Pular para o conteúdo principal

Resenha do show da Garden: Couve Flor. (+ Invena | Blues Road | Rivermann)

Mais uma noite de rock na cidade e o Portal Soterorockpolitano foi conferir, dessa vez, algo distante das prioridades do site: um evento cuja banda principal era uma banda de covers. Nunca guardei de ninguém o meu desgosto por bandas desse tipo. Respeito as escolhas que cada grupo faz para por em prática a sua proposta musical, mas não enxergo isso como algo necessário para o cenário de qualquer cidade, inclusive o de Salvador.

Para mim, vale muito mais a pena ver um show de uma banda autoral, do que uma outra que presta tributo a uma terceira. Entendo que a existência desses conjuntos está mais ligada ao entretenimento das pessoas que vão prestigia-las...
ao ego aquecido que os músicos terão a cada resposta positiva da audiência e ao dinheiro que eles vão conseguir para bancar o seu trabalho autoral (se tiver), mas não acredito caminhem muito alem disso.

Enfim, deixando o preconceito um pouco de lado, coloquei a velha camisa de flanela e fui conferir as quatro bandas da festa (pelo menos duas delas tinham músicas próprias). A noite estava gelada e eu um pouco atrasado para ver o inicio das apresentações, mas cheguei a tempo de ver a primeira banda. O lugar estava cheio e a Blue Road tocou o seu repertório de covers que passeou entre os anos 1960 e 1980. Sendo bem justo, os bons músicos do grupo se preocuparam em fazer versões das músicas, e não cópias das originais, dando um ar diferenciado a sua atuação. Mas tudo tem limite: uma versão de “Light My Fire” virou salada de frutas quando a ela foi misturada Rita Lee, Yes e mais outras referencias oitenistas. Essa doeu no juízo.

Logo após, subiu ao palco a Invena e pensei comigo: “Agora sim, uma banda com repertório de canções próprias”. Só que não, não totalmente. Aproveitando o clima da noite, o conjunto começou a sua apresentação com uma sequencia de dois covers e só na terceira eles tocaram uma música própria. Já estaria de bom tamanho se a banda optasse por ter somente essas duas no seu setlist, mas a quantidade cresceu para um total de onze covers contra nove autorais.

Para mim foi um exagero, considerando o fato de que este é um grupo possuidor de um trabalho próprio. Na performance, ficaram claras a ótima qualidade dos músicos e a boa presença de palco do seu frontman, e acredito que isso melhorou a execução de suas próprias canções. A duração de uma hora e quarenta minutos de apresentação impediu que a banda segurasse a maior parte das pessoas dentro do Pub e a participação do Gustavo Mullem (Camisa de Vênus), na música “Hoje”, e “Me Dar Bem”, da própria banda, foram momentos ápices do show.

O som seguiu com a Garden (AL), executando o seu oficio de ser a banda cover do Pearl Jam. O repertório foi montado, principalmente, em cima dos discos “Ten” e “Yield” e não fugiu do óbvio, tocando os singles mais conhecidos dos rapazes de Seattle. O mais distante que eles chegaram do lugar comum foi em “Corduroy”, faixa do disco “Vitalogy” que é presença certa nos shows do PJ.

Com o vocalista que pareceu ter frequentado o “The Eddie Vedder Institute”, de tão parecido com o original, cheguei a pensar que eles fossem tocar canções mais obscuras. Mas fiquei só no pensamento mesmo, pois o relógio já havia chegado às quatro da manhã e isso parecia que não ia acontecer. Tendo que voltar para casa antes do termino das atividades, fica aqui as mais profundas e sinceras considerações a Rivermann, que ficou com a tarefa de fechar a noite com seu repertório autoral.


Ainda assim, foi uma noite divertida, as bandas covers não me fizeram mal e também não me fizeram mudar de opinião sobre elas. Em uma lanchonete próxima, ainda ganhamos o direito de ver sósias do Harry Potter, do Jesus Cristo e da Michonne na mesma mesa, provando que as copias estão em todos os lugares e que o rock segue em frente para não criar limo.

Popular Posts

"Carnaval, carnaval, carnaval / Fico tão triste quando chega o carnaval" Por Sérgio Moraes

Com uma sonoridade ímpar desde os idos de 1985, a Banda Organoclorados (Alagoinhas-Bahia), Lançou seu mais recente vídeo “No Carnaval a Gente Esquece”. Você pode ouvir nas plataformas de vídeo espalhadas pela web ou aqui! 



O vídeo faz um paralelo visual da vida cotidiana, euforia e desespero se misturando na obscuridade dos dias turbulentos que vivemos. Misturando imagens de alegria (num simples passeio pela calçadão das ruas com a banda) e desilusões diárias (Coquetel Molotov e afins). A sonoridade blues-Rock da canção é bem vinda, pois, a participação especial de Lucas Costa na gaita harmônica abrilhanta ainda mais as imagens e a sonoridade de “No Carnaval a Gente Esquece”.
Veja e tire suas próprias conclusões deste belo vídeo, letra e composição dos cinco caras!
Organoclorados é: Alan Gustavo - guitarra; André G - baixo; Artur W - guitarra e voz; Joir Rocha - bateria; Roger Silva - teclados.
Título: Trecho da letra de Luiz Melodia “Quando o Carnaval Chegou.”

Tem muito som no tabuleiro do rock aqui na Bahia. Por Leonardo Cima.

Depois do nosso hiato no ano de 2018, retomamos às nossas atividades aqui no site em 2019. É bem verdade que escrevemos menos do que esperávamos e pretendíamos, porém continuamos observando o que acontecia na cena ao longo desses doze meses que se passaram. Bastante som foi lançado, várias propostas sonoras diferentes ganharam a luz do dia e mantiveram esse ano como os seus antecessores: agitado em volume e em alta qualidade de produção.
Teve banda/artista apostando em single, ou fazendo as suas primeiras investidas solo, projetos musicais saindo do papel, banda lançando novidade depois de muito tempo sem disponibilizar um novo trabalho, ou seja, uma considerável quantidade de impulsos motivadores levaram à todas essas novidades da cena rocker da Bahia.
Então, resolvi fazer essas micro resenhas para compensar a minha baixa frequência por aqui pelo site no ano que passou e para fazer justiça com esses lançamentos, trazendo alguns títulos nessa matéria. Mas, frisando, essa não é uma lista…

Depois do inferno...Tem outro Inferno...Por Sérgio Moraes

Ouvir bandas novas já faz parte da rotina de quem faz este site acontecer. Há quem duvide e não acredite que escutamos tudo atentamente, letra por letra, acorde por acorde. Nosso trampo é sério porque amamos tudo isso. 
Amo mais ainda quando alguns amigos voltam do inferno com boas novas. É o caso da banda D.D.I (Depois do Inferno), projeto novo de André Jegue (que mantem sozinho o projeto “Funciona Face” e Ex-integrante da não tão distante BR-64) e também André Batista – Bateria, Rodrigo Magalhães - Contrabaixo Mateus Galvão – Guitarra. Todos remanescentes de outras bandas da cidade. 
A DDI nasce com uma identidade própria já marcada pelos trabalhos anteriores dos caras, o que me deixa bastante contente. Quando André Jegue se dedica a cantar Hardcore seus vocais ficam lindos e agressivos não devendo nada a bandas como Dead Fish (Referência relevante do gênero). 
A D.D.I liberou duas ótimas músicas do seu próximo trabalho, “Depois do Inferno” e “Facada do Cão”, (Ouça as duas!). Ambas…