Pular para o conteúdo principal

Seguindo com a navegação: André L. R. Mendes

No último dia quinze de julho o cantor e compositor André L. R. Mendes comemorou mais uma primavera e, como parte de seu projeto musical, também lançou o seu mais recente trabalho, o disco ‘Surf Budismo’. Para quem ainda não sabe, o seu projeto consiste em lançar um novo álbum de inéditas a cada aniversário no qual ele completa mais um ano de vida e este já é o quarto da sua discografia solo.
Desta vez, André decidiu trabalhar sozinho na produção do cd, no melhor espírito “do it yourself”. Todo gravado em um IPad e em sua própria casa, com instrumentos analógicos e com aplicativos de música do próprio aparelho, ele batizou o processo como “selfie”,
sendo esse um auto retrato musical do próprio artista sem que houvesse a interferência de outras pessoas na sua composição. Além desse fato, seria injusto não falar também da divulgação do disco que ocorreu na rede social. Frequentemente o seu “work in progress” ia sendo divulgado no Facebook, uma canção inédita e a capa do álbum foram disponibilizadas com meses de antecedência e ainda teve espaço para que as pessoas pudessem escolher o nome de uma das músicas do cd e para que elas enviassem fotos para compor o encarte virtual do ‘Surf Budismo’.
Essa foi, de fato, uma ação bem sucedida na divulgação do cd e poderá ser repetida ao longo dos anos.
Desde o início já se percebe que a sonoridade de ‘Surf Budismo’ se difere do seu antecessor (‘Amor Atlântico’), mesmo possuindo o clima tranquilo que permeia a atmosfera dos dois trabalhos. No disco anterior, houve um investimento maior nos violões como instrumento principal, gerando uma atmosfera acústica que permeou bem toda a obra. Já neste, o André L. R. Mendes junta os violões e piano a baterias programadas e texturas de som oitentista, que remetem em certos momentos a trabalhos de bandas como Bat For Lashes, da Natasha Khan.
Em ‘É Pra Isso que Estou Aqui’ já começa com programação de bateria e sons de palmas no melhor estilo synthpop oitentista, guitarra alegre e com uma quebra interessante no seu final onde há a inclusão de piano e violão na faixa, ganhando ares de psicodelismo lo-fi. ‘As Praias do Nosso Bem’ surge como uma canção mais animada com guitarras mais evidentes, já ‘O Medo Nos Olhos de Marina’ é um pouco mais melancólica em letra e música. ‘O que Já é Bonito’ pinta uma bela paisagem de batidas eletrônicas, teclados e violões, enquanto ‘Ao Sabor do Vento’ aparece como o melhor momento do disco, com versos que cantam sobre como o interessante da vida é enfrentar o que há de vir, ao mesmo tempo em que a sua sonoridade lembra bem o Smashing Pumpkins na fase ‘Adore’. ‘Tic Tac’ e ‘... E Vocês Nunca Vão me Quebrar’ são as faixas que melhor representam a veia mais anos oitenta do cd, com programações mais aceleradas e até mesmo dançantes. ‘Procuro Imagens’ é a canção mais atmosférica e é a que mais se aproxima dos seus trabalhos anteriores, mostrando coerência na sua obra. ‘Teu’ e ‘A Linha dos Olhos de Cecília’ formam a sequencia final do cd mantendo a sua essência com boas texturas e guitarras presentes, e até mesmo um dialogo do próprio cantor com alguém ao telefone, na última faixa.

‘Surf Budismo’ é mais um bom registro da obra cada vez maior de André L R. Mendes, que a aumenta a cada ano de vida que ele completa. Para quem gostou do ‘Amor Atlântico’ esta é uma ótima sequencia do seu trabalho, pois aqui se percebe que ele usou novos recursos para compor o seu álbum sem abrir mão do que já vinha usando anteriormente. A navegação é prazerosa! Para conhecer o ‘Surf Budismo’ e os demais discos é só acessar o site neste link.

Popular Posts

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava

Sexto guia de singles de bandas baianas. Por Leonardo Cima.

Mais uma vez o Portal SoteroRock traz a sua lista de singles de bandas e artistas baianos, lançados ao longo desse período pandêmico no qual nos encontramos neste 2020. Para essa ocasião, a diversidade ainda marca uma forte presença nessa seleta. Rock, pop, metal, eletrônico, folk e o grande leque que se abre a partir desses gêneros vão aparecer para você aqui enquanto faz a sua leitura. Então, abra a sua mente, saiba um pouco sobre cada um dos trabalhos citados aqui, siga cada um nas redes sociais (se possível, é claro!) e, óbvio, escute as canções!! Se você acha que faltou algum artista/banda aqui nessa matéria, mande uma mensagem inbox pelo nosso perfil do Instagram, que iremos escutar! Midorii Kido - Sou o que Sou Para quem acha que o rock já se esgotou em termos de abraçar minorias e até mesmo acredita que é conservador, este primeiro single da drag queen Midorii Kido é um tapa na face daqueles que professam dessa maneira contra o gênero. Sou o que Sou é um rock forte,

O garage noir da The Futchers. Por Leonardo Cima.

Nesses últimos dois meses, o selo SoteroRec teve a honra e a felicidade de lançar na sua série Retro Rocks, os trabalhos de uma das bandas mais interessantes que a cena local já teve e que, infelizmente, não teve uma projeção devidamente extensa. Capitaneada por Rodrigo "Sputter" Chagas (vocal da The Honkers), a The Futchers foi a sua banda paralela idealizada e montada por ele próprio no final do ano de 2006. A propósito, o nome Futchers vem inspirado da dislexia do compositor britânico Billy Childish, que escreve as palavras da mesma maneira que as fala. Ele, ao lado de mais quatro integrantes, também de bandas locais da época, começaram os ensaios com uma proposta sonora voltada mais para o mood e o garage rock, se distanciando um pouco dos seus respectivos trabalhos nos grupos anteriores. Relembrando um pouco daquele período e como observador, esse "peso" de não ter que se repetir musicalmente recaía um pouco mais sobre Rodrigo. Não que houvesse isso