Pular para o conteúdo principal

Marcelo Nova lança um novo álbum: 12 Fêmeas

"Não sei fazer música com a alma feminina, não tenho capacidade para isso". Aos 61 anos, Marcelo Nova quer falar sobre o amor e as mulheres. Seu novo disco, "12 Fêmeas", o primeiro de inéditas em oito anos, é tomado por imagens abstratas sobre relacionamentos tortuosos, e canções introspectivas e "heterossexuais", como ele mesmo as definem. Se nas canções permeiam os amores inatingíveis e os sentimentos dúbios, Marcelo Nova, no conforto de sua casa, se mostra feliz, bem humorado e prático: apesar de ter estourado nos anos 80 com a Camisa de Vênus, não tem saco para a nostalgia. Tanto que não resistiu quando, recentemente, um fã entrou em seu camarim e comentou que os sucessos da época tinham sido tocados em versão "diferente". "Eu disse: olha, os anos 80 nada tiveram de excepcional, o que aconteceu é que você envelheceu, provavelmente você não vive de uma maneira tão intensa quanto viveu na época. E você tem saudades. Não são os anos 80 que eram excepcionais, é sua vida hoje que está uma porcaria", lembra. Marcelo repete esse mantra por acreditar que é um melhor compositor hoje, após mais de 30 anos de carreira. Para os ouvidos mais ortodoxos, ele avisa: "mas o novo disco ten a cara do Marcelo Nova. Não queria trocar de vaca, então troquei só de teta. Eu gosto da minha vaquinha. E por essa teta ser tão nova, talvez ela tenha esse frescor (do novo disco)", diz, às gargalhadas. O novo disco, "12 fêmeas", é também um trabalho familiar. Além do retrato na capa, pintado pela sua mulher, Inês, Marcelo trabalha pela primeira vez com o filho Drake, de 20 anos, que toca guitarra e produz o disco ao lado do pai e Luiz De Boni. "Eu já toquei com os maiores guitarristas do Brasil, mas pela primeira vez gravei com um guitarrista que pensa no texto, geralmente eles pensam apenas no andamento, nos riffs, nos solos. O Drake me ajudou muito nessa sutiliza", elogia. A gênese de "12 fêmeas" era ser um trabalho apenas de pai e filho. "Era para ser eu e ele, apenas guitarra e violão, Mas falei um dia: 'põe um órgão aqui pra ver o que acontece'. Aí pronto, o alien começou a surgir. Foi a primeira vez que um trabalho saía do meu controle". Agregou-se ao corpo estranho, músicos que cruzaram com ele, desde um percussionista de um grupo de monge tibetanos, que gravava no mesmo estúdio que ele, a um tocador de fole escocês que encontrou fazendo música dentro de um shopping.

Popular Posts

O melhor do que eu não escrevi no Portal Soterorock em 2018. Por Leo Cima.

Neste ano de 2018 o Portal Soterorock resolveu tirar alguns dias de folga. Algo próximo a trezentos e sessenta e cinco dias, quase um ano, é verdade. Porém, é fato que, depois de dez anos cobrindo a cena roqueira local, com textos ou podcasts, sem incentivo financeiro algum, o site decidiu que seria o momento certo para dar um tempinho nas atividades daqui, para priorizar e atender a outras demandas não menos importantes. Mas, mesmo distante das publicações, nos mantivemos atentos ao movimento do cenário, observando quem se manteve atuante, seja em estúdio, ou nos palcos.
Muita coisa aconteceu este ano na cena rocker da Bahia, desde discos lançados até uma boa frequência regular de shows na capital baiana, mesmo com um número cada vez menor de casas que recebe o gênero por aqui. E é esse segundo item que ganhará destaque aqui nesta matéria, em uma outra oportunidade falarei sobres os lançamentos baianos de 2018, vamos com calma. O fato é que, fazendo visitas a eventos, seja como um pag…

Série “As DEZ Caras do Rock Baiano” - Com Caroline Lima, (Voz na Chá de Pensamentos), apresentando "Kansu" o seu mais novo projeto!

A série “As 10 Caras do Rock Baiano” traz desta vez Caroline Lima, integrante do projeto experimental de música e arte Kansu Project , duo que conta também com Sérgio da Mata dividindo as composições. Na última quinta feira (28/03/2013), ás 22:30, foi lançado na página da Kansu Project no facebook o remix de “A Little Bit of Me”, seu primeiro single e, nesse ótimo papo descontraído e espontâneo, Caroline nos falou sobre o interessante processo de produção e gravação das músicas da dupla, suas influências e suas impressões sobre a cena local. Então se ajeite em sua cadeira, aproveite a entrevista, dê um curtir na página do grupo e “FEEL FREE”. 
SRP – O que é a Kansu Project, é um duo? E o que sgnifica? 
Caroline Lima - É um duo sim. Sou eu e Sergio da Mata, meu amigo de adolescência. Sobre o significado... foi a junção dos nomes de personagens de livros que escrevemos em 2002, também é o nome de uma província da China e o nome deriva desse idioma...alguns traduzem como "orquídea&quo…

“As Dez Caras do Rock Baiano” com Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute)

Chegando ao final da sua primeira fase, a série “As Dez Caras do Rock Baiano” traz em sua quinta entrevista uma das grandes personalidades já presente na cena local há muitos anos: o vocalista da The Honkers, Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute, como preferir). Nessa conversa, que foi uma das mais longas e intrigantes dessa série e realizada na época da volta da banda aos palcos soteropolitanos, Rodrigo falou sobre o que chama a sua atenção no cenário, o cuidado que um artista têm que tomar com a sua própria arte, como a quantidade de informação influencia no jeito raso de ser do novo roqueiro e sobre as intenções para o futuro da The Honkers, além de se mostrar como um autor de livros de auto ajuda em potencial. Você já sabe, se ajeite com firmeza na cadeira e embarque nessa entrevista dessa grande figura do rock da Bahia. 
SRP - Como foi ficar um ano longe da The Honkers? 

Rodrigo Chagas - Zorra... Normal, hehe. Cansei na sétima música. 

SRP – O que achou do retorno da The Honkers aos pa…