Pular para o conteúdo principal

Atiradores de elite da cidade baixa | Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes

Cavernas! O som da bateria parece realmente ter sido captada das cavernas, com alguma tecnologia que possibilitasse uma viagem no tempo e gravasse o som que ficou registrado nesse disco. A guitarra, tão bem elaborada e cristalina que a imagino sendo tocada no pico da mais alta montanha, com os seus riffs ecoando pelos vales afora e chegando nos mais longínquos lugares.
Não haveria introdução melhor para fazer sobre a Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes, novo trabalho dos irmãos Jamil Jende e Thiago Jende, senão descrever um pouco do que é a sonoridade dos rapazes neste EP de estreia que contêm quatro canções. Produzida pelo Irmão Carlos, pelo Beto Melo e pelos próprios inegrantes, a banda se assume como um duo mas não deixa de lado o baixo...
para dar corpo ao seu som, mantendo assim, características tradicionais do rock.
Para minha surpresa, quem assume os vocais na dupla é o baterista Thiago Jende. Não é comum um baterista assumir os vocais e executar o instrumento ao mesmo tempo. A sua voz tem algo peculiar, bem diferente, tendo um sotaque baiano carregadíssimo que caiu bem para as suas músicas. Logo na abertura, em “Chão Pisado”, o som stoner imenso e bem preenchido dos rapazes já joga para o ouvinte todo o seu arsenal sonoro, como se estivesse avançando rumo à vitória iminente. Em “Mulher Kriptonita”, a marcha continua com uma chuva de ótimos riffs e viradas de bateria incansáveis, é nela onde fica mais evidente a influência setentista da banda. Em seguida vem “Olhos Virados”, um blues seguro, forte, ainda mais setentista, com letra sugestiva e bem intencionada. Fechando o EP, “Psicologia de Sofá” traz um som mais arrastado, com um pé em influências mais modernas como os bons trabalhos das diversas bandas do Jack White sem perder a pegada das músicas anteriores.

O grande mérito da BVEAODE é o de justamente manter a unidade sonora durante todo o compacto. Ele totaliza o tempo de um pouco mais de quinze minutos, que passam rápido diante do nível da qualidade na qual foi gravado, te deixando pronto para reapertar o play e curtir o som novamente. As influências setentistas e stoners mais modernas, já citadas acima, trazem o clima rocker como um bom pano de fundo para uma festa e uma pós-festa. A qualidade dos componentes é incontestável e os deixam na condição de dois dos melhores soldados do exército de bons músicos, surgidos de boas bandas vindas da cidade baixa, avançando como reais búfalos vermelhos incansáveis pela cena desta terra.

Popular Posts

O melhor do que eu não escrevi no Portal Soterorock em 2018. Por Leo Cima.

Neste ano de 2018 o Portal Soterorock resolveu tirar alguns dias de folga. Algo próximo a trezentos e sessenta e cinco dias, quase um ano, é verdade. Porém, é fato que, depois de dez anos cobrindo a cena roqueira local, com textos ou podcasts, sem incentivo financeiro algum, o site decidiu que seria o momento certo para dar um tempinho nas atividades daqui, para priorizar e atender a outras demandas não menos importantes. Mas, mesmo distante das publicações, nos mantivemos atentos ao movimento do cenário, observando quem se manteve atuante, seja em estúdio, ou nos palcos.
Muita coisa aconteceu este ano na cena rocker da Bahia, desde discos lançados até uma boa frequência regular de shows na capital baiana, mesmo com um número cada vez menor de casas que recebe o gênero por aqui. E é esse segundo item que ganhará destaque aqui nesta matéria, em uma outra oportunidade falarei sobres os lançamentos baianos de 2018, vamos com calma. O fato é que, fazendo visitas a eventos, seja como um pag…

Série “As DEZ Caras do Rock Baiano” - Com Caroline Lima, (Voz na Chá de Pensamentos), apresentando "Kansu" o seu mais novo projeto!

A série “As 10 Caras do Rock Baiano” traz desta vez Caroline Lima, integrante do projeto experimental de música e arte Kansu Project , duo que conta também com Sérgio da Mata dividindo as composições. Na última quinta feira (28/03/2013), ás 22:30, foi lançado na página da Kansu Project no facebook o remix de “A Little Bit of Me”, seu primeiro single e, nesse ótimo papo descontraído e espontâneo, Caroline nos falou sobre o interessante processo de produção e gravação das músicas da dupla, suas influências e suas impressões sobre a cena local. Então se ajeite em sua cadeira, aproveite a entrevista, dê um curtir na página do grupo e “FEEL FREE”. 
SRP – O que é a Kansu Project, é um duo? E o que sgnifica? 
Caroline Lima - É um duo sim. Sou eu e Sergio da Mata, meu amigo de adolescência. Sobre o significado... foi a junção dos nomes de personagens de livros que escrevemos em 2002, também é o nome de uma província da China e o nome deriva desse idioma...alguns traduzem como "orquídea&quo…

“As Dez Caras do Rock Baiano” com Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute)

Chegando ao final da sua primeira fase, a série “As Dez Caras do Rock Baiano” traz em sua quinta entrevista uma das grandes personalidades já presente na cena local há muitos anos: o vocalista da The Honkers, Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute, como preferir). Nessa conversa, que foi uma das mais longas e intrigantes dessa série e realizada na época da volta da banda aos palcos soteropolitanos, Rodrigo falou sobre o que chama a sua atenção no cenário, o cuidado que um artista têm que tomar com a sua própria arte, como a quantidade de informação influencia no jeito raso de ser do novo roqueiro e sobre as intenções para o futuro da The Honkers, além de se mostrar como um autor de livros de auto ajuda em potencial. Você já sabe, se ajeite com firmeza na cadeira e embarque nessa entrevista dessa grande figura do rock da Bahia. 
SRP - Como foi ficar um ano longe da The Honkers? 

Rodrigo Chagas - Zorra... Normal, hehe. Cansei na sétima música. 

SRP – O que achou do retorno da The Honkers aos pa…