, Josh Homme. Antes do surgimento do Queens of the Stone Age, existia uma banda californiana chamadaKyuss que, após ser apadrinhada pelo produtor Chris Goss, partiu do completo anonimato para tornar-se ícone cult da cena heavy metal americana, chegando inclusive a figurar como o principal expoente do sub-gênero stoner rock.Muitos talentos fizeram parte da formação do Kyuss durante sua existência. Entre eles estavam: Josh HommeNick OliveriJohn Garcia e Alfredo Hernandez.No entanto, apesar da popularidade o Kyuss se dissolveu em 1995 e o líder e guitarrista Josh Homme mudou-se para Seattle. Em Seattle, Josh ingressou no 

MAGDALENE - THIS DANCE BANDA DE FEIRA DE SANTANA

Banda: Magdalene and the Rock and Roll Explosion

Origem: Feira de Santana\Bahia

Gênero: Hard Rock\Grunge\Punk

Formação:

Poliana Santiago - Vocals
Pv Santos - Guitar
Moysés Martins - Bass
Elder - Drums

Histórico
A ideia da banda surgiu da iniciativa de um casal com objetivo de desenvolver as canções em estúdio.
Composta por Magdalene (Vocal), Paul Stone (Guitarra), Moyses Martins (Baixo) e Maicon Charles (Bateria). A digitaltv apresenta Magdalene and the Rock and Roll Explosion!

Extraído do Bahia Rock Machine
Release:
O rock and roll chegou ao século XXI completando cinco décadas de existência e dando indícios de certo desgaste, depois de tanto expandir sua fórmula básica. Do progressivo ao punk, do art-rock ao heavy metal, do hard rock ao grunge, voltar às raízes parecia o único antídoto ou a saída remanescente quando nada mais restava para se inventar. A geração dos 90's já retratava o aborrecimento, como se àquela altura o rock houvesse perdido o senso de diversão e se afogado num mar de apa…

As 10 Caras do Rock Baiano - Com a Banda Vômitos, "Punk Rock pra mendigo!"

O Portal Soterorockpolitano foi buscar na cidade de Barreiras os entrevistados da oitava entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano”, são eles o guitarrista Rick Rodriguez e o vocalista Tito Blasphemer, da banda Vômitos. Nessa entrevista eles falam sobre as condições da cena da sua cidade e do esforço para mante-la ativa, suas influências e a inspiração para as suas letras, além da repercussão do clipe da música “Facada”, que já chegou a mais de 3.000 visualizações no Youtube. Então, ajeite-se na sua cadeira e fique ligado para não tomar uma facada no bucho.
Soterorockpolitano - Como e quando surgiu a banda? Rick Rodriguez - A banda surgiu em 2007, tínhamos um interesse em comum, que era o punk rock, e isso nos motivou a formar a banda na época, começamos tocando músicas dos Ramones, que era nossa banda preferida e logo em seguida começamos a compor, e ter nossas próprias músicas. Tito Blasphemer - Estávamos cansados da cena de nossa cidade, bandas que tocavam apenas covers de banda…

Resenhas de Shows por Léo Cima / Circuito Rock Salvador- BA

SHOW: BANDA CASCADURA 
Um conhecido meu sempre me diz: "Pô Leo, Casacadura de novo? Tudo bem, o som dos caras é muito bom, mas pera aí!" Eu entendo, o finalzinho do show do Círculo, vendo a banda tocar "Rosa Maria" foi o suficiente para saber que eles continuam bons. Mas nunca é demais assistir a uma apresentação de uma banda competente como o Cascadura (mesmo em uma noite de terça feira)! Havia se passado um ano desde que eu vi a apresentação deles na Concha Acústica, abrindo para o Agridoce bem no início da turnê do Aleluia e estava ansioso para ver como eles estariam agora. Estava tudo lá: a banda mais entrosada, a percussão (que ainda não estava presente no palco há um ano atrás) caindo como uma luva nas canções, a performance "DUCARALHO" de Cadinho, Fábio mandando muito bem com "Roll Over Beethoven" no final de "Soteropolitana" e o público, que acompanhou todas as músicas com uma empolgação sem igual. O show avançava em uma cresce…

Série “As 10 Caras do Rock Baiano” com o baterista Dimmy (Banda Vendo 147)

Os bateristas dominaram o Portal Soterorockpolitano! A nossa série “As 10 Caras do Rock Baiano” chega a sua sétima entrevista com mais um grande baterista do nosso cenário: Dimmy “O Demolidor” Drummer. Neste papo, Dimmy fala sobre bandas instrumentais, sobre como foi gravar o som do clone drum no estúdio e sobre a sua relação com as bandas que faz parte (Vendo 147, Bestiário e Stereowatts), além de expor a sua opinião sobre o cenário local como músico e também como produtor e tour manager. Então ajeite-se na cadeira, aproveite bem essa entrevista interessantíssima e curta a nossa página no Facebook. Soterorockpolitano - Você é um músico que consegue aliar técnica e espontaneidade ao seu estilo, quais as suas influências e o que te fez escolher a bateria como seu instrumento? Dimmy Drummer –Então, acho que vem de um mix de influências. Comecei a vida de músico como gaitista e vocalista de blues, depois de algum tempo que fui para os tambores, porém, sempre estive nos bastidores como prod…