Pular para o conteúdo principal

Sanguinho novo 2014 - Cascadura e Falsos Modernos

Banda Cascadura
Cheguei no centro da cidade por volta das cinco horas da tarde, "climinha" “Happy Hour”, acompanhado da minha esposa, (Primeira experiência dela com a banda Cascadura). Paramos no mirante do elevador Lacerda para dar um tempo e apreciar a saudosa Bahia de todos os santos. O sentimento bate forte pela cidade quando você reencontra uma paisagem tão exuberante. Só os olhos e a experiência presencial poderão te fornecer essa informação. Não adianta procurar no google maps (Quando quiser um lugar para contemplar a sua cidade, recomendo!).
O clima neste momento de namoro, era uma previa da boa tarde/noite de domingo que viria vivenciar! A mais pura alegria, vibração, amizade, diversão e muito Rock and Roll “Baiano”, na melhor intenção das aspas.
Neste clima de reencontro é quase impossível não rever os velhos hermanos do rock “daqui”.
Eles, separaram o cantinho de um bar de frente para o palco, que chamei de “camarote”, pois, de lá, pude
Banda Cascadura
ver todo o movimento do “SANGUINHO NOVO 2014”. Praça Pedro Arcanjo lotada, como nos bons dias de festa desta cidade em pleno domingo fim de mês. Neste momento de abraços e apertos de mão, os caras da banda “FALSOS MODERNOS” já passavam o som e mostravam os acordes viscerais que estavam por vir. Uma pausa de alguns 20 minutos, após a passagem do som, os caras retornam ao palco e começam com uma introdução explosiva que acaba contagiando o público logo de inicio. Aproveitando toda aquela “vibe” do público da anfitriã da festa, os caras da Falsos Modernos, mostraram que na Bahia se faz rock profissional a muito tempo, com boa organização de palco, músicas bem cifradas, equipamento e produção. O público prestigiou várias e boas canções de uma banda autoral menos conhecida, mas não menor por isso, pois, mostrou personalidade e esquentou muito bem as caixas de som e a sola dos sapatos dos presentes.
Em seguida, chega o grande momento e o mais aguardado por mim, já que não via o show dos
Banda Falsos Modernos
“CASCADURA”  há uns dois anos. O álbum “Aleluia” soa para mim como um grande marco na carreira dos caras, unindo o velho e bom rock aos nossos sons mais soteropolitanos. E foi nesse ritmo que o show começou, “Soteropolitana” é a música que abre a festa ao coro de muitos fãs. No set list, “Aleluia” e “O rei do olhar”. Uma sequência de várias outras músicas do “ALELUIA” e a mescla com vários outros Hits da carreira dos caras embalaram a festa. Sem brigas, com muitos risos e alegria de quem sabe fazer a festa. Um ótimo projeto que deve ser levado para a frente, “SANGUINHO NOVO 2014” já deixa uma vontade louca no ar de fazer do pelourinho a nossa casa.
Episódios extras:
Ao sair da praça pedro arcanjo nos deparamos com um caruru e música intimista gratuita no pelourinho.
Banda Cascadura
Todo mundo satisfeito depois de comer, fomos procurar um táxi e voltar para as nossas casas. Detalhe, elevador Lacerda fechado as 22 horas da noite de domingo! Os gestores do Turismo de Salvador precisam observar isso. Tivemos que andar na Rua chile a procura de um táxi e quase fomos assaltados. Próxima vez espere um Táxi na saída do pelô, lá tem bastante policiamento.  


  

Popular Posts

Resenha: Revista Ozadia, número zero.

Sou um apreciador recente de quadrinhos, e já há algum tempo venho acompanhando o que vem sendo feito de bom neste ramo e fico salivando por novidades dos meus autores preferidos. Ao mesmo tempo que, assim como no rock, é muito bom saber que há uma movimentação local na produção de HQ’s e que essas produções saem de mãos talentosas e possuidoras de uma liberdade criativa que se iguala à música que aprecio. A mais recente novidade é a edição de número zero da revista Ozadia, que é uma compilação de cinco histórias eróticas escritas pelas mãos de sete quadrinistas e roteiristas daqui da Bahia. Lançada com o apoio do selo Quadro a Quadro e ganhando popularidade a cada dia que passa, a revista tem dois aspectos importantes para ser lida mais de uma vez: uma ótima fluência no seu texto e traços inspiradíssimos de seus desenhos. De Ricardo Cidade e Alex Lins, “Especimen” abre a Ozadia com uma ótima ficção cientifica pornográfica, onde a heroína sai em busca de coleta de amostras de um

As 10 Caras do Rock Baiano - Com a Banda Vômitos, "Punk Rock pra mendigo!"

O Portal Soterorockpolitano foi buscar na cidade de Barreiras os entrevistados da oitava entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano”, são eles o guitarrista Rick Rodriguez e o vocalista Tito Blasphemer, da banda Vômitos. Nessa entrevista eles falam sobre as condições da cena da sua cidade e do esforço para mante-la ativa, suas influências e a inspiração para as suas letras, além da repercussão do clipe da música “Facada”, que já chegou a mais de 3.000 visualizações no Youtube. Então, ajeite-se na sua cadeira e fique ligado para não tomar uma facada no bucho. Soterorockpolitano - Como e quando surgiu a banda? Rick Rodriguez - A banda surgiu em 2007, tínhamos um interesse em comum, que era o punk rock, e isso nos motivou a formar a banda na época, começamos tocando músicas dos Ramones, que era nossa banda preferida e logo em seguida começamos a compor, e ter nossas próprias músicas. Tito Blasphemer - Estávamos cansados da cena de nossa cidade, bandas que

4 Discos de Rock Baiano, a compilação das cinco publicações. Por Leonardo Cima.

Movidos pelo resgate da memória da cena independente da Bahia, no qual o selo SoteroRec tem feito com o Retro Rocks desde o inicio deste ano  e por todas as ações que o cenário também tem feito nesse sentido, decidimos trazer uma compilação especial do nosso site para você que nos acompanha.  Em 2017, o Portal Soterorock fez uma série de matérias que destacava alguns dos principais discos de rock lançados na Bahia ao longo dos anos. Essa série se chamava "4 Discos de Rock Baiano" e como o nome sugere, quatro discos eram referenciados nas matérias.  Foram ao todo cinco publicações com bandas/artistas de gerações distintas reunidas nesta coletânea.  Você vai encontrar aqui pontuações sobre as obras e o mais importante: o registro público sobre elas, para que possam ser revisitadas e referenciadas ao longo dos anos. Passar em branco é que não pode! O aspecto positivo de se visitar essas postagens é a de ver que a maioria das bandas e artistas citados nelas ainda estão em ativida