Pular para o conteúdo principal

Decadentes ou construtores?

Música New Wave, Hip Hop, drogas, pichações e insegurança fazem parte do universo usados no Filme: "Warriors, Selvagens da Noite" do diretor Walter Hill, para apresentar as mais exóticas gangues de rua da cidade de Nova York e todo movimento pós-Hippie da época.

O filme apesar de "Cult"  e de ter influenciado boa parte das pessoas que viveram sua adolescência nos anos 80, muitas vezes nos da a sensação de estar dentro do jogo Street of Rage (Game famoso do mega drive que mostra uma realidade bem parecida) em seu excesso de falhas no visual exagerado dos personagens da película, como por exemplo os "Punks", (não tão punks quanto os conhecemos), andam de patins pelo metro ou ainda, os "Panteras Negras", vestidos de coletes lilás.

Warriors teve influência direta na formação das gangues do movimento punk no final dos anos 70 e começo dos anos 80, quando São Paulo (Maior expoente do movimento punk no Brasil) mostrou toda a sede que a juventude tinha de mudar o cenário musical ao qual eram oprimidos. A rivalidade foi aumentada na época por conta justamente da formação de gangues, o que diminuiu a possibilidade de melhores resultados do movimento. O leitor pode ver isso no documentário "Botinada - A historia do Punk no Brasil" de Gastão Moreira. Se revirarmos as videotecas, veremos a música influenciada pelas movimentações cinematográficas desde o principio em seus aspectos estéticos e até mesmo sonoros! Veja ou reveja os filmes indicados nos links e boa diversão. facebook
  

Popular Posts

Discoteca Básica Soterorock Apresenta: Entre 4 Paredes

Dando continuidade na nossa maratona especial da quarta edição do Soterorock Sessions, aqui vai mais uma postagem da série Discoteca Básica Soterorock Apresenta. Dessa vez, trazendo mais uma atração do nosso evento, a banda Entre 4 Paredes. Com diversas influências musicais, que vão do pop rock, até o post punk, passando pelo rock nacional e o gótico, o sexteto traz para essa matéria bons sons que merecem uma audição mais atenta e, junto a eles, as suas relações com cada um desses discos. Pegue carona nas dicas do grupo e deguste cada segundo musical dessa lista!
David Vertigo (tecladista)
Suicide - Suicide


O disco que inventou o cyberpunk antes dele existir. O trabalho de estreia homônino da dupla Suicide (Alan Vega nos vocais e Martin Rev no sintetizador) mostra da forma mais crua possível o que bandas de Industrial, EBM e afins só exibiriam décadas mais tarde:  niilismo, subversão, falta de esperança, ódio, inconformismo... Com timbres minimalistas, baterias repetitivas, vocais nonse…

Todo dia é dia de rock. Por Leo Cima.

Aconteceu, no final de semana em que se celebrou o dia mundial do rock, o festival Rock Concha 2019. Evento que, neste ano, comemorou trinta anos da sua primeira edição. Houve um hiato de um pouco mais de vinte anos nas suas atividades, porém, há quase uma década, a festa vem acontecendo de maneira assídua a cada ano e já pode ser considerada como certa no calendário cultural da cidade.
Para esta ocasião, a produção do evento apostou em um lineup que propôs fugir de repetir nomes escalados nos anos anteriores, se mantendo atrativo neste sentido e oferecendo ao seu público bandas relevantes na cena nacional e local, com algumas delas há bastante tempo sem vir à Salvador, outras lançando trabalho novo, ou comemorando décadas de estrada. A falta de roadies durante algumas apresentações foi percebida em dois momentos, nos shows da Drearylands e da Alquímea, mas nada que comprometesse o desempenho de ambas no palco!
No sábado, quem abriu o evento foi a Drearylands. Comemorando vinte anos …

As 10 Caras do Rock Baiano” com Paulo Diniz (Banda Weise)

A penúltima entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano” traz Paulo Diniz, vocalista e guitarrista da banda Weise. O grupo está lançando o seu mais novo trabalho, o cd intitulado “Aquele Que Superou o Fim dos Tempos”, e neste papo o entrevistado falou sobre o seu processo de gravação, sobre seus shows e as dinâmicas dos seus instrumentos no palco e também sobre as suas impressões da cena baiana de rock. Para não perder o costume, ajeite-se na cadeira e aproveite o papo com o rapaz. 
SoteroRockPolitano - É o segundo disco de vocês, certo? O que mudou no som da Weise desde o seu primeiro disco até esse último que está sendo lançado?  Paulo Diniz - Na verdade nós lançamos até agora somente EPs, que foi o "Fora do Céu", depois um outro que não tinha nome, e o terceiro que era uma previa de duas músicas do álbum que vamos lançar agora...