Pular para o conteúdo principal

Declinium: Uma passagem para Marte

Marte pode ser um lugar legal. Em certos momentos nos quais se deseja estar longe de tudo e de todos aqueles que podem nutrir sentimentos tristes e melancólicos, fazer uma viagem para o planeta vermelho pode ser uma opção para aliviar ou anular essas sensações. O Dr. Manhattan (icônico personagem de Watchmen, do Alan Moore) preferiu fazer isso para se isolar, tentar refletir e até esquecer de si próprio.

            É nesse embalo, com um rock triste dos bons que a banda Declinium lança o seu mais recente trabalho, o EP “Marte”. Sem receio algum de soar dessa forma, o grupo originado da Região Metropolitana de Salvador investe muito bem nas influências de seu som, que vão do rock depressivo...
de bandas dos anos 1980 (como o The Cure) até a criatividade das bandas indies do inicio dos anos 1990 (como o Sonic Youth, com seu álbum Goo), passando também pelo shoegazer inglês.

            As referencias nacionais na musica dos rapazes se fazem presentes logo na faixa de abertura do disco. É impressionante a semelhança da voz do seu vocalista e baixista, Oreah, com a voz do Renato Russo e essa é uma boa marca da banda, assim como a construção de suas músicas. “A Espera” é um banho de melancolia bem escrita, com uma canção lenta, mas muito intensa nas guitarras e nas letras. “A Canção da Despedida” continua no clima, com dedilhados pegajosos, bateria crescente, teclado fazendo uma boa textura e refrão com explosão angustiante, angustiante como a lembrança de uma despedida que insiste em não sair da cabeça. “Ela se Foi” é a mais shoegazer das cinco faixas, com guitarras sutilmente barulhentas ao fundo e com uma letra que versa sobre a tristeza e dor de ter que aceitar um amor perdido e sobre a quebra de planos feitos a dois. É de chorar! Criando uma atmosfera que se pode parear com a mesma atmosfera do disco “V”, da Legião Urbana, a faixa título é a melhor canção do EP. É uma faixa extremamente pegajosa, com potencial radiofônico, muito bem escrita, possuidora de todos os elementos que influenciam a banda e cantada com uma intensidade que expressa bem a tristeza de alguém que quer ir para Marte, porque o seu coração é Marte e por que ela é a passagem para Marte. É uma das melhores canções do rock baiano e faz crer que a melancolia também pode ser uma coisa boa para ser curtida. Encerrando o disco surge “Nietzsche”, com uma levada mais para frente e animada, com uma letra possuidora de uma mensagem esperançosa, juntada ao desejo de seguir seu caminho, como se estivesse voltando do planeta vizinho.


“Marte” é mais um típico exemplo do qual o ouvinte pode se perguntar ao final da audição o “por qual motivo essa música não toca na radio”, muito por conta do bom trabalho dos integrantes, que também produziram o EP, e também do seu resultado final. É bem provável que o tempo de estrada da banda tenha lhe credenciado a competência para fazer o disco, que por sua vez se faz bem fiel ao seu nome.

Popular Posts

Discoteca Básica Soterorock Apresenta: Entre 4 Paredes

Dando continuidade na nossa maratona especial da quarta edição do Soterorock Sessions, aqui vai mais uma postagem da série Discoteca Básica Soterorock Apresenta. Dessa vez, trazendo mais uma atração do nosso evento, a banda Entre 4 Paredes. Com diversas influências musicais, que vão do pop rock, até o post punk, passando pelo rock nacional e o gótico, o sexteto traz para essa matéria bons sons que merecem uma audição mais atenta e, junto a eles, as suas relações com cada um desses discos. Pegue carona nas dicas do grupo e deguste cada segundo musical dessa lista!
David Vertigo (tecladista)
Suicide - Suicide


O disco que inventou o cyberpunk antes dele existir. O trabalho de estreia homônino da dupla Suicide (Alan Vega nos vocais e Martin Rev no sintetizador) mostra da forma mais crua possível o que bandas de Industrial, EBM e afins só exibiriam décadas mais tarde:  niilismo, subversão, falta de esperança, ódio, inconformismo... Com timbres minimalistas, baterias repetitivas, vocais nonse…

Todo dia é dia de rock. Por Leo Cima.

Aconteceu, no final de semana em que se celebrou o dia mundial do rock, o festival Rock Concha 2019. Evento que, neste ano, comemorou trinta anos da sua primeira edição. Houve um hiato de um pouco mais de vinte anos nas suas atividades, porém, há quase uma década, a festa vem acontecendo de maneira assídua a cada ano e já pode ser considerada como certa no calendário cultural da cidade.
Para esta ocasião, a produção do evento apostou em um lineup que propôs fugir de repetir nomes escalados nos anos anteriores, se mantendo atrativo neste sentido e oferecendo ao seu público bandas relevantes na cena nacional e local, com algumas delas há bastante tempo sem vir à Salvador, outras lançando trabalho novo, ou comemorando décadas de estrada. A falta de roadies durante algumas apresentações foi percebida em dois momentos, nos shows da Drearylands e da Alquímea, mas nada que comprometesse o desempenho de ambas no palco!
No sábado, quem abriu o evento foi a Drearylands. Comemorando vinte anos …

As 10 Caras do Rock Baiano” com Paulo Diniz (Banda Weise)

A penúltima entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano” traz Paulo Diniz, vocalista e guitarrista da banda Weise. O grupo está lançando o seu mais novo trabalho, o cd intitulado “Aquele Que Superou o Fim dos Tempos”, e neste papo o entrevistado falou sobre o seu processo de gravação, sobre seus shows e as dinâmicas dos seus instrumentos no palco e também sobre as suas impressões da cena baiana de rock. Para não perder o costume, ajeite-se na cadeira e aproveite o papo com o rapaz. 
SoteroRockPolitano - É o segundo disco de vocês, certo? O que mudou no som da Weise desde o seu primeiro disco até esse último que está sendo lançado?  Paulo Diniz - Na verdade nós lançamos até agora somente EPs, que foi o "Fora do Céu", depois um outro que não tinha nome, e o terceiro que era uma previa de duas músicas do álbum que vamos lançar agora...