Pular para o conteúdo principal

Segunda feira de carnaval, dia de rock!

De todos os cantos em que se podia estar no carnaval de Salvador, o coqueiral de Piatã era o único que eu ainda não havia visitado neste ano. O já tradicional Palco do Rock, organizado pela ACCRBA, se encontrava no terceiro dia de sua décima nona edição e, assim como nos outros dias, trazia um line up que reversava bandas incógnitas com outras um pouco mais conhecidas(?). O evento começou no horário programado e, como sempre, foi bem prestigiado pelo público rocker da cidade que encheu o local e fez a real diferença naquela noite. Por outro lado o som do palco não estava bom até a metade da apresentação da quarta banda e o “buraco” na programação feito pelo cancelamento do show do Krisiun, cancelamento este ocorrido por questões contratuais, foram aspectos extremamente negativos que ficaram bem evidentes no evento. Independente da verdade musical defendida por cada banda que se apresentou, o público se mostrou receptivo a cada uma delas, o que é uma coisa difícil de ver diante da diversidade de bandas e diante de um público formado em sua maioria por fãs de rock mais pesado, mostrando que as pessoas estavam ali para simplesmente curtir música rock sem se importar com o que iria sair das caixas de som, foi realmente algo digno de ser comentado. Abrindo o evento, a banda MotherFucker se mostrou entrosada e descarregou todo o seu hard-blues na apresentação, mas ficou por isso mesmo, pois a banda tem muito o que aprender e Johnny Cash agradeceria se eles não tocassem uma música dele. 
Na sequência a Circo de Marvin mostrou desde o principio a forte influência de pop rock na sua música, o que não causou surpresa com a execução de covers das bandas O Rappa e Red Hot Chilli Peppers e, sim, ficou muito claro que show pirotécnico não melhora a apresentação de banda alguma. De Feira de Santana, a Metalwar até o momento da sua apresentação foi a banda com mais personalidade e, apesar de alguns deslizes técnicos da própria banda eles aqueceram com competência o público fã de metal para as apresentações seguintes. Os brasilienses da Madrenegra e os paranaenses da Motorocker começaram com shows que pareceram óbvios no início, mas que aos poucos foram crescendo e tomando conta da audição presente e isso se deu muito devido ao carisma dos integrantes das duas bandas e pelo repertório bem executado por ambas. A Cangaço, de Pernambuco, tocou seu death metal com influências nordestinas para um público que se dispersava pelo espaço do evento, mas agradou a quem viu, só não deu para ficar até o final da apresentação por questões logísticas da volta para a casa. Com esse fato ficam as minhas sinceras considerações a Trassas, de São Paulo e a Minus Blindness. 
Em relação a Krisiun, a sua ausência fez falta sim ao PDR e cabia a organização do evento um melhor posicionamento em relação a esse fato. Cabe aqui dizer que, esta edição teve a participação de grandes bandas baianas como a Headhunter DC, Irmao Carlos e o Catado, Pastel de Miolos e Norfist que não devem nada a banda alguma de fora, mas seria muito interessante se houvesse uma participação mais significativa de grandes nomes de fora da Bahia. Sei que muitos irão discordar de mim nesse aspecto, mas prefiro me colocar sobre isso a aceitar calado exatamente como se cala um folião que se espreme entre o camarote e a corda do bloco na avenida. O saldo final foi um dia de carnaval animado e divertido e todas as pessoas que estavam lá sabem disso. Que venha o Palco do Rock 2014!
Gostou? Não gostou? Concorda? Discorda? Então mande seu e-mail para o rotaalternativa@soterorockpolitano.com que a gente lê no nosso próximo programa!

Popular Posts

"Carnaval, carnaval, carnaval / Fico tão triste quando chega o carnaval" Por Sérgio Moraes

Com uma sonoridade ímpar desde os idos de 1985, a Banda Organoclorados (Alagoinhas-Bahia), Lançou seu mais recente vídeo “No Carnaval a Gente Esquece”. Você pode ouvir nas plataformas de vídeo espalhadas pela web ou aqui!  O vídeo faz um paralelo visual da vida cotidiana, euforia e desespero se misturando na obscuridade dos dias turbulentos que vivemos. Misturando imagens de alegria (num simples passeio pela calçadão das ruas com a banda) e desilusões diárias (Coquetel Molotov e afins). A sonoridade blues-Rock da canção é bem vinda, pois, a participação especial de Lucas Costa na gaita harmônica abrilhanta ainda mais as imagens e a sonoridade de “No Carnaval a Gente Esquece”. Veja e tire suas próprias conclusões deste belo vídeo, letra e composição dos cinco caras!   Organoclorados é: Alan Gustavo - guitarra; André G - baixo; Artur W - guitarra e voz; Joir Rocha - bateria; Roger Silva - teclados. Título: Trecho da letra de Luiz Melodia “Quando o Carnaval Cheg

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava

Resenha: Revista Ozadia, número zero.

Sou um apreciador recente de quadrinhos, e já há algum tempo venho acompanhando o que vem sendo feito de bom neste ramo e fico salivando por novidades dos meus autores preferidos. Ao mesmo tempo que, assim como no rock, é muito bom saber que há uma movimentação local na produção de HQ’s e que essas produções saem de mãos talentosas e possuidoras de uma liberdade criativa que se iguala à música que aprecio. A mais recente novidade é a edição de número zero da revista Ozadia, que é uma compilação de cinco histórias eróticas escritas pelas mãos de sete quadrinistas e roteiristas daqui da Bahia. Lançada com o apoio do selo Quadro a Quadro e ganhando popularidade a cada dia que passa, a revista tem dois aspectos importantes para ser lida mais de uma vez: uma ótima fluência no seu texto e traços inspiradíssimos de seus desenhos. De Ricardo Cidade e Alex Lins, “Especimen” abre a Ozadia com uma ótima ficção cientifica pornográfica, onde a heroína sai em busca de coleta de amostras de um