Pular para o conteúdo principal

Dobradinha do rock – Resenhas dos shows da Teenage Buzz, Van der Vous, Alarde (SP) e Lo Han.

No último sábado, o Portal Soterorockpolitano enfrentou uma situação atípica, que foi a de conferir dois eventos de rock em uma única noite. Os shows em questão aconteceram no mesmo local, no Dubliners Irish Pub, e foram viabilizados por um recurso cada vez mais frequentemente utilizado pela casa: as sessões de matinê. Nesta ocasião, se apresentaram as bandas Teenage Buzz, Van der Vous, Alarde (SP) e Lo Han.
A chegada no Rio Vermelho foi mais fácil do que se poderia imaginar, foi até um pouco estranho sair do local de partida no final da tarde, com condução disponível em quantidade para lá e chegar com rapidez. As praças ainda estavam vazias e os tabuleiros das baianas ainda estavam cheios de seus quitutes, com quantidades de sobra para alimentar um exercito inteiro...
Com pouco tempo a perder, entrar o quanto antes no pub foi providencial para aproveitar a maratona musical que estava por vir.
No primeiro evento, para um pouco mais de cinco pessoas, a Teenage Buzz iniciou a noite com seu britpop cantado em inglês. A banda sofreu alguns problemas técnicos no palco que fizeram o andamento do show ficar travado. Além do tecladista e dos guitarristas se desnortearem em decorrência disso, a própria disposição dos integrantes em cima do palco atrapalhou a sua performance, tendo derrubado os microfones inúmeras vezes. O fato de ter quase ninguém no lugar deixou a apresentação ainda mais com ares de ensaio! Mas nem tudo se perdeu, o bom entrosamento da cozinha e a execução das três ultimas canções fizeram valer o momento.
Depois deles, subiu ao palco a Van der Vous. Foi a segunda oportunidade que pude ver a banda tocando ao vivo e a primeira de algumas pessoas que estavam por lá, e não houve desapontamento. A banda está cada vez mais afiada, comprometida e disciplinada em cima do palco, cuidando para que as suas músicas continuem soando muito bem ao vivo. Nesta ocasião, o desempenho excelente e monstruoso do baterista Charles Silva, as versões na íntegra de “Somehow” e “I Get High” e a inédita “Depression or Not”, figuraram as melhores passagens do show. Infelizmente, somente um pouco mais de vinte pessoas assistiram a VDV. Sorte de quem estava por lá!
Depois de uma longa pausa para a cerveja e para o papo, o segundo evento da noite começou próximo à meia-noite já com a casa bastante cheia. Desconhecida de boa parte do publico local, a Alarde (SP) começou o show de forma frenética e raivosa, numa marcha direta e reta, tocando um som denso que mistura psicodelismo, hard rock e jazz, alem de boas letras e muita intensidade na performance. Bons músicos, os rapazes estão na estrada para tocar em boa parte do interior da Bahia e em outras cidades do nordeste. Foi um rock sincero e agradou muita gente que os viu.
Fechando a noite, a Lo Han tocou para um público fiel, devoto e bem diverso. Muita gente foi conferir o hard rock do grupo e não saiu de lá até eles terminarem de tocar o seu repertório. As canções autorais foram maioria aqui, mas houve espaço para os covers há muito tempo presentes nos seus shows. Ainda continuo não gostando de covers em meio a musicas autorais das bandas, mas justiça seja feita e cabe aqui uma consideração: saber usar isso a favor do seu som é uma boa estratégia para se fazer um bom show. Eles foram minoria e não se destoaram do trabalho autoral do grupo, que por sua vez foram responsáveis pelos melhores momentos da noite. “Sex, Drugs and Music” é um carro-chefe forte com direito até a dança em cima do palco. Dessa vez muita gente viu!

Terminada as apresentações, a volta para casa foi com muita chuva e com um o nível de cerveja no organismo um pouco mais elevado que o normal, mas foi o combustível ideal para seguir com a maratona. As jornadas duplas do Dubliners Irish Pub se configuram como mais uma boa opção para quem gosta de rock na cidade, mesmo que as bandas se apresentem para poucas pessoas. É interessante aparecer mais cedo por lá, fica aqui a dica! Assim como nas sessões tradicionais, vai que você seja surpreendido logo cedo por uma apresentação memorável de uma banda de rock local?

Popular Posts

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava

Sexto guia de singles de bandas baianas. Por Leonardo Cima.

Mais uma vez o Portal SoteroRock traz a sua lista de singles de bandas e artistas baianos, lançados ao longo desse período pandêmico no qual nos encontramos neste 2020. Para essa ocasião, a diversidade ainda marca uma forte presença nessa seleta. Rock, pop, metal, eletrônico, folk e o grande leque que se abre a partir desses gêneros vão aparecer para você aqui enquanto faz a sua leitura. Então, abra a sua mente, saiba um pouco sobre cada um dos trabalhos citados aqui, siga cada um nas redes sociais (se possível, é claro!) e, óbvio, escute as canções!! Se você acha que faltou algum artista/banda aqui nessa matéria, mande uma mensagem inbox pelo nosso perfil do Instagram, que iremos escutar! Midorii Kido - Sou o que Sou Para quem acha que o rock já se esgotou em termos de abraçar minorias e até mesmo acredita que é conservador, este primeiro single da drag queen Midorii Kido é um tapa na face daqueles que professam dessa maneira contra o gênero. Sou o que Sou é um rock forte,

O garage noir da The Futchers. Por Leonardo Cima.

Nesses últimos dois meses, o selo SoteroRec teve a honra e a felicidade de lançar na sua série Retro Rocks, os trabalhos de uma das bandas mais interessantes que a cena local já teve e que, infelizmente, não teve uma projeção devidamente extensa. Capitaneada por Rodrigo "Sputter" Chagas (vocal da The Honkers), a The Futchers foi a sua banda paralela idealizada e montada por ele próprio no final do ano de 2006. A propósito, o nome Futchers vem inspirado da dislexia do compositor britânico Billy Childish, que escreve as palavras da mesma maneira que as fala. Ele, ao lado de mais quatro integrantes, também de bandas locais da época, começaram os ensaios com uma proposta sonora voltada mais para o mood e o garage rock, se distanciando um pouco dos seus respectivos trabalhos nos grupos anteriores. Relembrando um pouco daquele período e como observador, esse "peso" de não ter que se repetir musicalmente recaía um pouco mais sobre Rodrigo. Não que houvesse isso