Pular para o conteúdo principal

Resenha: 4Way Split, CD Split das bandas Riiva, Pastel de Miolos, Agressivos e Derrube o Muro.

Capa do Split - Divulgação
O uso do cd split, no cenário roqueiro independente mundial, tem sido uma prática adotada pelas bandas de rock que nele circulam desde meados da década de oitenta. Para quem ainda não está familiarizado com ele, o cd split é um compacto lançado por duas ou mais bandas na mesma prensagem, com o intuito de ampliar o alcance de divulgação de cada uma delas. É com essa proposta que os selos Brechó Discos e Bigbross Records lançam o seu mais novo material, o álbum 4Way Split, que inclui as bandas Riiva (Finlândia), Pastel de Miolos, Agressivos e Derrube o Muro.



            Este cd é o primeiro de uma série de, por enquanto, três volumes e que sempre trará quatro bandas em sua composição. É um projeto inédito em terras baianas, por ser ousado e pelo fato de ser incomum, aqui no Estado, essa quantidade de bandas formando um split. Ainda como característica forte do disco, quase todas as músicas contidas nele são novas, o que vem a dar mais credibilidade à obra e que ajuda a firmar o compromisso dos dois selos envolvidos no seu lançamento, em realizar um trabalho sério e de qualidade no cenário roqueiro da Bahia.
            Com um total de vinte e quatro músicas e distribuídas de forma aleatória, cada banda traz seis canções inéditas dos seus respectivos repertórios. Abrindo a sequencia, os gringos da banda finlandesa Riiva executam sem perdão o seu punk rock rápido, direto e com o idioma de origem dos rapazes. Porrada certeira no pé do ouvido sem problemas com a tradução. Destaques para as faixas Espoo e M&M. A segunda banda a aparecer é a baiana Pastel de Miolos. As canções que entraram nesse split pertencem às sessões de gravação do seu álbum de inéditas mas não estarão inclusas no seu novo disco, ganhando assim um caráter exclusivo para este projeto. As seis canções são bons aperitivos do que virá no tão aguardado “Novas Ideias, Velhos Ideais”, que será lançado neste mês de abril. Punk da melhor qualidade gritando contra o sistema e com boas pitadas de metal, destaques para Dentro do Sistema e Siga e Pare. Na sequencia vem a Agressivos, com seu grind core bem gravado. Com uma sonoridade próxima ao do seu disco de estreia, a banda traz suas novas faixas apostando em guitarras mais pesadas e cozinha ainda mais nervosa. Rixa e To na Bronca mostram que o grupo continua sem freio. A Derrube o Muro aparece aqui com seu hard core diferenciado e interessante para ouvidos mais atentos. Não se trata somente da velocidade pela velocidade nas músicas dos caras, elas são velozes mas possuem elementos diversos e bem colocados que conferem a banda um som bem elaborado. Tão certo assim que as suas canções têm entre dois a quatro minutos de duração. Atenção especial para Amizade e Velha Escola, Nova Escola. É para derrubar o muro mesmo!

            O 4Way Split é uma boa oportunidade de conhecer os novos trabalhos dessas bandas. A qualidade das gravações é algo que deve ser levado em conta neste primeiro volume e a energia que cada banda imprimiu em suas gravações já valem a audição do disco. Agora é só aproveitar o som e esperar o próximo volume da série.

Popular Posts

Resenha: Revista Ozadia, número zero.

Sou um apreciador recente de quadrinhos, e já há algum tempo venho acompanhando o que vem sendo feito de bom neste ramo e fico salivando por novidades dos meus autores preferidos. Ao mesmo tempo que, assim como no rock, é muito bom saber que há uma movimentação local na produção de HQ’s e que essas produções saem de mãos talentosas e possuidoras de uma liberdade criativa que se iguala à música que aprecio. A mais recente novidade é a edição de número zero da revista Ozadia, que é uma compilação de cinco histórias eróticas escritas pelas mãos de sete quadrinistas e roteiristas daqui da Bahia. Lançada com o apoio do selo Quadro a Quadro e ganhando popularidade a cada dia que passa, a revista tem dois aspectos importantes para ser lida mais de uma vez: uma ótima fluência no seu texto e traços inspiradíssimos de seus desenhos. De Ricardo Cidade e Alex Lins, “Especimen” abre a Ozadia com uma ótima ficção cientifica pornográfica, onde a heroína sai em busca de coleta de amostras de um

As 10 Caras do Rock Baiano - Com a Banda Vômitos, "Punk Rock pra mendigo!"

O Portal Soterorockpolitano foi buscar na cidade de Barreiras os entrevistados da oitava entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano”, são eles o guitarrista Rick Rodriguez e o vocalista Tito Blasphemer, da banda Vômitos. Nessa entrevista eles falam sobre as condições da cena da sua cidade e do esforço para mante-la ativa, suas influências e a inspiração para as suas letras, além da repercussão do clipe da música “Facada”, que já chegou a mais de 3.000 visualizações no Youtube. Então, ajeite-se na sua cadeira e fique ligado para não tomar uma facada no bucho. Soterorockpolitano - Como e quando surgiu a banda? Rick Rodriguez - A banda surgiu em 2007, tínhamos um interesse em comum, que era o punk rock, e isso nos motivou a formar a banda na época, começamos tocando músicas dos Ramones, que era nossa banda preferida e logo em seguida começamos a compor, e ter nossas próprias músicas. Tito Blasphemer - Estávamos cansados da cena de nossa cidade, bandas que

4 Discos de Rock Baiano, a compilação das cinco publicações. Por Leonardo Cima.

Movidos pelo resgate da memória da cena independente da Bahia, no qual o selo SoteroRec tem feito com o Retro Rocks desde o inicio deste ano  e por todas as ações que o cenário também tem feito nesse sentido, decidimos trazer uma compilação especial do nosso site para você que nos acompanha.  Em 2017, o Portal Soterorock fez uma série de matérias que destacava alguns dos principais discos de rock lançados na Bahia ao longo dos anos. Essa série se chamava "4 Discos de Rock Baiano" e como o nome sugere, quatro discos eram referenciados nas matérias.  Foram ao todo cinco publicações com bandas/artistas de gerações distintas reunidas nesta coletânea.  Você vai encontrar aqui pontuações sobre as obras e o mais importante: o registro público sobre elas, para que possam ser revisitadas e referenciadas ao longo dos anos. Passar em branco é que não pode! O aspecto positivo de se visitar essas postagens é a de ver que a maioria das bandas e artistas citados nelas ainda estão em ativida