Resenha: Novo EP da banda INVENA

Veteranos da cena rocker local desde os anos 1990, a Invena, entre uma pausa nas suas atividades e uma temporada de reuniões bem sucedidas, ganha fôlego a cada aparição que faz. No mais recente retorno do grupo, eles inspiraram mais profundo e pegaram mais gás para lançar o seu mais novo trabalho ainda no ano de 2013, o EP Invena, em meio a apresentações pelos vários cantos da cidade (principalmente no Carmo) e em meio a parcerias artísticas.
            Com a produção da própria banda, o disco possui uma veia pop muito forte, com canções de grande potencial radiofônico e detentoras de uma miscelânea de estilos que é característica dessa vertente do rock e que podem cair bem nos ouvidos daqueles que querem se divertir em uma noite de sábado quente de verão, ou de qualquer outra estação...
A capa do EP foi feita pelo artista plástico Leonel Mattos e consolida a ligação do seu trabalho com a música da banda, refletindo o empenho e suporte que as duas partes têm feito entre si para se manterem firmes na cena.
            O disco se inicia com provavelmente a música que poderia ser a mais adequada para abrir os trabalhos, Quimeras. Ela já mostra a forma das composições que estão por vir já desde o seu primeiro minuto, com uma pegada rocker, punch empolgante, instantes praieiros e letra sobre o desejo de um amor perdido. Um Instante no Paraíso vem em seguida com uma pegada mais calma, influenciada por The Smiths e com um refrão bem feito, pronto para lembrar fácil. A terceira canção, Me Dar Bem, retoma a forte pegada rock do início do disco, mas a sua letra destoa bastante das demais músicas do EP. A testosterona salta aos ouvidos exatamente como o seu título já sugere.
Outono traz uma boa pegada hard rock muito bem misturada com a música pop e excelentes solos de guitarra, já Memórias é a balada do disco, com mais solos bem colocados nos lugares certos da música. Talvez seja a canção mais bem detalhada da obra, é típica de tentar descobrir algo novo nela a cada audição. Heloísa é uma canção com características de rock clássico e com boas soluções tiradas do indie para suas mudanças, é bem acessível e pronta para ganhar covers de outros estilos musicais. Não se surpreenda se em alguma a tarde, de em um final de semana qualquer, se você se deparar com essa canção sendo tocada em algum programa de auditório. Distante é mais uma balada que está no disco e encerra o ciclo de músicas inéditas do grupo. Na Lata, Maybe Tomorrow e Caia Fora formam a sequencia final do EP e entraram como bônus tracks, uma vez que foram aproveitadas de trabalhos anteriores do grupo.

            Dentro de sua proposta musical, a Invena consegue realizar bem a sua tarefa de fazer música boa e entreter pessoas. O disco inteiro é bem feito e muito bem gravado, com composições bem estruturadas e com sua sequência de músicas bem pensada pelos seus integrantes. O histórico musical de cada um deles os credenciou a fazer bem essas escolhas e mostra o que é trazer a tona uma fórmula eficiente de se fazer música pop e agregar outros estilos a ela. Os sons e solos de guitarra do Pedro Jorge Oiticica dão a ele a condição de ser um dos maiores guitarristas em atividade dessa terra, o vocal do Flávio Fernandes traz um pouco do frontman tradicional que ele é no palco e o baixo do Anderson Coutinho e a bateria de Igor Amaral fazem bem o seu papel. Eles ainda contam com o competente guitarrista Leko Miranda nas suas apresentações ao vivo. Esse disco é a amostra do que é fazer música pop rock sem medo!
Share:

Online

Bandas

32 Dentes 4 Discos de Rock Baiano 4ª Ligação A Flauta Vértebra Aborígines Acanon Ádamas Almas Mortas Amor Cianeto André dias André L. R. Mendes Anelis Assumpção Antiporcos Apanhador Só Aphorism Aqui tem Rock Baiano Aurata Awaking Baiana System Bauhaus Bilic Black Sabbath Blessed in Fire Blue in the Face Boogarins Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes Buster Calafrio Callangazoo Carburados Rock Motor Cardoso Filho Carne Doce Cartel Strip Club Cascadura Casillero Céu Charles Bukowski Charlie Chaplin Chuva Negra Cidadão Instigado Circo de Marvin Circo Litoral Cólera Curumin Dão David Bowie Declinium Derrube o Muro Desafio Urbano Desrroche Destaques dez caras do rock Documentário Downloads Du Txai e Os Indizíveis Duda Spínola Enio Entrevistas Erasy Eric Assmar Espúria Eva Karize Exoesqueleto Far From Alaska Festival Festival Soterorock Filipe Catto Free?Gobar Fresno Fridha Funcionaface Game Over Riverside Giovani Cidreira HAO Heavy Lero Hellbenders Ifá Incubadora Sonora Ingrena Invena Inventura Irmão Carlos Ironbound Jack Doido Jackeds Jadsa Castro Jardim do Silêncio Jato Invisível Kalmia Kazagastão KZG Lançamentos Latromodem Leandro Pessoa Lee Ranaldo Limbo Lírio Lívia Nery Lo Han Locomotiva Mad Monkees Madame Rivera Mais uma Cara do Rock Baiano MAPA Marcia Castro Maria Bacana Maus Elementos Messias Metá Metá Modus Operandi Mopho Motherfucker Mulheres Q Dizem Sim Murilo Sá Nalini Vasconcelos Neurática Not Names Novelta O Quadro O Terno Old Stove Olhos Para o Infinito Órbita Móbile Organoclorados Os Canalhas Os Elefantes Elegantes Os Jonsóns Os Tios Overfuzz Ozzmond palco do rock Pancreas Pastel de Miolos Paul McCartney Pesadelo Pio Lobato Pirombeira Pitty Portal Pós-punk Prime Squad Programas Quadrinhos Quartabê Radioca Raimundo Sodré Rattle Resenha de discos Resenha do cd Resenhas Reverendo T Reverento T Rincon Sapiencia Rivermann Rock Rock Baiano Rock Baiano em Alta Rock de camaçari Ronco Scambo Show Shows Shows. Cascadura Siba Singles Soft Porn Som do Som Sons que Ecoam Soterorock Squadro Subaquático Super Amarelo Surrmenage Tangente Teenage Buzz Tentrio Test The Baggios The Cross The Honkers The Pivos Theatro de Seraphin Thrunda Titãs Tony Lopes Tsunami Universo Variante Úteros em Fúria Vamoz! Van der Vous Vende-$e Vivendo do Ócio Wado Wander Wildner Weise Wry

Matérias

Antigas

Mais Populares