Série “As DEZ Caras do Rock Baiano” - Com Caroline Lima, (Voz na Chá de Pensamentos), apresentando "Kansu" o seu mais novo projeto!

A série “As 10 Caras do Rock Baiano” traz desta vez Caroline Lima, integrante do projeto experimental de música e arte Kansu Project , duo que conta também com Sérgio da Mata dividindo as composições. Na última quinta feira (28/03/2013), ás 22:30, foi lançado na página da Kansu Project no facebook o remix de “A Little Bit of Me”, seu primeiro single e, nesse ótimo papo descontraído e espontâneo, Caroline nos falou sobre o interessante processo de produção e gravação das músicas da dupla, suas influências e suas impressões sobre a cena local. Então se ajeite em sua cadeira, aproveite a entrevista, dê um curtir na página do grupo e “FEEL FREE”. 

SRP – O que é a Kansu Project, é um duo? E o que sgnifica? 

Caroline Lima - É um duo sim. Sou eu e Sergio da Mata, meu amigo de adolescência. Sobre o significado... foi a junção dos nomes de personagens de livros que escrevemos em 2002, também é o nome de uma província da China e o nome deriva desse idioma...alguns traduzem como "orquídea"...uma ideia de sofisticação. 

SRP – Quais são as influências musicais da Kansu Project? 

CL - Buscamos referências em bandas que escutamos na adolescência como Red Hot Chili Peppers (funky Mettal), Korn (Nu Metal), Pat Benatar, elementos eletrônicos, a exemplo das bandas Lacrimosa e Combichrist e da música pop. Basicamente, misturamos elementos do rock com ritmos eletrônicos e a essência da pop music. Há muito de música árabe e celta no restante do trabalho e nosso experimentalismo vem dessa proposta de misturar sem receio de ousar, pois são universos que fascinam a gente e acabam funcionando bem. Uma vez, uma pessoa que acompanha nosso trabalho nos disse que era preciso ter a mente aberta para entender Kansu Project e sentir-se livre. A ideia é bem essa: deixar-se envolver pela proposta experimental e sentir os pequenos e grandiosos elementos que foram impressos em nós ao longo do tempo nas composições. 

SRP – Muito bom, eu percebi algumas dessas referencias que você citou. Como elementos de “Breaking The Girl” do Red Hot Chilli Peppers e esse lance da musica celta e árabe também é bem evidente, esses elementos com a vertente eletrônica me fez lembrar em alguns momentos de "Mysterious Way" do U2. 

CL - Análises assim são sempre importantes! Ter esse feedback nos faz refletir sobre o que é produzido. E eu te falei que é tudo feito na nuvem? 

SRP – É mesmo? Interessante! Como funciona o processo de composição, produção e gravação neste formato? 

CL - Nós temos os equipamentos em cada polo: ele (Sergio da Mata) em São Paulo, onde grava as bases e mixa a voz usando um Macbook air e eu aqui com um Behringer condensador... componho as melodias vocais, faço as letras e gravo a voz com as bases enviadas via dropbox e skydrive...depois devolvo o material via os mesmos acessos da nuvem (web). Ele mixa e me manda o produto final. 

SRP – Muito interessante mesmo. É bom saber que há alguém fazendo isso em Salvador e é algo moderno, tem bem a ver com a atmosfera da canção de vocês! 

CL - É mesmo! É um processo diferente... 

SRP - E virão mais músicas? 

CL - É isso... a proposta de ousar...na verdade nem foi intencional...acabou soando tão diferente de tudo que relembramos muito do que o Sergio e eu compomos na adolescência. Desde os 17 anos a gente escrevia e cantava juntos... sem violão nem nada...orando para um dia musicar! 

SRP - É também aquela velha história da bagagem musical, não é? Na hora que vai colocar em prática, aparece um monte de elementos! 

CL - É sim!!! Muito! E tudo pulsa até que um dia você dá vazão! 

SRP - E como foi o start ou o restart para esse projeto? 

CL - Foi agora em janeiro... eu tenho muitas composições que escrevi ao longo dos anos e esse ano ele veio de viagem de Sampa e chegou aqui em casa com um Ipad...depois de compor uma música em 3 minutos, gravar e ter um resultado muito bacana, resolvemos retomar o que parecia um desejo distante no tempo. Só em janeiro gravamos e recriamos mais de 6 composições! 

SRP - Qual a possibilidade de haver uma apresentação de vocês, uma vez que há um integrante morando em São Paulo?? 

CL - Sim. Estamos realmente nos dispondo a colocar nosso projeto em prática. Temos começado a nos articular já com a intenção de planejar apresentações futuras. Depois dos lançamentos futuros, a exemplo do segundo single, é algo que podemos começar a materializar. 

SRP - E como você enxerga a cena rocker local atualmente, as bandas e os espaços lhe agradam? 

CL - Gosto das bandas que estão tocando e se reinventando ao longo do tempo na cidade. Já toquei no cenário underground e depois fui para o reduto Barra- Rio Vermelho. Eu acredito que é possível também se criar meios alternativos de fazer música na cidade hoje, como os teatros e espaços não tão conhecidos. O que precisamos é ter mais espaço para os trabalhos autorais das bandas que estão despontando. Tenho sentido que o cenário está mais favorável às bandas cover. Isso não é ruim, pois as releituras são sempre muito bem vindas. Mas há tanta música boa na cidade e no mundo que o novo deveria ser mais experimentado. 

SRP – Com certeza! Para finalizar, e já te abusando, quais bandas você indica para a gente escutar? Pode ser daqui de Salvador ou gringa! 

CL - Gosto de muita gente. Tive que peneirar... mas enfim. Tenho escutado muita coisa ao mesmo tempo...é como eu disse, um mix de elementos... na minha playlist tenho a Pat Benatar (estou escutando a discografia dela esses últimos tempos), os álbuns mais recentes dos Chili Peppers (“I’m With you”) e do Korn (“The Path of Totality”)... um por estar carregado em elementos novos e que desafiaram o trabalho da banda ao longo dos anos, sendo uma grata surpresa e o outro por ter ousado em mesclar NU metal e Dubstep e o novo álbum do Aerosmith (“Music From Another Dimension”) que eu achei muito bacana e bem equilibrado. E não posso deixar de indicar duas cantoras: Rebeca Matta que tem um trabalho muito bom e que gosto de escutar sempre que possível e Azam Ali, que não é muito conhecida no país, mas tem um trabalho vocal muito bom. 

SRP – Carol, muito obrigado pela entrevista. Foi um bate papo muito bom, descontraído, inteligente e enriquecedor. O portal Soterorockpolitano estará sempre aberto para você e a Kansu Project, assim como para a Chá de Pensamento também! 

CL – Valeu e parabéns a você e aos rapazes pelo site. Muito bacana contar com iniciativas como essa para desnudar ideias e compartilhar impressões.
Share:

Online

Bandas

32 Dentes 4 Discos de Rock Baiano 4ª Ligação A Flauta Vértebra Aborígines Acanon Ádamas Almas Mortas Amor Cianeto André dias André L. R. Mendes Anelis Assumpção Antiporcos Apanhador Só Aphorism Aqui tem Rock Baiano Aurata Awaking Baiana System Bauhaus Bilic Black Sabbath Blessed in Fire Blue in the Face Boogarins Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes Buster Calafrio Callangazoo Carburados Rock Motor Cardoso Filho Carne Doce Cartel Strip Club Cascadura Casillero Céu Charles Bukowski Charlie Chaplin Chuva Negra Cidadão Instigado Circo de Marvin Circo Litoral Cólera Curumin Dão David Bowie Declinium Derrube o Muro Desafio Urbano Desrroche Destaques dez caras do rock Documentário Downloads Du Txai e Os Indizíveis Duda Spínola Enio Entrevistas Erasy Eric Assmar Espúria Eva Karize Exoesqueleto Far From Alaska Festival Festival Soterorock Filipe Catto Free?Gobar Fresno Fridha Funcionaface Game Over Riverside Giovani Cidreira HAO Heavy Lero Hellbenders Ifá Incubadora Sonora Ingrena Invena Inventura Irmão Carlos Ironbound Jack Doido Jackeds Jadsa Castro Jardim do Silêncio Jato Invisível Kalmia Kazagastão KZG Lançamentos Latromodem Leandro Pessoa Lee Ranaldo Limbo Lírio Lívia Nery Lo Han Locomotiva Mad Monkees Madame Rivera Mais uma Cara do Rock Baiano MAPA Marcia Castro Maria Bacana Maus Elementos Messias Metá Metá Modus Operandi Mopho Motherfucker Mulheres Q Dizem Sim Murilo Sá Nalini Vasconcelos Neurática Not Names Novelta O Quadro O Terno Old Stove Olhos Para o Infinito Órbita Móbile Organoclorados Os Canalhas Os Elefantes Elegantes Os Jonsóns Os Tios Overfuzz Ozzmond palco do rock Pancreas Pastel de Miolos Paul McCartney Pesadelo Pio Lobato Pirombeira Pitty Portal Pós-punk Prime Squad Programas Quadrinhos Quartabê Radioca Raimundo Sodré Rattle Resenha de discos Resenha do cd Resenhas Reverendo T Reverento T Rincon Sapiencia Rivermann Rock Rock Baiano Rock Baiano em Alta Rock de camaçari Ronco Scambo Show Shows Shows. Cascadura Siba Singles Soft Porn Som do Som Sons que Ecoam Soterorock Squadro Subaquático Super Amarelo Surrmenage Tangente Teenage Buzz Tentrio Test The Baggios The Cross The Honkers The Pivos Theatro de Seraphin Thrunda Titãs Tony Lopes Tsunami Universo Variante Úteros em Fúria Vamoz! Van der Vous Vende-$e Vivendo do Ócio Wado Wander Wildner Weise Wry

Matérias

Antigas

Mais Populares

Resenhas