Pular para o conteúdo principal

Seguindo com a navegação: André L. R. Mendes

No último dia quinze de julho o cantor e compositor André L. R. Mendes comemorou mais uma primavera e, como parte de seu projeto musical, também lançou o seu mais recente trabalho, o disco ‘Surf Budismo’. Para quem ainda não sabe, o seu projeto consiste em lançar um novo álbum de inéditas a cada aniversário no qual ele completa mais um ano de vida e este já é o quarto da sua discografia solo.
Desta vez, André decidiu trabalhar sozinho na produção do cd, no melhor espírito “do it yourself”. Todo gravado em um IPad e em sua própria casa, com instrumentos analógicos e com aplicativos de música do próprio aparelho, ele batizou o processo como “selfie”,
sendo esse um auto retrato musical do próprio artista sem que houvesse a interferência de outras pessoas na sua composição. Além desse fato, seria injusto não falar também da divulgação do disco que ocorreu na rede social. Frequentemente o seu “work in progress” ia sendo divulgado no Facebook, uma canção inédita e a capa do álbum foram disponibilizadas com meses de antecedência e ainda teve espaço para que as pessoas pudessem escolher o nome de uma das músicas do cd e para que elas enviassem fotos para compor o encarte virtual do ‘Surf Budismo’.
Essa foi, de fato, uma ação bem sucedida na divulgação do cd e poderá ser repetida ao longo dos anos.
Desde o início já se percebe que a sonoridade de ‘Surf Budismo’ se difere do seu antecessor (‘Amor Atlântico’), mesmo possuindo o clima tranquilo que permeia a atmosfera dos dois trabalhos. No disco anterior, houve um investimento maior nos violões como instrumento principal, gerando uma atmosfera acústica que permeou bem toda a obra. Já neste, o André L. R. Mendes junta os violões e piano a baterias programadas e texturas de som oitentista, que remetem em certos momentos a trabalhos de bandas como Bat For Lashes, da Natasha Khan.
Em ‘É Pra Isso que Estou Aqui’ já começa com programação de bateria e sons de palmas no melhor estilo synthpop oitentista, guitarra alegre e com uma quebra interessante no seu final onde há a inclusão de piano e violão na faixa, ganhando ares de psicodelismo lo-fi. ‘As Praias do Nosso Bem’ surge como uma canção mais animada com guitarras mais evidentes, já ‘O Medo Nos Olhos de Marina’ é um pouco mais melancólica em letra e música. ‘O que Já é Bonito’ pinta uma bela paisagem de batidas eletrônicas, teclados e violões, enquanto ‘Ao Sabor do Vento’ aparece como o melhor momento do disco, com versos que cantam sobre como o interessante da vida é enfrentar o que há de vir, ao mesmo tempo em que a sua sonoridade lembra bem o Smashing Pumpkins na fase ‘Adore’. ‘Tic Tac’ e ‘... E Vocês Nunca Vão me Quebrar’ são as faixas que melhor representam a veia mais anos oitenta do cd, com programações mais aceleradas e até mesmo dançantes. ‘Procuro Imagens’ é a canção mais atmosférica e é a que mais se aproxima dos seus trabalhos anteriores, mostrando coerência na sua obra. ‘Teu’ e ‘A Linha dos Olhos de Cecília’ formam a sequencia final do cd mantendo a sua essência com boas texturas e guitarras presentes, e até mesmo um dialogo do próprio cantor com alguém ao telefone, na última faixa.

‘Surf Budismo’ é mais um bom registro da obra cada vez maior de André L R. Mendes, que a aumenta a cada ano de vida que ele completa. Para quem gostou do ‘Amor Atlântico’ esta é uma ótima sequencia do seu trabalho, pois aqui se percebe que ele usou novos recursos para compor o seu álbum sem abrir mão do que já vinha usando anteriormente. A navegação é prazerosa! Para conhecer o ‘Surf Budismo’ e os demais discos é só acessar o site neste link.

Popular Posts

Resenha: Revista Ozadia, número zero.

Sou um apreciador recente de quadrinhos, e já há algum tempo venho acompanhando o que vem sendo feito de bom neste ramo e fico salivando por novidades dos meus autores preferidos. Ao mesmo tempo que, assim como no rock, é muito bom saber que há uma movimentação local na produção de HQ’s e que essas produções saem de mãos talentosas e possuidoras de uma liberdade criativa que se iguala à música que aprecio. A mais recente novidade é a edição de número zero da revista Ozadia, que é uma compilação de cinco histórias eróticas escritas pelas mãos de sete quadrinistas e roteiristas daqui da Bahia. Lançada com o apoio do selo Quadro a Quadro e ganhando popularidade a cada dia que passa, a revista tem dois aspectos importantes para ser lida mais de uma vez: uma ótima fluência no seu texto e traços inspiradíssimos de seus desenhos. De Ricardo Cidade e Alex Lins, “Especimen” abre a Ozadia com uma ótima ficção cientifica pornográfica, onde a heroína sai em busca de coleta de amostras de um

As 10 Caras do Rock Baiano - Com a Banda Vômitos, "Punk Rock pra mendigo!"

O Portal Soterorockpolitano foi buscar na cidade de Barreiras os entrevistados da oitava entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano”, são eles o guitarrista Rick Rodriguez e o vocalista Tito Blasphemer, da banda Vômitos. Nessa entrevista eles falam sobre as condições da cena da sua cidade e do esforço para mante-la ativa, suas influências e a inspiração para as suas letras, além da repercussão do clipe da música “Facada”, que já chegou a mais de 3.000 visualizações no Youtube. Então, ajeite-se na sua cadeira e fique ligado para não tomar uma facada no bucho. Soterorockpolitano - Como e quando surgiu a banda? Rick Rodriguez - A banda surgiu em 2007, tínhamos um interesse em comum, que era o punk rock, e isso nos motivou a formar a banda na época, começamos tocando músicas dos Ramones, que era nossa banda preferida e logo em seguida começamos a compor, e ter nossas próprias músicas. Tito Blasphemer - Estávamos cansados da cena de nossa cidade, bandas que

4 Discos de Rock Baiano, a compilação das cinco publicações. Por Leonardo Cima.

Movidos pelo resgate da memória da cena independente da Bahia, no qual o selo SoteroRec tem feito com o Retro Rocks desde o inicio deste ano  e por todas as ações que o cenário também tem feito nesse sentido, decidimos trazer uma compilação especial do nosso site para você que nos acompanha.  Em 2017, o Portal Soterorock fez uma série de matérias que destacava alguns dos principais discos de rock lançados na Bahia ao longo dos anos. Essa série se chamava "4 Discos de Rock Baiano" e como o nome sugere, quatro discos eram referenciados nas matérias.  Foram ao todo cinco publicações com bandas/artistas de gerações distintas reunidas nesta coletânea.  Você vai encontrar aqui pontuações sobre as obras e o mais importante: o registro público sobre elas, para que possam ser revisitadas e referenciadas ao longo dos anos. Passar em branco é que não pode! O aspecto positivo de se visitar essas postagens é a de ver que a maioria das bandas e artistas citados nelas ainda estão em ativida