Pular para o conteúdo principal

Noite de chuva, porém quente e experimental

"Shows de aquecimento para o 6° Bigbands preparam a sua chegada."

Mais uma vez a equipe do Portal Soterorockpolitano adentrou na noite da cena rocker da cidade para conferir, desta vez, o Warm Up Bigbands, o aquecimento de um dos mais importantes festivais da Bahia, o Festival Bigbands. Chegando nesta ocasião a sua sexta edição, depois do hiato de um ano, o evento ressurge com uma grade de atrações que traz grupos da capital e do interior da Bahia, além de bandas da região nordeste e do centro-oeste e alcança, em seu ápice, quatro dias em dois finais de semana do mês de agosto (dias 08, 09, 14 e 16). Antes, no dia 03/08, o evento acontece no projeto Faustão Falando Sozinho, no Espaço Cultural Dona Neuza (no Marback) e é o único momento a ocorrer fora do Dubliners Irish Pub.

O Rio Vermelho, na noite deste último sábado, parecia o Pelourinho em dias de carnaval. Foi confuso, confesso! O lugar estava mais cheio que o normal e realmente lotado de gringo e de gente que passava dos limites na tentativa de contato com eles. Tinham aqueles que arranhavam o seu inglês(?) com turistas argentinos...
espantando-os de vez da mesa do bar, e aquelas que estavam esperançosas por arranjar um novo namorado de qualquer parte da Europa e, consequentemente, pagar promessa ao santo casamenteiro.
Mas o fato é que, nessa babel, o rock como língua universal se aprumava para receber a quem quisesse chegar de qualquer parte do planeta, sendo ele brasileiro ou estrangeiro, e contava com três bandas para aquecer a noite chuvosa de Salvador. Como de costume, o Irish Pub já se encontrava com a sua frente cheia do bom público que foi ver as bandas Tentrio, Modus Operandi e Lacertae (SE) e esperavam o início do som há muito tempo já anunciado.
Banda Tentrio

Arauto do que está por vir
            O Warm Up Bigbands foi de fato um grande aquecimento para o festival que está por vir. Estavam para se apresentar algumas bandas que não têm tocado com muita frequência no cenário e que há muito tempo mereciam espaço para mostrar seus trabalhos. Sendo elas bandas de estilos e qualidades impares, que fizeram o almejo pela noite aumentar desde o momento do anuncio do evento, é bem verdade que o line up desta noite fez justiça a todas elas, diante da qualidade e diversidade musical que ali foi vista e, principalmente, pela diversão na qual ambas executaram suas canções.
            Entrando no recinto, a Tentrio já tocava a sua primeira canção. Na condição de uma das principais bandas de rock instrumental da cena local, o trio de rock soube se beneficiar da boa aparelhagem que estava no palco. Tendo a fama de músicos disciplinados, os rapazes se fizeram valer pela concentração e compromisso que possuem com o som que fazem, derramando toda a sua face psicodélica e stoner nos ouvidos de quem ali estavam. As músicas explodiam de forma empolgante e deixaram a apresentação mais energética e com um final de certa forma surpreendente quando fizeram um cover cantado de um lado b do Nirvana, a música “D-7”. Em seguida veio a Modus Operandi. Sempre quis ver uma apresentação dos caras ao vivo para saber como funcionava essa dinâmica diferente que eles têm no som, com toda aquela parafernália de latas, botijão, furadeira, britadeira e correntes no lugar da guitarra. Não pude deixar a oportunidade de ver essa formação inusitada passar e o que vi foi incrível. A qualidade do som da banda ao vivo é muito superior ao que está nos seus discos.


Modus Operandi
Uma empolgação grandiosa dos integrantes e uma sonoridade atmosférica, que vai muito mais além das suas referencias góticas e industriais, fizeram uma diferença significativa na apresentação dos rapazes. Foi como se o Joy Division aumentasse a rotação de sua música em dez vezes e se misturado a sons de fábrica. As danças insanas do vocalista, as performances do percussionista e do baixista, a segurança do baterista e o cover de última hora de “I Wanna be Your Dog”, dos The Stooges, confirmaram a qualidade da banda em cima do palco. Para encerrar a noite a banda sergipana Lacertae veio mostrar para o publico de Salvador a sua também inusitada formação, com ausência de um baixo e com o seu baterista tocando berimbau e bateria ao mesmo tempo. Mesmo com melodias de guitarra bem elaboradas, a Lacertae não conseguiu segurar a audiência presente desde metade de seu show. Além do fato deles estarem sob grande expectativa do público local, o grupo encontrou alguns problemas técnicos (na bateria e na pedaleira, em momentos distintos) ao longo de sua apresentação, que acabaram prejudicando a sua performance. Já próximo ao final do show, o volume da guitarra ia aumentando cada vez mais e as pessoas iam se dispersando na mesma proporção. Deixaram a desejar! Ainda assim, para mim valeu muito a experiência de ter visto um show dos sergipanos, eles estão há vinte e cinco anos na estrada e muito antes do Jack White surgir com essa onda de banda de rock em dupla eles já quebravam tudo por esse Brasil.

Ao final, um desentendimento conjugal e uma cosplay (ou seria cospobre?) sedutora da Beyoncé nos pegaram de surpresa na saída do pub, esperamos que o casal tenha se resolvido e que a Beyoncé tenha chegado bem em casa. Se pelo menos as pessoas não ficassem do lado de fora do bar enquanto as bandas tocam, elas não teriam esse tipo de exposição de suas imagens. Quanto ao Warm Up Bigbands, este sim fez sua parte e deixou um gosto do que virá no mês de agosto, agora é só esperar a chegada do 6° Bigbands. Enquanto isso, você pode contribuir com o festival sendo um apoiador através do site Catarse. É só acessar e ver as condições!


Popular Posts

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava

Sexto guia de singles de bandas baianas. Por Leonardo Cima.

Mais uma vez o Portal SoteroRock traz a sua lista de singles de bandas e artistas baianos, lançados ao longo desse período pandêmico no qual nos encontramos neste 2020. Para essa ocasião, a diversidade ainda marca uma forte presença nessa seleta. Rock, pop, metal, eletrônico, folk e o grande leque que se abre a partir desses gêneros vão aparecer para você aqui enquanto faz a sua leitura. Então, abra a sua mente, saiba um pouco sobre cada um dos trabalhos citados aqui, siga cada um nas redes sociais (se possível, é claro!) e, óbvio, escute as canções!! Se você acha que faltou algum artista/banda aqui nessa matéria, mande uma mensagem inbox pelo nosso perfil do Instagram, que iremos escutar! Midorii Kido - Sou o que Sou Para quem acha que o rock já se esgotou em termos de abraçar minorias e até mesmo acredita que é conservador, este primeiro single da drag queen Midorii Kido é um tapa na face daqueles que professam dessa maneira contra o gênero. Sou o que Sou é um rock forte,

O garage noir da The Futchers. Por Leonardo Cima.

Nesses últimos dois meses, o selo SoteroRec teve a honra e a felicidade de lançar na sua série Retro Rocks, os trabalhos de uma das bandas mais interessantes que a cena local já teve e que, infelizmente, não teve uma projeção devidamente extensa. Capitaneada por Rodrigo "Sputter" Chagas (vocal da The Honkers), a The Futchers foi a sua banda paralela idealizada e montada por ele próprio no final do ano de 2006. A propósito, o nome Futchers vem inspirado da dislexia do compositor britânico Billy Childish, que escreve as palavras da mesma maneira que as fala. Ele, ao lado de mais quatro integrantes, também de bandas locais da época, começaram os ensaios com uma proposta sonora voltada mais para o mood e o garage rock, se distanciando um pouco dos seus respectivos trabalhos nos grupos anteriores. Relembrando um pouco daquele período e como observador, esse "peso" de não ter que se repetir musicalmente recaía um pouco mais sobre Rodrigo. Não que houvesse isso