Pular para o conteúdo principal

Resenha: segunda noite do 6° Festival Bigbands.

Com os compromissos devidamente atendidos e já aquecido pela noite de rock anterior, voltei ao mesmo local no Rio Vermelho para conferir a segunda noite da sexta edição do Festival Bigbands. Começando mais cedo do que na sexta feira, o lineup continha o maior número de bandas do evento (foram sete ao total), possuindo bandas da capital, do interior e de outros Estados, como Pernambuco e Paraíba.
            Antes de começar o som ainda deu tempo de ver o meu glorioso (e sofrível) Bahia brocar o Goiás no primeiro período enquanto eu comia um cachorro-quente do qual eu me arrependi de ter pedido quando chegou à minha mesa. O motivo do arrependimento foi o tamanho imenso do tal, que dava facilmente para duas pessoas. Na verdade eu deveria ter desconfiado do olhar de “você tem certeza que quer pedir isso, achando que sabe o tamanho da coisa?” que a atendente me deu quando solicitei a obra de arte. Com a fome saciada e enviando pensamentos positivos para a Fonte Nova para o meu time não vacilar dessa vez, rumei de volta para o Dubliners Irish Pub para conferir o inicio da programação do evento...
            O primeiro a se apresentar foi o Reverendo T e Os Discípulos Descrentes. Com a sua característica voz sussurrada e acompanhado pelo guitarrista Felipe Britto, o Tony Lopes executou a vivo as canções do seu novo álbum, “Azul Profundo”, e músicas de trabalhos anteriores com uma performance bem intimista e com comentários sábios do Reverendo T. “Broto Democrático” e “O Meu Lado” foram bons momentos, assim como o cover de “Revelação”, mesmo lendo a sua letra (antes de tocar ele avisou que não se lembrava dela por completo). A apresentação ainda contou com a participação especial do mais novo discípulo descrente Bruno Bandido, que com a sua voz rouca dividiu o palco com o Tony Lopes nos dois números finais e depois tocou mais três blues de sua autoria. Na sequencia o grupo Professor Doidão e Os Aloprados subiu ao palco para fazer o seu rock divertido e descontraído. O vocalista Isaac Fiterman realmente é uma figura bem humorada e a banda estava a vontade no palco, os covers de musicas do Raul Seixas e do Júpiter Maçã combinam com o seu repertório, mas me pareceram desnecessárias. “Eu Quero Gozar!” foi, por mim, a canção mais a esperada e a mais bem tocada.
            Na pausa, fui tomar uma breja lá na praça da Dinha e na volta percebi que o lugar estava consideravelmente mais cheio e a Novelta (Feira de Santana-BA) já estava no final da primeira musica do seu setlist. O isolamento acústico do lugar realmente funciona. Até o momento em que eu abri a porta do estabelecimento, não conseguia escutar muita coisa do som dos caras, mas foi só abri-la que senti o quanto o volume do stoner que o grupo tocava estava tomando o lugar completamente. A influencia do QOTSA é forte em seu som, até os trejeitos que o Josh Homme tem quando toca guitarra estavam incorporados no vocalista do conjunto. Eles estavam com muita vontade de rock e bem animados por tocar no festival, fizeram a cabeça de muita gente e esquentaram mais o lugar! Dando sequencia às apresentações, a The Honkers começou o seu show com problemas técnicos já na segunda canção, que acabou prejudicando a performance dos veteranos da cena. Mesmo com o percalço, os rapazes não deixaram se abater (acho que jamais se abaterão com algo do tipo) e fizeram um bom show. Já vi apresentações melhores dos caras, de fato, mas esta foi boa o suficiente para manter o local quente. Tão certo assim que o motivo das pessoas os aplaudirem de forma empolgada no final do show não foi somente por conta do corpo seminú do Rodrigo Sputter.
            Os paraibanos do Zefirina Bomba fizeram um show forte e ainda com muita gente dentro do Dubliners Irish Pub. Há muito tempo eles não tocavam por aqui e a empolgação dos rapazes estava a flor da pele. Mesmo tendo acompanhado o som deles ao longo dos anos, eu nunca havia marcado presença em um de seus shows e o que vi, nesta oportunidade, foi uma banda ainda com muito gás para andar por lugares onde exista rock. Eles começaram com a clássica “Alguma Coisa Por Aí” e seguiram até o final de forma calorosa, chagando a homenagear os amigos que fizeram aqui na cidade. Os pernambucanos da The Sexy Drivers entraram na sequência e se saíram muito bem em sua primeira apresentação em Salvador. Um som que transita entre o punk, o grunge e o garage, tocado de uma maneira arrebatadora e impulsiva fez muito bem aos ouvidos da audiência que se mantinha presente no local, mas em menor numero dessa vez. Quem ficou do lado de fora perdeu a oportunidade de ver uma boa banda de outro Estado tocando na cidade. Quanto a The Pivos, de Camaçari, ficam aqui também as minhas considerações por não ter conferido a sua apresentação. O dia começou cedo e o cansaço bateu forte naquela hora da madrugada. Espero poder vê-los em outro momento.

            No saldo final, o segundo dia do evento se manteve como no dia anterior, possuindo uma boa qualidade de som e com ótimas bandas, que respeitaram os seus respectivos limites de tempo no palco e que proporcionaram boas performances aos que estavam presentes, neste caso em maior número do que na sexta. Para completar, se já não bastasse o cachorro-quente do inicio da noite, ainda quase ganho um banho de vômito gratuito de um jovem que bebeu um pouco mais além da conta e que depois também resolveu interditar temporariamente o banheiro quando resolveu se sujar sozinho com o que botou para fora. Espero que ele tenha se lembrado no dia seguinte da noitada de rock que ele teve.

Popular Posts

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava

Sexto guia de singles de bandas baianas. Por Leonardo Cima.

Mais uma vez o Portal SoteroRock traz a sua lista de singles de bandas e artistas baianos, lançados ao longo desse período pandêmico no qual nos encontramos neste 2020. Para essa ocasião, a diversidade ainda marca uma forte presença nessa seleta. Rock, pop, metal, eletrônico, folk e o grande leque que se abre a partir desses gêneros vão aparecer para você aqui enquanto faz a sua leitura. Então, abra a sua mente, saiba um pouco sobre cada um dos trabalhos citados aqui, siga cada um nas redes sociais (se possível, é claro!) e, óbvio, escute as canções!! Se você acha que faltou algum artista/banda aqui nessa matéria, mande uma mensagem inbox pelo nosso perfil do Instagram, que iremos escutar! Midorii Kido - Sou o que Sou Para quem acha que o rock já se esgotou em termos de abraçar minorias e até mesmo acredita que é conservador, este primeiro single da drag queen Midorii Kido é um tapa na face daqueles que professam dessa maneira contra o gênero. Sou o que Sou é um rock forte,

O garage noir da The Futchers. Por Leonardo Cima.

Nesses últimos dois meses, o selo SoteroRec teve a honra e a felicidade de lançar na sua série Retro Rocks, os trabalhos de uma das bandas mais interessantes que a cena local já teve e que, infelizmente, não teve uma projeção devidamente extensa. Capitaneada por Rodrigo "Sputter" Chagas (vocal da The Honkers), a The Futchers foi a sua banda paralela idealizada e montada por ele próprio no final do ano de 2006. A propósito, o nome Futchers vem inspirado da dislexia do compositor britânico Billy Childish, que escreve as palavras da mesma maneira que as fala. Ele, ao lado de mais quatro integrantes, também de bandas locais da época, começaram os ensaios com uma proposta sonora voltada mais para o mood e o garage rock, se distanciando um pouco dos seus respectivos trabalhos nos grupos anteriores. Relembrando um pouco daquele período e como observador, esse "peso" de não ter que se repetir musicalmente recaía um pouco mais sobre Rodrigo. Não que houvesse isso