Pular para o conteúdo principal

Marcelo Nova lança um novo álbum: 12 Fêmeas

"Não sei fazer música com a alma feminina, não tenho capacidade para isso". Aos 61 anos, Marcelo Nova quer falar sobre o amor e as mulheres. Seu novo disco, "12 Fêmeas", o primeiro de inéditas em oito anos, é tomado por imagens abstratas sobre relacionamentos tortuosos, e canções introspectivas e "heterossexuais", como ele mesmo as definem. Se nas canções permeiam os amores inatingíveis e os sentimentos dúbios, Marcelo Nova, no conforto de sua casa, se mostra feliz, bem humorado e prático: apesar de ter estourado nos anos 80 com a Camisa de Vênus, não tem saco para a nostalgia. Tanto que não resistiu quando, recentemente, um fã entrou em seu camarim e comentou que os sucessos da época tinham sido tocados em versão "diferente". "Eu disse: olha, os anos 80 nada tiveram de excepcional, o que aconteceu é que você envelheceu, provavelmente você não vive de uma maneira tão intensa quanto viveu na época. E você tem saudades. Não são os anos 80 que eram excepcionais, é sua vida hoje que está uma porcaria", lembra. Marcelo repete esse mantra por acreditar que é um melhor compositor hoje, após mais de 30 anos de carreira. Para os ouvidos mais ortodoxos, ele avisa: "mas o novo disco ten a cara do Marcelo Nova. Não queria trocar de vaca, então troquei só de teta. Eu gosto da minha vaquinha. E por essa teta ser tão nova, talvez ela tenha esse frescor (do novo disco)", diz, às gargalhadas. O novo disco, "12 fêmeas", é também um trabalho familiar. Além do retrato na capa, pintado pela sua mulher, Inês, Marcelo trabalha pela primeira vez com o filho Drake, de 20 anos, que toca guitarra e produz o disco ao lado do pai e Luiz De Boni. "Eu já toquei com os maiores guitarristas do Brasil, mas pela primeira vez gravei com um guitarrista que pensa no texto, geralmente eles pensam apenas no andamento, nos riffs, nos solos. O Drake me ajudou muito nessa sutiliza", elogia. A gênese de "12 fêmeas" era ser um trabalho apenas de pai e filho. "Era para ser eu e ele, apenas guitarra e violão, Mas falei um dia: 'põe um órgão aqui pra ver o que acontece'. Aí pronto, o alien começou a surgir. Foi a primeira vez que um trabalho saía do meu controle". Agregou-se ao corpo estranho, músicos que cruzaram com ele, desde um percussionista de um grupo de monge tibetanos, que gravava no mesmo estúdio que ele, a um tocador de fole escocês que encontrou fazendo música dentro de um shopping.

Popular Posts

Discoteca Básica Soterorock Apresenta: Entre 4 Paredes

Dando continuidade na nossa maratona especial da quarta edição do Soterorock Sessions, aqui vai mais uma postagem da série Discoteca Básica Soterorock Apresenta. Dessa vez, trazendo mais uma atração do nosso evento, a banda Entre 4 Paredes. Com diversas influências musicais, que vão do pop rock, até o post punk, passando pelo rock nacional e o gótico, o sexteto traz para essa matéria bons sons que merecem uma audição mais atenta e, junto a eles, as suas relações com cada um desses discos. Pegue carona nas dicas do grupo e deguste cada segundo musical dessa lista!
David Vertigo (tecladista)
Suicide - Suicide


O disco que inventou o cyberpunk antes dele existir. O trabalho de estreia homônino da dupla Suicide (Alan Vega nos vocais e Martin Rev no sintetizador) mostra da forma mais crua possível o que bandas de Industrial, EBM e afins só exibiriam décadas mais tarde:  niilismo, subversão, falta de esperança, ódio, inconformismo... Com timbres minimalistas, baterias repetitivas, vocais nonse…

Todo dia é dia de rock. Por Leo Cima.

Aconteceu, no final de semana em que se celebrou o dia mundial do rock, o festival Rock Concha 2019. Evento que, neste ano, comemorou trinta anos da sua primeira edição. Houve um hiato de um pouco mais de vinte anos nas suas atividades, porém, há quase uma década, a festa vem acontecendo de maneira assídua a cada ano e já pode ser considerada como certa no calendário cultural da cidade.
Para esta ocasião, a produção do evento apostou em um lineup que propôs fugir de repetir nomes escalados nos anos anteriores, se mantendo atrativo neste sentido e oferecendo ao seu público bandas relevantes na cena nacional e local, com algumas delas há bastante tempo sem vir à Salvador, outras lançando trabalho novo, ou comemorando décadas de estrada. A falta de roadies durante algumas apresentações foi percebida em dois momentos, nos shows da Drearylands e da Alquímea, mas nada que comprometesse o desempenho de ambas no palco!
No sábado, quem abriu o evento foi a Drearylands. Comemorando vinte anos …

As 10 Caras do Rock Baiano - Com a Banda Vômitos, "Punk Rock pra mendigo!"

O Portal Soterorockpolitano foi buscar na cidade de Barreiras os entrevistados da oitava entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano”, são eles o guitarrista Rick Rodriguez e o vocalista Tito Blasphemer, da banda Vômitos. Nessa entrevista eles falam sobre as condições da cena da sua cidade e do esforço para mante-la ativa, suas influências e a inspiração para as suas letras, além da repercussão do clipe da música “Facada”, que já chegou a mais de 3.000 visualizações no Youtube. Então, ajeite-se na sua cadeira e fique ligado para não tomar uma facada no bucho.
Soterorockpolitano - Como e quando surgiu a banda? Rick Rodriguez - A banda surgiu em 2007, tínhamos um interesse em comum, que era o punk rock, e isso nos motivou a formar a banda na época, começamos tocando músicas dos Ramones, que era nossa banda preferida e logo em seguida começamos a compor, e ter nossas próprias músicas. Tito Blasphemer - Estávamos cansados da cena de nossa cidade, bandas que tocavam apenas covers de banda…