Pular para o conteúdo principal

23 anos de Cascadura e o fim das atividades!*


“É o fim!” Anunciou Fábio Cascadura em seu comunicado assinada por todos os atuais integrantes da banda Cascadura. Em suas últimas palavras no site do CASCADURA ROCK, a justificativa foi “A falta de tempo para se dedicar ao projeto que durou 23 anos.”

“Tomamos essa decisão levando em consideração a circunstância de já não ser mais possível conciliar os muitos projetos profissionais e pessoais que temos, com as demandas de uma banda como o Cascadura.” Fábio Cascadura | vocalista.

“Lembro-me do primeiro contato com a banda anos atrás. Foi uma fita K7 gravada ao vivo em algum lugar de Salvador que trazia a voz rasgada de Fábio largando os primeiros acordes do que viria ser a banda ao longo da trajetória que já conhecemos até aqui.” Depois de “#1” primeiro álbum da banda tudo fez sentido para mim, se tratando do estilo da banda que inicialmente não me fazia muito à cabeça. Relatou Sérgio Moraes | Do portal Soterorock.

A banda ainda fará alguns shows, mais já deixa um vazio enorme dentro da cena de rock da cidade (SSA-BA) e o público de rock ainda mais órfão que antes. O que fica de fato é o legado deixado pelos rapazes dos anos 90, afinal manter e estruturar uma banda por quase 30 anos não é tarefa fácil e isso eles fizeram com maestria.

“Ao longo dos 23 anos de nossa trajetória, sempre buscamos realizar a nossa produção musical com grande esmero e paixão. Tornar possível shows e discos, na intensidade com a que estamos acostumados, nos exige tempo e energia e isso vem sendo cada vez mais difícil.” Fábio Cascadura | Vocalista.

Nas redes sociais fãs, produtores e integrantes de outras bandas lamentaram o fim dos trabalhos do grupo. A nossa dica é: Se você gosta muito da banda, corra pra ver os últimos shows dos meninos neste segundo semestre de 2015. A banda ainda cumprirá alguns compromissos da sua agenda, inclusive o show: “Cascadura das antigas”, que vai celebrar os 20 anos do seu primeiro álbum #1.

“Assim, ainda cumpriremos alguns compromissos no curso deste semestre de 2015, aproveitando cada ação que resta como uma celebração às boas histórias e as amizades conquistadas. Somos imensamente gratos a todos que participaram desse trabalho e colaboraram de alguma forma a contar essa história. Assim como, agradecemos o carinho e a atenção de cada um que tornou a música do Cascadura a trilha de uma história de fé na vida. Valeu!" Fábio Cascadura | Vocalista.

Boa sorte aos rapazes do Cascadura em suas novas investidas pela vida. “Encontre um amor, seja feliz, como for. Sorte no final!”

Moral: Como nós somos fomentadores do rock baiano, A festa nunca acaba! Fiquem ligados em novos nomes, novas bandas, novos selos e casas de shows. O rock da Bahia sempre esteve em bons momentos e basta você dar um clique para apreciar o que lhe agrada. São muitos gêneros, então fique a vontade. Vida que segue!



*Matéria originalmente publicada em 16/06/2015

Popular Posts

Discoteca Básica Soterorock Apresenta: Entre 4 Paredes

Dando continuidade na nossa maratona especial da quarta edição do Soterorock Sessions, aqui vai mais uma postagem da série Discoteca Básica Soterorock Apresenta. Dessa vez, trazendo mais uma atração do nosso evento, a banda Entre 4 Paredes. Com diversas influências musicais, que vão do pop rock, até o post punk, passando pelo rock nacional e o gótico, o sexteto traz para essa matéria bons sons que merecem uma audição mais atenta e, junto a eles, as suas relações com cada um desses discos. Pegue carona nas dicas do grupo e deguste cada segundo musical dessa lista!
David Vertigo (tecladista)
Suicide - Suicide


O disco que inventou o cyberpunk antes dele existir. O trabalho de estreia homônino da dupla Suicide (Alan Vega nos vocais e Martin Rev no sintetizador) mostra da forma mais crua possível o que bandas de Industrial, EBM e afins só exibiriam décadas mais tarde:  niilismo, subversão, falta de esperança, ódio, inconformismo... Com timbres minimalistas, baterias repetitivas, vocais nonse…

Todo dia é dia de rock. Por Leo Cima.

Aconteceu, no final de semana em que se celebrou o dia mundial do rock, o festival Rock Concha 2019. Evento que, neste ano, comemorou trinta anos da sua primeira edição. Houve um hiato de um pouco mais de vinte anos nas suas atividades, porém, há quase uma década, a festa vem acontecendo de maneira assídua a cada ano e já pode ser considerada como certa no calendário cultural da cidade.
Para esta ocasião, a produção do evento apostou em um lineup que propôs fugir de repetir nomes escalados nos anos anteriores, se mantendo atrativo neste sentido e oferecendo ao seu público bandas relevantes na cena nacional e local, com algumas delas há bastante tempo sem vir à Salvador, outras lançando trabalho novo, ou comemorando décadas de estrada. A falta de roadies durante algumas apresentações foi percebida em dois momentos, nos shows da Drearylands e da Alquímea, mas nada que comprometesse o desempenho de ambas no palco!
No sábado, quem abriu o evento foi a Drearylands. Comemorando vinte anos …

As 10 Caras do Rock Baiano” com Paulo Diniz (Banda Weise)

A penúltima entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano” traz Paulo Diniz, vocalista e guitarrista da banda Weise. O grupo está lançando o seu mais novo trabalho, o cd intitulado “Aquele Que Superou o Fim dos Tempos”, e neste papo o entrevistado falou sobre o seu processo de gravação, sobre seus shows e as dinâmicas dos seus instrumentos no palco e também sobre as suas impressões da cena baiana de rock. Para não perder o costume, ajeite-se na cadeira e aproveite o papo com o rapaz. 
SoteroRockPolitano - É o segundo disco de vocês, certo? O que mudou no som da Weise desde o seu primeiro disco até esse último que está sendo lançado?  Paulo Diniz - Na verdade nós lançamos até agora somente EPs, que foi o "Fora do Céu", depois um outro que não tinha nome, e o terceiro que era uma previa de duas músicas do álbum que vamos lançar agora...