Pular para o conteúdo principal

Resenha: Rivermann, EP de estreia da banda Rivermann

Não é de agora que se sabe da qualidade das bandas da região metropolitana de Salvador e o quanto várias delas vêm se destacando no cenário rocker baiano. Muito disso se deve ao empenho, realizado por cada uma delas, de fazer a música que gosta e na qual acredita. É com essa condição que a banda Rivermann surge na cena com o seu EP de estreia lançado pela Brechó Discos, o homônimo Rivermann.
Com sua origem em Camaçari, o grupo gravou cinco faixas autorais fortemente influenciadas pelo rock indie da década de 1990 e esse é um aspecto já perceptível antes mesmo de colocar o disco para tocar no cd player. O encarte, muito bem trabalhado por sinal, ajuda muito no clima do disco que o ouvinte está prestes a ouvir e traz referencias a essa vertente do rock com a aparição dos discos do Sonic Youth e do Radiohead na sua contracapa.
Sob olhares cuidadosos de bateristas na sua produção (Maicon Charles, ex-Weise), na gravação e mixagem (Leo Marinho, The Honkers), além da masterização (Jera Cravo, ex-Automata), a Rivermann faz muito bem o seu som e leva o ouvinte a se sentir como se estivesse em alguma cidade pacata e distante da capital, em meio aos pensamentos sobre a vida, cotidiano e relacionamentos. Exatamente como em filmes que se passam no interior dos E.U.A. onde o rock é a trilha sonora da salvação, e a própria salvação, para jovens e jovens senhores (porque não?) que ali vivem...
O disco já começa bem nessa vibe com Estilhaços. Introdução de baixo pulsante, guitarra cadenciada e explosão no refrão, exatamente como a letra avisa ao ouvinte. A guitarra solo nesta música já mostra boas sacadas de distorções que dão uma boa textura atmosférica a canção. Na sequencia, Radiante vem mais acelerada, direta, com uma letra mais angustiada e corajosa e um final empolgante. A terceira canção é Quase 30, uma das melhores do disco. Uma melodia grudenta, com um refrão mais pegajoso ainda e muito bom de cantar junto. A letra é uma verdadeira declaração de amor para aquela pessoa que se escolheu para envelhecer ao seu lado, escutando os seus discos preferidos ao mesmo tempo em que se compartilha o bom e o mau humor que uma relação carrega. Ela foi uma ótima escolha para o primeiro vídeo clipe da banda.
Instintos surge com uma veia mais psicodélica, começando de uma forma mais pop e cedendo bem cedo ao psicodelismo, com dedilhados das guitarras surgindo ao fundo dos sons de pássaros e de diálogos, acompanhada da bateria e do baixo embalando uma espécie de canção de ninar para um sonho inevitável que o teclado ajuda a segurar. As duas guitarras formaram bem a parede de distorção no final da canção e prepararam o ouvinte para a última canção do disco. Despedaçando Medos é o ápice do primeiro trabalho dos caras, e é onde as influências musicais deles mais transparecem. Há todo um clima daquele tipo de cidade citada no inicio da resenha dentro dessa faixa. Uma boa dose na medida certa de Sonic Youth e de elementos da new wave, como nos sons que emulam palmas durante a canção. A cozinha mandando muito bem, a sonoridade de cada guitarra muito bem escolhida e a quebra na música para mais um momento psicodélico, atmosférico, pós-punk nova-iorquino muito bem feito e sem deixar de ser pop amarram muito bem a música até o seu desfecho. Não foi a toa que ela foi escolhida para ser disponibilizada na internet antes do lançamento do EP.

A Rivermann coseguiu no seu primeiro trabalho manter a qualidade das canções desde o inicio até o seu fim, apostando em uma boa sonoridade que unificou as canções e deixou o EP mais conciso. O tom melancólico que está presente em alguns momentos nas letras, ou nas suas entrelinhas, também ajudou nesse aspecto e foi fortalecido pelo bom desempenho dos seus integrantes. É claro que Bruno Nunes, Everton Mendonça, Paulo Ricardo e Ericson França ainda são jovens com quase trinta e, por isso, ainda vão aprender muita coisa por essa vida, mas já se saíram muito bem em sua primeira investida.

Popular Posts

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava

Sexto guia de singles de bandas baianas. Por Leonardo Cima.

Mais uma vez o Portal SoteroRock traz a sua lista de singles de bandas e artistas baianos, lançados ao longo desse período pandêmico no qual nos encontramos neste 2020. Para essa ocasião, a diversidade ainda marca uma forte presença nessa seleta. Rock, pop, metal, eletrônico, folk e o grande leque que se abre a partir desses gêneros vão aparecer para você aqui enquanto faz a sua leitura. Então, abra a sua mente, saiba um pouco sobre cada um dos trabalhos citados aqui, siga cada um nas redes sociais (se possível, é claro!) e, óbvio, escute as canções!! Se você acha que faltou algum artista/banda aqui nessa matéria, mande uma mensagem inbox pelo nosso perfil do Instagram, que iremos escutar! Midorii Kido - Sou o que Sou Para quem acha que o rock já se esgotou em termos de abraçar minorias e até mesmo acredita que é conservador, este primeiro single da drag queen Midorii Kido é um tapa na face daqueles que professam dessa maneira contra o gênero. Sou o que Sou é um rock forte,

O garage noir da The Futchers. Por Leonardo Cima.

Nesses últimos dois meses, o selo SoteroRec teve a honra e a felicidade de lançar na sua série Retro Rocks, os trabalhos de uma das bandas mais interessantes que a cena local já teve e que, infelizmente, não teve uma projeção devidamente extensa. Capitaneada por Rodrigo "Sputter" Chagas (vocal da The Honkers), a The Futchers foi a sua banda paralela idealizada e montada por ele próprio no final do ano de 2006. A propósito, o nome Futchers vem inspirado da dislexia do compositor britânico Billy Childish, que escreve as palavras da mesma maneira que as fala. Ele, ao lado de mais quatro integrantes, também de bandas locais da época, começaram os ensaios com uma proposta sonora voltada mais para o mood e o garage rock, se distanciando um pouco dos seus respectivos trabalhos nos grupos anteriores. Relembrando um pouco daquele período e como observador, esse "peso" de não ter que se repetir musicalmente recaía um pouco mais sobre Rodrigo. Não que houvesse isso