Pular para o conteúdo principal

Resenha: Novo EP da banda INVENA

Veteranos da cena rocker local desde os anos 1990, a Invena, entre uma pausa nas suas atividades e uma temporada de reuniões bem sucedidas, ganha fôlego a cada aparição que faz. No mais recente retorno do grupo, eles inspiraram mais profundo e pegaram mais gás para lançar o seu mais novo trabalho ainda no ano de 2013, o EP Invena, em meio a apresentações pelos vários cantos da cidade (principalmente no Carmo) e em meio a parcerias artísticas.
            Com a produção da própria banda, o disco possui uma veia pop muito forte, com canções de grande potencial radiofônico e detentoras de uma miscelânea de estilos que é característica dessa vertente do rock e que podem cair bem nos ouvidos daqueles que querem se divertir em uma noite de sábado quente de verão, ou de qualquer outra estação...
A capa do EP foi feita pelo artista plástico Leonel Mattos e consolida a ligação do seu trabalho com a música da banda, refletindo o empenho e suporte que as duas partes têm feito entre si para se manterem firmes na cena.
            O disco se inicia com provavelmente a música que poderia ser a mais adequada para abrir os trabalhos, Quimeras. Ela já mostra a forma das composições que estão por vir já desde o seu primeiro minuto, com uma pegada rocker, punch empolgante, instantes praieiros e letra sobre o desejo de um amor perdido. Um Instante no Paraíso vem em seguida com uma pegada mais calma, influenciada por The Smiths e com um refrão bem feito, pronto para lembrar fácil. A terceira canção, Me Dar Bem, retoma a forte pegada rock do início do disco, mas a sua letra destoa bastante das demais músicas do EP. A testosterona salta aos ouvidos exatamente como o seu título já sugere.
Outono traz uma boa pegada hard rock muito bem misturada com a música pop e excelentes solos de guitarra, já Memórias é a balada do disco, com mais solos bem colocados nos lugares certos da música. Talvez seja a canção mais bem detalhada da obra, é típica de tentar descobrir algo novo nela a cada audição. Heloísa é uma canção com características de rock clássico e com boas soluções tiradas do indie para suas mudanças, é bem acessível e pronta para ganhar covers de outros estilos musicais. Não se surpreenda se em alguma a tarde, de em um final de semana qualquer, se você se deparar com essa canção sendo tocada em algum programa de auditório. Distante é mais uma balada que está no disco e encerra o ciclo de músicas inéditas do grupo. Na Lata, Maybe Tomorrow e Caia Fora formam a sequencia final do EP e entraram como bônus tracks, uma vez que foram aproveitadas de trabalhos anteriores do grupo.

            Dentro de sua proposta musical, a Invena consegue realizar bem a sua tarefa de fazer música boa e entreter pessoas. O disco inteiro é bem feito e muito bem gravado, com composições bem estruturadas e com sua sequência de músicas bem pensada pelos seus integrantes. O histórico musical de cada um deles os credenciou a fazer bem essas escolhas e mostra o que é trazer a tona uma fórmula eficiente de se fazer música pop e agregar outros estilos a ela. Os sons e solos de guitarra do Pedro Jorge Oiticica dão a ele a condição de ser um dos maiores guitarristas em atividade dessa terra, o vocal do Flávio Fernandes traz um pouco do frontman tradicional que ele é no palco e o baixo do Anderson Coutinho e a bateria de Igor Amaral fazem bem o seu papel. Eles ainda contam com o competente guitarrista Leko Miranda nas suas apresentações ao vivo. Esse disco é a amostra do que é fazer música pop rock sem medo!

Popular Posts

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava

Sexto guia de singles de bandas baianas. Por Leonardo Cima.

Mais uma vez o Portal SoteroRock traz a sua lista de singles de bandas e artistas baianos, lançados ao longo desse período pandêmico no qual nos encontramos neste 2020. Para essa ocasião, a diversidade ainda marca uma forte presença nessa seleta. Rock, pop, metal, eletrônico, folk e o grande leque que se abre a partir desses gêneros vão aparecer para você aqui enquanto faz a sua leitura. Então, abra a sua mente, saiba um pouco sobre cada um dos trabalhos citados aqui, siga cada um nas redes sociais (se possível, é claro!) e, óbvio, escute as canções!! Se você acha que faltou algum artista/banda aqui nessa matéria, mande uma mensagem inbox pelo nosso perfil do Instagram, que iremos escutar! Midorii Kido - Sou o que Sou Para quem acha que o rock já se esgotou em termos de abraçar minorias e até mesmo acredita que é conservador, este primeiro single da drag queen Midorii Kido é um tapa na face daqueles que professam dessa maneira contra o gênero. Sou o que Sou é um rock forte,

O garage noir da The Futchers. Por Leonardo Cima.

Nesses últimos dois meses, o selo SoteroRec teve a honra e a felicidade de lançar na sua série Retro Rocks, os trabalhos de uma das bandas mais interessantes que a cena local já teve e que, infelizmente, não teve uma projeção devidamente extensa. Capitaneada por Rodrigo "Sputter" Chagas (vocal da The Honkers), a The Futchers foi a sua banda paralela idealizada e montada por ele próprio no final do ano de 2006. A propósito, o nome Futchers vem inspirado da dislexia do compositor britânico Billy Childish, que escreve as palavras da mesma maneira que as fala. Ele, ao lado de mais quatro integrantes, também de bandas locais da época, começaram os ensaios com uma proposta sonora voltada mais para o mood e o garage rock, se distanciando um pouco dos seus respectivos trabalhos nos grupos anteriores. Relembrando um pouco daquele período e como observador, esse "peso" de não ter que se repetir musicalmente recaía um pouco mais sobre Rodrigo. Não que houvesse isso