Pular para o conteúdo principal

Cascadura anuncia lançamento de clipe da música O Delator

"O clipe terá estreia oficial dia 31 no site da revista Rolling Stone Brasil e show comemorativo no Portela Café, dia 2 de agosto"
No próximo dia 31, a banda Cascadura lança o clipe da canção “O Delator”, que tem direção de Glauco Neves e Carlos Faria. Este é o segundo clipe do mais recente álbum da banda, “Aleluia” (2012), com o qual venceram o Prêmio Dynamite de Música Independente na categoria Melhor Álbum Pop de 2013. O primeiro clipe do álbum foi da música “Soteropolitana”, lançado em janeiro de 2012.
“Soteropolitana” é uma grande homenagem e também uma provocação às abordagens estereotipadas da cidade de Salvador. Mas além de pautar a história e dinâmica da capital em suas músicas, Fábio Cascadura, cantor da banda eautor de todas as canções da sua discografia, também gosta de lidar com aspectos negativos da existência humana, e é por aí que caminha a música “O Delator”...

A canção, que fala sobre a ação de delatar alguém, conta com a voz de Jajá Cardoso, da banda baiana Vivendo do Ócio, e a parceria se estende para o clipe, onde Jajá contracena com Fábio. Os dois interpretam as faces da acusação: quem acusa e quem é acusado de delação. Tudo foi organizado em cerca de 10 dias e filmado em uma madrugada.  As gravações aconteceram na garagem de uma empresa de ônibus de Salvador.
O clipe é uma realização da Attack Estúdio e 0800 Filmes com produção da Ruffo - Marketing Cultura e Arte. O diferencial está na fotografia, assinada por Carlos Faria que, desde o roteiro, se preocupou com a construção estética de um clipe colorido e direto. Seu lançamento exclusivo será dia 31 de julho no site da Revista Rolling Stone BRASIL .  Até lá o público pode conferir o trailer do clipe no canal do Cascadura no Youtube .
A partir do dia 2 de agosto o clipe estará disponível em outros canais, além do site da Revista Rolling Stone BRASIL. Nessa data, a banda fará um show para comemorar o lançamento do clipe junto com os fãs, em Salvador, no Portela Café (http://portelacafe.com.br), às 22h. Ingressos podem ser adquiridos com antecedência no local do show ou na loja Mídia Louca por R$20. Na hora do show, custarão R$30 na bilheteria.
O grande diferencial desse show será sua plasticidade, que vai honrar a bela fotografia do clipe de “O Delator”. Além disso, clipes do Cascadura e trechos da sua história serão exibidos em telão durante toda a noite, compondo o cenário da festa.
LANÇAMENTO DO CLIPE | Trailer já disponível no YouTube: Clique aqui!

Lançamento oficial: no site da Revista Rolling Stone Brasil: Dia 31.
 
Festa de Lançamento: 
Portela Café
2 de agosto, 22h
Ingresso: 20 reais (vendas no Portela Café e no Mídia Louca)
Vendas na bilheteria no dia da festa: 30 reais


Mais informações:
71 8833 9399 / 71 9198 7107 (Adriana Carolinne - Ruffo – Marketing, Cultura e Arte)
adriana@ruffo.art.br
facebook.com/cascadura.rock



Popular Posts

"Carnaval, carnaval, carnaval / Fico tão triste quando chega o carnaval" Por Sérgio Moraes

Com uma sonoridade ímpar desde os idos de 1985, a Banda Organoclorados (Alagoinhas-Bahia), Lançou seu mais recente vídeo “No Carnaval a Gente Esquece”. Você pode ouvir nas plataformas de vídeo espalhadas pela web ou aqui! 



O vídeo faz um paralelo visual da vida cotidiana, euforia e desespero se misturando na obscuridade dos dias turbulentos que vivemos. Misturando imagens de alegria (num simples passeio pela calçadão das ruas com a banda) e desilusões diárias (Coquetel Molotov e afins). A sonoridade blues-Rock da canção é bem vinda, pois, a participação especial de Lucas Costa na gaita harmônica abrilhanta ainda mais as imagens e a sonoridade de “No Carnaval a Gente Esquece”.
Veja e tire suas próprias conclusões deste belo vídeo, letra e composição dos cinco caras!
Organoclorados é: Alan Gustavo - guitarra; André G - baixo; Artur W - guitarra e voz; Joir Rocha - bateria; Roger Silva - teclados.
Título: Trecho da letra de Luiz Melodia “Quando o Carnaval Chegou.”

Tem muito som no tabuleiro do rock aqui na Bahia. Por Leonardo Cima.

Depois do nosso hiato no ano de 2018, retomamos às nossas atividades aqui no site em 2019. É bem verdade que escrevemos menos do que esperávamos e pretendíamos, porém continuamos observando o que acontecia na cena ao longo desses doze meses que se passaram. Bastante som foi lançado, várias propostas sonoras diferentes ganharam a luz do dia e mantiveram esse ano como os seus antecessores: agitado em volume e em alta qualidade de produção.
Teve banda/artista apostando em single, ou fazendo as suas primeiras investidas solo, projetos musicais saindo do papel, banda lançando novidade depois de muito tempo sem disponibilizar um novo trabalho, ou seja, uma considerável quantidade de impulsos motivadores levaram à todas essas novidades da cena rocker da Bahia.
Então, resolvi fazer essas micro resenhas para compensar a minha baixa frequência por aqui pelo site no ano que passou e para fazer justiça com esses lançamentos, trazendo alguns títulos nessa matéria. Mas, frisando, essa não é uma lista…

Depois do inferno...Tem outro Inferno...Por Sérgio Moraes

Ouvir bandas novas já faz parte da rotina de quem faz este site acontecer. Há quem duvide e não acredite que escutamos tudo atentamente, letra por letra, acorde por acorde. Nosso trampo é sério porque amamos tudo isso. 
Amo mais ainda quando alguns amigos voltam do inferno com boas novas. É o caso da banda D.D.I (Depois do Inferno), projeto novo de André Jegue (que mantem sozinho o projeto “Funciona Face” e Ex-integrante da não tão distante BR-64) e também André Batista – Bateria, Rodrigo Magalhães - Contrabaixo Mateus Galvão – Guitarra. Todos remanescentes de outras bandas da cidade. 
A DDI nasce com uma identidade própria já marcada pelos trabalhos anteriores dos caras, o que me deixa bastante contente. Quando André Jegue se dedica a cantar Hardcore seus vocais ficam lindos e agressivos não devendo nada a bandas como Dead Fish (Referência relevante do gênero). 
A D.D.I liberou duas ótimas músicas do seu próximo trabalho, “Depois do Inferno” e “Facada do Cão”, (Ouça as duas!). Ambas…