Pular para o conteúdo principal

Série “As DEZ Caras do Rock Baiano” - Com Caroline Lima, (Voz na Chá de Pensamentos), apresentando "Kansu" o seu mais novo projeto!

A série “As 10 Caras do Rock Baiano” traz desta vez Caroline Lima, integrante do projeto experimental de música e arte Kansu Project , duo que conta também com Sérgio da Mata dividindo as composições. Na última quinta feira (28/03/2013), ás 22:30, foi lançado na página da Kansu Project no facebook o remix de “A Little Bit of Me”, seu primeiro single e, nesse ótimo papo descontraído e espontâneo, Caroline nos falou sobre o interessante processo de produção e gravação das músicas da dupla, suas influências e suas impressões sobre a cena local. Então se ajeite em sua cadeira, aproveite a entrevista, dê um curtir na página do grupo e “FEEL FREE”. 

SRP – O que é a Kansu Project, é um duo? E o que sgnifica? 

Caroline Lima - É um duo sim. Sou eu e Sergio da Mata, meu amigo de adolescência. Sobre o significado... foi a junção dos nomes de personagens de livros que escrevemos em 2002, também é o nome de uma província da China e o nome deriva desse idioma...alguns traduzem como "orquídea"...uma ideia de sofisticação. 

SRP – Quais são as influências musicais da Kansu Project? 

CL - Buscamos referências em bandas que escutamos na adolescência como Red Hot Chili Peppers (funky Mettal), Korn (Nu Metal), Pat Benatar, elementos eletrônicos, a exemplo das bandas Lacrimosa e Combichrist e da música pop. Basicamente, misturamos elementos do rock com ritmos eletrônicos e a essência da pop music. Há muito de música árabe e celta no restante do trabalho e nosso experimentalismo vem dessa proposta de misturar sem receio de ousar, pois são universos que fascinam a gente e acabam funcionando bem. Uma vez, uma pessoa que acompanha nosso trabalho nos disse que era preciso ter a mente aberta para entender Kansu Project e sentir-se livre. A ideia é bem essa: deixar-se envolver pela proposta experimental e sentir os pequenos e grandiosos elementos que foram impressos em nós ao longo do tempo nas composições. 

SRP – Muito bom, eu percebi algumas dessas referencias que você citou. Como elementos de “Breaking The Girl” do Red Hot Chilli Peppers e esse lance da musica celta e árabe também é bem evidente, esses elementos com a vertente eletrônica me fez lembrar em alguns momentos de "Mysterious Way" do U2. 

CL - Análises assim são sempre importantes! Ter esse feedback nos faz refletir sobre o que é produzido. E eu te falei que é tudo feito na nuvem? 

SRP – É mesmo? Interessante! Como funciona o processo de composição, produção e gravação neste formato? 

CL - Nós temos os equipamentos em cada polo: ele (Sergio da Mata) em São Paulo, onde grava as bases e mixa a voz usando um Macbook air e eu aqui com um Behringer condensador... componho as melodias vocais, faço as letras e gravo a voz com as bases enviadas via dropbox e skydrive...depois devolvo o material via os mesmos acessos da nuvem (web). Ele mixa e me manda o produto final. 

SRP – Muito interessante mesmo. É bom saber que há alguém fazendo isso em Salvador e é algo moderno, tem bem a ver com a atmosfera da canção de vocês! 

CL - É mesmo! É um processo diferente... 

SRP - E virão mais músicas? 

CL - É isso... a proposta de ousar...na verdade nem foi intencional...acabou soando tão diferente de tudo que relembramos muito do que o Sergio e eu compomos na adolescência. Desde os 17 anos a gente escrevia e cantava juntos... sem violão nem nada...orando para um dia musicar! 

SRP - É também aquela velha história da bagagem musical, não é? Na hora que vai colocar em prática, aparece um monte de elementos! 

CL - É sim!!! Muito! E tudo pulsa até que um dia você dá vazão! 

SRP - E como foi o start ou o restart para esse projeto? 

CL - Foi agora em janeiro... eu tenho muitas composições que escrevi ao longo dos anos e esse ano ele veio de viagem de Sampa e chegou aqui em casa com um Ipad...depois de compor uma música em 3 minutos, gravar e ter um resultado muito bacana, resolvemos retomar o que parecia um desejo distante no tempo. Só em janeiro gravamos e recriamos mais de 6 composições! 

SRP - Qual a possibilidade de haver uma apresentação de vocês, uma vez que há um integrante morando em São Paulo?? 

CL - Sim. Estamos realmente nos dispondo a colocar nosso projeto em prática. Temos começado a nos articular já com a intenção de planejar apresentações futuras. Depois dos lançamentos futuros, a exemplo do segundo single, é algo que podemos começar a materializar. 

SRP - E como você enxerga a cena rocker local atualmente, as bandas e os espaços lhe agradam? 

CL - Gosto das bandas que estão tocando e se reinventando ao longo do tempo na cidade. Já toquei no cenário underground e depois fui para o reduto Barra- Rio Vermelho. Eu acredito que é possível também se criar meios alternativos de fazer música na cidade hoje, como os teatros e espaços não tão conhecidos. O que precisamos é ter mais espaço para os trabalhos autorais das bandas que estão despontando. Tenho sentido que o cenário está mais favorável às bandas cover. Isso não é ruim, pois as releituras são sempre muito bem vindas. Mas há tanta música boa na cidade e no mundo que o novo deveria ser mais experimentado. 

SRP – Com certeza! Para finalizar, e já te abusando, quais bandas você indica para a gente escutar? Pode ser daqui de Salvador ou gringa! 

CL - Gosto de muita gente. Tive que peneirar... mas enfim. Tenho escutado muita coisa ao mesmo tempo...é como eu disse, um mix de elementos... na minha playlist tenho a Pat Benatar (estou escutando a discografia dela esses últimos tempos), os álbuns mais recentes dos Chili Peppers (“I’m With you”) e do Korn (“The Path of Totality”)... um por estar carregado em elementos novos e que desafiaram o trabalho da banda ao longo dos anos, sendo uma grata surpresa e o outro por ter ousado em mesclar NU metal e Dubstep e o novo álbum do Aerosmith (“Music From Another Dimension”) que eu achei muito bacana e bem equilibrado. E não posso deixar de indicar duas cantoras: Rebeca Matta que tem um trabalho muito bom e que gosto de escutar sempre que possível e Azam Ali, que não é muito conhecida no país, mas tem um trabalho vocal muito bom. 

SRP – Carol, muito obrigado pela entrevista. Foi um bate papo muito bom, descontraído, inteligente e enriquecedor. O portal Soterorockpolitano estará sempre aberto para você e a Kansu Project, assim como para a Chá de Pensamento também! 

CL – Valeu e parabéns a você e aos rapazes pelo site. Muito bacana contar com iniciativas como essa para desnudar ideias e compartilhar impressões.

Popular Posts

Resenha: Revista Ozadia, número zero.

Sou um apreciador recente de quadrinhos, e já há algum tempo venho acompanhando o que vem sendo feito de bom neste ramo e fico salivando por novidades dos meus autores preferidos. Ao mesmo tempo que, assim como no rock, é muito bom saber que há uma movimentação local na produção de HQ’s e que essas produções saem de mãos talentosas e possuidoras de uma liberdade criativa que se iguala à música que aprecio. A mais recente novidade é a edição de número zero da revista Ozadia, que é uma compilação de cinco histórias eróticas escritas pelas mãos de sete quadrinistas e roteiristas daqui da Bahia. Lançada com o apoio do selo Quadro a Quadro e ganhando popularidade a cada dia que passa, a revista tem dois aspectos importantes para ser lida mais de uma vez: uma ótima fluência no seu texto e traços inspiradíssimos de seus desenhos. De Ricardo Cidade e Alex Lins, “Especimen” abre a Ozadia com uma ótima ficção cientifica pornográfica, onde a heroína sai em busca de coleta de amostras de um

As 10 Caras do Rock Baiano - Com a Banda Vômitos, "Punk Rock pra mendigo!"

O Portal Soterorockpolitano foi buscar na cidade de Barreiras os entrevistados da oitava entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano”, são eles o guitarrista Rick Rodriguez e o vocalista Tito Blasphemer, da banda Vômitos. Nessa entrevista eles falam sobre as condições da cena da sua cidade e do esforço para mante-la ativa, suas influências e a inspiração para as suas letras, além da repercussão do clipe da música “Facada”, que já chegou a mais de 3.000 visualizações no Youtube. Então, ajeite-se na sua cadeira e fique ligado para não tomar uma facada no bucho. Soterorockpolitano - Como e quando surgiu a banda? Rick Rodriguez - A banda surgiu em 2007, tínhamos um interesse em comum, que era o punk rock, e isso nos motivou a formar a banda na época, começamos tocando músicas dos Ramones, que era nossa banda preferida e logo em seguida começamos a compor, e ter nossas próprias músicas. Tito Blasphemer - Estávamos cansados da cena de nossa cidade, bandas que

Sexto guia de singles de bandas baianas. Por Leonardo Cima.

Mais uma vez o Portal SoteroRock traz a sua lista de singles de bandas e artistas baianos, lançados ao longo desse período pandêmico no qual nos encontramos neste 2020. Para essa ocasião, a diversidade ainda marca uma forte presença nessa seleta. Rock, pop, metal, eletrônico, folk e o grande leque que se abre a partir desses gêneros vão aparecer para você aqui enquanto faz a sua leitura. Então, abra a sua mente, saiba um pouco sobre cada um dos trabalhos citados aqui, siga cada um nas redes sociais (se possível, é claro!) e, óbvio, escute as canções!! Se você acha que faltou algum artista/banda aqui nessa matéria, mande uma mensagem inbox pelo nosso perfil do Instagram, que iremos escutar! Midorii Kido - Sou o que Sou Para quem acha que o rock já se esgotou em termos de abraçar minorias e até mesmo acredita que é conservador, este primeiro single da drag queen Midorii Kido é um tapa na face daqueles que professam dessa maneira contra o gênero. Sou o que Sou é um rock forte,