Pular para o conteúdo principal

Resenha: “Aquele que Superou o Fim dos Tempos”, banda Weise.

Um dia desses, estava eu escutando o primeiro trabalho dos caras da Weise, o EP “Fora do Céu”, e me lembrei do dia em que, ainda enquanto banda, atendemos ao convite dos rapazes para abrirmos o show de lançamento do referido disco. Enquanto a banda tocava, me chamava a atenção o fato do grupo ser intenso e cheio de personalidade, mesmo com a aparente timidez do Paulo Diniz e do Leonardo Freitas naquele momento...
            A partir daquele instante, só me veio em mente torcer para que eles tivessem uma boa trajetória na cena e que suas escolhas musicais não os levassem para o abismo do sumiço e sim, para a maturidade que muitas bandas almejam alcançar. E essa tal maturidade apareceu no finalzinho do ano de 2013, com o álbum “Aquele que Superou o Fim dos Tempos”, que mostra uma Weise mais experiente e com mais referências na sua bagagem.
            A verve grunge do primeiro EP ainda se encontra nas suas canções, mas ela abre espaço para tudo o que os rapazes acumularam das coisas que leram, ouviram e experimentaram ao longo dos anos. O disco já começa belissimamente desconcertante com “É Tarde” mostrando energia texana e uma ótima letra, com uma pegada mais dançante “Falsa Modéstia” consegue manter o ritmo forte e prepara o caminho para a também dançante, mas com pegada folk, ”Entre a Rua e o Para-Brisa” e para a instrumental com cara de jam “Dor Alegre”. “Morpheu Menino” é talvez uma das músicas mais interessantes e intrigantes da obra, nela tem elementos variados como punk, valsa e psicodelismo, todos eles dialogando com facilidade sem perder o equilíbrio. “Desperto” é a veia mais grunge e mais arrastada do disco e é seguida por “Santo Lá”, um rock mais veloz e objetivo. A sequência final do cd, que seguem as canções “Desde o Cordão”, “Sentimento do Mundo”, “Eclipse” e “Dilúvio”, traz uma abordagem mais conceitual e merecedora de uma atenção especial do ouvinte, é como se fosse um final abbeyroadiano com sotaque soteropolitano!
            O tom descompromissado dos vocais nas canções confere boas qualidades que remetem a Pavement e a Raul Seixas, as letras são ótimas e interessantes, a bateria precisa e competente segura bem as mudanças que surgem nas músicas e, a participação do Giovani Cidreira na última faixa embelezou mais o final da obra. Há também a produção cuidadosa do Irmão Carlos, que captou bem o espírito e a proposta da banda e fez um ótimo trabalho. O som dos rapazes de fato amadureceu, ainda há elementos que o tempo não apagou e isso também é bom. “Aquele que Superou o Fim dos Tempos” chega em um bom momento da cena rocker local, uma cena na qual as bandas prezam pela qualidade dos seus trabalhos e pelo cuidado dos eventos que produzem e esse mais recente cd da Weise afirma tal condição vivida por uma boa parte dos grupos que atuam no Estado.

            Com esse disco, Paulo Diniz e seus companheiros seguiram para um caminho bem distante daquele que vai dar no tal abismo e deixou a trilha bem à vista para quem quiser segui-la. Eles foram, fizeram direito e mandaram o seu recado. Como uma boa surpresa dentre os lançamentos de 2013, “Aquele que Superou o Fim dos Tempos” pode colher bons frutos em 2014.

Popular Posts

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava

Sexto guia de singles de bandas baianas. Por Leonardo Cima.

Mais uma vez o Portal SoteroRock traz a sua lista de singles de bandas e artistas baianos, lançados ao longo desse período pandêmico no qual nos encontramos neste 2020. Para essa ocasião, a diversidade ainda marca uma forte presença nessa seleta. Rock, pop, metal, eletrônico, folk e o grande leque que se abre a partir desses gêneros vão aparecer para você aqui enquanto faz a sua leitura. Então, abra a sua mente, saiba um pouco sobre cada um dos trabalhos citados aqui, siga cada um nas redes sociais (se possível, é claro!) e, óbvio, escute as canções!! Se você acha que faltou algum artista/banda aqui nessa matéria, mande uma mensagem inbox pelo nosso perfil do Instagram, que iremos escutar! Midorii Kido - Sou o que Sou Para quem acha que o rock já se esgotou em termos de abraçar minorias e até mesmo acredita que é conservador, este primeiro single da drag queen Midorii Kido é um tapa na face daqueles que professam dessa maneira contra o gênero. Sou o que Sou é um rock forte,

O garage noir da The Futchers. Por Leonardo Cima.

Nesses últimos dois meses, o selo SoteroRec teve a honra e a felicidade de lançar na sua série Retro Rocks, os trabalhos de uma das bandas mais interessantes que a cena local já teve e que, infelizmente, não teve uma projeção devidamente extensa. Capitaneada por Rodrigo "Sputter" Chagas (vocal da The Honkers), a The Futchers foi a sua banda paralela idealizada e montada por ele próprio no final do ano de 2006. A propósito, o nome Futchers vem inspirado da dislexia do compositor britânico Billy Childish, que escreve as palavras da mesma maneira que as fala. Ele, ao lado de mais quatro integrantes, também de bandas locais da época, começaram os ensaios com uma proposta sonora voltada mais para o mood e o garage rock, se distanciando um pouco dos seus respectivos trabalhos nos grupos anteriores. Relembrando um pouco daquele período e como observador, esse "peso" de não ter que se repetir musicalmente recaía um pouco mais sobre Rodrigo. Não que houvesse isso