Pular para o conteúdo principal

Punk rock sem parar um segundo sequer

O ano de 2014 tem trazido bons lançamentos de discos de bandas do rock local. Já passaram por aqui grupos psicodélicos e pesados, tristes e bem humorados, cada um com sua particularidade, mas há uma banda em particular que já estava sendo aguardada pela expectativa da chegada do seu mais recente álbum de inéditas. A banda é a Pastel de Miolos, que traz o seu novo disco: “Novas Ideias, Velhos Ideais”.
            A PDM vem vivendo um bom momento em sua carreira. No ano passado ela ganhou um belíssimo e eclético tributo em homenagem aos seus dezoito anos de estrada, participou do tradicional festival goiano Porão do Rock e a sua frequência de shows está cada vez maior, com apresentações pelo interior da Bahia e pelo nordeste. Coroando essa sua boa fase, neste exato momento em que escrevo esse texto, a PDM embarca rumo ao leste europeu para a sua primeira turnê internacional, que passará por países como Finlândia, Letônia, Estônia, Lituânia e Polônia...

            Em meio a isso tudo surge o “NIVI”. O disco foi gravado em um único dia com todos tocando ao mesmo tempo e possui uma sonoridade mais pesada, com elementos de metal, mas sem perder a rapidez do punk hardcore característico da banda. É o primeiro registro com o André PDM como baixista do grupo e ainda contou com participações especiais do Vital (Jason) e Frango Kaos (Galinha Preta), além de composições do Tony Lopes e do Lupeu Lacerda. O seu trabalho de divulgação também foi interessante e com significado de importante relação entre as datas e as canções, com o lançamento do lyric vídeo de “Insegurança Masculina”, no dia oito de março (dia internacional da mulher) e do vídeo de “Desobediência Civil”, em primeiro de abril (quando se completou 50 anos do golpe militar no Brasil). Também houve uma prévia do som do novo álbum no split 4Way Split, onde a banda incluiu quatro faixas das sessões de gravação que não entraram na relação final do disco.
            O cd abre com a faixa-título seguida por “Desobediência Civil”, duas canções rápidas e diretas, sem rodeios e próprias para a formação de rodas de pogo. “P.R.H.C.” segue mantendo o sentido das anteriores sem perder o gás e abrindo caminho para a veloz “Insegurança Masculina”, que conta com a participação do Vital (Jason) e que critica sabiamente o comportamento violento masculino sobre a mulher. “A Ilha” é uma faixa impactante e expressiva, com uma pegada mais arrastada e um ótimo solo de guitarra, “Sem Nome e Sem Razão (o verme interior)” retoma as características punk rock do disco sendo rápida e rasteira. Com letras de Tony Lopes, “Vou Tentar” é um dos vários bons momentos do cd, sendo radiofônica, possuidora de um refrão grudento e solo de baixo. Em seguida vêm “Hardcore” e “Porcos”, mais duas pancadas em música e letra. “Homem ao Mar” é o momento surf music do álbum e antecede a ópera punk “Quarteto II” que contêm, em 2’15” quatro canções dentro de uma única faixa (“Obstáculos”, “Vergonha de Ser Você”, “O Fascista Libertário” e “Bicho Morto” [essa última de Lupeu Lacerda]). Ela é de empolgar de verdade e “Quando a Vítima se Transformar no Algoz”, “A.E.P.” e “Sofrer” não deixam o ritmo se perder. Dá vontade de aumentar o volume em cada uma delas. “Homem Sério” tem a participação de Frango Kaos (Galinha Preta) e é uma tirada de sarro com aqueles que acham que devem dar as costas ao rock por conta de outras coisas, para assim terem um estilo de vida mais sério. Encerrando o álbum, “É Essa Porcaria que me Faz Feliz” é um grito de guerra que exalta o gosto pelo rock’n roll e pelas várias influências do grupo, além de ainda possuir uma faixa escondida após um pouco mais de um minuto de intervalo até chegar em uma versão diferente de “O Fascista Libertário”.

            Ao longo dos trinta e cinco minutos de “Novas Ideias, Velhos Ideais”, a Pastel de Miolos não perde o fôlego e confirma que o tempo também é amigo da qualidade e das melhores escolhas para continuar trilhando os caminhos que se optou seguir. Mesmo que as bombas caiam por todos os lados, a PDM sabe os desvios certos a fazer, ou as maneiras certas de chuta-las de volta.

Popular Posts

"Carnaval, carnaval, carnaval / Fico tão triste quando chega o carnaval" Por Sérgio Moraes

Com uma sonoridade ímpar desde os idos de 1985, a Banda Organoclorados (Alagoinhas-Bahia), Lançou seu mais recente vídeo “No Carnaval a Gente Esquece”. Você pode ouvir nas plataformas de vídeo espalhadas pela web ou aqui!  O vídeo faz um paralelo visual da vida cotidiana, euforia e desespero se misturando na obscuridade dos dias turbulentos que vivemos. Misturando imagens de alegria (num simples passeio pela calçadão das ruas com a banda) e desilusões diárias (Coquetel Molotov e afins). A sonoridade blues-Rock da canção é bem vinda, pois, a participação especial de Lucas Costa na gaita harmônica abrilhanta ainda mais as imagens e a sonoridade de “No Carnaval a Gente Esquece”. Veja e tire suas próprias conclusões deste belo vídeo, letra e composição dos cinco caras!   Organoclorados é: Alan Gustavo - guitarra; André G - baixo; Artur W - guitarra e voz; Joir Rocha - bateria; Roger Silva - teclados. Título: Trecho da letra de Luiz Melodia “Quando o Carnaval Cheg

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava

Resenha: Revista Ozadia, número zero.

Sou um apreciador recente de quadrinhos, e já há algum tempo venho acompanhando o que vem sendo feito de bom neste ramo e fico salivando por novidades dos meus autores preferidos. Ao mesmo tempo que, assim como no rock, é muito bom saber que há uma movimentação local na produção de HQ’s e que essas produções saem de mãos talentosas e possuidoras de uma liberdade criativa que se iguala à música que aprecio. A mais recente novidade é a edição de número zero da revista Ozadia, que é uma compilação de cinco histórias eróticas escritas pelas mãos de sete quadrinistas e roteiristas daqui da Bahia. Lançada com o apoio do selo Quadro a Quadro e ganhando popularidade a cada dia que passa, a revista tem dois aspectos importantes para ser lida mais de uma vez: uma ótima fluência no seu texto e traços inspiradíssimos de seus desenhos. De Ricardo Cidade e Alex Lins, “Especimen” abre a Ozadia com uma ótima ficção cientifica pornográfica, onde a heroína sai em busca de coleta de amostras de um