Pular para o conteúdo principal

Atiradores de elite da cidade baixa | Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes

Cavernas! O som da bateria parece realmente ter sido captada das cavernas, com alguma tecnologia que possibilitasse uma viagem no tempo e gravasse o som que ficou registrado nesse disco. A guitarra, tão bem elaborada e cristalina que a imagino sendo tocada no pico da mais alta montanha, com os seus riffs ecoando pelos vales afora e chegando nos mais longínquos lugares.
Não haveria introdução melhor para fazer sobre a Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes, novo trabalho dos irmãos Jamil Jende e Thiago Jende, senão descrever um pouco do que é a sonoridade dos rapazes neste EP de estreia que contêm quatro canções. Produzida pelo Irmão Carlos, pelo Beto Melo e pelos próprios inegrantes, a banda se assume como um duo mas não deixa de lado o baixo...
para dar corpo ao seu som, mantendo assim, características tradicionais do rock.
Para minha surpresa, quem assume os vocais na dupla é o baterista Thiago Jende. Não é comum um baterista assumir os vocais e executar o instrumento ao mesmo tempo. A sua voz tem algo peculiar, bem diferente, tendo um sotaque baiano carregadíssimo que caiu bem para as suas músicas. Logo na abertura, em “Chão Pisado”, o som stoner imenso e bem preenchido dos rapazes já joga para o ouvinte todo o seu arsenal sonoro, como se estivesse avançando rumo à vitória iminente. Em “Mulher Kriptonita”, a marcha continua com uma chuva de ótimos riffs e viradas de bateria incansáveis, é nela onde fica mais evidente a influência setentista da banda. Em seguida vem “Olhos Virados”, um blues seguro, forte, ainda mais setentista, com letra sugestiva e bem intencionada. Fechando o EP, “Psicologia de Sofá” traz um som mais arrastado, com um pé em influências mais modernas como os bons trabalhos das diversas bandas do Jack White sem perder a pegada das músicas anteriores.

O grande mérito da BVEAODE é o de justamente manter a unidade sonora durante todo o compacto. Ele totaliza o tempo de um pouco mais de quinze minutos, que passam rápido diante do nível da qualidade na qual foi gravado, te deixando pronto para reapertar o play e curtir o som novamente. As influências setentistas e stoners mais modernas, já citadas acima, trazem o clima rocker como um bom pano de fundo para uma festa e uma pós-festa. A qualidade dos componentes é incontestável e os deixam na condição de dois dos melhores soldados do exército de bons músicos, surgidos de boas bandas vindas da cidade baixa, avançando como reais búfalos vermelhos incansáveis pela cena desta terra.

Popular Posts

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava

Como na profundidade do cosmo. Por Leonardo cima.

Bem no começo desse ano, em janeiro, antes de toda essa agonia que nos encontramos, de pandemia e quarentena, a banda soteropolitana Vernal lançou o seu mais recente trabalho, Epicteto. Essa ressalva inicial do período desse lançamento se faz presente pelo fato de trazer uma recordação recente, de se botar na praça algo novo e poder circular livremente por aí pelas gigs e se esbarrar com os seus autores em um palco tocando as suas canções. Digo isso de maneira geral, até. As produções da cena continuaram e continuam em meio a quarentena, mas esse sabor de presenciar as coisas de perto já começa a pesar, de certa maneira, e visitar esse disco da Vernal também é visitar esse período de cerca de dois meses e meio, ou três (quase!), de liberdade sem restrições que ainda gozávamos. Olhando mais para dentro desse momento, o trio estava vivendo uma boa projeção na cena, com boa frequência de shows e aparição em canais de comunicação alternativa, alguns deles em seus passos iniciai

Sexto guia de singles de bandas baianas. Por Leonardo Cima.

Mais uma vez o Portal SoteroRock traz a sua lista de singles de bandas e artistas baianos, lançados ao longo desse período pandêmico no qual nos encontramos neste 2020. Para essa ocasião, a diversidade ainda marca uma forte presença nessa seleta. Rock, pop, metal, eletrônico, folk e o grande leque que se abre a partir desses gêneros vão aparecer para você aqui enquanto faz a sua leitura. Então, abra a sua mente, saiba um pouco sobre cada um dos trabalhos citados aqui, siga cada um nas redes sociais (se possível, é claro!) e, óbvio, escute as canções!! Se você acha que faltou algum artista/banda aqui nessa matéria, mande uma mensagem inbox pelo nosso perfil do Instagram, que iremos escutar! Midorii Kido - Sou o que Sou Para quem acha que o rock já se esgotou em termos de abraçar minorias e até mesmo acredita que é conservador, este primeiro single da drag queen Midorii Kido é um tapa na face daqueles que professam dessa maneira contra o gênero. Sou o que Sou é um rock forte,