Pular para o conteúdo principal

Resenha: 4Way Split, CD Split das bandas Riiva, Pastel de Miolos, Agressivos e Derrube o Muro.

Capa do Split - Divulgação
O uso do cd split, no cenário roqueiro independente mundial, tem sido uma prática adotada pelas bandas de rock que nele circulam desde meados da década de oitenta. Para quem ainda não está familiarizado com ele, o cd split é um compacto lançado por duas ou mais bandas na mesma prensagem, com o intuito de ampliar o alcance de divulgação de cada uma delas. É com essa proposta que os selos Brechó Discos e Bigbross Records lançam o seu mais novo material, o álbum 4Way Split, que inclui as bandas Riiva (Finlândia), Pastel de Miolos, Agressivos e Derrube o Muro.



            Este cd é o primeiro de uma série de, por enquanto, três volumes e que sempre trará quatro bandas em sua composição. É um projeto inédito em terras baianas, por ser ousado e pelo fato de ser incomum, aqui no Estado, essa quantidade de bandas formando um split. Ainda como característica forte do disco, quase todas as músicas contidas nele são novas, o que vem a dar mais credibilidade à obra e que ajuda a firmar o compromisso dos dois selos envolvidos no seu lançamento, em realizar um trabalho sério e de qualidade no cenário roqueiro da Bahia.
            Com um total de vinte e quatro músicas e distribuídas de forma aleatória, cada banda traz seis canções inéditas dos seus respectivos repertórios. Abrindo a sequencia, os gringos da banda finlandesa Riiva executam sem perdão o seu punk rock rápido, direto e com o idioma de origem dos rapazes. Porrada certeira no pé do ouvido sem problemas com a tradução. Destaques para as faixas Espoo e M&M. A segunda banda a aparecer é a baiana Pastel de Miolos. As canções que entraram nesse split pertencem às sessões de gravação do seu álbum de inéditas mas não estarão inclusas no seu novo disco, ganhando assim um caráter exclusivo para este projeto. As seis canções são bons aperitivos do que virá no tão aguardado “Novas Ideias, Velhos Ideais”, que será lançado neste mês de abril. Punk da melhor qualidade gritando contra o sistema e com boas pitadas de metal, destaques para Dentro do Sistema e Siga e Pare. Na sequencia vem a Agressivos, com seu grind core bem gravado. Com uma sonoridade próxima ao do seu disco de estreia, a banda traz suas novas faixas apostando em guitarras mais pesadas e cozinha ainda mais nervosa. Rixa e To na Bronca mostram que o grupo continua sem freio. A Derrube o Muro aparece aqui com seu hard core diferenciado e interessante para ouvidos mais atentos. Não se trata somente da velocidade pela velocidade nas músicas dos caras, elas são velozes mas possuem elementos diversos e bem colocados que conferem a banda um som bem elaborado. Tão certo assim que as suas canções têm entre dois a quatro minutos de duração. Atenção especial para Amizade e Velha Escola, Nova Escola. É para derrubar o muro mesmo!

            O 4Way Split é uma boa oportunidade de conhecer os novos trabalhos dessas bandas. A qualidade das gravações é algo que deve ser levado em conta neste primeiro volume e a energia que cada banda imprimiu em suas gravações já valem a audição do disco. Agora é só aproveitar o som e esperar o próximo volume da série.

Popular Posts

Discoteca Básica Soterorock Apresenta: Entre 4 Paredes

Dando continuidade na nossa maratona especial da quarta edição do Soterorock Sessions, aqui vai mais uma postagem da série Discoteca Básica Soterorock Apresenta. Dessa vez, trazendo mais uma atração do nosso evento, a banda Entre 4 Paredes. Com diversas influências musicais, que vão do pop rock, até o post punk, passando pelo rock nacional e o gótico, o sexteto traz para essa matéria bons sons que merecem uma audição mais atenta e, junto a eles, as suas relações com cada um desses discos. Pegue carona nas dicas do grupo e deguste cada segundo musical dessa lista!
David Vertigo (tecladista)
Suicide - Suicide


O disco que inventou o cyberpunk antes dele existir. O trabalho de estreia homônino da dupla Suicide (Alan Vega nos vocais e Martin Rev no sintetizador) mostra da forma mais crua possível o que bandas de Industrial, EBM e afins só exibiriam décadas mais tarde:  niilismo, subversão, falta de esperança, ódio, inconformismo... Com timbres minimalistas, baterias repetitivas, vocais nonse…

Todo dia é dia de rock. Por Leo Cima.

Aconteceu, no final de semana em que se celebrou o dia mundial do rock, o festival Rock Concha 2019. Evento que, neste ano, comemorou trinta anos da sua primeira edição. Houve um hiato de um pouco mais de vinte anos nas suas atividades, porém, há quase uma década, a festa vem acontecendo de maneira assídua a cada ano e já pode ser considerada como certa no calendário cultural da cidade.
Para esta ocasião, a produção do evento apostou em um lineup que propôs fugir de repetir nomes escalados nos anos anteriores, se mantendo atrativo neste sentido e oferecendo ao seu público bandas relevantes na cena nacional e local, com algumas delas há bastante tempo sem vir à Salvador, outras lançando trabalho novo, ou comemorando décadas de estrada. A falta de roadies durante algumas apresentações foi percebida em dois momentos, nos shows da Drearylands e da Alquímea, mas nada que comprometesse o desempenho de ambas no palco!
No sábado, quem abriu o evento foi a Drearylands. Comemorando vinte anos …

As 10 Caras do Rock Baiano” com Paulo Diniz (Banda Weise)

A penúltima entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano” traz Paulo Diniz, vocalista e guitarrista da banda Weise. O grupo está lançando o seu mais novo trabalho, o cd intitulado “Aquele Que Superou o Fim dos Tempos”, e neste papo o entrevistado falou sobre o seu processo de gravação, sobre seus shows e as dinâmicas dos seus instrumentos no palco e também sobre as suas impressões da cena baiana de rock. Para não perder o costume, ajeite-se na cadeira e aproveite o papo com o rapaz. 
SoteroRockPolitano - É o segundo disco de vocês, certo? O que mudou no som da Weise desde o seu primeiro disco até esse último que está sendo lançado?  Paulo Diniz - Na verdade nós lançamos até agora somente EPs, que foi o "Fora do Céu", depois um outro que não tinha nome, e o terceiro que era uma previa de duas músicas do álbum que vamos lançar agora...