Pular para o conteúdo principal

Resenha: “Aquele que Superou o Fim dos Tempos”, banda Weise.

Um dia desses, estava eu escutando o primeiro trabalho dos caras da Weise, o EP “Fora do Céu”, e me lembrei do dia em que, ainda enquanto banda, atendemos ao convite dos rapazes para abrirmos o show de lançamento do referido disco. Enquanto a banda tocava, me chamava a atenção o fato do grupo ser intenso e cheio de personalidade, mesmo com a aparente timidez do Paulo Diniz e do Leonardo Freitas naquele momento...
            A partir daquele instante, só me veio em mente torcer para que eles tivessem uma boa trajetória na cena e que suas escolhas musicais não os levassem para o abismo do sumiço e sim, para a maturidade que muitas bandas almejam alcançar. E essa tal maturidade apareceu no finalzinho do ano de 2013, com o álbum “Aquele que Superou o Fim dos Tempos”, que mostra uma Weise mais experiente e com mais referências na sua bagagem.
            A verve grunge do primeiro EP ainda se encontra nas suas canções, mas ela abre espaço para tudo o que os rapazes acumularam das coisas que leram, ouviram e experimentaram ao longo dos anos. O disco já começa belissimamente desconcertante com “É Tarde” mostrando energia texana e uma ótima letra, com uma pegada mais dançante “Falsa Modéstia” consegue manter o ritmo forte e prepara o caminho para a também dançante, mas com pegada folk, ”Entre a Rua e o Para-Brisa” e para a instrumental com cara de jam “Dor Alegre”. “Morpheu Menino” é talvez uma das músicas mais interessantes e intrigantes da obra, nela tem elementos variados como punk, valsa e psicodelismo, todos eles dialogando com facilidade sem perder o equilíbrio. “Desperto” é a veia mais grunge e mais arrastada do disco e é seguida por “Santo Lá”, um rock mais veloz e objetivo. A sequência final do cd, que seguem as canções “Desde o Cordão”, “Sentimento do Mundo”, “Eclipse” e “Dilúvio”, traz uma abordagem mais conceitual e merecedora de uma atenção especial do ouvinte, é como se fosse um final abbeyroadiano com sotaque soteropolitano!
            O tom descompromissado dos vocais nas canções confere boas qualidades que remetem a Pavement e a Raul Seixas, as letras são ótimas e interessantes, a bateria precisa e competente segura bem as mudanças que surgem nas músicas e, a participação do Giovani Cidreira na última faixa embelezou mais o final da obra. Há também a produção cuidadosa do Irmão Carlos, que captou bem o espírito e a proposta da banda e fez um ótimo trabalho. O som dos rapazes de fato amadureceu, ainda há elementos que o tempo não apagou e isso também é bom. “Aquele que Superou o Fim dos Tempos” chega em um bom momento da cena rocker local, uma cena na qual as bandas prezam pela qualidade dos seus trabalhos e pelo cuidado dos eventos que produzem e esse mais recente cd da Weise afirma tal condição vivida por uma boa parte dos grupos que atuam no Estado.

            Com esse disco, Paulo Diniz e seus companheiros seguiram para um caminho bem distante daquele que vai dar no tal abismo e deixou a trilha bem à vista para quem quiser segui-la. Eles foram, fizeram direito e mandaram o seu recado. Como uma boa surpresa dentre os lançamentos de 2013, “Aquele que Superou o Fim dos Tempos” pode colher bons frutos em 2014.

Popular Posts

Resenha: Revista Ozadia, número zero.

Sou um apreciador recente de quadrinhos, e já há algum tempo venho acompanhando o que vem sendo feito de bom neste ramo e fico salivando por novidades dos meus autores preferidos. Ao mesmo tempo que, assim como no rock, é muito bom saber que há uma movimentação local na produção de HQ’s e que essas produções saem de mãos talentosas e possuidoras de uma liberdade criativa que se iguala à música que aprecio. A mais recente novidade é a edição de número zero da revista Ozadia, que é uma compilação de cinco histórias eróticas escritas pelas mãos de sete quadrinistas e roteiristas daqui da Bahia. Lançada com o apoio do selo Quadro a Quadro e ganhando popularidade a cada dia que passa, a revista tem dois aspectos importantes para ser lida mais de uma vez: uma ótima fluência no seu texto e traços inspiradíssimos de seus desenhos. De Ricardo Cidade e Alex Lins, “Especimen” abre a Ozadia com uma ótima ficção cientifica pornográfica, onde a heroína sai em busca de coleta de amostras de um

As 10 Caras do Rock Baiano - Com a Banda Vômitos, "Punk Rock pra mendigo!"

O Portal Soterorockpolitano foi buscar na cidade de Barreiras os entrevistados da oitava entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano”, são eles o guitarrista Rick Rodriguez e o vocalista Tito Blasphemer, da banda Vômitos. Nessa entrevista eles falam sobre as condições da cena da sua cidade e do esforço para mante-la ativa, suas influências e a inspiração para as suas letras, além da repercussão do clipe da música “Facada”, que já chegou a mais de 3.000 visualizações no Youtube. Então, ajeite-se na sua cadeira e fique ligado para não tomar uma facada no bucho. Soterorockpolitano - Como e quando surgiu a banda? Rick Rodriguez - A banda surgiu em 2007, tínhamos um interesse em comum, que era o punk rock, e isso nos motivou a formar a banda na época, começamos tocando músicas dos Ramones, que era nossa banda preferida e logo em seguida começamos a compor, e ter nossas próprias músicas. Tito Blasphemer - Estávamos cansados da cena de nossa cidade, bandas que

4 Discos de Rock Baiano, a compilação das cinco publicações. Por Leonardo Cima.

Movidos pelo resgate da memória da cena independente da Bahia, no qual o selo SoteroRec tem feito com o Retro Rocks desde o inicio deste ano  e por todas as ações que o cenário também tem feito nesse sentido, decidimos trazer uma compilação especial do nosso site para você que nos acompanha.  Em 2017, o Portal Soterorock fez uma série de matérias que destacava alguns dos principais discos de rock lançados na Bahia ao longo dos anos. Essa série se chamava "4 Discos de Rock Baiano" e como o nome sugere, quatro discos eram referenciados nas matérias.  Foram ao todo cinco publicações com bandas/artistas de gerações distintas reunidas nesta coletânea.  Você vai encontrar aqui pontuações sobre as obras e o mais importante: o registro público sobre elas, para que possam ser revisitadas e referenciadas ao longo dos anos. Passar em branco é que não pode! O aspecto positivo de se visitar essas postagens é a de ver que a maioria das bandas e artistas citados nelas ainda estão em ativida