Pular para o conteúdo principal

Resenha: “Amor Atlântico”, de André L. R. Mendes.

Foto por João Smith
Desde os tempos como frontman do Maria Bacana, André L. R. Mendes já chamava a atenção com o seu talento de cantor e compositor no cenário local e o seu terceiro disco solo conserva esta condição, mas em um nível mais elevado e maduro ao que se apresentava na época de sua antiga banda. Com uma produção sempre muito cuidadosa de Jorge Solovera, “Amor Atlântico” é um disco de dez canções curtas ao violão e com texturas requintadas, de caráter intimista e com um tom de melancolia que remete a um final de tarde sentindo o cheiro da chuva leve ao lado de quem se ama. 

 O disco se difere dos anteriores por conta de um clima mais calmo, chegando a lembrar artistas como Bon Iver e Elliott Smith, ou até mesmo como o Billy Corgan na fase “Adore”, mas sem os aparatos eletrônicos. Logo se percebe essa característica da obra em sua primeira música, “As Velhas Ondas”, que é uma bela paisagem musical à beira da praia. O amor é um tema presente em quase todas as faixas, como por exemplo em “Sim, Deixa Fluir”, “Tempo de se Jogar”, “Lobo Só” e “Amor Atlântico”, essa última à capela. 

A nostalgia também encontrou espaço em “Só Lembro”, enquanto “Casa Amarelo Ouro” mereceria estar em uma sequencia final de um bom filme da Sofia Coppola. “Tchau Jornal” mostra o lado político de André, onde ele chama a atenção para como a mídia pode manipular ou esconder a verdade, sugerindo ao ouvinte que não acredite em tudo o que se lê. “Amor
Capa do Álbum 
Atlântico” é um bom disco e merece a atenção dos amantes do rock e daqueles que gostam de boa musica, de canções cuidadosas e bem elaboradas. 

André L. R. Mendes não dá as costas para o seu passado musical e, além do “Amor Atlântico”, disponibiliza todo o trabalho de sua carreira (para download) no seu site e promete lançar um trabalho novo a cada ano, sempre no dia do seu aniversário. É uma postura interessante e inédita para o cenário, que a cada 15 de julho terá uma boa novidade musical a ser celebrada. Ouça e deixe fluir!!!!!!!!



Veja o Vídeo: 

Resenha por Léo Cima
Criticas, sugestões de pautas e assuntos ligadas a música escreva: rotaalternativa@soterorockpolitano.com

Popular Posts

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava

Como na profundidade do cosmo. Por Leonardo cima.

Bem no começo desse ano, em janeiro, antes de toda essa agonia que nos encontramos, de pandemia e quarentena, a banda soteropolitana Vernal lançou o seu mais recente trabalho, Epicteto. Essa ressalva inicial do período desse lançamento se faz presente pelo fato de trazer uma recordação recente, de se botar na praça algo novo e poder circular livremente por aí pelas gigs e se esbarrar com os seus autores em um palco tocando as suas canções. Digo isso de maneira geral, até. As produções da cena continuaram e continuam em meio a quarentena, mas esse sabor de presenciar as coisas de perto já começa a pesar, de certa maneira, e visitar esse disco da Vernal também é visitar esse período de cerca de dois meses e meio, ou três (quase!), de liberdade sem restrições que ainda gozávamos. Olhando mais para dentro desse momento, o trio estava vivendo uma boa projeção na cena, com boa frequência de shows e aparição em canais de comunicação alternativa, alguns deles em seus passos iniciai

Sexto guia de singles de bandas baianas. Por Leonardo Cima.

Mais uma vez o Portal SoteroRock traz a sua lista de singles de bandas e artistas baianos, lançados ao longo desse período pandêmico no qual nos encontramos neste 2020. Para essa ocasião, a diversidade ainda marca uma forte presença nessa seleta. Rock, pop, metal, eletrônico, folk e o grande leque que se abre a partir desses gêneros vão aparecer para você aqui enquanto faz a sua leitura. Então, abra a sua mente, saiba um pouco sobre cada um dos trabalhos citados aqui, siga cada um nas redes sociais (se possível, é claro!) e, óbvio, escute as canções!! Se você acha que faltou algum artista/banda aqui nessa matéria, mande uma mensagem inbox pelo nosso perfil do Instagram, que iremos escutar! Midorii Kido - Sou o que Sou Para quem acha que o rock já se esgotou em termos de abraçar minorias e até mesmo acredita que é conservador, este primeiro single da drag queen Midorii Kido é um tapa na face daqueles que professam dessa maneira contra o gênero. Sou o que Sou é um rock forte,