Pular para o conteúdo principal

Os ventos ecoam - Sons vindos do oeste baiano

Sempre quando escuto a um disco da banda Vômitos me vem à cabeça o lembrete do quanto o rock também pode ser divertido quando ele é descompromissado com os aspectos externos de uma banda, como: empresários, gravadoras, rótulos, regras do cenário musical e formulas encontradas em cartilhas para se fazer algo que, em outra época, se fazia pelo simples gesto da atitude de gritar contra aquilo com o que se incomodava.

O mais recente trabalho dos rapazes da cidade de Barreiras, intitulado “O Padre me Estuprou”, transparece essa condição e ainda mantêm firme o caráter ainda mais irônico e sarcástico de suas letras. Ao todo são dezoito músicas, dezesseis inéditas (dentre elas uma cantada em inglês) e duas faixas ao vivo encerrando a sequência do disco, as já conhecidas “Camisa de Abadá” e “Frank” (ambas do antecessor “Punk Rock pra Mendigo”). Este cd também estabelece a formação do grupo como um trio, com o Tito Scuum assumindo o baixo e o George Sthênio se firmando de vez na bateria...


Aqui, a Vômitos se mostra mais calejada e mais pesada na execução do seu punk rock, algo já evidente no cd “Ao Vivo na Noite do Terror”. Vocais mais agressivos, guitarras mais rápidas, viradas de bateria velozes e uma sutil, porém perceptível influência do metal no som dos caras dão o clima que permeia o álbum. A primeira canção é uma introdução que eles poderiam ter deixado de lado e é seguida por duas faixas que trazem historias do cotidiano da banda. “CD da Feira” narra a experiência de alguém ter comprado um cd de “rock pauleira” na feira e, ao chegar em casa percebe que era, na verdade, um cd de arrocha. Tenso! “Onde Está a Minha Carteira”, conta a história de um rapaz que foi atrás do “Chicletão”, pensou que estava sendo sensualmente apalpado, mas acabou perdendo a carteira para o novo dono do objeto.

“Dentinho” e “Catalepsia” são as faixas possuidoras de paletadas metaleiras, esta última começa com uma introdução doce e segue direto para a roda de pogo. Em “Eu Não Gosto de Playboy!” e “Playbosta”, eles cantam contra os filhinhos de papai que não sabem ouvir um “não” como resposta. “Trabalhador do Gerais”, “Revolução” e “Eu Queria Roubar Também” formam uma sequencia punk desenfreada que leva o ouvinte a “Junglex”, faixa cantada em português-inglês (“trogloditas are fucking the cabritas”) e com um testemunho evangélico no seu fim.

No melhor momento do disco, “Claudiano Vida Loka”, “Peguei Ponga no Carro da SAMU” e “O Padre me Estuprou” percebe-se o quanto a vida de uma pessoa pode ser trágica, emocionante e traumatizante, tudo ao mesmo tempo. Os seus respectivos títulos já falam por si só! “Change Your Mind” (cantada em inglês) e “Bellend Bop” são dois punk rocks empolgadíssimos que encerram a trilha de músicas inéditas.


A sonoridade de “O Padre me Estuprou” é um aspecto do disco que parece desprovido de vaidade: o seu som é melhor do que a obra anterior, mas está longe de ter uma ótima qualidade. Se isso é bom, ou ruim, depende de quem irá escuta-lo. O fato é que não deixa de ser divertido. Acredito e espero que a próxima investida dos rapazes do oeste baiano tenha uma melhor qualidade de gravação. Afinal, eles são jovens e terão tempo para fazê-lo. Enfim, assim como falei no inicio do texto, às vezes também é bom ser descompromissado com isso. Quem já teve banda de punk rock sabe do que estou falando.

Popular Posts

O melhor do que eu não escrevi no Portal Soterorock em 2018. Por Leo Cima.

Neste ano de 2018 o Portal Soterorock resolveu tirar alguns dias de folga. Algo próximo a trezentos e sessenta e cinco dias, quase um ano, é verdade. Porém, é fato que, depois de dez anos cobrindo a cena roqueira local, com textos ou podcasts, sem incentivo financeiro algum, o site decidiu que seria o momento certo para dar um tempinho nas atividades daqui, para priorizar e atender a outras demandas não menos importantes. Mas, mesmo distante das publicações, nos mantivemos atentos ao movimento do cenário, observando quem se manteve atuante, seja em estúdio, ou nos palcos.
Muita coisa aconteceu este ano na cena rocker da Bahia, desde discos lançados até uma boa frequência regular de shows na capital baiana, mesmo com um número cada vez menor de casas que recebe o gênero por aqui. E é esse segundo item que ganhará destaque aqui nesta matéria, em uma outra oportunidade falarei sobres os lançamentos baianos de 2018, vamos com calma. O fato é que, fazendo visitas a eventos, seja como um pag…

Série “As DEZ Caras do Rock Baiano” - Com Caroline Lima, (Voz na Chá de Pensamentos), apresentando "Kansu" o seu mais novo projeto!

A série “As 10 Caras do Rock Baiano” traz desta vez Caroline Lima, integrante do projeto experimental de música e arte Kansu Project , duo que conta também com Sérgio da Mata dividindo as composições. Na última quinta feira (28/03/2013), ás 22:30, foi lançado na página da Kansu Project no facebook o remix de “A Little Bit of Me”, seu primeiro single e, nesse ótimo papo descontraído e espontâneo, Caroline nos falou sobre o interessante processo de produção e gravação das músicas da dupla, suas influências e suas impressões sobre a cena local. Então se ajeite em sua cadeira, aproveite a entrevista, dê um curtir na página do grupo e “FEEL FREE”. 
SRP – O que é a Kansu Project, é um duo? E o que sgnifica? 
Caroline Lima - É um duo sim. Sou eu e Sergio da Mata, meu amigo de adolescência. Sobre o significado... foi a junção dos nomes de personagens de livros que escrevemos em 2002, também é o nome de uma província da China e o nome deriva desse idioma...alguns traduzem como "orquídea&quo…

“As Dez Caras do Rock Baiano” com Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute)

Chegando ao final da sua primeira fase, a série “As Dez Caras do Rock Baiano” traz em sua quinta entrevista uma das grandes personalidades já presente na cena local há muitos anos: o vocalista da The Honkers, Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute, como preferir). Nessa conversa, que foi uma das mais longas e intrigantes dessa série e realizada na época da volta da banda aos palcos soteropolitanos, Rodrigo falou sobre o que chama a sua atenção no cenário, o cuidado que um artista têm que tomar com a sua própria arte, como a quantidade de informação influencia no jeito raso de ser do novo roqueiro e sobre as intenções para o futuro da The Honkers, além de se mostrar como um autor de livros de auto ajuda em potencial. Você já sabe, se ajeite com firmeza na cadeira e embarque nessa entrevista dessa grande figura do rock da Bahia. 
SRP - Como foi ficar um ano longe da The Honkers? 

Rodrigo Chagas - Zorra... Normal, hehe. Cansei na sétima música. 

SRP – O que achou do retorno da The Honkers aos pa…