Pular para o conteúdo principal

Doce ou travessura – Resenha do show “Noite das Bruxas”

Ah, a Bahia! Ah, a cidade de Salvador! Ah, o Pelourinho! Acredito que não há lugar no mundo, no qual possam conviver estilos musicais diferentes em um mesmo lugar e, também, um povo que consiga viver, entender e aproveitar tudo o que possa lhe ser oferecido em termos culturais. O Portal Soterorockpolitano foi ao centro histórico conferir a Noite das Bruxas, evento marcado para ser realizado no Largo Pedro Arcanjo e vimos muito mais coisa do que esperávamos.
Na chegada, o Pelô estava tranquilo, com bastante turista, porém com uma circulação de pessoas abaixo do normal para o lugar. Entre uma conversa sobre teorias de realidades quânticas e goles de cerveja...
deu para perceber que a rua que dá acesso às duas principais praças do local foi sendo preenchida gradativamente por mais gringos e mais pessoas vestidas a caráter para a festa de halloween. O largo estava todo estilizado com caveiras, fantasmas eróticos petrificados, pessoas circulando com modelitos que fizeram sucesso no último verão da era vitoriana e zumbis, muitos zumbis.
Foi uma boa ideia da organização dar início as atividades com a apresentação de danças do Michael Jackson. Além do MJ ter uma relação saudável com o tema da festa, o rapaz que se apresentou fez o dever de casa direitinho e arrancou aplausos sinceros da audiência. Depois dele, um dos djs convidados deixou o lugar agitado, parecendo uma rave clássica retirada do filme “Blade, O Caçador de Vampiros” e foi esse o momento em que demos um pulo na Praça Tereza Batista para conferir o que estava acontecendo por lá. A sambista Juliana Ribeiro se apresentava para um lugar igualmente cheio em relação a sua praça vizinha, e ainda possuía todos os estrangeiros que estavam no Pelourinho, alguns vários roqueiros, cosplayers de caveiras mexicanas e amantes do samba. Muita gente sambando no pé e um ou outro só observando para ver se acertava o passo. Saímos um pouco antes de acabar o samba e bem em tempo de escutar os sons das praças se misturando. É uma sensação boa e diferente.
No retorno à Pedro Arcanjo, vimos a banda Almas Mortas ainda no inicio de sua apresentação. Veteranos da cena gótica local e com um currículo invejável de participações em festivais dentro e fora da Bahia, o grupo tocou um repertório de canções autorais, com algumas delas já bem conhecidas do publico presente. O show durou pouco, cerca de trinta minutos. Cabia um pouco mais do som dos rapazes na festa! Depois deles, subiu ao palco a principal atração da noite e uma das bandas mais interessantes do cenário local. Já é de muito tempo que se fala das apresentações da Desrroche e estávamos curiosos para saber como é a banda em ação. E, de fato, é um show diferenciado. É um espetáculo, eu diria.
Percebe-se um cuidado teatral na performance da banda, que entra no clima totalmente das canções e das suas interpretações. O seu impacto áudio visual é muito forte, com figurino steampunk bem cuidado, com máscaras, pintura no corpo, sangue, suor, fumaça, explosões, participação de dançarina tribal fusion e iluminação bem sincronizada. Tudo no seu devido lugar e com a preocupação de fazer um grande show para uma plateia interessada. É claro que tiveram aqueles que se dispersaram, sempre tem desses! O som da banda não fica abaixo do seu misancene: Um industrial de primeira, com guitarras pesadíssimas que fez muita gente bater cabeça e abrir rodas de pogo, violino e sintetizadores bem colocados, uma cozinha que marchava para a guerra e o vocal do Lex Pedra que guiava todo o caos sonoro organizado. Foi uma ótima experiência!

Depois do que vimos fica difícil enxergar suas apresentações em lugares menores, diante de uma concepção tão bem pensada para o seu show. Não que seja algo impossível de se fazer, mas ver a banda da forma como se apresentou, vale muito a pena sempre conferi-los em lugares como o desta ocasião. Essa noite foi mais uma prova de que existe tanta banda diferente trabalhando duro nesta terra e de que há tantas outras atmosferas que se misturam as delas. Como em uma boa relação entre o doce e a travessura.

Popular Posts

O melhor do que eu não escrevi no Portal Soterorock em 2018. Por Leo Cima.

Neste ano de 2018 o Portal Soterorock resolveu tirar alguns dias de folga. Algo próximo a trezentos e sessenta e cinco dias, quase um ano, é verdade. Porém, é fato que, depois de dez anos cobrindo a cena roqueira local, com textos ou podcasts, sem incentivo financeiro algum, o site decidiu que seria o momento certo para dar um tempinho nas atividades daqui, para priorizar e atender a outras demandas não menos importantes. Mas, mesmo distante das publicações, nos mantivemos atentos ao movimento do cenário, observando quem se manteve atuante, seja em estúdio, ou nos palcos.
Muita coisa aconteceu este ano na cena rocker da Bahia, desde discos lançados até uma boa frequência regular de shows na capital baiana, mesmo com um número cada vez menor de casas que recebe o gênero por aqui. E é esse segundo item que ganhará destaque aqui nesta matéria, em uma outra oportunidade falarei sobres os lançamentos baianos de 2018, vamos com calma. O fato é que, fazendo visitas a eventos, seja como um pag…

Série “As DEZ Caras do Rock Baiano” - Com Caroline Lima, (Voz na Chá de Pensamentos), apresentando "Kansu" o seu mais novo projeto!

A série “As 10 Caras do Rock Baiano” traz desta vez Caroline Lima, integrante do projeto experimental de música e arte Kansu Project , duo que conta também com Sérgio da Mata dividindo as composições. Na última quinta feira (28/03/2013), ás 22:30, foi lançado na página da Kansu Project no facebook o remix de “A Little Bit of Me”, seu primeiro single e, nesse ótimo papo descontraído e espontâneo, Caroline nos falou sobre o interessante processo de produção e gravação das músicas da dupla, suas influências e suas impressões sobre a cena local. Então se ajeite em sua cadeira, aproveite a entrevista, dê um curtir na página do grupo e “FEEL FREE”. 
SRP – O que é a Kansu Project, é um duo? E o que sgnifica? 
Caroline Lima - É um duo sim. Sou eu e Sergio da Mata, meu amigo de adolescência. Sobre o significado... foi a junção dos nomes de personagens de livros que escrevemos em 2002, também é o nome de uma província da China e o nome deriva desse idioma...alguns traduzem como "orquídea&quo…

“As Dez Caras do Rock Baiano” com Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute)

Chegando ao final da sua primeira fase, a série “As Dez Caras do Rock Baiano” traz em sua quinta entrevista uma das grandes personalidades já presente na cena local há muitos anos: o vocalista da The Honkers, Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute, como preferir). Nessa conversa, que foi uma das mais longas e intrigantes dessa série e realizada na época da volta da banda aos palcos soteropolitanos, Rodrigo falou sobre o que chama a sua atenção no cenário, o cuidado que um artista têm que tomar com a sua própria arte, como a quantidade de informação influencia no jeito raso de ser do novo roqueiro e sobre as intenções para o futuro da The Honkers, além de se mostrar como um autor de livros de auto ajuda em potencial. Você já sabe, se ajeite com firmeza na cadeira e embarque nessa entrevista dessa grande figura do rock da Bahia. 
SRP - Como foi ficar um ano longe da The Honkers? 

Rodrigo Chagas - Zorra... Normal, hehe. Cansei na sétima música. 

SRP – O que achou do retorno da The Honkers aos pa…