Pular para o conteúdo principal

"O DIABO É O PAI DO ROCK" JÁ DIZIA RAULZITO



Seremos perseguidos igual aos vampiros nos filmes de ficção/horror? Somos os culpados dos males do mundo? Teremos que nos esconder durante o dia e sair só a noite para se alimentar de ruídos vindos das catacumbas do inferno? Pois bem, veja o absurdo e depois tenha um infarto de tanto rir, mas antes peça perdão a Deus, pois o inferno poderá ser a sua ultima morada!

Evangélicos prometem acabar com o rock até o fim do semestre

Foi realizada na manhã desta terça-feira (8) no município de Andradina, interior de Mato Grosso do Sul, uma mobilização por parte da comunidade evangélica visando coibir na região o estilo musical, segundo eles, ofensivo e pesado demais. Os manifestantes se reuniram em frente à prefeitura para que o movimento fosse reconhecido.
O pastor Evandro, organizador da mobilização, alega que com a coibição do estilo musical na cidade, o índice de violência irá cair. “A maioria dos casos registrados de violência aqui são em shows de rock e nós entendemos que isso não é saudável para os jovens como é, por exemplo, a música gospel”, afirma o pastor.
A proposta é impedir que aconteçam festivais de música na região e gradualmente, segundo Evandro, intimidar que novas bandas surjam. “O rock nunca adicionou nada para essa cidade e faz parte do plano de Cristo que ele não exista mais aqui”, diz o pastor. Uma revolta nas redes sociais aconteceu por conta dessa atitude e cerca de 500 jovens do município estão organizando uma mobilização para mostrar que estilo musical não define caráter. “Tanto o rock como qualquer outro tipo de música representa a cultura de uma região e o que ele que fazer é uma espécie de ditadura”, afirma André Souto, vocalista e guitarrista de uma renomada banda na região.

Popular Posts

Discoteca Básica Soterorock Apresenta: Entre 4 Paredes

Dando continuidade na nossa maratona especial da quarta edição do Soterorock Sessions, aqui vai mais uma postagem da série Discoteca Básica Soterorock Apresenta. Dessa vez, trazendo mais uma atração do nosso evento, a banda Entre 4 Paredes. Com diversas influências musicais, que vão do pop rock, até o post punk, passando pelo rock nacional e o gótico, o sexteto traz para essa matéria bons sons que merecem uma audição mais atenta e, junto a eles, as suas relações com cada um desses discos. Pegue carona nas dicas do grupo e deguste cada segundo musical dessa lista!
David Vertigo (tecladista)
Suicide - Suicide


O disco que inventou o cyberpunk antes dele existir. O trabalho de estreia homônino da dupla Suicide (Alan Vega nos vocais e Martin Rev no sintetizador) mostra da forma mais crua possível o que bandas de Industrial, EBM e afins só exibiriam décadas mais tarde:  niilismo, subversão, falta de esperança, ódio, inconformismo... Com timbres minimalistas, baterias repetitivas, vocais nonse…

Todo dia é dia de rock. Por Leo Cima.

Aconteceu, no final de semana em que se celebrou o dia mundial do rock, o festival Rock Concha 2019. Evento que, neste ano, comemorou trinta anos da sua primeira edição. Houve um hiato de um pouco mais de vinte anos nas suas atividades, porém, há quase uma década, a festa vem acontecendo de maneira assídua a cada ano e já pode ser considerada como certa no calendário cultural da cidade.
Para esta ocasião, a produção do evento apostou em um lineup que propôs fugir de repetir nomes escalados nos anos anteriores, se mantendo atrativo neste sentido e oferecendo ao seu público bandas relevantes na cena nacional e local, com algumas delas há bastante tempo sem vir à Salvador, outras lançando trabalho novo, ou comemorando décadas de estrada. A falta de roadies durante algumas apresentações foi percebida em dois momentos, nos shows da Drearylands e da Alquímea, mas nada que comprometesse o desempenho de ambas no palco!
No sábado, quem abriu o evento foi a Drearylands. Comemorando vinte anos …

As 10 Caras do Rock Baiano” com Paulo Diniz (Banda Weise)

A penúltima entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano” traz Paulo Diniz, vocalista e guitarrista da banda Weise. O grupo está lançando o seu mais novo trabalho, o cd intitulado “Aquele Que Superou o Fim dos Tempos”, e neste papo o entrevistado falou sobre o seu processo de gravação, sobre seus shows e as dinâmicas dos seus instrumentos no palco e também sobre as suas impressões da cena baiana de rock. Para não perder o costume, ajeite-se na cadeira e aproveite o papo com o rapaz. 
SoteroRockPolitano - É o segundo disco de vocês, certo? O que mudou no som da Weise desde o seu primeiro disco até esse último que está sendo lançado?  Paulo Diniz - Na verdade nós lançamos até agora somente EPs, que foi o "Fora do Céu", depois um outro que não tinha nome, e o terceiro que era uma previa de duas músicas do álbum que vamos lançar agora...