Palco do Rock 2015, o primeiro dia.

Fevereiro chegou e com ele mais uma festa de momo para alegrar a tudo e a todos na Bahia. Com esse carnaval, aconteceu também a vigésima primeira edição do Palco do Rock, para o alívio e alegria de corações e mentes daqueles que gostam do bom e velho rock’n roll. Movimentações de bastidores entre a organização do evento e o órgão público responsável por autorizar a sua realização quase provocaram o seu não acontecimento. Isso também gerou um atraso recorde na divulgação da grade do PDR, que só saiu para o público na quarta feira anterior ao início da festa.
Como os problemas no passado e com o festival confirmado, seguindo o que fizemos nas edições anteriores, nós do Portal Soterorockpolitano escolhemos um dia da sua programação para marcar presença e trazer as nossas impressões sobre o que aconteceu por lá. Nesta ocasião, optamos pelo primeiro dia e já nele vimos muita coisa! Logo de cara uma mudança temporária na característica do evento: o local...

Por conta das obras de revitalização da orla de Salvador o Coqueiral de Piatã se tornou um local inviável de se fazer a festa, forçando a mudança do PDR para o Jardim de Alah. O lugar é mais próximo de várias localidades da cidade, porém menor do que o espaço original. Mas esse empecilho não atrapalhou as milhares de pessoas presentes de circularem, montarem suas barracas e abrirem suas rodas de pogo. E foi notória a grande quantidade de gente que marcou presença neste primeiro dia. Outro bom aspecto foi o som do palco, que estava excelente, muito bem equalizado e com poucos momentos de falha. O curto intervalo de tempo entre uma banda e outra também chamou a atenção.
Tiveram também aqueles fatos que você só consegue enxergar estando no meio do povo. Tinha gente fazendo o tradicional bate-cabeça-guitar-air, outros degustando uma boa dose de uma bebida de coloração azul (mistério). Houve quem subisse na “tora” no palco entre as apresentações para protestar, como o auto-nomeado “O Terrorista da Mata Escura” (infelizmente esquecemos o seu primeiro nome), que protestou por quase dez minutos contra o sistema, contra o desrespeito a escolha da opção sexual e escolha religiosa. Houve pedido de casamento em cima do palco com um casal empolgadíssimo que parecia querer pular etapas e ir direto para a lua de mel (me lembrou até o Cid Guerreiro, que se casou em cima do trio elétrico há quase trinta e cinco anos atrás). Desejamos felicidades para os dois.
Também teve muito beijo no Palco do Rock esse ano, é claro que roqueiro algum não iria se privar de algo tão bom como isso. Teve beijo de homem com mulher, de mulher com mulher, de homem com homem e até beijo de grupo. A coisa foi boa e é uma das formas de expressar o quanto o lugar estava com um ambiente positivo e próprio para apreciar as atrações com tranquilidade. E, diga-se de passagem, atrações com performances acima da média.
Sem perder o fôlego
 Antes de seguirmos para as apresentações, deixamos aqui as nossas mais humildes e sinceras considerações as bandas Randez Vouxxx, Veuliah, Rhenoda (RN) e Not Names (Catú-BA). Não podemos presenciar seus shows por motivo de força maior e esperamos escrever sobre vocês em outra oportunidade.
As apresentações das bandas foram no mínimo empolgantes. O publico que foi no sábado pôde ver muita vontade e suor vindos dos grupos, que por sua vez dialogava muito bem com a audiência. Isso gerou uma espécie de energia vinda dessa relação publico/banda, que ocorre bastante quando um show acontece em um espaço menor. O tamanho do palco desse ano foi mais baixo, deixando os músicos mais próximos das pessoas, gerando esse fenômeno que é um misto de vibração, velocidade, empolgação e exaltação.
            Chegamos lá um pouco antes do show do Paulinho Oliveira. Ex-guitarrista vindo de uma das primeiras formações do Cascadura (da época em que o Cascadura ainda era doutor), o cantor fez seu rock setentista soar bem no início da noite, com uma banda bem redonda e entrosada e com uma competência adquirida de muito tempo de estrada. Foi um bom show para um numero ainda razoável de pessoas que já se encontravam lá e para os outros tantos que estavam chegando naquele momento. Depois dele subiu ao palco a Human (Serrinha-BA), com um vocalista carismático e com um som mais fincado no heavy metal eles aqueceram o lugar para o que viria depois deles.
            Seguindo a sequencia, a Circo de Marvin fez uma das melhores apresentações da noite. Com direito a participação do Away de Petrópolis (ele mesmo, o do Hermes e Renato) anunciando a entrada do grupo, os rapazes empolgaram a plateia com sua performance explosiva e com sua música fortemente influenciada por sons californianos da década de noventa, fazendo com que rodas de pogo não parassem de surgir.
Tão grande foi a excitação que o único segurança na frente do palco teve muito trabalho para conter aqueles que queriam subir e ficar perto da banda. Muitos durante o show tentaram este feito e conseguiram, então aqui vai uma dica para as próximas escaladas: se você não for subir no palco para dar um mosh seguro, tome cuidado para não se esbarrar e quebrar algum equipamento da banda, não agarre integrante algum do grupo e não tente tocar o seu instrumento, isso pega mal e pode comprometer uma apresentação. Ok? A Circo de Marvin sobreviveu muito bem a isso tudo e conseguiu encerrar a sua apresentação catártica com alto nível.

Depois deles surgiu a Behavior e ela tinha a tarefa árdua de manter o clima do lugar da forma que a sua antecessora deixou. É algo difícil de realizar, mas o conjunto teve competência para conseguir esta façanha despejando todo o seu som death sobre o Jardim de Alah. Nessa apresentação foi formada a maior roda de pogo do dia, foi algo impressionante e hipnotizante de se ver. A banda bem entrosada e com novo integrante em uma das guitarras, alem de já experiente, não deu trégua alguma no seu desempenho e o povo respondia sem perder o fôlego.
A Norfist (Lauro de Freitas-BA) também fez um show empolgado, com o seu frontman frenético e bem comunicativo com a audiência. Há muito tempo que queríamos ver uma apresentação da banda e ainda não havíamos tido a oportunidade. Com exceção do vocalista Zezinho Peixoto, a formação do grupo já não é mais a mesma que gravou o seu mais recente EP, mas nem por isso deixou de ter a pegada apresentada no disco. A canção “Um Facista” foi ponto alto no show, assim como a cover de “Que País é Esse?”, da Legião Urbana.

Foi uma noite divertida e cheia de boas surpresas musicais, saímos de lá contentes até com o fato de rever amigos e amigas que não víamos há tempos, além de perceber que os dias seguintes provavelmente viriam a estar na mesma sintonia.
Share:

Online

Bandas

32 Dentes 4 Discos de Rock Baiano 4ª Ligação A Flauta Vértebra Aborígines Acanon Ádamas Almas Mortas Amor Cianeto André dias André L. R. Mendes Anelis Assumpção Antiporcos Apanhador Só Aphorism Aqui tem Rock Baiano Aurata Awaking Baiana System Bauhaus Bilic Black Sabbath Blessed in Fire Blue in the Face Boogarins Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes Buster Calafrio Callangazoo Carburados Rock Motor Cardoso Filho Carne Doce Cartel Strip Club Cascadura Casillero Céu Charles Bukowski Charlie Chaplin Chuva Negra Cidadão Instigado Circo de Marvin Circo Litoral Cólera Curumin Dão David Bowie Declinium Derrube o Muro Desafio Urbano Desrroche Destaques dez caras do rock Documentário Downloads Du Txai e Os Indizíveis Duda Spínola Enio Entrevistas Erasy Eric Assmar Espúria Eva Karize Exoesqueleto Far From Alaska Festival Festival Soterorock Filipe Catto Free?Gobar Fresno Fridha Funcionaface Game Over Riverside Giovani Cidreira HAO Heavy Lero Hellbenders Ifá Incubadora Sonora Ingrena Invena Inventura Irmão Carlos Ironbound Jack Doido Jackeds Jadsa Castro Jardim do Silêncio Jato Invisível Kalmia Kazagastão KZG Lançamentos Latromodem Leandro Pessoa Lee Ranaldo Limbo Lírio Lívia Nery Lo Han Locomotiva Mad Monkees Madame Rivera Mais uma Cara do Rock Baiano MAPA Marcia Castro Maria Bacana Maus Elementos Messias Metá Metá Modus Operandi Mopho Motherfucker Mulheres Q Dizem Sim Murilo Sá Nalini Vasconcelos Neurática Not Names Novelta O Quadro O Terno Old Stove Olhos Para o Infinito Órbita Móbile Organoclorados Os Canalhas Os Elefantes Elegantes Os Jonsóns Os Tios Overfuzz Ozzmond palco do rock Pancreas Pastel de Miolos Paul McCartney Pesadelo Pio Lobato Pirombeira Pitty Portal Pós-punk Prime Squad Programas Quadrinhos Quartabê Radioca Raimundo Sodré Rattle Resenha de discos Resenha do cd Resenhas Reverendo T Reverento T Rincon Sapiencia Rivermann Rock Rock Baiano Rock Baiano em Alta Rock de camaçari Ronco Scambo Show Shows Shows. Cascadura Siba Singles Soft Porn Som do Som Sons que Ecoam Soterorock Squadro Subaquático Super Amarelo Surrmenage Tangente Teenage Buzz Tentrio Test The Baggios The Cross The Honkers The Pivos Theatro de Seraphin Thrunda Titãs Tony Lopes Tsunami Universo Variante Úteros em Fúria Vamoz! Van der Vous Vende-$e Vivendo do Ócio Wado Wander Wildner Weise Wry

Matérias

Antigas

Mais Populares