Pular para o conteúdo principal

A cena vai bem, obrigado!*


            Nesta última sexta feira deste agitado mês de julho para a cena, fomos conferir no Taverna Music Bar o som das bandas Ádamas, Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes e Tangente. Chegando com sossego no Rio Vermelho deu tempo para uma caminhada até o Largo da Dinha para conferir o movimento. A obra da prefeitura para revitalizar o local deixou o espaço mais apertado para os seus frequentadores e transeuntes e, obviamente, revirado (como que de cabeça para baixo).

            É muito provável que o local fique bem parecido com a Barra depois da sua reforma, ou seja, a cidade vai ficando aos poucos com cara de shopping center e perdendo as suas peculiaridades características que cada bairro tem dentro de si. Daqui a pouco estaremos em um não-lugar. Enfim! Depois das observações costumeiras o caminho era ir até onde as bandas estavam. O lugar estava com pouca gente, mas o som ja estava preparado para a execução dos grupos.

            Na noite, duas bandas iniciantes marcaram presença. A primeira na fila foi a Ádamas, que tocou um repertório de covers e de musicas autorais. Os jovens mostraram um som groovado, porém um tanto quanto verdes. Depois foi a vez da Bufalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes subir no palco. Com um repertório cada vez mais conhecido, mais bem entrosada e começando a formar um publico mais fiel em seus shows, eles engoliram a noite em uma apresentação bem acima da média e que ganhou novos admiradores da sua música.

            Alternando as canções do seu EP de estréia com algumas versões de pérolas obscuras de artistas do rock nacional, a performance da banda ganhou (sem que perdesse o peso) momentos de intensidade, groove e até mesmo de êxtase, com uma das espectadoras dançando e girando levemente ao som de uma das músicas. Ela girou tanto que até fiquei tonto de só ficar olhando! Ainda rolou biz no final! Atiradores de elite miram no lugar certo! Depois deles foi a vez da iniciante Tangente fazer o seu rock simples e direto, também alternando covers e sons próprios. As músicas próprias dos rapazes continham bons momentos de distorção interessantes, mas se notava uma certa necessidade de amadurecimento do som.

            Frequentemente falo por aqui que não me agrado muito com quantidades grandes de covers em repertórios. De novo: um conjunto toca o que quiser, mas é muito mais interessante, para mim, assistir a um trabalho autoral do que ver um setlist composto por músicas dos outros. Ou o grupo trabalha melhor o cover dentro do show, ou não o faz. A Tangente e a Ádamas são formadas por jovens que terão tempo para amadurecer o som e investir mais as suas energias em composições próprias. Ontem deixaram a desejar nesse aspecto!


            Mas isso também fortaleceu o fato da cena local viver um bom momento de bandas autorais. A BVOE mostrou que é possível fazer sua musica com identidade própria, apostando em sonoridade de qualidade e diálogo fácil com a audiência. Assim como várias bandas têm feito! Foi realmente mais uma prova do crescimento gradual do cenário.


*Matéria originalmente publicada em 18/06/2015

Popular Posts

O melhor do que eu não escrevi no Portal Soterorock em 2018. Por Leo Cima.

Neste ano de 2018 o Portal Soterorock resolveu tirar alguns dias de folga. Algo próximo a trezentos e sessenta e cinco dias, quase um ano, é verdade. Porém, é fato que, depois de dez anos cobrindo a cena roqueira local, com textos ou podcasts, sem incentivo financeiro algum, o site decidiu que seria o momento certo para dar um tempinho nas atividades daqui, para priorizar e atender a outras demandas não menos importantes. Mas, mesmo distante das publicações, nos mantivemos atentos ao movimento do cenário, observando quem se manteve atuante, seja em estúdio, ou nos palcos.
Muita coisa aconteceu este ano na cena rocker da Bahia, desde discos lançados até uma boa frequência regular de shows na capital baiana, mesmo com um número cada vez menor de casas que recebe o gênero por aqui. E é esse segundo item que ganhará destaque aqui nesta matéria, em uma outra oportunidade falarei sobres os lançamentos baianos de 2018, vamos com calma. O fato é que, fazendo visitas a eventos, seja como um pag…

“As Dez Caras do Rock Baiano” com Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute)

Chegando ao final da sua primeira fase, a série “As Dez Caras do Rock Baiano” traz em sua quinta entrevista uma das grandes personalidades já presente na cena local há muitos anos: o vocalista da The Honkers, Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute, como preferir). Nessa conversa, que foi uma das mais longas e intrigantes dessa série e realizada na época da volta da banda aos palcos soteropolitanos, Rodrigo falou sobre o que chama a sua atenção no cenário, o cuidado que um artista têm que tomar com a sua própria arte, como a quantidade de informação influencia no jeito raso de ser do novo roqueiro e sobre as intenções para o futuro da The Honkers, além de se mostrar como um autor de livros de auto ajuda em potencial. Você já sabe, se ajeite com firmeza na cadeira e embarque nessa entrevista dessa grande figura do rock da Bahia. 
SRP - Como foi ficar um ano longe da The Honkers? 

Rodrigo Chagas - Zorra... Normal, hehe. Cansei na sétima música. 

SRP – O que achou do retorno da The Honkers aos pa…

Discoteca Básica Soterorock Apresenta: Entre 4 Paredes

Dando continuidade na nossa maratona especial da quarta edição do Soterorock Sessions, aqui vai mais uma postagem da série Discoteca Básica Soterorock Apresenta. Dessa vez, trazendo mais uma atração do nosso evento, a banda Entre 4 Paredes. Com diversas influências musicais, que vão do pop rock, até o post punk, passando pelo rock nacional e o gótico, o sexteto traz para essa matéria bons sons que merecem uma audição mais atenta e, junto a eles, as suas relações com cada um desses discos. Pegue carona nas dicas do grupo e deguste cada segundo musical dessa lista!
David Vertigo (tecladista)
Suicide - Suicide


O disco que inventou o cyberpunk antes dele existir. O trabalho de estreia homônino da dupla Suicide (Alan Vega nos vocais e Martin Rev no sintetizador) mostra da forma mais crua possível o que bandas de Industrial, EBM e afins só exibiriam décadas mais tarde:  niilismo, subversão, falta de esperança, ódio, inconformismo... Com timbres minimalistas, baterias repetitivas, vocais nonse…