Pular para o conteúdo principal

Resenha do show da Garden: Couve Flor. (+ Invena | Blues Road | Rivermann)

Mais uma noite de rock na cidade e o Portal Soterorockpolitano foi conferir, dessa vez, algo distante das prioridades do site: um evento cuja banda principal era uma banda de covers. Nunca guardei de ninguém o meu desgosto por bandas desse tipo. Respeito as escolhas que cada grupo faz para por em prática a sua proposta musical, mas não enxergo isso como algo necessário para o cenário de qualquer cidade, inclusive o de Salvador.

Para mim, vale muito mais a pena ver um show de uma banda autoral, do que uma outra que presta tributo a uma terceira. Entendo que a existência desses conjuntos está mais ligada ao entretenimento das pessoas que vão prestigia-las...
ao ego aquecido que os músicos terão a cada resposta positiva da audiência e ao dinheiro que eles vão conseguir para bancar o seu trabalho autoral (se tiver), mas não acredito caminhem muito alem disso.

Enfim, deixando o preconceito um pouco de lado, coloquei a velha camisa de flanela e fui conferir as quatro bandas da festa (pelo menos duas delas tinham músicas próprias). A noite estava gelada e eu um pouco atrasado para ver o inicio das apresentações, mas cheguei a tempo de ver a primeira banda. O lugar estava cheio e a Blue Road tocou o seu repertório de covers que passeou entre os anos 1960 e 1980. Sendo bem justo, os bons músicos do grupo se preocuparam em fazer versões das músicas, e não cópias das originais, dando um ar diferenciado a sua atuação. Mas tudo tem limite: uma versão de “Light My Fire” virou salada de frutas quando a ela foi misturada Rita Lee, Yes e mais outras referencias oitenistas. Essa doeu no juízo.

Logo após, subiu ao palco a Invena e pensei comigo: “Agora sim, uma banda com repertório de canções próprias”. Só que não, não totalmente. Aproveitando o clima da noite, o conjunto começou a sua apresentação com uma sequencia de dois covers e só na terceira eles tocaram uma música própria. Já estaria de bom tamanho se a banda optasse por ter somente essas duas no seu setlist, mas a quantidade cresceu para um total de onze covers contra nove autorais.

Para mim foi um exagero, considerando o fato de que este é um grupo possuidor de um trabalho próprio. Na performance, ficaram claras a ótima qualidade dos músicos e a boa presença de palco do seu frontman, e acredito que isso melhorou a execução de suas próprias canções. A duração de uma hora e quarenta minutos de apresentação impediu que a banda segurasse a maior parte das pessoas dentro do Pub e a participação do Gustavo Mullem (Camisa de Vênus), na música “Hoje”, e “Me Dar Bem”, da própria banda, foram momentos ápices do show.

O som seguiu com a Garden (AL), executando o seu oficio de ser a banda cover do Pearl Jam. O repertório foi montado, principalmente, em cima dos discos “Ten” e “Yield” e não fugiu do óbvio, tocando os singles mais conhecidos dos rapazes de Seattle. O mais distante que eles chegaram do lugar comum foi em “Corduroy”, faixa do disco “Vitalogy” que é presença certa nos shows do PJ.

Com o vocalista que pareceu ter frequentado o “The Eddie Vedder Institute”, de tão parecido com o original, cheguei a pensar que eles fossem tocar canções mais obscuras. Mas fiquei só no pensamento mesmo, pois o relógio já havia chegado às quatro da manhã e isso parecia que não ia acontecer. Tendo que voltar para casa antes do termino das atividades, fica aqui as mais profundas e sinceras considerações a Rivermann, que ficou com a tarefa de fechar a noite com seu repertório autoral.


Ainda assim, foi uma noite divertida, as bandas covers não me fizeram mal e também não me fizeram mudar de opinião sobre elas. Em uma lanchonete próxima, ainda ganhamos o direito de ver sósias do Harry Potter, do Jesus Cristo e da Michonne na mesma mesa, provando que as copias estão em todos os lugares e que o rock segue em frente para não criar limo.

Popular Posts

O melhor do que eu não escrevi no Portal Soterorock em 2018. Por Leo Cima.

Neste ano de 2018 o Portal Soterorock resolveu tirar alguns dias de folga. Algo próximo a trezentos e sessenta e cinco dias, quase um ano, é verdade. Porém, é fato que, depois de dez anos cobrindo a cena roqueira local, com textos ou podcasts, sem incentivo financeiro algum, o site decidiu que seria o momento certo para dar um tempinho nas atividades daqui, para priorizar e atender a outras demandas não menos importantes. Mas, mesmo distante das publicações, nos mantivemos atentos ao movimento do cenário, observando quem se manteve atuante, seja em estúdio, ou nos palcos.
Muita coisa aconteceu este ano na cena rocker da Bahia, desde discos lançados até uma boa frequência regular de shows na capital baiana, mesmo com um número cada vez menor de casas que recebe o gênero por aqui. E é esse segundo item que ganhará destaque aqui nesta matéria, em uma outra oportunidade falarei sobres os lançamentos baianos de 2018, vamos com calma. O fato é que, fazendo visitas a eventos, seja como um pag…

Série “As DEZ Caras do Rock Baiano” - Com Caroline Lima, (Voz na Chá de Pensamentos), apresentando "Kansu" o seu mais novo projeto!

A série “As 10 Caras do Rock Baiano” traz desta vez Caroline Lima, integrante do projeto experimental de música e arte Kansu Project , duo que conta também com Sérgio da Mata dividindo as composições. Na última quinta feira (28/03/2013), ás 22:30, foi lançado na página da Kansu Project no facebook o remix de “A Little Bit of Me”, seu primeiro single e, nesse ótimo papo descontraído e espontâneo, Caroline nos falou sobre o interessante processo de produção e gravação das músicas da dupla, suas influências e suas impressões sobre a cena local. Então se ajeite em sua cadeira, aproveite a entrevista, dê um curtir na página do grupo e “FEEL FREE”. 
SRP – O que é a Kansu Project, é um duo? E o que sgnifica? 
Caroline Lima - É um duo sim. Sou eu e Sergio da Mata, meu amigo de adolescência. Sobre o significado... foi a junção dos nomes de personagens de livros que escrevemos em 2002, também é o nome de uma província da China e o nome deriva desse idioma...alguns traduzem como "orquídea&quo…

“As Dez Caras do Rock Baiano” com Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute)

Chegando ao final da sua primeira fase, a série “As Dez Caras do Rock Baiano” traz em sua quinta entrevista uma das grandes personalidades já presente na cena local há muitos anos: o vocalista da The Honkers, Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute, como preferir). Nessa conversa, que foi uma das mais longas e intrigantes dessa série e realizada na época da volta da banda aos palcos soteropolitanos, Rodrigo falou sobre o que chama a sua atenção no cenário, o cuidado que um artista têm que tomar com a sua própria arte, como a quantidade de informação influencia no jeito raso de ser do novo roqueiro e sobre as intenções para o futuro da The Honkers, além de se mostrar como um autor de livros de auto ajuda em potencial. Você já sabe, se ajeite com firmeza na cadeira e embarque nessa entrevista dessa grande figura do rock da Bahia. 
SRP - Como foi ficar um ano longe da The Honkers? 

Rodrigo Chagas - Zorra... Normal, hehe. Cansei na sétima música. 

SRP – O que achou do retorno da The Honkers aos pa…