Pular para o conteúdo principal

Nos primeiros minutos do dia! – Show de lançamento do single Sex, Drugs and Music, da Lo Han e com a abertura de Camarones Orquestra Guitarrística.

Mais uma noite de imersão no cenário rocker soteropolitano feito pelo Portal Soterorockpolitano. Novamente o Rio Vermelho era o local do evento que fomos conferir e ele estava movimentado como uma verdadeira noite calorenta de sábado em um janeiro igualmente quente, com muita gente, muita musica que se misturava pelo ar e até muita diversidade artística (cheguei a pensar que um malabares flamejante quase iria me atingir quando estava distraído, mas tudo bem)...

            Ao chegar, o Dubliners Irish Pub já estava preparado para o show de lançamento do primeiro single da banda Lo Han intitulado Sex, Drugs and Music, que ainda contou com a abertura da banda potiguar Camarones Orquestra Guitarrística. Com um rock instrumental forte, competente e bem para frente, a Camarones Orquestra Guitarrística se mostrou bem entrosada, bastante carismática e com uma boa comunicação com a plateia que estava presente. Os rapazes e a moça se divertiram muito no palco e fez muita gente dançar e balançar a cabeça. Com a bateria potente como tem que ser, ótimos riffs de guitarra, teclado e sintetizadores entrando na hora certa e um baixo muito bem executado, a banda de Natal não decepcionou. A receptividade foi tão boa que, após o término do show, eles retornaram ao palco e tocaram mais uma música para atender ao pedido do publico. Deu até vontade de fazer um passeio de buggy com emoção nas dunas de Genipabu ao som deles no headphone. Se você ainda não conhece, visite o site do grupo. 
           
Com as pessoas já aquecidas pela banda de abertura, a Lo Han subiu ao palco para celebrar o lançamento do seu esperado primeiro single, o Sex, Drugs and Music. Produzido pelo guitarrista Álvaro Assmar, a canção é uma prévia do primeiro disco dos rapazes que será lançado no segundo semestre desse ano. A banda começou a sua apresentação de forma inspirada, executando canções com fortes influências do classic rock e já tendo uma boa resposta do público. Os anos de estrada que a Lo Han vem percorrendo no cenário gabaritam à banda a ter o domínio sobre o estilo setentista que a caracteriza, o seu repertório é um prato cheio para admiradores desse estilo e as suas canções próprias não fogem dessa vertente. No seu show, a banda reversou músicas próprias e covers consagrados de bandas clássicas. Dentre as que se destacaram, as autorais Time e Sex, Drugs and Music esquentaram a noite, e os covers de She Said, dos
Beatles, e Highway to Hell, do AC/DC, foram executadas com muita competência. No fim, a banda ainda voltou para tocar a saideira e deixou os fãs de hard rock na expectativa pelo lançamento do seu álbum de estreia. Na mesma noite eles também lançaram o site oficial do grupo que pode ser conferido neste link. www.lohanband.com

            Foi uma noite animada com direito a susto provocado pelo malabares flamejante, a cerveja gelada, a um bom papo sobre o cenário e, ainda, a uma história interessante de um McDia Feliz em um bairro longínquo de Salvador.

Popular Posts

Tem muito som no tabuleiro do rock aqui na Bahia. Por Leonardo Cima.

Depois do nosso hiato no ano de 2018, retomamos às nossas atividades aqui no site em 2019. É bem verdade que escrevemos menos do que esperávamos e pretendíamos, porém continuamos observando o que acontecia na cena ao longo desses doze meses que se passaram. Bastante som foi lançado, várias propostas sonoras diferentes ganharam a luz do dia e mantiveram esse ano como os seus antecessores: agitado em volume e em alta qualidade de produção.
Teve banda/artista apostando em single, ou fazendo as suas primeiras investidas solo, projetos musicais saindo do papel, banda lançando novidade depois de muito tempo sem disponibilizar um novo trabalho, ou seja, uma considerável quantidade de impulsos motivadores levaram à todas essas novidades da cena rocker da Bahia.
Então, resolvi fazer essas micro resenhas para compensar a minha baixa frequência por aqui pelo site no ano que passou e para fazer justiça com esses lançamentos, trazendo alguns títulos nessa matéria. Mas, frisando, essa não é uma lista…

"Carnaval, carnaval, carnaval / Fico tão triste quando chega o carnaval" Por Sérgio Moraes

Com uma sonoridade ímpar desde os idos de 1985, a Banda Organoclorados (Alagoinhas-Bahia), Lançou seu mais recente vídeo “No Carnaval a Gente Esquece”. Você pode ouvir nas plataformas de vídeo espalhadas pela web ou aqui! 



O vídeo faz um paralelo visual da vida cotidiana, euforia e desespero se misturando na obscuridade dos dias turbulentos que vivemos. Misturando imagens de alegria (num simples passeio pela calçadão das ruas com a banda) e desilusões diárias (Coquetel Molotov e afins). A sonoridade blues-Rock da canção é bem vinda, pois, a participação especial de Lucas Costa na gaita harmônica abrilhanta ainda mais as imagens e a sonoridade de “No Carnaval a Gente Esquece”.
Veja e tire suas próprias conclusões deste belo vídeo, letra e composição dos cinco caras!
Organoclorados é: Alan Gustavo - guitarra; André G - baixo; Artur W - guitarra e voz; Joir Rocha - bateria; Roger Silva - teclados.
Título: Trecho da letra de Luiz Melodia “Quando o Carnaval Chegou.”

Discoteca Básica Soterorock Apresenta: Entre 4 Paredes

Dando continuidade na nossa maratona especial da quarta edição do Soterorock Sessions, aqui vai mais uma postagem da série Discoteca Básica Soterorock Apresenta. Dessa vez, trazendo mais uma atração do nosso evento, a banda Entre 4 Paredes. Com diversas influências musicais, que vão do pop rock, até o post punk, passando pelo rock nacional e o gótico, o sexteto traz para essa matéria bons sons que merecem uma audição mais atenta e, junto a eles, as suas relações com cada um desses discos. Pegue carona nas dicas do grupo e deguste cada segundo musical dessa lista!
David Vertigo (tecladista)
Suicide - Suicide


O disco que inventou o cyberpunk antes dele existir. O trabalho de estreia homônino da dupla Suicide (Alan Vega nos vocais e Martin Rev no sintetizador) mostra da forma mais crua possível o que bandas de Industrial, EBM e afins só exibiriam décadas mais tarde:  niilismo, subversão, falta de esperança, ódio, inconformismo... Com timbres minimalistas, baterias repetitivas, vocais nonse…