Pular para o conteúdo principal

Resenha: 4Way Split, CD Split das bandas Riiva, Pastel de Miolos, Agressivos e Derrube o Muro.

Capa do Split - Divulgação
O uso do cd split, no cenário roqueiro independente mundial, tem sido uma prática adotada pelas bandas de rock que nele circulam desde meados da década de oitenta. Para quem ainda não está familiarizado com ele, o cd split é um compacto lançado por duas ou mais bandas na mesma prensagem, com o intuito de ampliar o alcance de divulgação de cada uma delas. É com essa proposta que os selos Brechó Discos e Bigbross Records lançam o seu mais novo material, o álbum 4Way Split, que inclui as bandas Riiva (Finlândia), Pastel de Miolos, Agressivos e Derrube o Muro.



            Este cd é o primeiro de uma série de, por enquanto, três volumes e que sempre trará quatro bandas em sua composição. É um projeto inédito em terras baianas, por ser ousado e pelo fato de ser incomum, aqui no Estado, essa quantidade de bandas formando um split. Ainda como característica forte do disco, quase todas as músicas contidas nele são novas, o que vem a dar mais credibilidade à obra e que ajuda a firmar o compromisso dos dois selos envolvidos no seu lançamento, em realizar um trabalho sério e de qualidade no cenário roqueiro da Bahia.
            Com um total de vinte e quatro músicas e distribuídas de forma aleatória, cada banda traz seis canções inéditas dos seus respectivos repertórios. Abrindo a sequencia, os gringos da banda finlandesa Riiva executam sem perdão o seu punk rock rápido, direto e com o idioma de origem dos rapazes. Porrada certeira no pé do ouvido sem problemas com a tradução. Destaques para as faixas Espoo e M&M. A segunda banda a aparecer é a baiana Pastel de Miolos. As canções que entraram nesse split pertencem às sessões de gravação do seu álbum de inéditas mas não estarão inclusas no seu novo disco, ganhando assim um caráter exclusivo para este projeto. As seis canções são bons aperitivos do que virá no tão aguardado “Novas Ideias, Velhos Ideais”, que será lançado neste mês de abril. Punk da melhor qualidade gritando contra o sistema e com boas pitadas de metal, destaques para Dentro do Sistema e Siga e Pare. Na sequencia vem a Agressivos, com seu grind core bem gravado. Com uma sonoridade próxima ao do seu disco de estreia, a banda traz suas novas faixas apostando em guitarras mais pesadas e cozinha ainda mais nervosa. Rixa e To na Bronca mostram que o grupo continua sem freio. A Derrube o Muro aparece aqui com seu hard core diferenciado e interessante para ouvidos mais atentos. Não se trata somente da velocidade pela velocidade nas músicas dos caras, elas são velozes mas possuem elementos diversos e bem colocados que conferem a banda um som bem elaborado. Tão certo assim que as suas canções têm entre dois a quatro minutos de duração. Atenção especial para Amizade e Velha Escola, Nova Escola. É para derrubar o muro mesmo!

            O 4Way Split é uma boa oportunidade de conhecer os novos trabalhos dessas bandas. A qualidade das gravações é algo que deve ser levado em conta neste primeiro volume e a energia que cada banda imprimiu em suas gravações já valem a audição do disco. Agora é só aproveitar o som e esperar o próximo volume da série.

Popular Posts

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava

Como na profundidade do cosmo. Por Leonardo cima.

Bem no começo desse ano, em janeiro, antes de toda essa agonia que nos encontramos, de pandemia e quarentena, a banda soteropolitana Vernal lançou o seu mais recente trabalho, Epicteto. Essa ressalva inicial do período desse lançamento se faz presente pelo fato de trazer uma recordação recente, de se botar na praça algo novo e poder circular livremente por aí pelas gigs e se esbarrar com os seus autores em um palco tocando as suas canções. Digo isso de maneira geral, até. As produções da cena continuaram e continuam em meio a quarentena, mas esse sabor de presenciar as coisas de perto já começa a pesar, de certa maneira, e visitar esse disco da Vernal também é visitar esse período de cerca de dois meses e meio, ou três (quase!), de liberdade sem restrições que ainda gozávamos. Olhando mais para dentro desse momento, o trio estava vivendo uma boa projeção na cena, com boa frequência de shows e aparição em canais de comunicação alternativa, alguns deles em seus passos iniciai

Sexto guia de singles de bandas baianas. Por Leonardo Cima.

Mais uma vez o Portal SoteroRock traz a sua lista de singles de bandas e artistas baianos, lançados ao longo desse período pandêmico no qual nos encontramos neste 2020. Para essa ocasião, a diversidade ainda marca uma forte presença nessa seleta. Rock, pop, metal, eletrônico, folk e o grande leque que se abre a partir desses gêneros vão aparecer para você aqui enquanto faz a sua leitura. Então, abra a sua mente, saiba um pouco sobre cada um dos trabalhos citados aqui, siga cada um nas redes sociais (se possível, é claro!) e, óbvio, escute as canções!! Se você acha que faltou algum artista/banda aqui nessa matéria, mande uma mensagem inbox pelo nosso perfil do Instagram, que iremos escutar! Midorii Kido - Sou o que Sou Para quem acha que o rock já se esgotou em termos de abraçar minorias e até mesmo acredita que é conservador, este primeiro single da drag queen Midorii Kido é um tapa na face daqueles que professam dessa maneira contra o gênero. Sou o que Sou é um rock forte,