Pular para o conteúdo principal

Suspiro de opera rock em Salvador.

Neste último sábado, a banda Os Jonsóns fez uma apresentação peculiar para encerrar o seu agitado ano de 2014. Desta vez o local da apresentação não foi onde eles costumam se apresentar, e sim em um lugar “inusitado”. Digo “inusitado” para os mais desavisados, ou mais desatentos, uma vez que o teatro já abrigou inúmeras apresentações de bandas de rock da cena. O teatro em questão é o Eva Herz, que fica dentro da Livraria Cultura, que por sua vez está situada dentro de um grande shopping desta cidade e foi escolhido pela banda para a sua apresentação com elementos teatrais do grupo.
            Confesso que fiquei curioso e não consegui imaginar quais seriam esses elementos teatrais na apresentação dos rapazes...
uma vez que já pude presenciar vários dos seus shows e o máximo que eles chegaram próximo do que fizeram nessa ocasião, foi uma decoração de palco com bolas de soprar no show de lançamento do ótimo “EPgrafia Completa” (disco esse altamente recomendado).
            Enfrentei o mar de gente que buscava saciar a sua fome consumista muito comum nesta época do ano (pior que no carnaval a quantidade é maior ainda) e tentei me aconchegar na melhor poltrona possível. Depois de alimentar uma certa expectativa pelo inicio da apresentação, as cortinas se abriram e os rapazes estavam todos muito bem vestidos e com um cenário cuidadosamente montado com uma mesa de bar em um canto do palco e com fotos da arte conceitual do seu mais recente disco ao fundo.
            O som do teatro chegava para a plateia muito bem equalizado e pôde proporcionar uma melhor percepção de efeitos e sons que eles tiram nas canções. A miscancene toda preparada para o evento potencializou o bom humor do grupo e ajudou em seu desempenho, é claro! E foi logo no inicio que a teatralidade começou a se esclarecer: atores e alguns efeitos de palco, como intensidades variadas de luz, materializaram alguns personagens e paisagens presentes nas letras da banda.
            Em “Batedora de Vinis” a própria apareceu no palco toda faceira e saiu sorrateira com um vinil d’Os Jonsóns dentro de sua imensa bolsa rosa. O sumido (e todo perdido) José Charles deu o ar de sua graça em “Cabeça de Peixe”, o vocalista quase se engasga com uma das bolhas de sabão que voaram pelo tablado em “Espaço-Porto Intergalático”, em “Bang Bang Urbano” um rapaz vestido de bandido e em cima de um cavalo de pau parecia que ia derrubar todo mundo de tão veloz que corria e uma miniatura do vacachorro representou bem o “rio vermelho da depressão” quando tocaram “Dia Triste”. Senti falta de uma cadelinha na execução de “Chula”, cheguei a acreditar que eles fossem largar um cachorrinho no meio do palco nesta música. Não rolou!

            No final, confetes e serpentinas fecharam a apresentação que foi algo bem próximo a uma opera rock, ou a um suspiro de uma, na qual eles puderam contar uma boa historia do inicio ao fim. Como eu havia dito no inicio do texto, Os Jonsóns teve um ano muito agitado, tocando fora da Bahia e no seu interior, fazendo inúmeros shows aqui na capital e lançando disco novo, então uma apresentação como essa cairia bem para eles e para quem assistiu. De fato!

Popular Posts

Resenha: Revista Ozadia, número zero.

Sou um apreciador recente de quadrinhos, e já há algum tempo venho acompanhando o que vem sendo feito de bom neste ramo e fico salivando por novidades dos meus autores preferidos. Ao mesmo tempo que, assim como no rock, é muito bom saber que há uma movimentação local na produção de HQ’s e que essas produções saem de mãos talentosas e possuidoras de uma liberdade criativa que se iguala à música que aprecio. A mais recente novidade é a edição de número zero da revista Ozadia, que é uma compilação de cinco histórias eróticas escritas pelas mãos de sete quadrinistas e roteiristas daqui da Bahia. Lançada com o apoio do selo Quadro a Quadro e ganhando popularidade a cada dia que passa, a revista tem dois aspectos importantes para ser lida mais de uma vez: uma ótima fluência no seu texto e traços inspiradíssimos de seus desenhos. De Ricardo Cidade e Alex Lins, “Especimen” abre a Ozadia com uma ótima ficção cientifica pornográfica, onde a heroína sai em busca de coleta de amostras de um

As 10 Caras do Rock Baiano - Com a Banda Vômitos, "Punk Rock pra mendigo!"

O Portal Soterorockpolitano foi buscar na cidade de Barreiras os entrevistados da oitava entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano”, são eles o guitarrista Rick Rodriguez e o vocalista Tito Blasphemer, da banda Vômitos. Nessa entrevista eles falam sobre as condições da cena da sua cidade e do esforço para mante-la ativa, suas influências e a inspiração para as suas letras, além da repercussão do clipe da música “Facada”, que já chegou a mais de 3.000 visualizações no Youtube. Então, ajeite-se na sua cadeira e fique ligado para não tomar uma facada no bucho. Soterorockpolitano - Como e quando surgiu a banda? Rick Rodriguez - A banda surgiu em 2007, tínhamos um interesse em comum, que era o punk rock, e isso nos motivou a formar a banda na época, começamos tocando músicas dos Ramones, que era nossa banda preferida e logo em seguida começamos a compor, e ter nossas próprias músicas. Tito Blasphemer - Estávamos cansados da cena de nossa cidade, bandas que

4 Discos de Rock Baiano, a compilação das cinco publicações. Por Leonardo Cima.

Movidos pelo resgate da memória da cena independente da Bahia, no qual o selo SoteroRec tem feito com o Retro Rocks desde o inicio deste ano  e por todas as ações que o cenário também tem feito nesse sentido, decidimos trazer uma compilação especial do nosso site para você que nos acompanha.  Em 2017, o Portal Soterorock fez uma série de matérias que destacava alguns dos principais discos de rock lançados na Bahia ao longo dos anos. Essa série se chamava "4 Discos de Rock Baiano" e como o nome sugere, quatro discos eram referenciados nas matérias.  Foram ao todo cinco publicações com bandas/artistas de gerações distintas reunidas nesta coletânea.  Você vai encontrar aqui pontuações sobre as obras e o mais importante: o registro público sobre elas, para que possam ser revisitadas e referenciadas ao longo dos anos. Passar em branco é que não pode! O aspecto positivo de se visitar essas postagens é a de ver que a maioria das bandas e artistas citados nelas ainda estão em ativida