Pular para o conteúdo principal

Decadentes ou construtores?

Música New Wave, Hip Hop, drogas, pichações e insegurança fazem parte do universo usados no Filme: "Warriors, Selvagens da Noite" do diretor Walter Hill, para apresentar as mais exóticas gangues de rua da cidade de Nova York e todo movimento pós-Hippie da época.

O filme apesar de "Cult"  e de ter influenciado boa parte das pessoas que viveram sua adolescência nos anos 80, muitas vezes nos da a sensação de estar dentro do jogo Street of Rage (Game famoso do mega drive que mostra uma realidade bem parecida) em seu excesso de falhas no visual exagerado dos personagens da película, como por exemplo os "Punks", (não tão punks quanto os conhecemos), andam de patins pelo metro ou ainda, os "Panteras Negras", vestidos de coletes lilás.

Warriors teve influência direta na formação das gangues do movimento punk no final dos anos 70 e começo dos anos 80, quando São Paulo (Maior expoente do movimento punk no Brasil) mostrou toda a sede que a juventude tinha de mudar o cenário musical ao qual eram oprimidos. A rivalidade foi aumentada na época por conta justamente da formação de gangues, o que diminuiu a possibilidade de melhores resultados do movimento. O leitor pode ver isso no documentário "Botinada - A historia do Punk no Brasil" de Gastão Moreira. Se revirarmos as videotecas, veremos a música influenciada pelas movimentações cinematográficas desde o principio em seus aspectos estéticos e até mesmo sonoros! Veja ou reveja os filmes indicados nos links e boa diversão. facebook
  

Popular Posts

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava

Sexto guia de singles de bandas baianas. Por Leonardo Cima.

Mais uma vez o Portal SoteroRock traz a sua lista de singles de bandas e artistas baianos, lançados ao longo desse período pandêmico no qual nos encontramos neste 2020. Para essa ocasião, a diversidade ainda marca uma forte presença nessa seleta. Rock, pop, metal, eletrônico, folk e o grande leque que se abre a partir desses gêneros vão aparecer para você aqui enquanto faz a sua leitura. Então, abra a sua mente, saiba um pouco sobre cada um dos trabalhos citados aqui, siga cada um nas redes sociais (se possível, é claro!) e, óbvio, escute as canções!! Se você acha que faltou algum artista/banda aqui nessa matéria, mande uma mensagem inbox pelo nosso perfil do Instagram, que iremos escutar! Midorii Kido - Sou o que Sou Para quem acha que o rock já se esgotou em termos de abraçar minorias e até mesmo acredita que é conservador, este primeiro single da drag queen Midorii Kido é um tapa na face daqueles que professam dessa maneira contra o gênero. Sou o que Sou é um rock forte,

O garage noir da The Futchers. Por Leonardo Cima.

Nesses últimos dois meses, o selo SoteroRec teve a honra e a felicidade de lançar na sua série Retro Rocks, os trabalhos de uma das bandas mais interessantes que a cena local já teve e que, infelizmente, não teve uma projeção devidamente extensa. Capitaneada por Rodrigo "Sputter" Chagas (vocal da The Honkers), a The Futchers foi a sua banda paralela idealizada e montada por ele próprio no final do ano de 2006. A propósito, o nome Futchers vem inspirado da dislexia do compositor britânico Billy Childish, que escreve as palavras da mesma maneira que as fala. Ele, ao lado de mais quatro integrantes, também de bandas locais da época, começaram os ensaios com uma proposta sonora voltada mais para o mood e o garage rock, se distanciando um pouco dos seus respectivos trabalhos nos grupos anteriores. Relembrando um pouco daquele período e como observador, esse "peso" de não ter que se repetir musicalmente recaía um pouco mais sobre Rodrigo. Não que houvesse isso