Pular para o conteúdo principal

Sanguinho novo 2014 - Cascadura e Falsos Modernos

Banda Cascadura
Cheguei no centro da cidade por volta das cinco horas da tarde, "climinha" “Happy Hour”, acompanhado da minha esposa, (Primeira experiência dela com a banda Cascadura). Paramos no mirante do elevador Lacerda para dar um tempo e apreciar a saudosa Bahia de todos os santos. O sentimento bate forte pela cidade quando você reencontra uma paisagem tão exuberante. Só os olhos e a experiência presencial poderão te fornecer essa informação. Não adianta procurar no google maps (Quando quiser um lugar para contemplar a sua cidade, recomendo!).
O clima neste momento de namoro, era uma previa da boa tarde/noite de domingo que viria vivenciar! A mais pura alegria, vibração, amizade, diversão e muito Rock and Roll “Baiano”, na melhor intenção das aspas.
Neste clima de reencontro é quase impossível não rever os velhos hermanos do rock “daqui”.
Eles, separaram o cantinho de um bar de frente para o palco, que chamei de “camarote”, pois, de lá, pude
Banda Cascadura
ver todo o movimento do “SANGUINHO NOVO 2014”. Praça Pedro Arcanjo lotada, como nos bons dias de festa desta cidade em pleno domingo fim de mês. Neste momento de abraços e apertos de mão, os caras da banda “FALSOS MODERNOS” já passavam o som e mostravam os acordes viscerais que estavam por vir. Uma pausa de alguns 20 minutos, após a passagem do som, os caras retornam ao palco e começam com uma introdução explosiva que acaba contagiando o público logo de inicio. Aproveitando toda aquela “vibe” do público da anfitriã da festa, os caras da Falsos Modernos, mostraram que na Bahia se faz rock profissional a muito tempo, com boa organização de palco, músicas bem cifradas, equipamento e produção. O público prestigiou várias e boas canções de uma banda autoral menos conhecida, mas não menor por isso, pois, mostrou personalidade e esquentou muito bem as caixas de som e a sola dos sapatos dos presentes.
Em seguida, chega o grande momento e o mais aguardado por mim, já que não via o show dos
Banda Falsos Modernos
“CASCADURA”  há uns dois anos. O álbum “Aleluia” soa para mim como um grande marco na carreira dos caras, unindo o velho e bom rock aos nossos sons mais soteropolitanos. E foi nesse ritmo que o show começou, “Soteropolitana” é a música que abre a festa ao coro de muitos fãs. No set list, “Aleluia” e “O rei do olhar”. Uma sequência de várias outras músicas do “ALELUIA” e a mescla com vários outros Hits da carreira dos caras embalaram a festa. Sem brigas, com muitos risos e alegria de quem sabe fazer a festa. Um ótimo projeto que deve ser levado para a frente, “SANGUINHO NOVO 2014” já deixa uma vontade louca no ar de fazer do pelourinho a nossa casa.
Episódios extras:
Ao sair da praça pedro arcanjo nos deparamos com um caruru e música intimista gratuita no pelourinho.
Banda Cascadura
Todo mundo satisfeito depois de comer, fomos procurar um táxi e voltar para as nossas casas. Detalhe, elevador Lacerda fechado as 22 horas da noite de domingo! Os gestores do Turismo de Salvador precisam observar isso. Tivemos que andar na Rua chile a procura de um táxi e quase fomos assaltados. Próxima vez espere um Táxi na saída do pelô, lá tem bastante policiamento.  


  

Popular Posts

Discoteca Básica Soterorock Apresenta: Entre 4 Paredes

Dando continuidade na nossa maratona especial da quarta edição do Soterorock Sessions, aqui vai mais uma postagem da série Discoteca Básica Soterorock Apresenta. Dessa vez, trazendo mais uma atração do nosso evento, a banda Entre 4 Paredes. Com diversas influências musicais, que vão do pop rock, até o post punk, passando pelo rock nacional e o gótico, o sexteto traz para essa matéria bons sons que merecem uma audição mais atenta e, junto a eles, as suas relações com cada um desses discos. Pegue carona nas dicas do grupo e deguste cada segundo musical dessa lista!
David Vertigo (tecladista)
Suicide - Suicide


O disco que inventou o cyberpunk antes dele existir. O trabalho de estreia homônino da dupla Suicide (Alan Vega nos vocais e Martin Rev no sintetizador) mostra da forma mais crua possível o que bandas de Industrial, EBM e afins só exibiriam décadas mais tarde:  niilismo, subversão, falta de esperança, ódio, inconformismo... Com timbres minimalistas, baterias repetitivas, vocais nonse…

Todo dia é dia de rock. Por Leo Cima.

Aconteceu, no final de semana em que se celebrou o dia mundial do rock, o festival Rock Concha 2019. Evento que, neste ano, comemorou trinta anos da sua primeira edição. Houve um hiato de um pouco mais de vinte anos nas suas atividades, porém, há quase uma década, a festa vem acontecendo de maneira assídua a cada ano e já pode ser considerada como certa no calendário cultural da cidade.
Para esta ocasião, a produção do evento apostou em um lineup que propôs fugir de repetir nomes escalados nos anos anteriores, se mantendo atrativo neste sentido e oferecendo ao seu público bandas relevantes na cena nacional e local, com algumas delas há bastante tempo sem vir à Salvador, outras lançando trabalho novo, ou comemorando décadas de estrada. A falta de roadies durante algumas apresentações foi percebida em dois momentos, nos shows da Drearylands e da Alquímea, mas nada que comprometesse o desempenho de ambas no palco!
No sábado, quem abriu o evento foi a Drearylands. Comemorando vinte anos …

As 10 Caras do Rock Baiano” com Paulo Diniz (Banda Weise)

A penúltima entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano” traz Paulo Diniz, vocalista e guitarrista da banda Weise. O grupo está lançando o seu mais novo trabalho, o cd intitulado “Aquele Que Superou o Fim dos Tempos”, e neste papo o entrevistado falou sobre o seu processo de gravação, sobre seus shows e as dinâmicas dos seus instrumentos no palco e também sobre as suas impressões da cena baiana de rock. Para não perder o costume, ajeite-se na cadeira e aproveite o papo com o rapaz. 
SoteroRockPolitano - É o segundo disco de vocês, certo? O que mudou no som da Weise desde o seu primeiro disco até esse último que está sendo lançado?  Paulo Diniz - Na verdade nós lançamos até agora somente EPs, que foi o "Fora do Céu", depois um outro que não tinha nome, e o terceiro que era uma previa de duas músicas do álbum que vamos lançar agora...