Pular para o conteúdo principal

Resenha: Novo EP da banda INVENA

Veteranos da cena rocker local desde os anos 1990, a Invena, entre uma pausa nas suas atividades e uma temporada de reuniões bem sucedidas, ganha fôlego a cada aparição que faz. No mais recente retorno do grupo, eles inspiraram mais profundo e pegaram mais gás para lançar o seu mais novo trabalho ainda no ano de 2013, o EP Invena, em meio a apresentações pelos vários cantos da cidade (principalmente no Carmo) e em meio a parcerias artísticas.
            Com a produção da própria banda, o disco possui uma veia pop muito forte, com canções de grande potencial radiofônico e detentoras de uma miscelânea de estilos que é característica dessa vertente do rock e que podem cair bem nos ouvidos daqueles que querem se divertir em uma noite de sábado quente de verão, ou de qualquer outra estação...
A capa do EP foi feita pelo artista plástico Leonel Mattos e consolida a ligação do seu trabalho com a música da banda, refletindo o empenho e suporte que as duas partes têm feito entre si para se manterem firmes na cena.
            O disco se inicia com provavelmente a música que poderia ser a mais adequada para abrir os trabalhos, Quimeras. Ela já mostra a forma das composições que estão por vir já desde o seu primeiro minuto, com uma pegada rocker, punch empolgante, instantes praieiros e letra sobre o desejo de um amor perdido. Um Instante no Paraíso vem em seguida com uma pegada mais calma, influenciada por The Smiths e com um refrão bem feito, pronto para lembrar fácil. A terceira canção, Me Dar Bem, retoma a forte pegada rock do início do disco, mas a sua letra destoa bastante das demais músicas do EP. A testosterona salta aos ouvidos exatamente como o seu título já sugere.
Outono traz uma boa pegada hard rock muito bem misturada com a música pop e excelentes solos de guitarra, já Memórias é a balada do disco, com mais solos bem colocados nos lugares certos da música. Talvez seja a canção mais bem detalhada da obra, é típica de tentar descobrir algo novo nela a cada audição. Heloísa é uma canção com características de rock clássico e com boas soluções tiradas do indie para suas mudanças, é bem acessível e pronta para ganhar covers de outros estilos musicais. Não se surpreenda se em alguma a tarde, de em um final de semana qualquer, se você se deparar com essa canção sendo tocada em algum programa de auditório. Distante é mais uma balada que está no disco e encerra o ciclo de músicas inéditas do grupo. Na Lata, Maybe Tomorrow e Caia Fora formam a sequencia final do EP e entraram como bônus tracks, uma vez que foram aproveitadas de trabalhos anteriores do grupo.

            Dentro de sua proposta musical, a Invena consegue realizar bem a sua tarefa de fazer música boa e entreter pessoas. O disco inteiro é bem feito e muito bem gravado, com composições bem estruturadas e com sua sequência de músicas bem pensada pelos seus integrantes. O histórico musical de cada um deles os credenciou a fazer bem essas escolhas e mostra o que é trazer a tona uma fórmula eficiente de se fazer música pop e agregar outros estilos a ela. Os sons e solos de guitarra do Pedro Jorge Oiticica dão a ele a condição de ser um dos maiores guitarristas em atividade dessa terra, o vocal do Flávio Fernandes traz um pouco do frontman tradicional que ele é no palco e o baixo do Anderson Coutinho e a bateria de Igor Amaral fazem bem o seu papel. Eles ainda contam com o competente guitarrista Leko Miranda nas suas apresentações ao vivo. Esse disco é a amostra do que é fazer música pop rock sem medo!

Popular Posts

O melhor do que eu não escrevi no Portal Soterorock em 2018. Por Leo Cima.

Neste ano de 2018 o Portal Soterorock resolveu tirar alguns dias de folga. Algo próximo a trezentos e sessenta e cinco dias, quase um ano, é verdade. Porém, é fato que, depois de dez anos cobrindo a cena roqueira local, com textos ou podcasts, sem incentivo financeiro algum, o site decidiu que seria o momento certo para dar um tempinho nas atividades daqui, para priorizar e atender a outras demandas não menos importantes. Mas, mesmo distante das publicações, nos mantivemos atentos ao movimento do cenário, observando quem se manteve atuante, seja em estúdio, ou nos palcos.
Muita coisa aconteceu este ano na cena rocker da Bahia, desde discos lançados até uma boa frequência regular de shows na capital baiana, mesmo com um número cada vez menor de casas que recebe o gênero por aqui. E é esse segundo item que ganhará destaque aqui nesta matéria, em uma outra oportunidade falarei sobres os lançamentos baianos de 2018, vamos com calma. O fato é que, fazendo visitas a eventos, seja como um pag…

“As Dez Caras do Rock Baiano” com Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute)

Chegando ao final da sua primeira fase, a série “As Dez Caras do Rock Baiano” traz em sua quinta entrevista uma das grandes personalidades já presente na cena local há muitos anos: o vocalista da The Honkers, Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute, como preferir). Nessa conversa, que foi uma das mais longas e intrigantes dessa série e realizada na época da volta da banda aos palcos soteropolitanos, Rodrigo falou sobre o que chama a sua atenção no cenário, o cuidado que um artista têm que tomar com a sua própria arte, como a quantidade de informação influencia no jeito raso de ser do novo roqueiro e sobre as intenções para o futuro da The Honkers, além de se mostrar como um autor de livros de auto ajuda em potencial. Você já sabe, se ajeite com firmeza na cadeira e embarque nessa entrevista dessa grande figura do rock da Bahia. 
SRP - Como foi ficar um ano longe da The Honkers? 

Rodrigo Chagas - Zorra... Normal, hehe. Cansei na sétima música. 

SRP – O que achou do retorno da The Honkers aos pa…

Série “As DEZ Caras do Rock Baiano” - Com Caroline Lima, (Voz na Chá de Pensamentos), apresentando "Kansu" o seu mais novo projeto!

A série “As 10 Caras do Rock Baiano” traz desta vez Caroline Lima, integrante do projeto experimental de música e arte Kansu Project , duo que conta também com Sérgio da Mata dividindo as composições. Na última quinta feira (28/03/2013), ás 22:30, foi lançado na página da Kansu Project no facebook o remix de “A Little Bit of Me”, seu primeiro single e, nesse ótimo papo descontraído e espontâneo, Caroline nos falou sobre o interessante processo de produção e gravação das músicas da dupla, suas influências e suas impressões sobre a cena local. Então se ajeite em sua cadeira, aproveite a entrevista, dê um curtir na página do grupo e “FEEL FREE”. 
SRP – O que é a Kansu Project, é um duo? E o que sgnifica? 
Caroline Lima - É um duo sim. Sou eu e Sergio da Mata, meu amigo de adolescência. Sobre o significado... foi a junção dos nomes de personagens de livros que escrevemos em 2002, também é o nome de uma província da China e o nome deriva desse idioma...alguns traduzem como "orquídea&quo…