Pular para o conteúdo principal

A cena vai bem, obrigado!*


            Nesta última sexta feira deste agitado mês de julho para a cena, fomos conferir no Taverna Music Bar o som das bandas Ádamas, Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes e Tangente. Chegando com sossego no Rio Vermelho deu tempo para uma caminhada até o Largo da Dinha para conferir o movimento. A obra da prefeitura para revitalizar o local deixou o espaço mais apertado para os seus frequentadores e transeuntes e, obviamente, revirado (como que de cabeça para baixo).

            É muito provável que o local fique bem parecido com a Barra depois da sua reforma, ou seja, a cidade vai ficando aos poucos com cara de shopping center e perdendo as suas peculiaridades características que cada bairro tem dentro de si. Daqui a pouco estaremos em um não-lugar. Enfim! Depois das observações costumeiras o caminho era ir até onde as bandas estavam. O lugar estava com pouca gente, mas o som ja estava preparado para a execução dos grupos.

            Na noite, duas bandas iniciantes marcaram presença. A primeira na fila foi a Ádamas, que tocou um repertório de covers e de musicas autorais. Os jovens mostraram um som groovado, porém um tanto quanto verdes. Depois foi a vez da Bufalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes subir no palco. Com um repertório cada vez mais conhecido, mais bem entrosada e começando a formar um publico mais fiel em seus shows, eles engoliram a noite em uma apresentação bem acima da média e que ganhou novos admiradores da sua música.

            Alternando as canções do seu EP de estréia com algumas versões de pérolas obscuras de artistas do rock nacional, a performance da banda ganhou (sem que perdesse o peso) momentos de intensidade, groove e até mesmo de êxtase, com uma das espectadoras dançando e girando levemente ao som de uma das músicas. Ela girou tanto que até fiquei tonto de só ficar olhando! Ainda rolou biz no final! Atiradores de elite miram no lugar certo! Depois deles foi a vez da iniciante Tangente fazer o seu rock simples e direto, também alternando covers e sons próprios. As músicas próprias dos rapazes continham bons momentos de distorção interessantes, mas se notava uma certa necessidade de amadurecimento do som.

            Frequentemente falo por aqui que não me agrado muito com quantidades grandes de covers em repertórios. De novo: um conjunto toca o que quiser, mas é muito mais interessante, para mim, assistir a um trabalho autoral do que ver um setlist composto por músicas dos outros. Ou o grupo trabalha melhor o cover dentro do show, ou não o faz. A Tangente e a Ádamas são formadas por jovens que terão tempo para amadurecer o som e investir mais as suas energias em composições próprias. Ontem deixaram a desejar nesse aspecto!


            Mas isso também fortaleceu o fato da cena local viver um bom momento de bandas autorais. A BVOE mostrou que é possível fazer sua musica com identidade própria, apostando em sonoridade de qualidade e diálogo fácil com a audiência. Assim como várias bandas têm feito! Foi realmente mais uma prova do crescimento gradual do cenário.


*Matéria originalmente publicada em 18/06/2015

Popular Posts

Resenha: Revista Ozadia, número zero.

Sou um apreciador recente de quadrinhos, e já há algum tempo venho acompanhando o que vem sendo feito de bom neste ramo e fico salivando por novidades dos meus autores preferidos. Ao mesmo tempo que, assim como no rock, é muito bom saber que há uma movimentação local na produção de HQ’s e que essas produções saem de mãos talentosas e possuidoras de uma liberdade criativa que se iguala à música que aprecio. A mais recente novidade é a edição de número zero da revista Ozadia, que é uma compilação de cinco histórias eróticas escritas pelas mãos de sete quadrinistas e roteiristas daqui da Bahia. Lançada com o apoio do selo Quadro a Quadro e ganhando popularidade a cada dia que passa, a revista tem dois aspectos importantes para ser lida mais de uma vez: uma ótima fluência no seu texto e traços inspiradíssimos de seus desenhos. De Ricardo Cidade e Alex Lins, “Especimen” abre a Ozadia com uma ótima ficção cientifica pornográfica, onde a heroína sai em busca de coleta de amostras de um

As 10 Caras do Rock Baiano - Com a Banda Vômitos, "Punk Rock pra mendigo!"

O Portal Soterorockpolitano foi buscar na cidade de Barreiras os entrevistados da oitava entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano”, são eles o guitarrista Rick Rodriguez e o vocalista Tito Blasphemer, da banda Vômitos. Nessa entrevista eles falam sobre as condições da cena da sua cidade e do esforço para mante-la ativa, suas influências e a inspiração para as suas letras, além da repercussão do clipe da música “Facada”, que já chegou a mais de 3.000 visualizações no Youtube. Então, ajeite-se na sua cadeira e fique ligado para não tomar uma facada no bucho. Soterorockpolitano - Como e quando surgiu a banda? Rick Rodriguez - A banda surgiu em 2007, tínhamos um interesse em comum, que era o punk rock, e isso nos motivou a formar a banda na época, começamos tocando músicas dos Ramones, que era nossa banda preferida e logo em seguida começamos a compor, e ter nossas próprias músicas. Tito Blasphemer - Estávamos cansados da cena de nossa cidade, bandas que

4 Discos de Rock Baiano, a compilação das cinco publicações. Por Leonardo Cima.

Movidos pelo resgate da memória da cena independente da Bahia, no qual o selo SoteroRec tem feito com o Retro Rocks desde o inicio deste ano  e por todas as ações que o cenário também tem feito nesse sentido, decidimos trazer uma compilação especial do nosso site para você que nos acompanha.  Em 2017, o Portal Soterorock fez uma série de matérias que destacava alguns dos principais discos de rock lançados na Bahia ao longo dos anos. Essa série se chamava "4 Discos de Rock Baiano" e como o nome sugere, quatro discos eram referenciados nas matérias.  Foram ao todo cinco publicações com bandas/artistas de gerações distintas reunidas nesta coletânea.  Você vai encontrar aqui pontuações sobre as obras e o mais importante: o registro público sobre elas, para que possam ser revisitadas e referenciadas ao longo dos anos. Passar em branco é que não pode! O aspecto positivo de se visitar essas postagens é a de ver que a maioria das bandas e artistas citados nelas ainda estão em ativida