Pular para o conteúdo principal

Resenha do show da Garden: Couve Flor. (+ Invena | Blues Road | Rivermann)

Mais uma noite de rock na cidade e o Portal Soterorockpolitano foi conferir, dessa vez, algo distante das prioridades do site: um evento cuja banda principal era uma banda de covers. Nunca guardei de ninguém o meu desgosto por bandas desse tipo. Respeito as escolhas que cada grupo faz para por em prática a sua proposta musical, mas não enxergo isso como algo necessário para o cenário de qualquer cidade, inclusive o de Salvador.

Para mim, vale muito mais a pena ver um show de uma banda autoral, do que uma outra que presta tributo a uma terceira. Entendo que a existência desses conjuntos está mais ligada ao entretenimento das pessoas que vão prestigia-las...
ao ego aquecido que os músicos terão a cada resposta positiva da audiência e ao dinheiro que eles vão conseguir para bancar o seu trabalho autoral (se tiver), mas não acredito caminhem muito alem disso.

Enfim, deixando o preconceito um pouco de lado, coloquei a velha camisa de flanela e fui conferir as quatro bandas da festa (pelo menos duas delas tinham músicas próprias). A noite estava gelada e eu um pouco atrasado para ver o inicio das apresentações, mas cheguei a tempo de ver a primeira banda. O lugar estava cheio e a Blue Road tocou o seu repertório de covers que passeou entre os anos 1960 e 1980. Sendo bem justo, os bons músicos do grupo se preocuparam em fazer versões das músicas, e não cópias das originais, dando um ar diferenciado a sua atuação. Mas tudo tem limite: uma versão de “Light My Fire” virou salada de frutas quando a ela foi misturada Rita Lee, Yes e mais outras referencias oitenistas. Essa doeu no juízo.

Logo após, subiu ao palco a Invena e pensei comigo: “Agora sim, uma banda com repertório de canções próprias”. Só que não, não totalmente. Aproveitando o clima da noite, o conjunto começou a sua apresentação com uma sequencia de dois covers e só na terceira eles tocaram uma música própria. Já estaria de bom tamanho se a banda optasse por ter somente essas duas no seu setlist, mas a quantidade cresceu para um total de onze covers contra nove autorais.

Para mim foi um exagero, considerando o fato de que este é um grupo possuidor de um trabalho próprio. Na performance, ficaram claras a ótima qualidade dos músicos e a boa presença de palco do seu frontman, e acredito que isso melhorou a execução de suas próprias canções. A duração de uma hora e quarenta minutos de apresentação impediu que a banda segurasse a maior parte das pessoas dentro do Pub e a participação do Gustavo Mullem (Camisa de Vênus), na música “Hoje”, e “Me Dar Bem”, da própria banda, foram momentos ápices do show.

O som seguiu com a Garden (AL), executando o seu oficio de ser a banda cover do Pearl Jam. O repertório foi montado, principalmente, em cima dos discos “Ten” e “Yield” e não fugiu do óbvio, tocando os singles mais conhecidos dos rapazes de Seattle. O mais distante que eles chegaram do lugar comum foi em “Corduroy”, faixa do disco “Vitalogy” que é presença certa nos shows do PJ.

Com o vocalista que pareceu ter frequentado o “The Eddie Vedder Institute”, de tão parecido com o original, cheguei a pensar que eles fossem tocar canções mais obscuras. Mas fiquei só no pensamento mesmo, pois o relógio já havia chegado às quatro da manhã e isso parecia que não ia acontecer. Tendo que voltar para casa antes do termino das atividades, fica aqui as mais profundas e sinceras considerações a Rivermann, que ficou com a tarefa de fechar a noite com seu repertório autoral.


Ainda assim, foi uma noite divertida, as bandas covers não me fizeram mal e também não me fizeram mudar de opinião sobre elas. Em uma lanchonete próxima, ainda ganhamos o direito de ver sósias do Harry Potter, do Jesus Cristo e da Michonne na mesma mesa, provando que as copias estão em todos os lugares e que o rock segue em frente para não criar limo.

Popular Posts

Discoteca Básica Soterorock Apresenta: Entre 4 Paredes

Dando continuidade na nossa maratona especial da quarta edição do Soterorock Sessions, aqui vai mais uma postagem da série Discoteca Básica Soterorock Apresenta. Dessa vez, trazendo mais uma atração do nosso evento, a banda Entre 4 Paredes. Com diversas influências musicais, que vão do pop rock, até o post punk, passando pelo rock nacional e o gótico, o sexteto traz para essa matéria bons sons que merecem uma audição mais atenta e, junto a eles, as suas relações com cada um desses discos. Pegue carona nas dicas do grupo e deguste cada segundo musical dessa lista!
David Vertigo (tecladista)
Suicide - Suicide


O disco que inventou o cyberpunk antes dele existir. O trabalho de estreia homônino da dupla Suicide (Alan Vega nos vocais e Martin Rev no sintetizador) mostra da forma mais crua possível o que bandas de Industrial, EBM e afins só exibiriam décadas mais tarde:  niilismo, subversão, falta de esperança, ódio, inconformismo... Com timbres minimalistas, baterias repetitivas, vocais nonse…

Todo dia é dia de rock. Por Leo Cima.

Aconteceu, no final de semana em que se celebrou o dia mundial do rock, o festival Rock Concha 2019. Evento que, neste ano, comemorou trinta anos da sua primeira edição. Houve um hiato de um pouco mais de vinte anos nas suas atividades, porém, há quase uma década, a festa vem acontecendo de maneira assídua a cada ano e já pode ser considerada como certa no calendário cultural da cidade.
Para esta ocasião, a produção do evento apostou em um lineup que propôs fugir de repetir nomes escalados nos anos anteriores, se mantendo atrativo neste sentido e oferecendo ao seu público bandas relevantes na cena nacional e local, com algumas delas há bastante tempo sem vir à Salvador, outras lançando trabalho novo, ou comemorando décadas de estrada. A falta de roadies durante algumas apresentações foi percebida em dois momentos, nos shows da Drearylands e da Alquímea, mas nada que comprometesse o desempenho de ambas no palco!
No sábado, quem abriu o evento foi a Drearylands. Comemorando vinte anos …

As 10 Caras do Rock Baiano” com Paulo Diniz (Banda Weise)

A penúltima entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano” traz Paulo Diniz, vocalista e guitarrista da banda Weise. O grupo está lançando o seu mais novo trabalho, o cd intitulado “Aquele Que Superou o Fim dos Tempos”, e neste papo o entrevistado falou sobre o seu processo de gravação, sobre seus shows e as dinâmicas dos seus instrumentos no palco e também sobre as suas impressões da cena baiana de rock. Para não perder o costume, ajeite-se na cadeira e aproveite o papo com o rapaz. 
SoteroRockPolitano - É o segundo disco de vocês, certo? O que mudou no som da Weise desde o seu primeiro disco até esse último que está sendo lançado?  Paulo Diniz - Na verdade nós lançamos até agora somente EPs, que foi o "Fora do Céu", depois um outro que não tinha nome, e o terceiro que era uma previa de duas músicas do álbum que vamos lançar agora...