Pular para o conteúdo principal

Pitty: É para frente que se anda.

O sudeste do nosso país (mais especificamente os Estados do Rio de Janeiro e de São Paulo) parece sempre ter sido a região alvo dos artistas e das bandas baianas mais saudavelmente ambiciosas e mais bem intencionadas com a longevidade de suas carreiras. Muitas foram para lá e não tiveram um bom êxito, se desfizeram ou foram obrigadas a mudar de formação e retornaram com machucados que cicatrizaram de formas diversas mais tarde. Para outros poucos a situação foi diferente e o exemplo mais notório é o da cantora e compositora baiana Pitty.
            Não acho que com ela tenha sido tão somente uma questão de sorte, ou uma simples exceção à regra. A sorte, uma boa assessoria e ótimos contatos são sim elementos importantes para um artista, mas a competência no que se faz, a experiência de palco e a formação musical são aspectos que falam mais alto neste caso aqui. Me lembro de quando escutei pela primeira vez o seu primeiro álbum, o “Admirável Chip Novo” (2003), e do quanto eu me surpreendi com a sua aposta musical naquela ocasião. Pitty havia saído de um som mais rápido para um som mais pesado (sim, há uma grande diferença aí) e já trazia ao mundo uma música interessante, com várias influências e cheia de personalidade, apontando para um caminho evolutivo da sua música sem deixar de estar atenta ao que acontece ao seu redor e que foi se fortalecendo nos seus discos seguintes...
            No seu quarto álbum de inéditas, intitulado “Setevidas”, Pitty dá mais um passo à frente na sua musicalidade por ser diferente dos seus dois últimos trabalhos, mesmo não deixando para trás os elementos com os quais trilhou a sua carreira. Enquanto em “Anacrônico” (2005) o seu som soava mais stoner e em “Chiaroscuro” (2009), onde sua música remetia a um hard-fusion-rock (sem abrir mão do pop), aqui ela ressurge mais madura e mais desprendida de tais rótulos, o que deixa a sua audição mais interessante, exatamente como na sua estreia. Abrindo o álbum, “Pouco” tem bons riffs de guitarras e termina bem agressiva, como se de fato não se contentasse com pouco. “Deixa Ela Entrar” ainda tem uma certa influencia dos seus trabalhos anteriores onde o stoner é bem presente, mas é exatamente aqui que o disco começa a ficar realmente bom. “Pequena Morte”, uma canção que trata sobre orgasmo, possui um andamento de baixo bem sinuoso e sugestivo para um momento a dois mais quente. “Um Leão” tem um ritmo mais acelerado e antecede “Lado de Lá”, musica com piano sombrio e sutil que conduz o seu desenvolvimento a um momento grandioso, com um solo de guitarra mesclado a gritos, formando uma sonoridade pomposa e bem preenchida, garantindo mais dramaticidade à faixa. Com certeza é um dos melhores momentos do cd. “Olho Calmo” é mais tranquila e possuidora de um refrão forte e direto, enquanto “Boca Aberta” é a mais rápida do disco e a mais frenética.
“A Massa” tem uma batida mais firme e contínua, como uma marcha de uma linha de produção que vai dar forma a um individuo que está sendo preparado, assim como sugere a letra. “Setevidas” é uma faixa que representa o “cair e levantar” que temos durante a vida. A porrada que vez ou outra ela nos dá e a nossa capacidade de nos reerguer e seguir a caminhada mais fortes são aspectos muito bem colocados na letra. A melodia tem balanço e certa atmosfera de mistério, um ouvido mais atento pode escutar um piano marcando a música nos versos que precedem a explosão do refrão. O fato de ser a penúltima faixa do disco e de ter sido escolhida para ser a primeira música de trabalho a deixa ainda mais notória. “Serpente”, de longe, é a mais bonita da obra. A mensagem aqui é a de que amanhã é um novo dia e que as coisas se renovam, como acontece com uma serpente que troca a sua pele ao final de um dos ciclos de sua vida. Um coral de vozes africanas e um inspirado e espirituoso solo de guitarra dão mais brilho a canção. Belíssima!

            Ao fim, o que se constata é que a Pitty mais uma vez superou as expectativas com um álbum de músicas mais consistentes e de letras mais profundas. A perda, a morte, a fragilidade da vida, o acaso, a resiliência e também o otimismo são temas que permeiam o disco, o deixando ainda mais sincero. Esse aspecto, juntado às canções, dão a “Setevidas” o crédito de ser o melhor trabalho feito pela nossa conterrânea, mesmo não sendo esta a sua obra definitiva (ainda bem). Ela sabe os caminhos que deve trilhar e sabe que é para frente que se deve seguir.

Popular Posts

Discoteca Básica Soterorock Apresenta: Entre 4 Paredes

Dando continuidade na nossa maratona especial da quarta edição do Soterorock Sessions, aqui vai mais uma postagem da série Discoteca Básica Soterorock Apresenta. Dessa vez, trazendo mais uma atração do nosso evento, a banda Entre 4 Paredes. Com diversas influências musicais, que vão do pop rock, até o post punk, passando pelo rock nacional e o gótico, o sexteto traz para essa matéria bons sons que merecem uma audição mais atenta e, junto a eles, as suas relações com cada um desses discos. Pegue carona nas dicas do grupo e deguste cada segundo musical dessa lista!
David Vertigo (tecladista)
Suicide - Suicide


O disco que inventou o cyberpunk antes dele existir. O trabalho de estreia homônino da dupla Suicide (Alan Vega nos vocais e Martin Rev no sintetizador) mostra da forma mais crua possível o que bandas de Industrial, EBM e afins só exibiriam décadas mais tarde:  niilismo, subversão, falta de esperança, ódio, inconformismo... Com timbres minimalistas, baterias repetitivas, vocais nonse…

Todo dia é dia de rock. Por Leo Cima.

Aconteceu, no final de semana em que se celebrou o dia mundial do rock, o festival Rock Concha 2019. Evento que, neste ano, comemorou trinta anos da sua primeira edição. Houve um hiato de um pouco mais de vinte anos nas suas atividades, porém, há quase uma década, a festa vem acontecendo de maneira assídua a cada ano e já pode ser considerada como certa no calendário cultural da cidade.
Para esta ocasião, a produção do evento apostou em um lineup que propôs fugir de repetir nomes escalados nos anos anteriores, se mantendo atrativo neste sentido e oferecendo ao seu público bandas relevantes na cena nacional e local, com algumas delas há bastante tempo sem vir à Salvador, outras lançando trabalho novo, ou comemorando décadas de estrada. A falta de roadies durante algumas apresentações foi percebida em dois momentos, nos shows da Drearylands e da Alquímea, mas nada que comprometesse o desempenho de ambas no palco!
No sábado, quem abriu o evento foi a Drearylands. Comemorando vinte anos …

As 10 Caras do Rock Baiano” com Paulo Diniz (Banda Weise)

A penúltima entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano” traz Paulo Diniz, vocalista e guitarrista da banda Weise. O grupo está lançando o seu mais novo trabalho, o cd intitulado “Aquele Que Superou o Fim dos Tempos”, e neste papo o entrevistado falou sobre o seu processo de gravação, sobre seus shows e as dinâmicas dos seus instrumentos no palco e também sobre as suas impressões da cena baiana de rock. Para não perder o costume, ajeite-se na cadeira e aproveite o papo com o rapaz. 
SoteroRockPolitano - É o segundo disco de vocês, certo? O que mudou no som da Weise desde o seu primeiro disco até esse último que está sendo lançado?  Paulo Diniz - Na verdade nós lançamos até agora somente EPs, que foi o "Fora do Céu", depois um outro que não tinha nome, e o terceiro que era uma previa de duas músicas do álbum que vamos lançar agora...