Pular para o conteúdo principal

lollapalooza -2013 | Show do Flaming Lips - Ponto de Vista


Meio foda! Mas tenho que assumir que o "foda" que eu falei foi no sentido bom! Assim foi como eu acho que boa parte da galera que ja ouviu muitos trabalhos do Flaming Lips enxergou o show ontem, dia 29/03, no Lollapalooza Brasil.

Show que deu o que falar e gerou uma resenha gigantesca entre nós do Soterorockpolitano para tentar entender porque Wayne Coyne (vocalista do grupo) trouxe para o brasil um show tão intimista como o de ontem.

Eu, particularmente, conheço o Lips antes mesmo deles trazerem bolas coloridas ao palco, e pra quem já viu coisas antigas deles, sabe que eles não se prendem a estética de apenas um disco como foi o "Yoshimi battles the pink robots", mas eles conquistaram muitos fãs e mídia nessa estética e isso pesou um pouco nessa passagem no brasil.

O show iniciou as 18:30 e de inicio já trouxe sua peculiaridade: Wayne estava estranhamente cabeado e com um bebê (obviamente de brinquedo) e que durante "ao que foi possível ver do show" (explicarei as aspas mais adiante), não ficou claro pra que servia a presença do bebê. Porem devo considerar que a produção do palco é boa demais. Se era pra soar esquisito convenceu! E convenceu bem! Com fumaças e luzes exageradas em azul, e com luzes passeando pelos cabos que estavam presos a Wayne, em alguns momentos a imagem do palco ficou incrível.

Em se tratando do Flaming Lips já era de se esperar.

Mas ai o show começa a ficar massivo, logo de inicio. Com momentos interessantes como em "The W.A.N.D." e em "Silver Trembling Hands". Mas foi logo durante as 5 primeiras musicas, uma delas a nova "The Terror" que o tedio tomou conta do espectador.

Pra completar, veio a trollada musical do ano: (vamos explicar aquelas aspas que eu falei antes)

Sabemos que as empresas visam o seu bem estar, mas a Multishow ontem escancarou de vez. O Show do Flaming Lips estava realmente parado, isso ninguém nega! Wayne soltou piadas sem graças sobre queda de avião, sobre o bebê estar dormindo durante o show e ficou boa parte do show chamando o publico na base do "c'mon, c'mon" e até arriscou um "C'mon Motherfuckers" mas ai o que a Multishow faz? muda a transmissão para o show do DJ Marky!! (que diga-se de passagem, não fez feio, pois ate um Bizarre Love Triangle do New Order rolou no show dele). E depois de umas 5 ou 6 musicas, o que a Multishow faz? Volta para o show do Flaming Lips!!!!

Coincidentemente ou não, no momento em que eles começaram a tocar Hits como "Yoshimi battles the pink robot" e "Do You realize?"!!!

O mais foda foi o cara da Multishow tentando explicar que a manobra utilizada foi para mostrar que a Multishow é democrática e gosta de mostrar todos os palcos. (não colou né? pra mim também não!), pois eles devem ter sido exaustivamente xingados por aqueles que estavam gravando no seu aparelho de tv por assinatura, ou por aquela turma que já estava planejando compartilhar o arquivo do show na internet.

A ultima musica do show foi boa, boa mesmo! Mas a merda ja tinha sido feita!

Deu a impressão de que o Flaming Lips jogou num festival um setlist de Turnê Própria! As pessoas que vem de outros estados do Brasil, para ver esses artistas no Rio ou em São Paulo, esperam ver hits. O show não precisa ser punk ou agitado, mas as musicas principais daquela banda merecem ser tocadas. O Lips podia se dedicar a "Bad Days" ou "She Don't Use Jelly", mas nem chegou perto disso. Saiu do palco com uma sensação de "Já foi tarde!". Não desmerecendo a banda. Muito boa por sinal. Mas deixaram o questionamento: Será que depois dessa eles voltam para o Brasil?

Por John-John

Popular Posts

O melhor do que eu não escrevi no Portal Soterorock em 2018. Por Leo Cima.

Neste ano de 2018 o Portal Soterorock resolveu tirar alguns dias de folga. Algo próximo a trezentos e sessenta e cinco dias, quase um ano, é verdade. Porém, é fato que, depois de dez anos cobrindo a cena roqueira local, com textos ou podcasts, sem incentivo financeiro algum, o site decidiu que seria o momento certo para dar um tempinho nas atividades daqui, para priorizar e atender a outras demandas não menos importantes. Mas, mesmo distante das publicações, nos mantivemos atentos ao movimento do cenário, observando quem se manteve atuante, seja em estúdio, ou nos palcos.
Muita coisa aconteceu este ano na cena rocker da Bahia, desde discos lançados até uma boa frequência regular de shows na capital baiana, mesmo com um número cada vez menor de casas que recebe o gênero por aqui. E é esse segundo item que ganhará destaque aqui nesta matéria, em uma outra oportunidade falarei sobres os lançamentos baianos de 2018, vamos com calma. O fato é que, fazendo visitas a eventos, seja como um pag…

“As Dez Caras do Rock Baiano” com Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute)

Chegando ao final da sua primeira fase, a série “As Dez Caras do Rock Baiano” traz em sua quinta entrevista uma das grandes personalidades já presente na cena local há muitos anos: o vocalista da The Honkers, Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute, como preferir). Nessa conversa, que foi uma das mais longas e intrigantes dessa série e realizada na época da volta da banda aos palcos soteropolitanos, Rodrigo falou sobre o que chama a sua atenção no cenário, o cuidado que um artista têm que tomar com a sua própria arte, como a quantidade de informação influencia no jeito raso de ser do novo roqueiro e sobre as intenções para o futuro da The Honkers, além de se mostrar como um autor de livros de auto ajuda em potencial. Você já sabe, se ajeite com firmeza na cadeira e embarque nessa entrevista dessa grande figura do rock da Bahia. 
SRP - Como foi ficar um ano longe da The Honkers? 

Rodrigo Chagas - Zorra... Normal, hehe. Cansei na sétima música. 

SRP – O que achou do retorno da The Honkers aos pa…

Discoteca Básica Soterorock Apresenta: Entre 4 Paredes

Dando continuidade na nossa maratona especial da quarta edição do Soterorock Sessions, aqui vai mais uma postagem da série Discoteca Básica Soterorock Apresenta. Dessa vez, trazendo mais uma atração do nosso evento, a banda Entre 4 Paredes. Com diversas influências musicais, que vão do pop rock, até o post punk, passando pelo rock nacional e o gótico, o sexteto traz para essa matéria bons sons que merecem uma audição mais atenta e, junto a eles, as suas relações com cada um desses discos. Pegue carona nas dicas do grupo e deguste cada segundo musical dessa lista!
David Vertigo (tecladista)
Suicide - Suicide


O disco que inventou o cyberpunk antes dele existir. O trabalho de estreia homônino da dupla Suicide (Alan Vega nos vocais e Martin Rev no sintetizador) mostra da forma mais crua possível o que bandas de Industrial, EBM e afins só exibiriam décadas mais tarde:  niilismo, subversão, falta de esperança, ódio, inconformismo... Com timbres minimalistas, baterias repetitivas, vocais nonse…