Pular para o conteúdo principal

Professor doidão e os aloprados: Juntando os mundos

"EP de estreia do Professor Doidão e os Aloprados diverte com sabedoria."


As manhas da vida não se aprendem na escola. Muito menos as do rock’n roll! E é nesse clima que o Professor Doidão e os Aloprados descarregam toda a energia sempre jovem do rock, misturada com a experiência de quem viveu e vive essa vertente musical tão presente ao longo de décadas.
Durante os 13’46” do EP “Quero Reunir os meus Mundos”, a banda liderada pelo Isaac Fiterman diverte o ouvinte com canções que remetem a raiz do rock, também com referencias mais recentes e conta com um time de figuras...
experientes da cena local como Dan Borges (violão), Felipe Brito (guitarra), Juliana White (baixo), Eliana Assumpção (backing vocals) e o Tony Lopes, o Reverendo T (bateria).
O disco começa com a faixa-título, um rock com espírito cinquentista e dançante, que traz nas letras o desejo do professor Doidão em juntar as diversas tribos à sua festa, mas desde que exista respeito entre ambas as partes. Uma boa escolha para abrir o EP, uma vez que define bem a sua atmosfera. A música seguinte, “Música em Francês”, é um rock mais calmo e com uma letra que é uma verdadeira defesa das próprias escolhas feitas, diante de acusações sem prováveis embasamentos e um tanto quanto radicais. Os versos “vem com esse papo de lascado e fudido/mas fui eu o traído em todo aquele furor/saiu dizendo que eu mudei de lado/só porque eu resolvi subir de elevador” já diz muita coisa. “Viver de Arte” surge com um blues de levada calma e marota, mas com uma letra que lembra umas boas sacadas filosóficas do Raul Seixas, onde há espaço para questionamentos surgidos na mesa de um bar após conversas importantes com amigos. “Eu quero Gozar!” é a quarta canção e também é o melhor momento do disco. Nela a diversão é garantida, com um rock despretensioso, letra que começa meio surtada (no melhor sentido da palavra) e meio misteriosa, além de bastante debochada, bem como o rock gosta. Ela também é a prova de que, dentro de um relacionamento, é necessário um pouco de conflito para que o amor se mantenha aceso e revigorado. “Eu Sou do Rock” encerra o EP com um punk rock rápido e veloz, digno de quem já aprontou as suas e que ainda continua vivo e chutando por aí!

É bem provável que quem participou da gravação de “Quero Reunir os Meus Mundos” tenha se sentido muito bem tendo feito ele, pois fica evidente o clima de descontração por todo o EP. A sabedoria no rock pode proporcionar momentos favoráveis para se registrar canções como essas e repassa para o ouvinte a mensagem de que a verdade pode estar na rua, dentro e fora das salas de aula ou das redes sociais.

Popular Posts

O melhor do que eu não escrevi no Portal Soterorock em 2018. Por Leo Cima.

Neste ano de 2018 o Portal Soterorock resolveu tirar alguns dias de folga. Algo próximo a trezentos e sessenta e cinco dias, quase um ano, é verdade. Porém, é fato que, depois de dez anos cobrindo a cena roqueira local, com textos ou podcasts, sem incentivo financeiro algum, o site decidiu que seria o momento certo para dar um tempinho nas atividades daqui, para priorizar e atender a outras demandas não menos importantes. Mas, mesmo distante das publicações, nos mantivemos atentos ao movimento do cenário, observando quem se manteve atuante, seja em estúdio, ou nos palcos.
Muita coisa aconteceu este ano na cena rocker da Bahia, desde discos lançados até uma boa frequência regular de shows na capital baiana, mesmo com um número cada vez menor de casas que recebe o gênero por aqui. E é esse segundo item que ganhará destaque aqui nesta matéria, em uma outra oportunidade falarei sobres os lançamentos baianos de 2018, vamos com calma. O fato é que, fazendo visitas a eventos, seja como um pag…

“As Dez Caras do Rock Baiano” com Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute)

Chegando ao final da sua primeira fase, a série “As Dez Caras do Rock Baiano” traz em sua quinta entrevista uma das grandes personalidades já presente na cena local há muitos anos: o vocalista da The Honkers, Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute, como preferir). Nessa conversa, que foi uma das mais longas e intrigantes dessa série e realizada na época da volta da banda aos palcos soteropolitanos, Rodrigo falou sobre o que chama a sua atenção no cenário, o cuidado que um artista têm que tomar com a sua própria arte, como a quantidade de informação influencia no jeito raso de ser do novo roqueiro e sobre as intenções para o futuro da The Honkers, além de se mostrar como um autor de livros de auto ajuda em potencial. Você já sabe, se ajeite com firmeza na cadeira e embarque nessa entrevista dessa grande figura do rock da Bahia. 
SRP - Como foi ficar um ano longe da The Honkers? 

Rodrigo Chagas - Zorra... Normal, hehe. Cansei na sétima música. 

SRP – O que achou do retorno da The Honkers aos pa…

Discoteca Básica Soterorock Apresenta: Entre 4 Paredes

Dando continuidade na nossa maratona especial da quarta edição do Soterorock Sessions, aqui vai mais uma postagem da série Discoteca Básica Soterorock Apresenta. Dessa vez, trazendo mais uma atração do nosso evento, a banda Entre 4 Paredes. Com diversas influências musicais, que vão do pop rock, até o post punk, passando pelo rock nacional e o gótico, o sexteto traz para essa matéria bons sons que merecem uma audição mais atenta e, junto a eles, as suas relações com cada um desses discos. Pegue carona nas dicas do grupo e deguste cada segundo musical dessa lista!
David Vertigo (tecladista)
Suicide - Suicide


O disco que inventou o cyberpunk antes dele existir. O trabalho de estreia homônino da dupla Suicide (Alan Vega nos vocais e Martin Rev no sintetizador) mostra da forma mais crua possível o que bandas de Industrial, EBM e afins só exibiriam décadas mais tarde:  niilismo, subversão, falta de esperança, ódio, inconformismo... Com timbres minimalistas, baterias repetitivas, vocais nonse…