Um dia no Palco do Rock, a segunda feira de carnaval.

Já se passou mais um carnaval nesta nossa amada e ao mesmo tempo odiada cidade e, como já é de costume, aconteceu mais uma edição do tradicional Palco do Rock. Como fazemos em todos os anos, desde que o Portal Soterorockpolitano existe, escolhemos um dia na sua programação para conferir como foi a celebração rocker que já acontece há vinte anos dentro da festa de momo. O dia escolhido foi a segunda feira de carnaval e rumamos direto para o Coqueiral de Piatã para conferir o terceiro dia da festa.
            A viajem de ida (e de volta) até o local é massacrante. Qualquer lugar parece ser distante de Piatã, tenha o roqueiro partido da Federação, da Cidade Baixa ou de Camaçari, parece que você nunca vai chegar.
Mas não adianta reclamar, o lugar já se tornou parte da identidade do evento e não há outro lugar que possa suportar a quantidade de gente que vai ver os shows. E bota gente nisso! A todo instante não parava de chegar pessoas vindas de todos os cantos da cidade. Assim como nos outros dias, a segunda feira de PDR recebeu um grande número de roqueiros que queriam se divertir com a música que queria ouvir, beber a cerveja que tivessem vontade de beber e ver as pessoas que queriam ver. Tinha os rostos familiares, o horizonte infinito de camisas pretas, pessoas surtando em “slow-motion” ou saltitando em descompasso com a música, aqueles que compareceram em todos os dias e tinha aqueles que trocavam ideia entre uma banda e outra, ou seja, gente de tudo quanto era tipo confraternizando. De fato, para o Palco do Rock só não vai quem não quer mais...
            O dia do evento em questão aguçava um pouco mais a expectativa do público presente, pois trazia um lineup com predominância de bandas de metal e como headliner da noite o cantor André Matos (ex-Viper, ex-Angra e ex-Shaman). Ao contrário do ano anterior, onde o evento começou pontualmente na hora marcada, o inicio das apresentações teve cerca de uma hora e meia de atraso e comprometeu um pouco o andamento da grade de bandas, que era um total de sete e que teve a inclusão de mais outras duas dos dias anteriores. O contratempo do atraso levou ao adiamento da apresentação da banda Batrakia, que se apresentou no dia seguinte. O som do palco inicialmente não estava muito bom, o que é normal, mas a produção foi melhorando a sua qualidade ao longo das apresentações dos grupos.

Lineup apertado e apresentações vigorosas.
Neste ano comemorativo o Palco do Rock apresentou uma grade interessante de bandas, que superou a do ano passado e que respondeu bem à expectativa das pessoas que aguardavam a sua divulgação. Bandas como Jato Invisível, Pastel de Miolos, Agressivos, Blessed in Fire, Veuliah, Mercy Killing, Korzus (SP), Garotos Podres (SP), além das demais, certamente fizeram shows memoráveis e ficam aqui as nossas considerações por não tê-las visto.
As atividades se iniciaram com a banda Hextor, tocando o seu trash metal. Os rapazes abriram o evento com muito gás e nem mesmo a baixa qualidade do som do palco em sua apresentação atrapalhou a performance da banda, que deu uma boa aquecida inicial no publico que se formava em meio aos ventos frios que anunciavam a chuva que ia cair. Na sequência veio ao palco o guitarrista Ricardo Primata. O musico baiano fez uma apresentação competente, porém curta, o que deixou um gosto de quero mais no ouvido de quem estava presente. Logo após, se apresentou a banda Pâncreas com seu hard rock com letras bem humoradas em português, bons solos e riffs de guitarra e vocalista empolgadíssimo. Mandaram bem! Em seguida veio a Acanon executando o seu som pesadíssimo com destaque para a ótima dupla de vocais, depois (e já sob a chuva) a Behavior aqueceu ainda mais a noite com o seu death metal que agradou, e muito, a maioria das pessoas que assistiram a sua apresentação e a Headhunter DC, que também trouxe o seu death metal e não fez feio, tocou clássicos do seu repertório e canções de trabalhos mais recentes. Essas três bandas formaram, com certeza, a sequência mais vigorosa da noite, onde a chuva que ameaçava cair tinha, enfim, desabado, mas que só fez aumentar o ânimo da audição. E sim, o som do palco já havia melhorado bastante nesse momento!
A Overturn foi ao palco e fez um show curto, mas foi uma boa ponte para a última apresentação da noite. Em sua primeira apresentação como artista solo em terras baianas, o André Matos (com sua banda bem entrosada) fez uma ótima apresentação e entregou aos seus fãs e aos demais presentes os seus falsetes característicos que deixam as garotas encantadas e os rapazes petrificados, ou vice-versa, além das duas horas de show que o PDR havia divulgado na grade oficial do evento. O ex-vocalista do Viper, do Angra e do Shaman tocou hits de todas as bandas que passou na primeira hora do show e, na sua segunda metade tocou na íntegra o disco Angels Cry do Angra que, assim como o Palco do Rock, também completa vinte anos em 2014. Foi um bom show de encerramento para uma noite de bandas inspiradas.

É fato que o atraso e a quantidade de bandas deixaram o lineup mais apertado e mais
corrido para que os shows pudessem acontecer, mas isso não foi motivo para que os grupos dessem pouco de si em suas apresentações. Cada banda deu o seu melhor e isso fez toda a diferença para cada uma delas. Se teve algo que não pegou bem foi o discurso “anti-carnaval” e “anti-qualquerestilomusical” que algumas bandas colocaram entre uma música e outra. Seria melhor esquecer esse discurso, é um discurso velho e mais do que batido, o rock não precisa se sustentar nele para se firmar e cada apresentação que aconteceu é uma prova disso. Além desses fatos, houve relatos de pessoas que juraram ter visto aparições misteriosas de um tal de Heisenberg perambulando pelo coqueiral, degustações ritualísticas de acarajé e ouvido alcances vocais que chegavam na estação da Lapa. Agora é só aguardar o carnaval de 2015! Ou o carnaval da copa!
Share:

Online

Bandas

32 Dentes 4 Discos de Rock Baiano 4ª Ligação A Flauta Vértebra Aborígines Acanon Ádamas Almas Mortas Amor Cianeto André dias André L. R. Mendes Anelis Assumpção Antiporcos Apanhador Só Aphorism Aqui tem Rock Baiano Aurata Awaking Baiana System Bauhaus Bilic Black Sabbath Blessed in Fire Blue in the Face Boogarins Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes Buster Calafrio Callangazoo Carburados Rock Motor Cardoso Filho Carne Doce Cartel Strip Club Cascadura Casillero Céu Charles Bukowski Charlie Chaplin Chuva Negra Cidadão Instigado Circo de Marvin Circo Litoral Cólera Dão David Bowie Declinium Derrube o Muro Desafio Urbano Desrroche Destaques dez caras do rock Documentário Downloads Du Txai e Os Indizíveis Duda Spínola Enio Entrevistas Erasy Eric Assmar Espúria Eva Karize Exoesqueleto Festival Festival Soterorock Filipe Catto Free?Gobar Fresno Fridha Funcionaface Game Over Riverside Giovani Cidreira HAO Heavy Lero Hellbenders Ifá Incubadora Sonora Ingrena Invena Inventura Irmão Carlos Ironbound Jack Doido Jackeds Jardim do Silêncio Jato Invisível Kalmia Kazagastão KZG Lançamentos Latromodem Leandro Pessoa Lee Ranaldo Limbo Lírio Lo Han Locomotiva Mad Monkees Madame Rivera Mais uma Cara do Rock Baiano MAPA Marcia Castro Maria Bacana Maus Elementos Messias Modus Operandi Motherfucker Mulheres Q Dizem Sim Murilo Sá Nalini Vasconcelos Neurática Not Names Novelta O Quadro O Terno Old Stove Olhos Para o Infinito Órbita Móbile Organoclorados Os Canalhas Os Elefantes Elegantes Os Jonsóns Os Tios Overfuzz Ozzmond palco do rock Pancreas Pastel de Miolos Pesadelo Pirombeira Pitty Portal Pós-punk Prime Squad Programas Quadrinhos Rattle Resenha de discos Resenha do cd Resenhas Reverendo T Reverento T Rivermann Rock Rock Baiano Rock Baiano em Alta Rock de camaçari Ronco Scambo Show Shows Shows. Cascadura Siba Singles Soft Porn Som do Som Sons que Ecoam Squadro Subaquático Super Amarelo Surrmenage Tangente Teenage Buzz Tentrio Test The Baggios The Cross The Honkers The Pivos Theatro de Seraphin Thrunda Titãs Tony Lopes Tsunami Universo Variante Úteros em Fúria Vamoz! Van der Vous Vende-$e Vivendo do Ócio Wado Wander Wildner Weise Wry

Matérias

Antigas

Mais Populares