Seguindo com a navegação: André L. R. Mendes

No último dia quinze de julho o cantor e compositor André L. R. Mendes comemorou mais uma primavera e, como parte de seu projeto musical, também lançou o seu mais recente trabalho, o disco ‘Surf Budismo’. Para quem ainda não sabe, o seu projeto consiste em lançar um novo álbum de inéditas a cada aniversário no qual ele completa mais um ano de vida e este já é o quarto da sua discografia solo.
Desta vez, André decidiu trabalhar sozinho na produção do cd, no melhor espírito “do it yourself”. Todo gravado em um IPad e em sua própria casa, com instrumentos analógicos e com aplicativos de música do próprio aparelho, ele batizou o processo como “selfie”,
sendo esse um auto retrato musical do próprio artista sem que houvesse a interferência de outras pessoas na sua composição. Além desse fato, seria injusto não falar também da divulgação do disco que ocorreu na rede social. Frequentemente o seu “work in progress” ia sendo divulgado no Facebook, uma canção inédita e a capa do álbum foram disponibilizadas com meses de antecedência e ainda teve espaço para que as pessoas pudessem escolher o nome de uma das músicas do cd e para que elas enviassem fotos para compor o encarte virtual do ‘Surf Budismo’.
Essa foi, de fato, uma ação bem sucedida na divulgação do cd e poderá ser repetida ao longo dos anos.
Desde o início já se percebe que a sonoridade de ‘Surf Budismo’ se difere do seu antecessor (‘Amor Atlântico’), mesmo possuindo o clima tranquilo que permeia a atmosfera dos dois trabalhos. No disco anterior, houve um investimento maior nos violões como instrumento principal, gerando uma atmosfera acústica que permeou bem toda a obra. Já neste, o André L. R. Mendes junta os violões e piano a baterias programadas e texturas de som oitentista, que remetem em certos momentos a trabalhos de bandas como Bat For Lashes, da Natasha Khan.
Em ‘É Pra Isso que Estou Aqui’ já começa com programação de bateria e sons de palmas no melhor estilo synthpop oitentista, guitarra alegre e com uma quebra interessante no seu final onde há a inclusão de piano e violão na faixa, ganhando ares de psicodelismo lo-fi. ‘As Praias do Nosso Bem’ surge como uma canção mais animada com guitarras mais evidentes, já ‘O Medo Nos Olhos de Marina’ é um pouco mais melancólica em letra e música. ‘O que Já é Bonito’ pinta uma bela paisagem de batidas eletrônicas, teclados e violões, enquanto ‘Ao Sabor do Vento’ aparece como o melhor momento do disco, com versos que cantam sobre como o interessante da vida é enfrentar o que há de vir, ao mesmo tempo em que a sua sonoridade lembra bem o Smashing Pumpkins na fase ‘Adore’. ‘Tic Tac’ e ‘... E Vocês Nunca Vão me Quebrar’ são as faixas que melhor representam a veia mais anos oitenta do cd, com programações mais aceleradas e até mesmo dançantes. ‘Procuro Imagens’ é a canção mais atmosférica e é a que mais se aproxima dos seus trabalhos anteriores, mostrando coerência na sua obra. ‘Teu’ e ‘A Linha dos Olhos de Cecília’ formam a sequencia final do cd mantendo a sua essência com boas texturas e guitarras presentes, e até mesmo um dialogo do próprio cantor com alguém ao telefone, na última faixa.

‘Surf Budismo’ é mais um bom registro da obra cada vez maior de André L R. Mendes, que a aumenta a cada ano de vida que ele completa. Para quem gostou do ‘Amor Atlântico’ esta é uma ótima sequencia do seu trabalho, pois aqui se percebe que ele usou novos recursos para compor o seu álbum sem abrir mão do que já vinha usando anteriormente. A navegação é prazerosa! Para conhecer o ‘Surf Budismo’ e os demais discos é só acessar o site neste link.
Share:

Online

Bandas

32 Dentes 4 Discos de Rock Baiano 4ª Ligação A Flauta Vértebra Aborígines Acanon Ádamas Almas Mortas Amor Cianeto André dias André L. R. Mendes Anelis Assumpção Antiporcos Apanhador Só Aphorism Aqui tem Rock Baiano Aurata Awaking Baiana System Bauhaus Bilic Black Sabbath Blessed in Fire Blue in the Face Boogarins Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes Buster Calafrio Callangazoo Carburados Rock Motor Cardoso Filho Carne Doce Cartel Strip Club Cascadura Casillero Céu Charles Bukowski Charlie Chaplin Chuva Negra Cidadão Instigado Circo de Marvin Circo Litoral Cólera Curumin Dão David Bowie Declinium Derrube o Muro Desafio Urbano Desrroche Destaques dez caras do rock Documentário Downloads Du Txai e Os Indizíveis Duda Spínola Enio Entrevistas Erasy Eric Assmar Espúria Eva Karize Exoesqueleto Far From Alaska Festival Festival Soterorock Filipe Catto Free?Gobar Fresno Fridha Funcionaface Game Over Riverside Giovani Cidreira HAO Heavy Lero Hellbenders Ifá Incubadora Sonora Ingrena Invena Inventura Irmão Carlos Ironbound Jack Doido Jackeds Jadsa Castro Jardim do Silêncio Jato Invisível Kalmia Kazagastão KZG Lançamentos Latromodem Leandro Pessoa Lee Ranaldo Limbo Lírio Lívia Nery Lo Han Locomotiva Mad Monkees Madame Rivera Mais uma Cara do Rock Baiano MAPA Marcia Castro Maria Bacana Maus Elementos Messias Metá Metá Modus Operandi Mopho Motherfucker Mulheres Q Dizem Sim Murilo Sá Nalini Vasconcelos Neurática Not Names Novelta O Quadro O Terno Old Stove Olhos Para o Infinito Órbita Móbile Organoclorados Os Canalhas Os Elefantes Elegantes Os Jonsóns Os Tios Overfuzz Ozzmond palco do rock Pancreas Pastel de Miolos Paul McCartney Pesadelo Pio Lobato Pirombeira Pitty Portal Pós-punk Prime Squad Programas Quadrinhos Quartabê Radioca Raimundo Sodré Rattle Resenha de discos Resenha do cd Resenhas Reverendo T Reverento T Rincon Sapiencia Rivermann Rock Rock Baiano Rock Baiano em Alta Rock de camaçari Ronco Scambo Show Shows Shows. Cascadura Siba Singles Soft Porn Som do Som Sons que Ecoam Soterorock Squadro Subaquático Super Amarelo Surrmenage Tangente Teenage Buzz Tentrio Test The Baggios The Cross The Honkers The Pivos Theatro de Seraphin Thrunda Titãs Tony Lopes Tsunami Universo Variante Úteros em Fúria Vamoz! Van der Vous Vende-$e Vivendo do Ócio Wado Wander Wildner Weise Wry

Matérias

Antigas

Mais Populares