Pular para o conteúdo principal

Pitty: É para frente que se anda.

O sudeste do nosso país (mais especificamente os Estados do Rio de Janeiro e de São Paulo) parece sempre ter sido a região alvo dos artistas e das bandas baianas mais saudavelmente ambiciosas e mais bem intencionadas com a longevidade de suas carreiras. Muitas foram para lá e não tiveram um bom êxito, se desfizeram ou foram obrigadas a mudar de formação e retornaram com machucados que cicatrizaram de formas diversas mais tarde. Para outros poucos a situação foi diferente e o exemplo mais notório é o da cantora e compositora baiana Pitty.
            Não acho que com ela tenha sido tão somente uma questão de sorte, ou uma simples exceção à regra. A sorte, uma boa assessoria e ótimos contatos são sim elementos importantes para um artista, mas a competência no que se faz, a experiência de palco e a formação musical são aspectos que falam mais alto neste caso aqui. Me lembro de quando escutei pela primeira vez o seu primeiro álbum, o “Admirável Chip Novo” (2003), e do quanto eu me surpreendi com a sua aposta musical naquela ocasião. Pitty havia saído de um som mais rápido para um som mais pesado (sim, há uma grande diferença aí) e já trazia ao mundo uma música interessante, com várias influências e cheia de personalidade, apontando para um caminho evolutivo da sua música sem deixar de estar atenta ao que acontece ao seu redor e que foi se fortalecendo nos seus discos seguintes...
            No seu quarto álbum de inéditas, intitulado “Setevidas”, Pitty dá mais um passo à frente na sua musicalidade por ser diferente dos seus dois últimos trabalhos, mesmo não deixando para trás os elementos com os quais trilhou a sua carreira. Enquanto em “Anacrônico” (2005) o seu som soava mais stoner e em “Chiaroscuro” (2009), onde sua música remetia a um hard-fusion-rock (sem abrir mão do pop), aqui ela ressurge mais madura e mais desprendida de tais rótulos, o que deixa a sua audição mais interessante, exatamente como na sua estreia. Abrindo o álbum, “Pouco” tem bons riffs de guitarras e termina bem agressiva, como se de fato não se contentasse com pouco. “Deixa Ela Entrar” ainda tem uma certa influencia dos seus trabalhos anteriores onde o stoner é bem presente, mas é exatamente aqui que o disco começa a ficar realmente bom. “Pequena Morte”, uma canção que trata sobre orgasmo, possui um andamento de baixo bem sinuoso e sugestivo para um momento a dois mais quente. “Um Leão” tem um ritmo mais acelerado e antecede “Lado de Lá”, musica com piano sombrio e sutil que conduz o seu desenvolvimento a um momento grandioso, com um solo de guitarra mesclado a gritos, formando uma sonoridade pomposa e bem preenchida, garantindo mais dramaticidade à faixa. Com certeza é um dos melhores momentos do cd. “Olho Calmo” é mais tranquila e possuidora de um refrão forte e direto, enquanto “Boca Aberta” é a mais rápida do disco e a mais frenética.
“A Massa” tem uma batida mais firme e contínua, como uma marcha de uma linha de produção que vai dar forma a um individuo que está sendo preparado, assim como sugere a letra. “Setevidas” é uma faixa que representa o “cair e levantar” que temos durante a vida. A porrada que vez ou outra ela nos dá e a nossa capacidade de nos reerguer e seguir a caminhada mais fortes são aspectos muito bem colocados na letra. A melodia tem balanço e certa atmosfera de mistério, um ouvido mais atento pode escutar um piano marcando a música nos versos que precedem a explosão do refrão. O fato de ser a penúltima faixa do disco e de ter sido escolhida para ser a primeira música de trabalho a deixa ainda mais notória. “Serpente”, de longe, é a mais bonita da obra. A mensagem aqui é a de que amanhã é um novo dia e que as coisas se renovam, como acontece com uma serpente que troca a sua pele ao final de um dos ciclos de sua vida. Um coral de vozes africanas e um inspirado e espirituoso solo de guitarra dão mais brilho a canção. Belíssima!

            Ao fim, o que se constata é que a Pitty mais uma vez superou as expectativas com um álbum de músicas mais consistentes e de letras mais profundas. A perda, a morte, a fragilidade da vida, o acaso, a resiliência e também o otimismo são temas que permeiam o disco, o deixando ainda mais sincero. Esse aspecto, juntado às canções, dão a “Setevidas” o crédito de ser o melhor trabalho feito pela nossa conterrânea, mesmo não sendo esta a sua obra definitiva (ainda bem). Ela sabe os caminhos que deve trilhar e sabe que é para frente que se deve seguir.

Popular Posts

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava

Como na profundidade do cosmo. Por Leonardo cima.

Bem no começo desse ano, em janeiro, antes de toda essa agonia que nos encontramos, de pandemia e quarentena, a banda soteropolitana Vernal lançou o seu mais recente trabalho, Epicteto. Essa ressalva inicial do período desse lançamento se faz presente pelo fato de trazer uma recordação recente, de se botar na praça algo novo e poder circular livremente por aí pelas gigs e se esbarrar com os seus autores em um palco tocando as suas canções. Digo isso de maneira geral, até. As produções da cena continuaram e continuam em meio a quarentena, mas esse sabor de presenciar as coisas de perto já começa a pesar, de certa maneira, e visitar esse disco da Vernal também é visitar esse período de cerca de dois meses e meio, ou três (quase!), de liberdade sem restrições que ainda gozávamos. Olhando mais para dentro desse momento, o trio estava vivendo uma boa projeção na cena, com boa frequência de shows e aparição em canais de comunicação alternativa, alguns deles em seus passos iniciai

Sexto guia de singles de bandas baianas. Por Leonardo Cima.

Mais uma vez o Portal SoteroRock traz a sua lista de singles de bandas e artistas baianos, lançados ao longo desse período pandêmico no qual nos encontramos neste 2020. Para essa ocasião, a diversidade ainda marca uma forte presença nessa seleta. Rock, pop, metal, eletrônico, folk e o grande leque que se abre a partir desses gêneros vão aparecer para você aqui enquanto faz a sua leitura. Então, abra a sua mente, saiba um pouco sobre cada um dos trabalhos citados aqui, siga cada um nas redes sociais (se possível, é claro!) e, óbvio, escute as canções!! Se você acha que faltou algum artista/banda aqui nessa matéria, mande uma mensagem inbox pelo nosso perfil do Instagram, que iremos escutar! Midorii Kido - Sou o que Sou Para quem acha que o rock já se esgotou em termos de abraçar minorias e até mesmo acredita que é conservador, este primeiro single da drag queen Midorii Kido é um tapa na face daqueles que professam dessa maneira contra o gênero. Sou o que Sou é um rock forte,