Pular para o conteúdo principal

Dobradinha do rock – Resenhas dos shows da Teenage Buzz, Van der Vous, Alarde (SP) e Lo Han.

No último sábado, o Portal Soterorockpolitano enfrentou uma situação atípica, que foi a de conferir dois eventos de rock em uma única noite. Os shows em questão aconteceram no mesmo local, no Dubliners Irish Pub, e foram viabilizados por um recurso cada vez mais frequentemente utilizado pela casa: as sessões de matinê. Nesta ocasião, se apresentaram as bandas Teenage Buzz, Van der Vous, Alarde (SP) e Lo Han.
A chegada no Rio Vermelho foi mais fácil do que se poderia imaginar, foi até um pouco estranho sair do local de partida no final da tarde, com condução disponível em quantidade para lá e chegar com rapidez. As praças ainda estavam vazias e os tabuleiros das baianas ainda estavam cheios de seus quitutes, com quantidades de sobra para alimentar um exercito inteiro...
Com pouco tempo a perder, entrar o quanto antes no pub foi providencial para aproveitar a maratona musical que estava por vir.
No primeiro evento, para um pouco mais de cinco pessoas, a Teenage Buzz iniciou a noite com seu britpop cantado em inglês. A banda sofreu alguns problemas técnicos no palco que fizeram o andamento do show ficar travado. Além do tecladista e dos guitarristas se desnortearem em decorrência disso, a própria disposição dos integrantes em cima do palco atrapalhou a sua performance, tendo derrubado os microfones inúmeras vezes. O fato de ter quase ninguém no lugar deixou a apresentação ainda mais com ares de ensaio! Mas nem tudo se perdeu, o bom entrosamento da cozinha e a execução das três ultimas canções fizeram valer o momento.
Depois deles, subiu ao palco a Van der Vous. Foi a segunda oportunidade que pude ver a banda tocando ao vivo e a primeira de algumas pessoas que estavam por lá, e não houve desapontamento. A banda está cada vez mais afiada, comprometida e disciplinada em cima do palco, cuidando para que as suas músicas continuem soando muito bem ao vivo. Nesta ocasião, o desempenho excelente e monstruoso do baterista Charles Silva, as versões na íntegra de “Somehow” e “I Get High” e a inédita “Depression or Not”, figuraram as melhores passagens do show. Infelizmente, somente um pouco mais de vinte pessoas assistiram a VDV. Sorte de quem estava por lá!
Depois de uma longa pausa para a cerveja e para o papo, o segundo evento da noite começou próximo à meia-noite já com a casa bastante cheia. Desconhecida de boa parte do publico local, a Alarde (SP) começou o show de forma frenética e raivosa, numa marcha direta e reta, tocando um som denso que mistura psicodelismo, hard rock e jazz, alem de boas letras e muita intensidade na performance. Bons músicos, os rapazes estão na estrada para tocar em boa parte do interior da Bahia e em outras cidades do nordeste. Foi um rock sincero e agradou muita gente que os viu.
Fechando a noite, a Lo Han tocou para um público fiel, devoto e bem diverso. Muita gente foi conferir o hard rock do grupo e não saiu de lá até eles terminarem de tocar o seu repertório. As canções autorais foram maioria aqui, mas houve espaço para os covers há muito tempo presentes nos seus shows. Ainda continuo não gostando de covers em meio a musicas autorais das bandas, mas justiça seja feita e cabe aqui uma consideração: saber usar isso a favor do seu som é uma boa estratégia para se fazer um bom show. Eles foram minoria e não se destoaram do trabalho autoral do grupo, que por sua vez foram responsáveis pelos melhores momentos da noite. “Sex, Drugs and Music” é um carro-chefe forte com direito até a dança em cima do palco. Dessa vez muita gente viu!

Terminada as apresentações, a volta para casa foi com muita chuva e com um o nível de cerveja no organismo um pouco mais elevado que o normal, mas foi o combustível ideal para seguir com a maratona. As jornadas duplas do Dubliners Irish Pub se configuram como mais uma boa opção para quem gosta de rock na cidade, mesmo que as bandas se apresentem para poucas pessoas. É interessante aparecer mais cedo por lá, fica aqui a dica! Assim como nas sessões tradicionais, vai que você seja surpreendido logo cedo por uma apresentação memorável de uma banda de rock local?

Popular Posts

Discoteca Básica Soterorock Apresenta: Entre 4 Paredes

Dando continuidade na nossa maratona especial da quarta edição do Soterorock Sessions, aqui vai mais uma postagem da série Discoteca Básica Soterorock Apresenta. Dessa vez, trazendo mais uma atração do nosso evento, a banda Entre 4 Paredes. Com diversas influências musicais, que vão do pop rock, até o post punk, passando pelo rock nacional e o gótico, o sexteto traz para essa matéria bons sons que merecem uma audição mais atenta e, junto a eles, as suas relações com cada um desses discos. Pegue carona nas dicas do grupo e deguste cada segundo musical dessa lista!
David Vertigo (tecladista)
Suicide - Suicide


O disco que inventou o cyberpunk antes dele existir. O trabalho de estreia homônino da dupla Suicide (Alan Vega nos vocais e Martin Rev no sintetizador) mostra da forma mais crua possível o que bandas de Industrial, EBM e afins só exibiriam décadas mais tarde:  niilismo, subversão, falta de esperança, ódio, inconformismo... Com timbres minimalistas, baterias repetitivas, vocais nonse…

Todo dia é dia de rock. Por Leo Cima.

Aconteceu, no final de semana em que se celebrou o dia mundial do rock, o festival Rock Concha 2019. Evento que, neste ano, comemorou trinta anos da sua primeira edição. Houve um hiato de um pouco mais de vinte anos nas suas atividades, porém, há quase uma década, a festa vem acontecendo de maneira assídua a cada ano e já pode ser considerada como certa no calendário cultural da cidade.
Para esta ocasião, a produção do evento apostou em um lineup que propôs fugir de repetir nomes escalados nos anos anteriores, se mantendo atrativo neste sentido e oferecendo ao seu público bandas relevantes na cena nacional e local, com algumas delas há bastante tempo sem vir à Salvador, outras lançando trabalho novo, ou comemorando décadas de estrada. A falta de roadies durante algumas apresentações foi percebida em dois momentos, nos shows da Drearylands e da Alquímea, mas nada que comprometesse o desempenho de ambas no palco!
No sábado, quem abriu o evento foi a Drearylands. Comemorando vinte anos …

As 10 Caras do Rock Baiano” com Paulo Diniz (Banda Weise)

A penúltima entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano” traz Paulo Diniz, vocalista e guitarrista da banda Weise. O grupo está lançando o seu mais novo trabalho, o cd intitulado “Aquele Que Superou o Fim dos Tempos”, e neste papo o entrevistado falou sobre o seu processo de gravação, sobre seus shows e as dinâmicas dos seus instrumentos no palco e também sobre as suas impressões da cena baiana de rock. Para não perder o costume, ajeite-se na cadeira e aproveite o papo com o rapaz. 
SoteroRockPolitano - É o segundo disco de vocês, certo? O que mudou no som da Weise desde o seu primeiro disco até esse último que está sendo lançado?  Paulo Diniz - Na verdade nós lançamos até agora somente EPs, que foi o "Fora do Céu", depois um outro que não tinha nome, e o terceiro que era uma previa de duas músicas do álbum que vamos lançar agora...