Pular para o conteúdo principal

Punk rock sem parar um segundo sequer

O ano de 2014 tem trazido bons lançamentos de discos de bandas do rock local. Já passaram por aqui grupos psicodélicos e pesados, tristes e bem humorados, cada um com sua particularidade, mas há uma banda em particular que já estava sendo aguardada pela expectativa da chegada do seu mais recente álbum de inéditas. A banda é a Pastel de Miolos, que traz o seu novo disco: “Novas Ideias, Velhos Ideais”.
            A PDM vem vivendo um bom momento em sua carreira. No ano passado ela ganhou um belíssimo e eclético tributo em homenagem aos seus dezoito anos de estrada, participou do tradicional festival goiano Porão do Rock e a sua frequência de shows está cada vez maior, com apresentações pelo interior da Bahia e pelo nordeste. Coroando essa sua boa fase, neste exato momento em que escrevo esse texto, a PDM embarca rumo ao leste europeu para a sua primeira turnê internacional, que passará por países como Finlândia, Letônia, Estônia, Lituânia e Polônia...

            Em meio a isso tudo surge o “NIVI”. O disco foi gravado em um único dia com todos tocando ao mesmo tempo e possui uma sonoridade mais pesada, com elementos de metal, mas sem perder a rapidez do punk hardcore característico da banda. É o primeiro registro com o André PDM como baixista do grupo e ainda contou com participações especiais do Vital (Jason) e Frango Kaos (Galinha Preta), além de composições do Tony Lopes e do Lupeu Lacerda. O seu trabalho de divulgação também foi interessante e com significado de importante relação entre as datas e as canções, com o lançamento do lyric vídeo de “Insegurança Masculina”, no dia oito de março (dia internacional da mulher) e do vídeo de “Desobediência Civil”, em primeiro de abril (quando se completou 50 anos do golpe militar no Brasil). Também houve uma prévia do som do novo álbum no split 4Way Split, onde a banda incluiu quatro faixas das sessões de gravação que não entraram na relação final do disco.
            O cd abre com a faixa-título seguida por “Desobediência Civil”, duas canções rápidas e diretas, sem rodeios e próprias para a formação de rodas de pogo. “P.R.H.C.” segue mantendo o sentido das anteriores sem perder o gás e abrindo caminho para a veloz “Insegurança Masculina”, que conta com a participação do Vital (Jason) e que critica sabiamente o comportamento violento masculino sobre a mulher. “A Ilha” é uma faixa impactante e expressiva, com uma pegada mais arrastada e um ótimo solo de guitarra, “Sem Nome e Sem Razão (o verme interior)” retoma as características punk rock do disco sendo rápida e rasteira. Com letras de Tony Lopes, “Vou Tentar” é um dos vários bons momentos do cd, sendo radiofônica, possuidora de um refrão grudento e solo de baixo. Em seguida vêm “Hardcore” e “Porcos”, mais duas pancadas em música e letra. “Homem ao Mar” é o momento surf music do álbum e antecede a ópera punk “Quarteto II” que contêm, em 2’15” quatro canções dentro de uma única faixa (“Obstáculos”, “Vergonha de Ser Você”, “O Fascista Libertário” e “Bicho Morto” [essa última de Lupeu Lacerda]). Ela é de empolgar de verdade e “Quando a Vítima se Transformar no Algoz”, “A.E.P.” e “Sofrer” não deixam o ritmo se perder. Dá vontade de aumentar o volume em cada uma delas. “Homem Sério” tem a participação de Frango Kaos (Galinha Preta) e é uma tirada de sarro com aqueles que acham que devem dar as costas ao rock por conta de outras coisas, para assim terem um estilo de vida mais sério. Encerrando o álbum, “É Essa Porcaria que me Faz Feliz” é um grito de guerra que exalta o gosto pelo rock’n roll e pelas várias influências do grupo, além de ainda possuir uma faixa escondida após um pouco mais de um minuto de intervalo até chegar em uma versão diferente de “O Fascista Libertário”.

            Ao longo dos trinta e cinco minutos de “Novas Ideias, Velhos Ideais”, a Pastel de Miolos não perde o fôlego e confirma que o tempo também é amigo da qualidade e das melhores escolhas para continuar trilhando os caminhos que se optou seguir. Mesmo que as bombas caiam por todos os lados, a PDM sabe os desvios certos a fazer, ou as maneiras certas de chuta-las de volta.

Popular Posts

O melhor do que eu não escrevi no Portal Soterorock em 2018. Por Leo Cima.

Neste ano de 2018 o Portal Soterorock resolveu tirar alguns dias de folga. Algo próximo a trezentos e sessenta e cinco dias, quase um ano, é verdade. Porém, é fato que, depois de dez anos cobrindo a cena roqueira local, com textos ou podcasts, sem incentivo financeiro algum, o site decidiu que seria o momento certo para dar um tempinho nas atividades daqui, para priorizar e atender a outras demandas não menos importantes. Mas, mesmo distante das publicações, nos mantivemos atentos ao movimento do cenário, observando quem se manteve atuante, seja em estúdio, ou nos palcos.
Muita coisa aconteceu este ano na cena rocker da Bahia, desde discos lançados até uma boa frequência regular de shows na capital baiana, mesmo com um número cada vez menor de casas que recebe o gênero por aqui. E é esse segundo item que ganhará destaque aqui nesta matéria, em uma outra oportunidade falarei sobres os lançamentos baianos de 2018, vamos com calma. O fato é que, fazendo visitas a eventos, seja como um pag…

“As Dez Caras do Rock Baiano” com Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute)

Chegando ao final da sua primeira fase, a série “As Dez Caras do Rock Baiano” traz em sua quinta entrevista uma das grandes personalidades já presente na cena local há muitos anos: o vocalista da The Honkers, Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute, como preferir). Nessa conversa, que foi uma das mais longas e intrigantes dessa série e realizada na época da volta da banda aos palcos soteropolitanos, Rodrigo falou sobre o que chama a sua atenção no cenário, o cuidado que um artista têm que tomar com a sua própria arte, como a quantidade de informação influencia no jeito raso de ser do novo roqueiro e sobre as intenções para o futuro da The Honkers, além de se mostrar como um autor de livros de auto ajuda em potencial. Você já sabe, se ajeite com firmeza na cadeira e embarque nessa entrevista dessa grande figura do rock da Bahia. 
SRP - Como foi ficar um ano longe da The Honkers? 

Rodrigo Chagas - Zorra... Normal, hehe. Cansei na sétima música. 

SRP – O que achou do retorno da The Honkers aos pa…

Discoteca Básica Soterorock Apresenta: Entre 4 Paredes

Dando continuidade na nossa maratona especial da quarta edição do Soterorock Sessions, aqui vai mais uma postagem da série Discoteca Básica Soterorock Apresenta. Dessa vez, trazendo mais uma atração do nosso evento, a banda Entre 4 Paredes. Com diversas influências musicais, que vão do pop rock, até o post punk, passando pelo rock nacional e o gótico, o sexteto traz para essa matéria bons sons que merecem uma audição mais atenta e, junto a eles, as suas relações com cada um desses discos. Pegue carona nas dicas do grupo e deguste cada segundo musical dessa lista!
David Vertigo (tecladista)
Suicide - Suicide


O disco que inventou o cyberpunk antes dele existir. O trabalho de estreia homônino da dupla Suicide (Alan Vega nos vocais e Martin Rev no sintetizador) mostra da forma mais crua possível o que bandas de Industrial, EBM e afins só exibiriam décadas mais tarde:  niilismo, subversão, falta de esperança, ódio, inconformismo... Com timbres minimalistas, baterias repetitivas, vocais nonse…