Pular para o conteúdo principal

lollapalooza -2013 | Show do Flaming Lips - Ponto de Vista


Meio foda! Mas tenho que assumir que o "foda" que eu falei foi no sentido bom! Assim foi como eu acho que boa parte da galera que ja ouviu muitos trabalhos do Flaming Lips enxergou o show ontem, dia 29/03, no Lollapalooza Brasil.

Show que deu o que falar e gerou uma resenha gigantesca entre nós do Soterorockpolitano para tentar entender porque Wayne Coyne (vocalista do grupo) trouxe para o brasil um show tão intimista como o de ontem.

Eu, particularmente, conheço o Lips antes mesmo deles trazerem bolas coloridas ao palco, e pra quem já viu coisas antigas deles, sabe que eles não se prendem a estética de apenas um disco como foi o "Yoshimi battles the pink robots", mas eles conquistaram muitos fãs e mídia nessa estética e isso pesou um pouco nessa passagem no brasil.

O show iniciou as 18:30 e de inicio já trouxe sua peculiaridade: Wayne estava estranhamente cabeado e com um bebê (obviamente de brinquedo) e que durante "ao que foi possível ver do show" (explicarei as aspas mais adiante), não ficou claro pra que servia a presença do bebê. Porem devo considerar que a produção do palco é boa demais. Se era pra soar esquisito convenceu! E convenceu bem! Com fumaças e luzes exageradas em azul, e com luzes passeando pelos cabos que estavam presos a Wayne, em alguns momentos a imagem do palco ficou incrível.

Em se tratando do Flaming Lips já era de se esperar.

Mas ai o show começa a ficar massivo, logo de inicio. Com momentos interessantes como em "The W.A.N.D." e em "Silver Trembling Hands". Mas foi logo durante as 5 primeiras musicas, uma delas a nova "The Terror" que o tedio tomou conta do espectador.

Pra completar, veio a trollada musical do ano: (vamos explicar aquelas aspas que eu falei antes)

Sabemos que as empresas visam o seu bem estar, mas a Multishow ontem escancarou de vez. O Show do Flaming Lips estava realmente parado, isso ninguém nega! Wayne soltou piadas sem graças sobre queda de avião, sobre o bebê estar dormindo durante o show e ficou boa parte do show chamando o publico na base do "c'mon, c'mon" e até arriscou um "C'mon Motherfuckers" mas ai o que a Multishow faz? muda a transmissão para o show do DJ Marky!! (que diga-se de passagem, não fez feio, pois ate um Bizarre Love Triangle do New Order rolou no show dele). E depois de umas 5 ou 6 musicas, o que a Multishow faz? Volta para o show do Flaming Lips!!!!

Coincidentemente ou não, no momento em que eles começaram a tocar Hits como "Yoshimi battles the pink robot" e "Do You realize?"!!!

O mais foda foi o cara da Multishow tentando explicar que a manobra utilizada foi para mostrar que a Multishow é democrática e gosta de mostrar todos os palcos. (não colou né? pra mim também não!), pois eles devem ter sido exaustivamente xingados por aqueles que estavam gravando no seu aparelho de tv por assinatura, ou por aquela turma que já estava planejando compartilhar o arquivo do show na internet.

A ultima musica do show foi boa, boa mesmo! Mas a merda ja tinha sido feita!

Deu a impressão de que o Flaming Lips jogou num festival um setlist de Turnê Própria! As pessoas que vem de outros estados do Brasil, para ver esses artistas no Rio ou em São Paulo, esperam ver hits. O show não precisa ser punk ou agitado, mas as musicas principais daquela banda merecem ser tocadas. O Lips podia se dedicar a "Bad Days" ou "She Don't Use Jelly", mas nem chegou perto disso. Saiu do palco com uma sensação de "Já foi tarde!". Não desmerecendo a banda. Muito boa por sinal. Mas deixaram o questionamento: Será que depois dessa eles voltam para o Brasil?

Por John-John

Popular Posts

Tem muito som no tabuleiro do rock aqui na Bahia. Por Leonardo Cima.

Depois do nosso hiato no ano de 2018, retomamos às nossas atividades aqui no site em 2019. É bem verdade que escrevemos menos do que esperávamos e pretendíamos, porém continuamos observando o que acontecia na cena ao longo desses doze meses que se passaram. Bastante som foi lançado, várias propostas sonoras diferentes ganharam a luz do dia e mantiveram esse ano como os seus antecessores: agitado em volume e em alta qualidade de produção.
Teve banda/artista apostando em single, ou fazendo as suas primeiras investidas solo, projetos musicais saindo do papel, banda lançando novidade depois de muito tempo sem disponibilizar um novo trabalho, ou seja, uma considerável quantidade de impulsos motivadores levaram à todas essas novidades da cena rocker da Bahia.
Então, resolvi fazer essas micro resenhas para compensar a minha baixa frequência por aqui pelo site no ano que passou e para fazer justiça com esses lançamentos, trazendo alguns títulos nessa matéria. Mas, frisando, essa não é uma lista…

"Carnaval, carnaval, carnaval / Fico tão triste quando chega o carnaval" Por Sérgio Moraes

Com uma sonoridade ímpar desde os idos de 1985, a Banda Organoclorados (Alagoinhas-Bahia), Lançou seu mais recente vídeo “No Carnaval a Gente Esquece”. Você pode ouvir nas plataformas de vídeo espalhadas pela web ou aqui! 



O vídeo faz um paralelo visual da vida cotidiana, euforia e desespero se misturando na obscuridade dos dias turbulentos que vivemos. Misturando imagens de alegria (num simples passeio pela calçadão das ruas com a banda) e desilusões diárias (Coquetel Molotov e afins). A sonoridade blues-Rock da canção é bem vinda, pois, a participação especial de Lucas Costa na gaita harmônica abrilhanta ainda mais as imagens e a sonoridade de “No Carnaval a Gente Esquece”.
Veja e tire suas próprias conclusões deste belo vídeo, letra e composição dos cinco caras!
Organoclorados é: Alan Gustavo - guitarra; André G - baixo; Artur W - guitarra e voz; Joir Rocha - bateria; Roger Silva - teclados.
Título: Trecho da letra de Luiz Melodia “Quando o Carnaval Chegou.”

Discoteca Básica Soterorock Apresenta: Entre 4 Paredes

Dando continuidade na nossa maratona especial da quarta edição do Soterorock Sessions, aqui vai mais uma postagem da série Discoteca Básica Soterorock Apresenta. Dessa vez, trazendo mais uma atração do nosso evento, a banda Entre 4 Paredes. Com diversas influências musicais, que vão do pop rock, até o post punk, passando pelo rock nacional e o gótico, o sexteto traz para essa matéria bons sons que merecem uma audição mais atenta e, junto a eles, as suas relações com cada um desses discos. Pegue carona nas dicas do grupo e deguste cada segundo musical dessa lista!
David Vertigo (tecladista)
Suicide - Suicide


O disco que inventou o cyberpunk antes dele existir. O trabalho de estreia homônino da dupla Suicide (Alan Vega nos vocais e Martin Rev no sintetizador) mostra da forma mais crua possível o que bandas de Industrial, EBM e afins só exibiriam décadas mais tarde:  niilismo, subversão, falta de esperança, ódio, inconformismo... Com timbres minimalistas, baterias repetitivas, vocais nonse…