Pular para o conteúdo principal

Noite de chuva, porém quente e experimental

"Shows de aquecimento para o 6° Bigbands preparam a sua chegada."

Mais uma vez a equipe do Portal Soterorockpolitano adentrou na noite da cena rocker da cidade para conferir, desta vez, o Warm Up Bigbands, o aquecimento de um dos mais importantes festivais da Bahia, o Festival Bigbands. Chegando nesta ocasião a sua sexta edição, depois do hiato de um ano, o evento ressurge com uma grade de atrações que traz grupos da capital e do interior da Bahia, além de bandas da região nordeste e do centro-oeste e alcança, em seu ápice, quatro dias em dois finais de semana do mês de agosto (dias 08, 09, 14 e 16). Antes, no dia 03/08, o evento acontece no projeto Faustão Falando Sozinho, no Espaço Cultural Dona Neuza (no Marback) e é o único momento a ocorrer fora do Dubliners Irish Pub.

O Rio Vermelho, na noite deste último sábado, parecia o Pelourinho em dias de carnaval. Foi confuso, confesso! O lugar estava mais cheio que o normal e realmente lotado de gringo e de gente que passava dos limites na tentativa de contato com eles. Tinham aqueles que arranhavam o seu inglês(?) com turistas argentinos...
espantando-os de vez da mesa do bar, e aquelas que estavam esperançosas por arranjar um novo namorado de qualquer parte da Europa e, consequentemente, pagar promessa ao santo casamenteiro.
Mas o fato é que, nessa babel, o rock como língua universal se aprumava para receber a quem quisesse chegar de qualquer parte do planeta, sendo ele brasileiro ou estrangeiro, e contava com três bandas para aquecer a noite chuvosa de Salvador. Como de costume, o Irish Pub já se encontrava com a sua frente cheia do bom público que foi ver as bandas Tentrio, Modus Operandi e Lacertae (SE) e esperavam o início do som há muito tempo já anunciado.
Banda Tentrio

Arauto do que está por vir
            O Warm Up Bigbands foi de fato um grande aquecimento para o festival que está por vir. Estavam para se apresentar algumas bandas que não têm tocado com muita frequência no cenário e que há muito tempo mereciam espaço para mostrar seus trabalhos. Sendo elas bandas de estilos e qualidades impares, que fizeram o almejo pela noite aumentar desde o momento do anuncio do evento, é bem verdade que o line up desta noite fez justiça a todas elas, diante da qualidade e diversidade musical que ali foi vista e, principalmente, pela diversão na qual ambas executaram suas canções.
            Entrando no recinto, a Tentrio já tocava a sua primeira canção. Na condição de uma das principais bandas de rock instrumental da cena local, o trio de rock soube se beneficiar da boa aparelhagem que estava no palco. Tendo a fama de músicos disciplinados, os rapazes se fizeram valer pela concentração e compromisso que possuem com o som que fazem, derramando toda a sua face psicodélica e stoner nos ouvidos de quem ali estavam. As músicas explodiam de forma empolgante e deixaram a apresentação mais energética e com um final de certa forma surpreendente quando fizeram um cover cantado de um lado b do Nirvana, a música “D-7”. Em seguida veio a Modus Operandi. Sempre quis ver uma apresentação dos caras ao vivo para saber como funcionava essa dinâmica diferente que eles têm no som, com toda aquela parafernália de latas, botijão, furadeira, britadeira e correntes no lugar da guitarra. Não pude deixar a oportunidade de ver essa formação inusitada passar e o que vi foi incrível. A qualidade do som da banda ao vivo é muito superior ao que está nos seus discos.


Modus Operandi
Uma empolgação grandiosa dos integrantes e uma sonoridade atmosférica, que vai muito mais além das suas referencias góticas e industriais, fizeram uma diferença significativa na apresentação dos rapazes. Foi como se o Joy Division aumentasse a rotação de sua música em dez vezes e se misturado a sons de fábrica. As danças insanas do vocalista, as performances do percussionista e do baixista, a segurança do baterista e o cover de última hora de “I Wanna be Your Dog”, dos The Stooges, confirmaram a qualidade da banda em cima do palco. Para encerrar a noite a banda sergipana Lacertae veio mostrar para o publico de Salvador a sua também inusitada formação, com ausência de um baixo e com o seu baterista tocando berimbau e bateria ao mesmo tempo. Mesmo com melodias de guitarra bem elaboradas, a Lacertae não conseguiu segurar a audiência presente desde metade de seu show. Além do fato deles estarem sob grande expectativa do público local, o grupo encontrou alguns problemas técnicos (na bateria e na pedaleira, em momentos distintos) ao longo de sua apresentação, que acabaram prejudicando a sua performance. Já próximo ao final do show, o volume da guitarra ia aumentando cada vez mais e as pessoas iam se dispersando na mesma proporção. Deixaram a desejar! Ainda assim, para mim valeu muito a experiência de ter visto um show dos sergipanos, eles estão há vinte e cinco anos na estrada e muito antes do Jack White surgir com essa onda de banda de rock em dupla eles já quebravam tudo por esse Brasil.

Ao final, um desentendimento conjugal e uma cosplay (ou seria cospobre?) sedutora da Beyoncé nos pegaram de surpresa na saída do pub, esperamos que o casal tenha se resolvido e que a Beyoncé tenha chegado bem em casa. Se pelo menos as pessoas não ficassem do lado de fora do bar enquanto as bandas tocam, elas não teriam esse tipo de exposição de suas imagens. Quanto ao Warm Up Bigbands, este sim fez sua parte e deixou um gosto do que virá no mês de agosto, agora é só esperar a chegada do 6° Bigbands. Enquanto isso, você pode contribuir com o festival sendo um apoiador através do site Catarse. É só acessar e ver as condições!


Popular Posts

O melhor do que eu não escrevi no Portal Soterorock em 2018. Por Leo Cima.

Neste ano de 2018 o Portal Soterorock resolveu tirar alguns dias de folga. Algo próximo a trezentos e sessenta e cinco dias, quase um ano, é verdade. Porém, é fato que, depois de dez anos cobrindo a cena roqueira local, com textos ou podcasts, sem incentivo financeiro algum, o site decidiu que seria o momento certo para dar um tempinho nas atividades daqui, para priorizar e atender a outras demandas não menos importantes. Mas, mesmo distante das publicações, nos mantivemos atentos ao movimento do cenário, observando quem se manteve atuante, seja em estúdio, ou nos palcos.
Muita coisa aconteceu este ano na cena rocker da Bahia, desde discos lançados até uma boa frequência regular de shows na capital baiana, mesmo com um número cada vez menor de casas que recebe o gênero por aqui. E é esse segundo item que ganhará destaque aqui nesta matéria, em uma outra oportunidade falarei sobres os lançamentos baianos de 2018, vamos com calma. O fato é que, fazendo visitas a eventos, seja como um pag…

Série “As DEZ Caras do Rock Baiano” - Com Caroline Lima, (Voz na Chá de Pensamentos), apresentando "Kansu" o seu mais novo projeto!

A série “As 10 Caras do Rock Baiano” traz desta vez Caroline Lima, integrante do projeto experimental de música e arte Kansu Project , duo que conta também com Sérgio da Mata dividindo as composições. Na última quinta feira (28/03/2013), ás 22:30, foi lançado na página da Kansu Project no facebook o remix de “A Little Bit of Me”, seu primeiro single e, nesse ótimo papo descontraído e espontâneo, Caroline nos falou sobre o interessante processo de produção e gravação das músicas da dupla, suas influências e suas impressões sobre a cena local. Então se ajeite em sua cadeira, aproveite a entrevista, dê um curtir na página do grupo e “FEEL FREE”. 
SRP – O que é a Kansu Project, é um duo? E o que sgnifica? 
Caroline Lima - É um duo sim. Sou eu e Sergio da Mata, meu amigo de adolescência. Sobre o significado... foi a junção dos nomes de personagens de livros que escrevemos em 2002, também é o nome de uma província da China e o nome deriva desse idioma...alguns traduzem como "orquídea&quo…

“As Dez Caras do Rock Baiano” com Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute)

Chegando ao final da sua primeira fase, a série “As Dez Caras do Rock Baiano” traz em sua quinta entrevista uma das grandes personalidades já presente na cena local há muitos anos: o vocalista da The Honkers, Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute, como preferir). Nessa conversa, que foi uma das mais longas e intrigantes dessa série e realizada na época da volta da banda aos palcos soteropolitanos, Rodrigo falou sobre o que chama a sua atenção no cenário, o cuidado que um artista têm que tomar com a sua própria arte, como a quantidade de informação influencia no jeito raso de ser do novo roqueiro e sobre as intenções para o futuro da The Honkers, além de se mostrar como um autor de livros de auto ajuda em potencial. Você já sabe, se ajeite com firmeza na cadeira e embarque nessa entrevista dessa grande figura do rock da Bahia. 
SRP - Como foi ficar um ano longe da The Honkers? 

Rodrigo Chagas - Zorra... Normal, hehe. Cansei na sétima música. 

SRP – O que achou do retorno da The Honkers aos pa…