Pular para o conteúdo principal

Série “As DEZ Caras do Rock Baiano” - Com Caroline Lima, (Voz na Chá de Pensamentos), apresentando "Kansu" o seu mais novo projeto!

A série “As 10 Caras do Rock Baiano” traz desta vez Caroline Lima, integrante do projeto experimental de música e arte Kansu Project , duo que conta também com Sérgio da Mata dividindo as composições. Na última quinta feira (28/03/2013), ás 22:30, foi lançado na página da Kansu Project no facebook o remix de “A Little Bit of Me”, seu primeiro single e, nesse ótimo papo descontraído e espontâneo, Caroline nos falou sobre o interessante processo de produção e gravação das músicas da dupla, suas influências e suas impressões sobre a cena local. Então se ajeite em sua cadeira, aproveite a entrevista, dê um curtir na página do grupo e “FEEL FREE”. 

SRP – O que é a Kansu Project, é um duo? E o que sgnifica? 

Caroline Lima - É um duo sim. Sou eu e Sergio da Mata, meu amigo de adolescência. Sobre o significado... foi a junção dos nomes de personagens de livros que escrevemos em 2002, também é o nome de uma província da China e o nome deriva desse idioma...alguns traduzem como "orquídea"...uma ideia de sofisticação. 

SRP – Quais são as influências musicais da Kansu Project? 

CL - Buscamos referências em bandas que escutamos na adolescência como Red Hot Chili Peppers (funky Mettal), Korn (Nu Metal), Pat Benatar, elementos eletrônicos, a exemplo das bandas Lacrimosa e Combichrist e da música pop. Basicamente, misturamos elementos do rock com ritmos eletrônicos e a essência da pop music. Há muito de música árabe e celta no restante do trabalho e nosso experimentalismo vem dessa proposta de misturar sem receio de ousar, pois são universos que fascinam a gente e acabam funcionando bem. Uma vez, uma pessoa que acompanha nosso trabalho nos disse que era preciso ter a mente aberta para entender Kansu Project e sentir-se livre. A ideia é bem essa: deixar-se envolver pela proposta experimental e sentir os pequenos e grandiosos elementos que foram impressos em nós ao longo do tempo nas composições. 

SRP – Muito bom, eu percebi algumas dessas referencias que você citou. Como elementos de “Breaking The Girl” do Red Hot Chilli Peppers e esse lance da musica celta e árabe também é bem evidente, esses elementos com a vertente eletrônica me fez lembrar em alguns momentos de "Mysterious Way" do U2. 

CL - Análises assim são sempre importantes! Ter esse feedback nos faz refletir sobre o que é produzido. E eu te falei que é tudo feito na nuvem? 

SRP – É mesmo? Interessante! Como funciona o processo de composição, produção e gravação neste formato? 

CL - Nós temos os equipamentos em cada polo: ele (Sergio da Mata) em São Paulo, onde grava as bases e mixa a voz usando um Macbook air e eu aqui com um Behringer condensador... componho as melodias vocais, faço as letras e gravo a voz com as bases enviadas via dropbox e skydrive...depois devolvo o material via os mesmos acessos da nuvem (web). Ele mixa e me manda o produto final. 

SRP – Muito interessante mesmo. É bom saber que há alguém fazendo isso em Salvador e é algo moderno, tem bem a ver com a atmosfera da canção de vocês! 

CL - É mesmo! É um processo diferente... 

SRP - E virão mais músicas? 

CL - É isso... a proposta de ousar...na verdade nem foi intencional...acabou soando tão diferente de tudo que relembramos muito do que o Sergio e eu compomos na adolescência. Desde os 17 anos a gente escrevia e cantava juntos... sem violão nem nada...orando para um dia musicar! 

SRP - É também aquela velha história da bagagem musical, não é? Na hora que vai colocar em prática, aparece um monte de elementos! 

CL - É sim!!! Muito! E tudo pulsa até que um dia você dá vazão! 

SRP - E como foi o start ou o restart para esse projeto? 

CL - Foi agora em janeiro... eu tenho muitas composições que escrevi ao longo dos anos e esse ano ele veio de viagem de Sampa e chegou aqui em casa com um Ipad...depois de compor uma música em 3 minutos, gravar e ter um resultado muito bacana, resolvemos retomar o que parecia um desejo distante no tempo. Só em janeiro gravamos e recriamos mais de 6 composições! 

SRP - Qual a possibilidade de haver uma apresentação de vocês, uma vez que há um integrante morando em São Paulo?? 

CL - Sim. Estamos realmente nos dispondo a colocar nosso projeto em prática. Temos começado a nos articular já com a intenção de planejar apresentações futuras. Depois dos lançamentos futuros, a exemplo do segundo single, é algo que podemos começar a materializar. 

SRP - E como você enxerga a cena rocker local atualmente, as bandas e os espaços lhe agradam? 

CL - Gosto das bandas que estão tocando e se reinventando ao longo do tempo na cidade. Já toquei no cenário underground e depois fui para o reduto Barra- Rio Vermelho. Eu acredito que é possível também se criar meios alternativos de fazer música na cidade hoje, como os teatros e espaços não tão conhecidos. O que precisamos é ter mais espaço para os trabalhos autorais das bandas que estão despontando. Tenho sentido que o cenário está mais favorável às bandas cover. Isso não é ruim, pois as releituras são sempre muito bem vindas. Mas há tanta música boa na cidade e no mundo que o novo deveria ser mais experimentado. 

SRP – Com certeza! Para finalizar, e já te abusando, quais bandas você indica para a gente escutar? Pode ser daqui de Salvador ou gringa! 

CL - Gosto de muita gente. Tive que peneirar... mas enfim. Tenho escutado muita coisa ao mesmo tempo...é como eu disse, um mix de elementos... na minha playlist tenho a Pat Benatar (estou escutando a discografia dela esses últimos tempos), os álbuns mais recentes dos Chili Peppers (“I’m With you”) e do Korn (“The Path of Totality”)... um por estar carregado em elementos novos e que desafiaram o trabalho da banda ao longo dos anos, sendo uma grata surpresa e o outro por ter ousado em mesclar NU metal e Dubstep e o novo álbum do Aerosmith (“Music From Another Dimension”) que eu achei muito bacana e bem equilibrado. E não posso deixar de indicar duas cantoras: Rebeca Matta que tem um trabalho muito bom e que gosto de escutar sempre que possível e Azam Ali, que não é muito conhecida no país, mas tem um trabalho vocal muito bom. 

SRP – Carol, muito obrigado pela entrevista. Foi um bate papo muito bom, descontraído, inteligente e enriquecedor. O portal Soterorockpolitano estará sempre aberto para você e a Kansu Project, assim como para a Chá de Pensamento também! 

CL – Valeu e parabéns a você e aos rapazes pelo site. Muito bacana contar com iniciativas como essa para desnudar ideias e compartilhar impressões.

Popular Posts

"Carnaval, carnaval, carnaval / Fico tão triste quando chega o carnaval" Por Sérgio Moraes

Com uma sonoridade ímpar desde os idos de 1985, a Banda Organoclorados (Alagoinhas-Bahia), Lançou seu mais recente vídeo “No Carnaval a Gente Esquece”. Você pode ouvir nas plataformas de vídeo espalhadas pela web ou aqui!  O vídeo faz um paralelo visual da vida cotidiana, euforia e desespero se misturando na obscuridade dos dias turbulentos que vivemos. Misturando imagens de alegria (num simples passeio pela calçadão das ruas com a banda) e desilusões diárias (Coquetel Molotov e afins). A sonoridade blues-Rock da canção é bem vinda, pois, a participação especial de Lucas Costa na gaita harmônica abrilhanta ainda mais as imagens e a sonoridade de “No Carnaval a Gente Esquece”. Veja e tire suas próprias conclusões deste belo vídeo, letra e composição dos cinco caras!   Organoclorados é: Alan Gustavo - guitarra; André G - baixo; Artur W - guitarra e voz; Joir Rocha - bateria; Roger Silva - teclados. Título: Trecho da letra de Luiz Melodia “Quando o Carnaval Cheg

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava

Resenha: Revista Ozadia, número zero.

Sou um apreciador recente de quadrinhos, e já há algum tempo venho acompanhando o que vem sendo feito de bom neste ramo e fico salivando por novidades dos meus autores preferidos. Ao mesmo tempo que, assim como no rock, é muito bom saber que há uma movimentação local na produção de HQ’s e que essas produções saem de mãos talentosas e possuidoras de uma liberdade criativa que se iguala à música que aprecio. A mais recente novidade é a edição de número zero da revista Ozadia, que é uma compilação de cinco histórias eróticas escritas pelas mãos de sete quadrinistas e roteiristas daqui da Bahia. Lançada com o apoio do selo Quadro a Quadro e ganhando popularidade a cada dia que passa, a revista tem dois aspectos importantes para ser lida mais de uma vez: uma ótima fluência no seu texto e traços inspiradíssimos de seus desenhos. De Ricardo Cidade e Alex Lins, “Especimen” abre a Ozadia com uma ótima ficção cientifica pornográfica, onde a heroína sai em busca de coleta de amostras de um