Resenha: “Aquele que Superou o Fim dos Tempos”, banda Weise.

Um dia desses, estava eu escutando o primeiro trabalho dos caras da Weise, o EP “Fora do Céu”, e me lembrei do dia em que, ainda enquanto banda, atendemos ao convite dos rapazes para abrirmos o show de lançamento do referido disco. Enquanto a banda tocava, me chamava a atenção o fato do grupo ser intenso e cheio de personalidade, mesmo com a aparente timidez do Paulo Diniz e do Leonardo Freitas naquele momento...
            A partir daquele instante, só me veio em mente torcer para que eles tivessem uma boa trajetória na cena e que suas escolhas musicais não os levassem para o abismo do sumiço e sim, para a maturidade que muitas bandas almejam alcançar. E essa tal maturidade apareceu no finalzinho do ano de 2013, com o álbum “Aquele que Superou o Fim dos Tempos”, que mostra uma Weise mais experiente e com mais referências na sua bagagem.
            A verve grunge do primeiro EP ainda se encontra nas suas canções, mas ela abre espaço para tudo o que os rapazes acumularam das coisas que leram, ouviram e experimentaram ao longo dos anos. O disco já começa belissimamente desconcertante com “É Tarde” mostrando energia texana e uma ótima letra, com uma pegada mais dançante “Falsa Modéstia” consegue manter o ritmo forte e prepara o caminho para a também dançante, mas com pegada folk, ”Entre a Rua e o Para-Brisa” e para a instrumental com cara de jam “Dor Alegre”. “Morpheu Menino” é talvez uma das músicas mais interessantes e intrigantes da obra, nela tem elementos variados como punk, valsa e psicodelismo, todos eles dialogando com facilidade sem perder o equilíbrio. “Desperto” é a veia mais grunge e mais arrastada do disco e é seguida por “Santo Lá”, um rock mais veloz e objetivo. A sequência final do cd, que seguem as canções “Desde o Cordão”, “Sentimento do Mundo”, “Eclipse” e “Dilúvio”, traz uma abordagem mais conceitual e merecedora de uma atenção especial do ouvinte, é como se fosse um final abbeyroadiano com sotaque soteropolitano!
            O tom descompromissado dos vocais nas canções confere boas qualidades que remetem a Pavement e a Raul Seixas, as letras são ótimas e interessantes, a bateria precisa e competente segura bem as mudanças que surgem nas músicas e, a participação do Giovani Cidreira na última faixa embelezou mais o final da obra. Há também a produção cuidadosa do Irmão Carlos, que captou bem o espírito e a proposta da banda e fez um ótimo trabalho. O som dos rapazes de fato amadureceu, ainda há elementos que o tempo não apagou e isso também é bom. “Aquele que Superou o Fim dos Tempos” chega em um bom momento da cena rocker local, uma cena na qual as bandas prezam pela qualidade dos seus trabalhos e pelo cuidado dos eventos que produzem e esse mais recente cd da Weise afirma tal condição vivida por uma boa parte dos grupos que atuam no Estado.

            Com esse disco, Paulo Diniz e seus companheiros seguiram para um caminho bem distante daquele que vai dar no tal abismo e deixou a trilha bem à vista para quem quiser segui-la. Eles foram, fizeram direito e mandaram o seu recado. Como uma boa surpresa dentre os lançamentos de 2013, “Aquele que Superou o Fim dos Tempos” pode colher bons frutos em 2014.
Share:

Online

Bandas

32 Dentes 4 Discos de Rock Baiano 4ª Ligação A Flauta Vértebra Aborígines Acanon Ádamas Almas Mortas Amor Cianeto André dias André L. R. Mendes Anelis Assumpção Antiporcos Apanhador Só Aphorism Aqui tem Rock Baiano Aurata Awaking Baiana System Bauhaus Bilic Black Sabbath Blessed in Fire Blue in the Face Boogarins Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes Buster Calafrio Callangazoo Carburados Rock Motor Cardoso Filho Carne Doce Cartel Strip Club Cascadura Casillero Céu Charles Bukowski Charlie Chaplin Chuva Negra Cidadão Instigado Circo de Marvin Circo Litoral Cólera Curumin Dão David Bowie Declinium Derrube o Muro Desafio Urbano Desrroche Destaques dez caras do rock Documentário Downloads Du Txai e Os Indizíveis Duda Spínola Enio Entrevistas Erasy Eric Assmar Espúria Eva Karize Exoesqueleto Far From Alaska Festival Festival Soterorock Filipe Catto Free?Gobar Fresno Fridha Funcionaface Game Over Riverside Giovani Cidreira HAO Heavy Lero Hellbenders Ifá Incubadora Sonora Ingrena Invena Inventura Irmão Carlos Ironbound Jack Doido Jackeds Jadsa Castro Jardim do Silêncio Jato Invisível Kalmia Kazagastão KZG Lançamentos Latromodem Leandro Pessoa Lee Ranaldo Limbo Lírio Lívia Nery Lo Han Locomotiva Mad Monkees Madame Rivera Mais uma Cara do Rock Baiano MAPA Marcia Castro Maria Bacana Maus Elementos Messias Metá Metá Modus Operandi Mopho Motherfucker Mulheres Q Dizem Sim Murilo Sá Nalini Vasconcelos Neurática Not Names Novelta O Quadro O Terno Old Stove Olhos Para o Infinito Órbita Móbile Organoclorados Os Canalhas Os Elefantes Elegantes Os Jonsóns Os Tios Overfuzz Ozzmond palco do rock Pancreas Pastel de Miolos Paul McCartney Pesadelo Pio Lobato Pirombeira Pitty Portal Pós-punk Prime Squad Programas Quadrinhos Quartabê Radioca Raimundo Sodré Rattle Resenha de discos Resenha do cd Resenhas Reverendo T Reverento T Rincon Sapiencia Rivermann Rock Rock Baiano Rock Baiano em Alta Rock de camaçari Ronco Scambo Show Shows Shows. Cascadura Siba Singles Soft Porn Som do Som Sons que Ecoam Soterorock Squadro Subaquático Super Amarelo Surrmenage Tangente Teenage Buzz Tentrio Test The Baggios The Cross The Honkers The Pivos Theatro de Seraphin Thrunda Titãs Tony Lopes Tsunami Universo Variante Úteros em Fúria Vamoz! Van der Vous Vende-$e Vivendo do Ócio Wado Wander Wildner Weise Wry

Matérias

Antigas

Mais Populares