A elegância sutil de André.*


Mais um quinze de julho se aproxima e mais uma primavera será completada pelo cantor e compositor André L. R. Mendes e, como de costume, ele estará lançando mais um disco da sua frutífera carreira solo, o seu sexto trabalho: Todas as Cores. Lançar um disco novo é sempre um momento de comemoração, de celebração para um artista (ou banda), e fazer isso no dia do seu aniversário é sempre algo mais que especial, um presente para si próprio e para quem já espera a sua chegada como ouvinte e admirador.

Aqui, o André L. R. Mendes retorna com um álbum feito com os mesmos recursos que boa parte dos seus discos foram feitos em sua trajetória artística: laptop, iphone e instrumentos de corda. Em um método totalmente independente, criativo e na melhor maneira dentro do ideal punk do “do it yourself”, no qual o artista se envolve para fazer canções cada vez mais interessantes e com uma visão melhorada sobre si mesmo e sobre o ambiente a sua volta. É uma maneira cada vez melhor de se expressar, tendo a tecnologia a seu favor, utilizada de maneira inteligente nessas novas dez faixas do cd.

O disco abre com Vida, faixa que tem uma boa levada de violão, refrão dos melhores e com uma guitarra elegante sutilmente distorcida, dando um tom bem diferente à canção sem perder a essência da composição. O seu solo de guitarra no final seguida da calmaria do violão são elementos que se destacam na trilha. Em seguida vem Amsterdã, composição que o artista disponibilizou nas redes sociais para degustação auditiva antes do lançamento é um pouco mais animada que a anterior e versa sobre conquistar algo e ainda assim sentir um certo vazio. Uma inquietude que talvez faça parte da natureza humana. Cine Perfeição começa com um bom diálogo entre violão e piano, com programação synthpop, guitarras ao fundo e fade out em seu fim. Não Chora Menina tem uma boa melodia e traz em sua letra um recado para alguém que está passando por um momento adverso e que as coisas são passageiras, mesmo se nada pareça sair do lugar. O xilofone dá um bom tom na canção e mantém a atmosfera otimista. Naufrágios surge de maneira mais intimista e melancólica, com violão e ukulele, com boa mensagem sobre cair, levantar e seguir em frente.

Naturalmente, assim como a anterior, é mais uma faixa que o músico disponibilizou na rede antes de lançar o Todas as Cores, com um videoclipe muito bacana e divertido, que pode arrancar um sorriso maroto de quem o assiste e fazer lembrar do cheiro da tinta guache que costumava ficar grudado nas mãos. É mais uma que tem uma boa mensagem de como aquilo que se vive está em você e o negócio é seguir adiante. Certo pra Nós é uma das melhores faixas do álbum, com uma bela melodia de violão, belo solo e uma guitarra bem discreta ao fundo no seu ápice. Não me Chame pra Lugares, traz violão e teclado com versos que falam de certa forma sobre locais a serem evitados por conta da futilidade de quem os compõe. A nona composição, Intimidade, é uma bela declaração de amor e Amor, que encerra o disco, conta com uma batida de sonoridade diferente, guitarra como textura de fundo e um texto trazendo pontos de vista interessantes para algumas coisas e infindáveis situações boas que nos trazem um bom sentimento de satisfação.

Acredito que este seja o melhor disco da já longínqua carreira do André L. R. Mendes. É sempre bom acompanhar o processo de criação de mais uma nova obra sua e de perceber que cada vez mais ele detém um bom controle dos recursos que escolhe para gravar os seus cds, mantendo um bom nível da qualidade do seu resultado final. As letras sempre revelam a sua maneira de como vê as coisas, o que deixa o trabalho mais original e interessante. É sempre bom seguir e evoluir, esse é o caminho.

Assista ao vídeo de Naturalmente: https://www.youtube.com/watch?v=8wd5OBInduQ

Acesse o site do André L. R. Mendes: http://www.andremendesmusica.com.br/



*Matéria originalmente publicada em 14/07/2016.
Share:

Online

Bandas

32 Dentes 4 Discos de Rock Baiano 4ª Ligação A Flauta Vértebra Aborígines Acanon Ádamas Almas Mortas Amor Cianeto André dias André L. R. Mendes Anelis Assumpção Antiporcos Apanhador Só Aphorism Aqui tem Rock Baiano Aurata Awaking Baiana System Bauhaus Bilic Black Sabbath Blessed in Fire Blue in the Face Boogarins Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes Buster Calafrio Callangazoo Carburados Rock Motor Cardoso Filho Carne Doce Cartel Strip Club Cascadura Casillero Céu Charles Bukowski Charlie Chaplin Chuva Negra Cidadão Instigado Circo de Marvin Circo Litoral Cólera Dão David Bowie Declinium Derrube o Muro Desafio Urbano Desrroche Destaques dez caras do rock Documentário Downloads Du Txai e Os Indizíveis Duda Spínola Enio Entrevistas Erasy Eric Assmar Espúria Eva Karize Exoesqueleto Festival Festival Soterorock Filipe Catto Free?Gobar Fresno Fridha Funcionaface Game Over Riverside Giovani Cidreira HAO Heavy Lero Hellbenders Ifá Incubadora Sonora Ingrena Invena Inventura Irmão Carlos Ironbound Jack Doido Jackeds Jardim do Silêncio Jato Invisível Kalmia Kazagastão KZG Lançamentos Latromodem Leandro Pessoa Lee Ranaldo Limbo Lírio Lo Han Locomotiva Mad Monkees Madame Rivera Mais uma Cara do Rock Baiano MAPA Marcia Castro Maria Bacana Maus Elementos Messias Modus Operandi Motherfucker Mulheres Q Dizem Sim Murilo Sá Nalini Vasconcelos Neurática Not Names Novelta O Quadro O Terno Old Stove Olhos Para o Infinito Órbita Móbile Organoclorados Os Canalhas Os Elefantes Elegantes Os Jonsóns Os Tios Overfuzz Ozzmond palco do rock Pancreas Pastel de Miolos Pesadelo Pirombeira Pitty Portal Pós-punk Prime Squad Programas Quadrinhos Rattle Resenha de discos Resenha do cd Resenhas Reverendo T Reverento T Rivermann Rock Rock Baiano Rock Baiano em Alta Rock de camaçari Ronco Scambo Show Shows Shows. Cascadura Siba Singles Soft Porn Som do Som Sons que Ecoam Squadro Subaquático Super Amarelo Surrmenage Tangente Teenage Buzz Tentrio Test The Baggios The Cross The Honkers The Pivos Theatro de Seraphin Thrunda Titãs Tony Lopes Tsunami Universo Variante Úteros em Fúria Vamoz! Van der Vous Vende-$e Vivendo do Ócio Wado Wander Wildner Weise Wry

Matérias

Antigas

Mais Populares

Resenhas