Pular para o conteúdo principal

23 anos de Cascadura e o fim das atividades!*


“É o fim!” Anunciou Fábio Cascadura em seu comunicado assinada por todos os atuais integrantes da banda Cascadura. Em suas últimas palavras no site do CASCADURA ROCK, a justificativa foi “A falta de tempo para se dedicar ao projeto que durou 23 anos.”

“Tomamos essa decisão levando em consideração a circunstância de já não ser mais possível conciliar os muitos projetos profissionais e pessoais que temos, com as demandas de uma banda como o Cascadura.” Fábio Cascadura | vocalista.

“Lembro-me do primeiro contato com a banda anos atrás. Foi uma fita K7 gravada ao vivo em algum lugar de Salvador que trazia a voz rasgada de Fábio largando os primeiros acordes do que viria ser a banda ao longo da trajetória que já conhecemos até aqui.” Depois de “#1” primeiro álbum da banda tudo fez sentido para mim, se tratando do estilo da banda que inicialmente não me fazia muito à cabeça. Relatou Sérgio Moraes | Do portal Soterorock.

A banda ainda fará alguns shows, mais já deixa um vazio enorme dentro da cena de rock da cidade (SSA-BA) e o público de rock ainda mais órfão que antes. O que fica de fato é o legado deixado pelos rapazes dos anos 90, afinal manter e estruturar uma banda por quase 30 anos não é tarefa fácil e isso eles fizeram com maestria.

“Ao longo dos 23 anos de nossa trajetória, sempre buscamos realizar a nossa produção musical com grande esmero e paixão. Tornar possível shows e discos, na intensidade com a que estamos acostumados, nos exige tempo e energia e isso vem sendo cada vez mais difícil.” Fábio Cascadura | Vocalista.

Nas redes sociais fãs, produtores e integrantes de outras bandas lamentaram o fim dos trabalhos do grupo. A nossa dica é: Se você gosta muito da banda, corra pra ver os últimos shows dos meninos neste segundo semestre de 2015. A banda ainda cumprirá alguns compromissos da sua agenda, inclusive o show: “Cascadura das antigas”, que vai celebrar os 20 anos do seu primeiro álbum #1.

“Assim, ainda cumpriremos alguns compromissos no curso deste semestre de 2015, aproveitando cada ação que resta como uma celebração às boas histórias e as amizades conquistadas. Somos imensamente gratos a todos que participaram desse trabalho e colaboraram de alguma forma a contar essa história. Assim como, agradecemos o carinho e a atenção de cada um que tornou a música do Cascadura a trilha de uma história de fé na vida. Valeu!" Fábio Cascadura | Vocalista.

Boa sorte aos rapazes do Cascadura em suas novas investidas pela vida. “Encontre um amor, seja feliz, como for. Sorte no final!”

Moral: Como nós somos fomentadores do rock baiano, A festa nunca acaba! Fiquem ligados em novos nomes, novas bandas, novos selos e casas de shows. O rock da Bahia sempre esteve em bons momentos e basta você dar um clique para apreciar o que lhe agrada. São muitos gêneros, então fique a vontade. Vida que segue!



*Matéria originalmente publicada em 16/06/2015

Popular Posts

O melhor do que eu não escrevi no Portal Soterorock em 2018. Por Leo Cima.

Neste ano de 2018 o Portal Soterorock resolveu tirar alguns dias de folga. Algo próximo a trezentos e sessenta e cinco dias, quase um ano, é verdade. Porém, é fato que, depois de dez anos cobrindo a cena roqueira local, com textos ou podcasts, sem incentivo financeiro algum, o site decidiu que seria o momento certo para dar um tempinho nas atividades daqui, para priorizar e atender a outras demandas não menos importantes. Mas, mesmo distante das publicações, nos mantivemos atentos ao movimento do cenário, observando quem se manteve atuante, seja em estúdio, ou nos palcos.
Muita coisa aconteceu este ano na cena rocker da Bahia, desde discos lançados até uma boa frequência regular de shows na capital baiana, mesmo com um número cada vez menor de casas que recebe o gênero por aqui. E é esse segundo item que ganhará destaque aqui nesta matéria, em uma outra oportunidade falarei sobres os lançamentos baianos de 2018, vamos com calma. O fato é que, fazendo visitas a eventos, seja como um pag…

“As Dez Caras do Rock Baiano” com Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute)

Chegando ao final da sua primeira fase, a série “As Dez Caras do Rock Baiano” traz em sua quinta entrevista uma das grandes personalidades já presente na cena local há muitos anos: o vocalista da The Honkers, Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute, como preferir). Nessa conversa, que foi uma das mais longas e intrigantes dessa série e realizada na época da volta da banda aos palcos soteropolitanos, Rodrigo falou sobre o que chama a sua atenção no cenário, o cuidado que um artista têm que tomar com a sua própria arte, como a quantidade de informação influencia no jeito raso de ser do novo roqueiro e sobre as intenções para o futuro da The Honkers, além de se mostrar como um autor de livros de auto ajuda em potencial. Você já sabe, se ajeite com firmeza na cadeira e embarque nessa entrevista dessa grande figura do rock da Bahia. 
SRP - Como foi ficar um ano longe da The Honkers? 

Rodrigo Chagas - Zorra... Normal, hehe. Cansei na sétima música. 

SRP – O que achou do retorno da The Honkers aos pa…

Discoteca Básica Soterorock Apresenta: Entre 4 Paredes

Dando continuidade na nossa maratona especial da quarta edição do Soterorock Sessions, aqui vai mais uma postagem da série Discoteca Básica Soterorock Apresenta. Dessa vez, trazendo mais uma atração do nosso evento, a banda Entre 4 Paredes. Com diversas influências musicais, que vão do pop rock, até o post punk, passando pelo rock nacional e o gótico, o sexteto traz para essa matéria bons sons que merecem uma audição mais atenta e, junto a eles, as suas relações com cada um desses discos. Pegue carona nas dicas do grupo e deguste cada segundo musical dessa lista!
David Vertigo (tecladista)
Suicide - Suicide


O disco que inventou o cyberpunk antes dele existir. O trabalho de estreia homônino da dupla Suicide (Alan Vega nos vocais e Martin Rev no sintetizador) mostra da forma mais crua possível o que bandas de Industrial, EBM e afins só exibiriam décadas mais tarde:  niilismo, subversão, falta de esperança, ódio, inconformismo... Com timbres minimalistas, baterias repetitivas, vocais nonse…