Pular para o conteúdo principal

Resenha: 4Way Split, CD Split das bandas Riiva, Pastel de Miolos, Agressivos e Derrube o Muro.

Capa do Split - Divulgação
O uso do cd split, no cenário roqueiro independente mundial, tem sido uma prática adotada pelas bandas de rock que nele circulam desde meados da década de oitenta. Para quem ainda não está familiarizado com ele, o cd split é um compacto lançado por duas ou mais bandas na mesma prensagem, com o intuito de ampliar o alcance de divulgação de cada uma delas. É com essa proposta que os selos Brechó Discos e Bigbross Records lançam o seu mais novo material, o álbum 4Way Split, que inclui as bandas Riiva (Finlândia), Pastel de Miolos, Agressivos e Derrube o Muro.



            Este cd é o primeiro de uma série de, por enquanto, três volumes e que sempre trará quatro bandas em sua composição. É um projeto inédito em terras baianas, por ser ousado e pelo fato de ser incomum, aqui no Estado, essa quantidade de bandas formando um split. Ainda como característica forte do disco, quase todas as músicas contidas nele são novas, o que vem a dar mais credibilidade à obra e que ajuda a firmar o compromisso dos dois selos envolvidos no seu lançamento, em realizar um trabalho sério e de qualidade no cenário roqueiro da Bahia.
            Com um total de vinte e quatro músicas e distribuídas de forma aleatória, cada banda traz seis canções inéditas dos seus respectivos repertórios. Abrindo a sequencia, os gringos da banda finlandesa Riiva executam sem perdão o seu punk rock rápido, direto e com o idioma de origem dos rapazes. Porrada certeira no pé do ouvido sem problemas com a tradução. Destaques para as faixas Espoo e M&M. A segunda banda a aparecer é a baiana Pastel de Miolos. As canções que entraram nesse split pertencem às sessões de gravação do seu álbum de inéditas mas não estarão inclusas no seu novo disco, ganhando assim um caráter exclusivo para este projeto. As seis canções são bons aperitivos do que virá no tão aguardado “Novas Ideias, Velhos Ideais”, que será lançado neste mês de abril. Punk da melhor qualidade gritando contra o sistema e com boas pitadas de metal, destaques para Dentro do Sistema e Siga e Pare. Na sequencia vem a Agressivos, com seu grind core bem gravado. Com uma sonoridade próxima ao do seu disco de estreia, a banda traz suas novas faixas apostando em guitarras mais pesadas e cozinha ainda mais nervosa. Rixa e To na Bronca mostram que o grupo continua sem freio. A Derrube o Muro aparece aqui com seu hard core diferenciado e interessante para ouvidos mais atentos. Não se trata somente da velocidade pela velocidade nas músicas dos caras, elas são velozes mas possuem elementos diversos e bem colocados que conferem a banda um som bem elaborado. Tão certo assim que as suas canções têm entre dois a quatro minutos de duração. Atenção especial para Amizade e Velha Escola, Nova Escola. É para derrubar o muro mesmo!

            O 4Way Split é uma boa oportunidade de conhecer os novos trabalhos dessas bandas. A qualidade das gravações é algo que deve ser levado em conta neste primeiro volume e a energia que cada banda imprimiu em suas gravações já valem a audição do disco. Agora é só aproveitar o som e esperar o próximo volume da série.

Popular Posts

"Carnaval, carnaval, carnaval / Fico tão triste quando chega o carnaval" Por Sérgio Moraes

Com uma sonoridade ímpar desde os idos de 1985, a Banda Organoclorados (Alagoinhas-Bahia), Lançou seu mais recente vídeo “No Carnaval a Gente Esquece”. Você pode ouvir nas plataformas de vídeo espalhadas pela web ou aqui! 



O vídeo faz um paralelo visual da vida cotidiana, euforia e desespero se misturando na obscuridade dos dias turbulentos que vivemos. Misturando imagens de alegria (num simples passeio pela calçadão das ruas com a banda) e desilusões diárias (Coquetel Molotov e afins). A sonoridade blues-Rock da canção é bem vinda, pois, a participação especial de Lucas Costa na gaita harmônica abrilhanta ainda mais as imagens e a sonoridade de “No Carnaval a Gente Esquece”.
Veja e tire suas próprias conclusões deste belo vídeo, letra e composição dos cinco caras!
Organoclorados é: Alan Gustavo - guitarra; André G - baixo; Artur W - guitarra e voz; Joir Rocha - bateria; Roger Silva - teclados.
Título: Trecho da letra de Luiz Melodia “Quando o Carnaval Chegou.”

Tem muito som no tabuleiro do rock aqui na Bahia. Por Leonardo Cima.

Depois do nosso hiato no ano de 2018, retomamos às nossas atividades aqui no site em 2019. É bem verdade que escrevemos menos do que esperávamos e pretendíamos, porém continuamos observando o que acontecia na cena ao longo desses doze meses que se passaram. Bastante som foi lançado, várias propostas sonoras diferentes ganharam a luz do dia e mantiveram esse ano como os seus antecessores: agitado em volume e em alta qualidade de produção.
Teve banda/artista apostando em single, ou fazendo as suas primeiras investidas solo, projetos musicais saindo do papel, banda lançando novidade depois de muito tempo sem disponibilizar um novo trabalho, ou seja, uma considerável quantidade de impulsos motivadores levaram à todas essas novidades da cena rocker da Bahia.
Então, resolvi fazer essas micro resenhas para compensar a minha baixa frequência por aqui pelo site no ano que passou e para fazer justiça com esses lançamentos, trazendo alguns títulos nessa matéria. Mas, frisando, essa não é uma lista…

Depois do inferno...Tem outro Inferno...Por Sérgio Moraes

Ouvir bandas novas já faz parte da rotina de quem faz este site acontecer. Há quem duvide e não acredite que escutamos tudo atentamente, letra por letra, acorde por acorde. Nosso trampo é sério porque amamos tudo isso. 
Amo mais ainda quando alguns amigos voltam do inferno com boas novas. É o caso da banda D.D.I (Depois do Inferno), projeto novo de André Jegue (que mantem sozinho o projeto “Funciona Face” e Ex-integrante da não tão distante BR-64) e também André Batista – Bateria, Rodrigo Magalhães - Contrabaixo Mateus Galvão – Guitarra. Todos remanescentes de outras bandas da cidade. 
A DDI nasce com uma identidade própria já marcada pelos trabalhos anteriores dos caras, o que me deixa bastante contente. Quando André Jegue se dedica a cantar Hardcore seus vocais ficam lindos e agressivos não devendo nada a bandas como Dead Fish (Referência relevante do gênero). 
A D.D.I liberou duas ótimas músicas do seu próximo trabalho, “Depois do Inferno” e “Facada do Cão”, (Ouça as duas!). Ambas…