Pular para o conteúdo principal

Quem não foi, perdeu! Resenha do lançamento do cd d’Os Jonsóns

A noite do último sábado foi mais uma noite de rock na qual o Portal Soterorockpolitano mergulhou para saber o que aconteceu de bom na cena, e a ótima da vez foi o show de lançamento do novo disco d’Os Jonsóns, “Epgrafia Completa” (coleção completa dos três EPs do grupo). Cheguei bem a tempo de ver o local enchendo aos poucos, o evento foi bem divulgado pelas redes sociais e a intensificação deste chamariz, na última semana, surtiu um efeito positivo no comparecimento do público.
E deu foi é gente! Fãs da banda, curiosos e apoiadores do cenário local, além de novos e velhos conhecidos apareceram por lá, batendo bons papos sobre musica...
futebol e trabalho, ditando o tom do ambiente que precedeu a festa que tinha, além d’Os Jonsóns, Plástico Lunar (SE) e The Honkers. A primeira banda a abrir as atividades da noite foi a anfitriã, Os Jonsóns. Os rapazes fizeram uma apresentação à altura do lançamento do seu disco, tocando as suas canções com mais entrosamento e usando isso a favor da sua performance na noite. O setlist tinha canções de todos os seus três EPs e mostrou também o quanto houve de amadurecimento musical do conjunto, fruto das constantes apresentações aqui na capital, no interior, em outros estados e das gravações dos seus trabalhos. Músicas como “Batedora de Vinis”, “Bang Bang Urbano” e as ótimas recentíssimas “Espaço-porto Intergalático” e “Dia Triste”, foram destaque no repertório e atestaram a evolução do grupo.
Acho interessante frisar novamente a quantidade de pessoas que foram conferir o evento. Sendo a primeira da festa, havia um risco corrido pela mesma (sendo a ocasião, o lançamento do seu disco) de tocar para poucas pessoas, mas isso não ocorreu e uma audiência significativa assistiu a sua performance. Foi de fato, uma apresentação que agradou a quem já conhecia a banda e também a quem ainda não a conhecia, atendendo as boas expectativas já aguardadas sobre ela. Foi um ótimo show, conduzido pelo bom humor característico da personalidade sonora do grupo! Poderia ter durado um pouco mais, mas foi a conta certa para deixar a casa aquecida para as atrações seguintes.
Seguindo, subiu ao palco a psicodélica Plástico Lunar (SE). Já conhecida da maioria no local, o quinteto mostrou o porquê de ser uma das mais importantes bandas dessa vertente, executando com muita competência o seu psicodelismo que tomava o lugar completamente. O desempenho do grupo foi seguro e com destaque para o seu excepcional baterista, fazendo as viradas na hora certa e sem titubear, alem de assumir os vocais na penúltima canção do repertório. Foi empolgante vê-los tocar em momentos como “Amanheceremos” e no bis com “Você Vê o Sol se Pôr”, essa última com o teor psicodélico altíssimo. Depois deles entrou a The Honkers, com o caos musical costumeiro de suas apresentações. A performance explosiva e imprevisível do grupo, garante ao publico sempre uma surpresa na noite, lavando a alma daqueles ávidos por um rock mais impulsivo.
O grupo vive uma fase na qual se encontra com uma de suas melhores formações, continuando metendo o pé na porta e mantendo o gás de mais de dez anos de estrada. A apresentação começou com problemas técnicos que foram contornados rapidamente e seguiram até o seu final sem perder o fôlego. Rodrigo Sputter, com sua presença de palco sempre peculiar, bebeu água direto de sua bota, depois tentou fazer amor com ela e com a caixa de som ao mesmo tempo, demonstrou todo o seu afeto intimo para com os seus companheiros de banda e ensaiou, sem sucesso (ainda bem), ficar pelado em cima do palco. No final, bem no meio da música, ainda rolou uma jam com um fã na bateria. Foi divertido!

Com todos os ocorridos nas apresentações das bandas, fica evidente que foi uma festa completa, com bandas representando bem o seu inicio, o seu meio e o seu final. Foi besta aquele que chegou a ir para o local e não entrou para ver os shows, seja lá por qual motivo foi, e é certo que eles deixaram de testemunhar mais um episódio dessa melhora nas atividades da cena local. 

Popular Posts

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava

Sexto guia de singles de bandas baianas. Por Leonardo Cima.

Mais uma vez o Portal SoteroRock traz a sua lista de singles de bandas e artistas baianos, lançados ao longo desse período pandêmico no qual nos encontramos neste 2020. Para essa ocasião, a diversidade ainda marca uma forte presença nessa seleta. Rock, pop, metal, eletrônico, folk e o grande leque que se abre a partir desses gêneros vão aparecer para você aqui enquanto faz a sua leitura. Então, abra a sua mente, saiba um pouco sobre cada um dos trabalhos citados aqui, siga cada um nas redes sociais (se possível, é claro!) e, óbvio, escute as canções!! Se você acha que faltou algum artista/banda aqui nessa matéria, mande uma mensagem inbox pelo nosso perfil do Instagram, que iremos escutar! Midorii Kido - Sou o que Sou Para quem acha que o rock já se esgotou em termos de abraçar minorias e até mesmo acredita que é conservador, este primeiro single da drag queen Midorii Kido é um tapa na face daqueles que professam dessa maneira contra o gênero. Sou o que Sou é um rock forte,

O garage noir da The Futchers. Por Leonardo Cima.

Nesses últimos dois meses, o selo SoteroRec teve a honra e a felicidade de lançar na sua série Retro Rocks, os trabalhos de uma das bandas mais interessantes que a cena local já teve e que, infelizmente, não teve uma projeção devidamente extensa. Capitaneada por Rodrigo "Sputter" Chagas (vocal da The Honkers), a The Futchers foi a sua banda paralela idealizada e montada por ele próprio no final do ano de 2006. A propósito, o nome Futchers vem inspirado da dislexia do compositor britânico Billy Childish, que escreve as palavras da mesma maneira que as fala. Ele, ao lado de mais quatro integrantes, também de bandas locais da época, começaram os ensaios com uma proposta sonora voltada mais para o mood e o garage rock, se distanciando um pouco dos seus respectivos trabalhos nos grupos anteriores. Relembrando um pouco daquele período e como observador, esse "peso" de não ter que se repetir musicalmente recaía um pouco mais sobre Rodrigo. Não que houvesse isso