Pular para o conteúdo principal

A cena vai bem, obrigado!*


            Nesta última sexta feira deste agitado mês de julho para a cena, fomos conferir no Taverna Music Bar o som das bandas Ádamas, Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes e Tangente. Chegando com sossego no Rio Vermelho deu tempo para uma caminhada até o Largo da Dinha para conferir o movimento. A obra da prefeitura para revitalizar o local deixou o espaço mais apertado para os seus frequentadores e transeuntes e, obviamente, revirado (como que de cabeça para baixo).

            É muito provável que o local fique bem parecido com a Barra depois da sua reforma, ou seja, a cidade vai ficando aos poucos com cara de shopping center e perdendo as suas peculiaridades características que cada bairro tem dentro de si. Daqui a pouco estaremos em um não-lugar. Enfim! Depois das observações costumeiras o caminho era ir até onde as bandas estavam. O lugar estava com pouca gente, mas o som ja estava preparado para a execução dos grupos.

            Na noite, duas bandas iniciantes marcaram presença. A primeira na fila foi a Ádamas, que tocou um repertório de covers e de musicas autorais. Os jovens mostraram um som groovado, porém um tanto quanto verdes. Depois foi a vez da Bufalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes subir no palco. Com um repertório cada vez mais conhecido, mais bem entrosada e começando a formar um publico mais fiel em seus shows, eles engoliram a noite em uma apresentação bem acima da média e que ganhou novos admiradores da sua música.

            Alternando as canções do seu EP de estréia com algumas versões de pérolas obscuras de artistas do rock nacional, a performance da banda ganhou (sem que perdesse o peso) momentos de intensidade, groove e até mesmo de êxtase, com uma das espectadoras dançando e girando levemente ao som de uma das músicas. Ela girou tanto que até fiquei tonto de só ficar olhando! Ainda rolou biz no final! Atiradores de elite miram no lugar certo! Depois deles foi a vez da iniciante Tangente fazer o seu rock simples e direto, também alternando covers e sons próprios. As músicas próprias dos rapazes continham bons momentos de distorção interessantes, mas se notava uma certa necessidade de amadurecimento do som.

            Frequentemente falo por aqui que não me agrado muito com quantidades grandes de covers em repertórios. De novo: um conjunto toca o que quiser, mas é muito mais interessante, para mim, assistir a um trabalho autoral do que ver um setlist composto por músicas dos outros. Ou o grupo trabalha melhor o cover dentro do show, ou não o faz. A Tangente e a Ádamas são formadas por jovens que terão tempo para amadurecer o som e investir mais as suas energias em composições próprias. Ontem deixaram a desejar nesse aspecto!


            Mas isso também fortaleceu o fato da cena local viver um bom momento de bandas autorais. A BVOE mostrou que é possível fazer sua musica com identidade própria, apostando em sonoridade de qualidade e diálogo fácil com a audiência. Assim como várias bandas têm feito! Foi realmente mais uma prova do crescimento gradual do cenário.


*Matéria originalmente publicada em 18/06/2015

Popular Posts

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava

Sexto guia de singles de bandas baianas. Por Leonardo Cima.

Mais uma vez o Portal SoteroRock traz a sua lista de singles de bandas e artistas baianos, lançados ao longo desse período pandêmico no qual nos encontramos neste 2020. Para essa ocasião, a diversidade ainda marca uma forte presença nessa seleta. Rock, pop, metal, eletrônico, folk e o grande leque que se abre a partir desses gêneros vão aparecer para você aqui enquanto faz a sua leitura. Então, abra a sua mente, saiba um pouco sobre cada um dos trabalhos citados aqui, siga cada um nas redes sociais (se possível, é claro!) e, óbvio, escute as canções!! Se você acha que faltou algum artista/banda aqui nessa matéria, mande uma mensagem inbox pelo nosso perfil do Instagram, que iremos escutar! Midorii Kido - Sou o que Sou Para quem acha que o rock já se esgotou em termos de abraçar minorias e até mesmo acredita que é conservador, este primeiro single da drag queen Midorii Kido é um tapa na face daqueles que professam dessa maneira contra o gênero. Sou o que Sou é um rock forte,

O garage noir da The Futchers. Por Leonardo Cima.

Nesses últimos dois meses, o selo SoteroRec teve a honra e a felicidade de lançar na sua série Retro Rocks, os trabalhos de uma das bandas mais interessantes que a cena local já teve e que, infelizmente, não teve uma projeção devidamente extensa. Capitaneada por Rodrigo "Sputter" Chagas (vocal da The Honkers), a The Futchers foi a sua banda paralela idealizada e montada por ele próprio no final do ano de 2006. A propósito, o nome Futchers vem inspirado da dislexia do compositor britânico Billy Childish, que escreve as palavras da mesma maneira que as fala. Ele, ao lado de mais quatro integrantes, também de bandas locais da época, começaram os ensaios com uma proposta sonora voltada mais para o mood e o garage rock, se distanciando um pouco dos seus respectivos trabalhos nos grupos anteriores. Relembrando um pouco daquele período e como observador, esse "peso" de não ter que se repetir musicalmente recaía um pouco mais sobre Rodrigo. Não que houvesse isso