Pular para o conteúdo principal

MAGDALENE - THIS DANCE BANDA DE FEIRA DE SANTANA

 
Banda: Magdalene and the Rock and Roll Explosion

Origem: Feira de Santana\Bahia

Gênero: Hard Rock\Grunge\Punk

Formação:

Poliana Santiago - Vocals
Pv Santos - Guitar
Moysés Martins - Bass
Elder - Drums

Histórico
A ideia da banda surgiu da iniciativa de um casal com objetivo de desenvolver as canções em estúdio.
Composta por Magdalene (Vocal), Paul Stone (Guitarra), Moyses Martins (Baixo) e Maicon Charles (Bateria). A digitaltv apresenta Magdalene and the Rock and Roll Explosion!

Extraído do Bahia Rock Machine
Release:
O rock and roll chegou ao século XXI completando cinco décadas de existência e dando indícios de certo desgaste, depois de tanto expandir sua fórmula básica. Do progressivo ao punk, do art-rock ao heavy metal, do hard rock ao grunge, voltar às raízes parecia o único antídoto ou a saída remanescente quando nada mais restava para se inventar. A geração dos 90's já retratava o aborrecimento, como se àquela altura o rock houvesse perdido o senso de diversão e se afogado num mar de apatia. Porém, nos anos que se seguiram, a necessidade de suprimir as tendências suicidas não demorou a falar mais alto. Era chegado o momento de virar o jogo, de recuperar os clichês vitais. Em outras palavras, era a vez do revival. É de se supor que as exigências maiores do público entusiasta do revival sejam diferentes daquela procura habitual pelo novo.
Em primeiro lugar, a qualquer um de nós é impossível ler/ouvir o nome Magdalene and the Rock and Roll Explosion e não associá-lo imediatamente a tudo que remete à essência do estilo. O grupo busca inspiração no Dna primordial do Rock com influências que vão desde Chuck Berry a hellacopters, passando por Bob Dylan, Rock setentista e até mesmos bandas atuais que fazem o chamado "retrô moderno...Assim temos rock and roll puro e elevado à enésima potência.
(Por: Ana Clara)
  • Categoria

  • Licença

    Licença padrão do YouTube


Popular Posts

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava

"Carnaval, carnaval, carnaval / Fico tão triste quando chega o carnaval" Por Sérgio Moraes

Com uma sonoridade ímpar desde os idos de 1985, a Banda Organoclorados (Alagoinhas-Bahia), Lançou seu mais recente vídeo “No Carnaval a Gente Esquece”. Você pode ouvir nas plataformas de vídeo espalhadas pela web ou aqui!  O vídeo faz um paralelo visual da vida cotidiana, euforia e desespero se misturando na obscuridade dos dias turbulentos que vivemos. Misturando imagens de alegria (num simples passeio pela calçadão das ruas com a banda) e desilusões diárias (Coquetel Molotov e afins). A sonoridade blues-Rock da canção é bem vinda, pois, a participação especial de Lucas Costa na gaita harmônica abrilhanta ainda mais as imagens e a sonoridade de “No Carnaval a Gente Esquece”. Veja e tire suas próprias conclusões deste belo vídeo, letra e composição dos cinco caras!   Organoclorados é: Alan Gustavo - guitarra; André G - baixo; Artur W - guitarra e voz; Joir Rocha - bateria; Roger Silva - teclados. Título: Trecho da letra de Luiz Melodia “Quando o Carnaval Cheg

Como na profundidade do cosmo. Por Leonardo cima.

Bem no começo desse ano, em janeiro, antes de toda essa agonia que nos encontramos, de pandemia e quarentena, a banda soteropolitana Vernal lançou o seu mais recente trabalho, Epicteto. Essa ressalva inicial do período desse lançamento se faz presente pelo fato de trazer uma recordação recente, de se botar na praça algo novo e poder circular livremente por aí pelas gigs e se esbarrar com os seus autores em um palco tocando as suas canções. Digo isso de maneira geral, até. As produções da cena continuaram e continuam em meio a quarentena, mas esse sabor de presenciar as coisas de perto já começa a pesar, de certa maneira, e visitar esse disco da Vernal também é visitar esse período de cerca de dois meses e meio, ou três (quase!), de liberdade sem restrições que ainda gozávamos. Olhando mais para dentro desse momento, o trio estava vivendo uma boa projeção na cena, com boa frequência de shows e aparição em canais de comunicação alternativa, alguns deles em seus passos iniciai