Pular para o conteúdo principal

Resenha: “Eu Não Quero Ser o Que Você Quer”, tributo à Pastel de Miolos

Um tributo a alguma banda, ou a algum artista, costuma cair sempre no lugar comum. Tende-se a privilegiar um estilo musical específico e a contemplar um determinado público, acabando por afastar novos ouvidos e levar ao ouvinte uma sensação de deja vú e até mesmo, dependendo da expectativa, à uma certa frustração. Não é o caso de “Eu Não Quero Ser o Que Você Quer”, a homenagem à banda baiana Pastel de Miolos.
Comemorando 18 anos de estrada, a PDM ganhou esse presente que contém nada mais e nada menos do que 34 bandas e artistas daqui e de fora do Estado, e que é uma verdadeira mistura de estilos musicais que enriquecem a obra. Essa diversidade é um aspecto interessante e que oferece um “cala a boca” para aqueles que insistem em afirmar que o cenário local está estagnado e sem mentes criativas.
São 15 bandas baianas, 14 bandas de outros estados e 5 gringas. A maioria delas interpretando as canções da forma como enxergam o mundo pela sua música, sem deixar que elas percam a sua essência. O tributo traz a versão atmosférica e surreal do Reverendo T & Os Discípulos Descrentes para a música “Mensagem Subliminar”, a new rock da Vivendo do Ócio para “Tapa na Cara”, a versão folk irlandesa de Sociedade Sem Hino para “Opressão”, “Ser Humano” com roupagem pós-punk do O Melda, a linguagem excêntrica de Vandex para “Corpos” e a versão pop-doce-singela-firme de Laura Dantas para a faixa-título.
Há também a roupagem groovada para “Não Se Engane” feita pela Tronica, a versão eletrônica competentíssima e cheia de batidas do DJ Mauro Telefunksoul junto com o Robson Véio para “Ilusões”, a guitarra falando alto em “Indústria da Seca” com o Evandro Lisboa, a pegada grunge da Pessoas Invisíveis para “Castelos de Areia” e o soul rico em arranjos do Irmão Carlos & o Catado para “Brincadeira do Burguês”. O punk e o hard core também estão presentes com a Norfist em “PDM”, com a Thundra em “Ciranda”, com a Jason em “Hora de Lutar, com a Leptospirose em “Ted, Sk8, Hardcore” e com a argentina Estamos En Eso em “Da Escravidão ao Salário Mínimo”. Mais pesado ainda vieram a Agressivos com a sua versão grindcore para “Mentiras do Lar” e a Desgraciado com sua versão trash de “É de Macedo”. Tem tudo o que é tipo de som para todos os gostos.

O Tony Lopes foi muito feliz em ter idealizado esse projeto, tudo começou de forma despretensiosa e culminou nessa ótima compilação cheia de sons diversos e com uma bela festa de lançamento em uma noite bombada e calorenta daqui de Salvador. Essa é uma homenagem merecida à Pastel de Miolos e é, realmente, um tributo diferente e interessante de se escutar.

Por Léo Cima

Popular Posts

Resenha: Revista Ozadia, número zero.

Sou um apreciador recente de quadrinhos, e já há algum tempo venho acompanhando o que vem sendo feito de bom neste ramo e fico salivando por novidades dos meus autores preferidos. Ao mesmo tempo que, assim como no rock, é muito bom saber que há uma movimentação local na produção de HQ’s e que essas produções saem de mãos talentosas e possuidoras de uma liberdade criativa que se iguala à música que aprecio. A mais recente novidade é a edição de número zero da revista Ozadia, que é uma compilação de cinco histórias eróticas escritas pelas mãos de sete quadrinistas e roteiristas daqui da Bahia. Lançada com o apoio do selo Quadro a Quadro e ganhando popularidade a cada dia que passa, a revista tem dois aspectos importantes para ser lida mais de uma vez: uma ótima fluência no seu texto e traços inspiradíssimos de seus desenhos. De Ricardo Cidade e Alex Lins, “Especimen” abre a Ozadia com uma ótima ficção cientifica pornográfica, onde a heroína sai em busca de coleta de amostras de um

As 10 Caras do Rock Baiano - Com a Banda Vômitos, "Punk Rock pra mendigo!"

O Portal Soterorockpolitano foi buscar na cidade de Barreiras os entrevistados da oitava entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano”, são eles o guitarrista Rick Rodriguez e o vocalista Tito Blasphemer, da banda Vômitos. Nessa entrevista eles falam sobre as condições da cena da sua cidade e do esforço para mante-la ativa, suas influências e a inspiração para as suas letras, além da repercussão do clipe da música “Facada”, que já chegou a mais de 3.000 visualizações no Youtube. Então, ajeite-se na sua cadeira e fique ligado para não tomar uma facada no bucho. Soterorockpolitano - Como e quando surgiu a banda? Rick Rodriguez - A banda surgiu em 2007, tínhamos um interesse em comum, que era o punk rock, e isso nos motivou a formar a banda na época, começamos tocando músicas dos Ramones, que era nossa banda preferida e logo em seguida começamos a compor, e ter nossas próprias músicas. Tito Blasphemer - Estávamos cansados da cena de nossa cidade, bandas que

4 Discos de Rock Baiano, a compilação das cinco publicações. Por Leonardo Cima.

Movidos pelo resgate da memória da cena independente da Bahia, no qual o selo SoteroRec tem feito com o Retro Rocks desde o inicio deste ano  e por todas as ações que o cenário também tem feito nesse sentido, decidimos trazer uma compilação especial do nosso site para você que nos acompanha.  Em 2017, o Portal Soterorock fez uma série de matérias que destacava alguns dos principais discos de rock lançados na Bahia ao longo dos anos. Essa série se chamava "4 Discos de Rock Baiano" e como o nome sugere, quatro discos eram referenciados nas matérias.  Foram ao todo cinco publicações com bandas/artistas de gerações distintas reunidas nesta coletânea.  Você vai encontrar aqui pontuações sobre as obras e o mais importante: o registro público sobre elas, para que possam ser revisitadas e referenciadas ao longo dos anos. Passar em branco é que não pode! O aspecto positivo de se visitar essas postagens é a de ver que a maioria das bandas e artistas citados nelas ainda estão em ativida