Rádio Soterorock ao Vivo!

Pitty: É para frente que se anda.

O sudeste do nosso país (mais especificamente os Estados do Rio de Janeiro e de São Paulo) parece sempre ter sido a região alvo dos artistas e das bandas baianas mais saudavelmente ambiciosas e mais bem intencionadas com a longevidade de suas carreiras. Muitas foram para lá e não tiveram um bom êxito, se desfizeram ou foram obrigadas a mudar de formação e retornaram com machucados que cicatrizaram de formas diversas mais tarde. Para outros poucos a situação foi diferente e o exemplo mais notório é o da cantora e compositora baiana Pitty.
            Não acho que com ela tenha sido tão somente uma questão de sorte, ou uma simples exceção à regra. A sorte, uma boa assessoria e ótimos contatos são sim elementos importantes para um artista, mas a competência no que se faz, a experiência de palco e a formação musical são aspectos que falam mais alto neste caso aqui. Me lembro de quando escutei pela primeira vez o seu primeiro álbum, o “Admirável Chip Novo” (2003), e do quanto eu me surpreendi com a sua aposta musical naquela ocasião. Pitty havia saído de um som mais rápido para um som mais pesado (sim, há uma grande diferença aí) e já trazia ao mundo uma música interessante, com várias influências e cheia de personalidade, apontando para um caminho evolutivo da sua música sem deixar de estar atenta ao que acontece ao seu redor e que foi se fortalecendo nos seus discos seguintes...
            No seu quarto álbum de inéditas, intitulado “Setevidas”, Pitty dá mais um passo à frente na sua musicalidade por ser diferente dos seus dois últimos trabalhos, mesmo não deixando para trás os elementos com os quais trilhou a sua carreira. Enquanto em “Anacrônico” (2005) o seu som soava mais stoner e em “Chiaroscuro” (2009), onde sua música remetia a um hard-fusion-rock (sem abrir mão do pop), aqui ela ressurge mais madura e mais desprendida de tais rótulos, o que deixa a sua audição mais interessante, exatamente como na sua estreia. Abrindo o álbum, “Pouco” tem bons riffs de guitarras e termina bem agressiva, como se de fato não se contentasse com pouco. “Deixa Ela Entrar” ainda tem uma certa influencia dos seus trabalhos anteriores onde o stoner é bem presente, mas é exatamente aqui que o disco começa a ficar realmente bom. “Pequena Morte”, uma canção que trata sobre orgasmo, possui um andamento de baixo bem sinuoso e sugestivo para um momento a dois mais quente. “Um Leão” tem um ritmo mais acelerado e antecede “Lado de Lá”, musica com piano sombrio e sutil que conduz o seu desenvolvimento a um momento grandioso, com um solo de guitarra mesclado a gritos, formando uma sonoridade pomposa e bem preenchida, garantindo mais dramaticidade à faixa. Com certeza é um dos melhores momentos do cd. “Olho Calmo” é mais tranquila e possuidora de um refrão forte e direto, enquanto “Boca Aberta” é a mais rápida do disco e a mais frenética.
“A Massa” tem uma batida mais firme e contínua, como uma marcha de uma linha de produção que vai dar forma a um individuo que está sendo preparado, assim como sugere a letra. “Setevidas” é uma faixa que representa o “cair e levantar” que temos durante a vida. A porrada que vez ou outra ela nos dá e a nossa capacidade de nos reerguer e seguir a caminhada mais fortes são aspectos muito bem colocados na letra. A melodia tem balanço e certa atmosfera de mistério, um ouvido mais atento pode escutar um piano marcando a música nos versos que precedem a explosão do refrão. O fato de ser a penúltima faixa do disco e de ter sido escolhida para ser a primeira música de trabalho a deixa ainda mais notória. “Serpente”, de longe, é a mais bonita da obra. A mensagem aqui é a de que amanhã é um novo dia e que as coisas se renovam, como acontece com uma serpente que troca a sua pele ao final de um dos ciclos de sua vida. Um coral de vozes africanas e um inspirado e espirituoso solo de guitarra dão mais brilho a canção. Belíssima!

            Ao fim, o que se constata é que a Pitty mais uma vez superou as expectativas com um álbum de músicas mais consistentes e de letras mais profundas. A perda, a morte, a fragilidade da vida, o acaso, a resiliência e também o otimismo são temas que permeiam o disco, o deixando ainda mais sincero. Esse aspecto, juntado às canções, dão a “Setevidas” o crédito de ser o melhor trabalho feito pela nossa conterrânea, mesmo não sendo esta a sua obra definitiva (ainda bem). Ela sabe os caminhos que deve trilhar e sabe que é para frente que se deve seguir.
Share:

Online

Bandas

32 Dentes 4 Discos de Rock Baiano 4ª Ligação A Flauta Vértebra Aborígines Acanon Ádamas Almas Mortas Amor Cianeto André dias André L. R. Mendes Anelis Assumpção Antiporcos Apanhador Só Aphorism Aqui tem Rock Baiano Aurata Awaking Baiana System Bauhaus Bilic Black Sabbath Blessed in Fire Blue in the Face Boogarins Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes Buster Calafrio Callangazoo Carburados Rock Motor Cardoso Filho Carne Doce Cartel Strip Club Cascadura Casillero Céu Charles Bukowski Charlie Chaplin Chuva Negra Cidadão Instigado Circo de Marvin Circo Litoral Cólera Dão David Bowie Declinium Derrube o Muro Desafio Urbano Desrroche Destaques dez caras do rock Documentário Downloads Du Txai e Os Indizíveis Duda Spínola Enio Entrevistas Erasy Eric Assmar Espúria Eva Karize Exoesqueleto Festival Filipe Catto Free?Gobar Fresno Fridha Funcionaface Game Over Riverside Giovani Cidreira HAO Heavy Lero Hellbenders Ifá Incubadora Sonora Ingrena Invena Inventura Irmão Carlos Ironbound Jack Doido Jackeds Jardim do Silêncio Jato Invisível Kalmia Kazagastão KZG Lançamentos Latromodem Lee Ranaldo Limbo Lírio Lo Han Locomotiva Mad Monkees Madame Rivera Mais uma Cara do Rock Baiano MAPA Marcia Castro Maria Bacana Maus Elementos Messias Modus Operandi Motherfucker Mulheres Q Dizem Sim Murilo Sá Nalini Vasconcelos Neurática Not Names Novelta O Quadro O Terno Old Stove Olhos Para o Infinito Órbita Móbile Organoclorados Os Canalhas Os Elefantes Elegantes Os Jonsóns Os Tios Overfuzz Ozzmond palco do rock Pancreas Pastel de Miolos Pesadelo Pirombeira Pitty Portal Pós-punk Prime Squad Programas Quadrinhos Rattle Resenha de discos Resenha do cd Reverendo T Reverento T Rivermann Rock Rock Baiano Rock Baiano em Alta Rock de camaçari Ronco Scambo Show Shows Shows. Cascadura Siba Singles Soft Porn Sons que Ecoam Squadro Subaquático Super Amarelo Surrmenage Tangente Teenage Buzz Tentrio Test The Baggios The Cross The Honkers The Pivos Theatro de Seraphin Thrunda Titãs Tony Lopes Tsunami Universo Variante Úteros em Fúria Vamoz! Van der Vous Vende-$e Vivendo do Ócio Wander Wildner Weise Wry

Matérias

Antigas

Mais Populares