Pular para o conteúdo principal

A elegância sutil de André.*


Mais um quinze de julho se aproxima e mais uma primavera será completada pelo cantor e compositor André L. R. Mendes e, como de costume, ele estará lançando mais um disco da sua frutífera carreira solo, o seu sexto trabalho: Todas as Cores. Lançar um disco novo é sempre um momento de comemoração, de celebração para um artista (ou banda), e fazer isso no dia do seu aniversário é sempre algo mais que especial, um presente para si próprio e para quem já espera a sua chegada como ouvinte e admirador.

Aqui, o André L. R. Mendes retorna com um álbum feito com os mesmos recursos que boa parte dos seus discos foram feitos em sua trajetória artística: laptop, iphone e instrumentos de corda. Em um método totalmente independente, criativo e na melhor maneira dentro do ideal punk do “do it yourself”, no qual o artista se envolve para fazer canções cada vez mais interessantes e com uma visão melhorada sobre si mesmo e sobre o ambiente a sua volta. É uma maneira cada vez melhor de se expressar, tendo a tecnologia a seu favor, utilizada de maneira inteligente nessas novas dez faixas do cd.

O disco abre com Vida, faixa que tem uma boa levada de violão, refrão dos melhores e com uma guitarra elegante sutilmente distorcida, dando um tom bem diferente à canção sem perder a essência da composição. O seu solo de guitarra no final seguida da calmaria do violão são elementos que se destacam na trilha. Em seguida vem Amsterdã, composição que o artista disponibilizou nas redes sociais para degustação auditiva antes do lançamento é um pouco mais animada que a anterior e versa sobre conquistar algo e ainda assim sentir um certo vazio. Uma inquietude que talvez faça parte da natureza humana. Cine Perfeição começa com um bom diálogo entre violão e piano, com programação synthpop, guitarras ao fundo e fade out em seu fim. Não Chora Menina tem uma boa melodia e traz em sua letra um recado para alguém que está passando por um momento adverso e que as coisas são passageiras, mesmo se nada pareça sair do lugar. O xilofone dá um bom tom na canção e mantém a atmosfera otimista. Naufrágios surge de maneira mais intimista e melancólica, com violão e ukulele, com boa mensagem sobre cair, levantar e seguir em frente.

Naturalmente, assim como a anterior, é mais uma faixa que o músico disponibilizou na rede antes de lançar o Todas as Cores, com um videoclipe muito bacana e divertido, que pode arrancar um sorriso maroto de quem o assiste e fazer lembrar do cheiro da tinta guache que costumava ficar grudado nas mãos. É mais uma que tem uma boa mensagem de como aquilo que se vive está em você e o negócio é seguir adiante. Certo pra Nós é uma das melhores faixas do álbum, com uma bela melodia de violão, belo solo e uma guitarra bem discreta ao fundo no seu ápice. Não me Chame pra Lugares, traz violão e teclado com versos que falam de certa forma sobre locais a serem evitados por conta da futilidade de quem os compõe. A nona composição, Intimidade, é uma bela declaração de amor e Amor, que encerra o disco, conta com uma batida de sonoridade diferente, guitarra como textura de fundo e um texto trazendo pontos de vista interessantes para algumas coisas e infindáveis situações boas que nos trazem um bom sentimento de satisfação.

Acredito que este seja o melhor disco da já longínqua carreira do André L. R. Mendes. É sempre bom acompanhar o processo de criação de mais uma nova obra sua e de perceber que cada vez mais ele detém um bom controle dos recursos que escolhe para gravar os seus cds, mantendo um bom nível da qualidade do seu resultado final. As letras sempre revelam a sua maneira de como vê as coisas, o que deixa o trabalho mais original e interessante. É sempre bom seguir e evoluir, esse é o caminho.

Assista ao vídeo de Naturalmente: https://www.youtube.com/watch?v=8wd5OBInduQ

Acesse o site do André L. R. Mendes: http://www.andremendesmusica.com.br/



*Matéria originalmente publicada em 14/07/2016.

Popular Posts

Tem muito som no tabuleiro do rock aqui na Bahia. Por Leonardo Cima.

Depois do nosso hiato no ano de 2018, retomamos às nossas atividades aqui no site em 2019. É bem verdade que escrevemos menos do que esperávamos e pretendíamos, porém continuamos observando o que acontecia na cena ao longo desses doze meses que se passaram. Bastante som foi lançado, várias propostas sonoras diferentes ganharam a luz do dia e mantiveram esse ano como os seus antecessores: agitado em volume e em alta qualidade de produção.
Teve banda/artista apostando em single, ou fazendo as suas primeiras investidas solo, projetos musicais saindo do papel, banda lançando novidade depois de muito tempo sem disponibilizar um novo trabalho, ou seja, uma considerável quantidade de impulsos motivadores levaram à todas essas novidades da cena rocker da Bahia.
Então, resolvi fazer essas micro resenhas para compensar a minha baixa frequência por aqui pelo site no ano que passou e para fazer justiça com esses lançamentos, trazendo alguns títulos nessa matéria. Mas, frisando, essa não é uma lista…

Discoteca Básica Soterorock Apresenta: Entre 4 Paredes

Dando continuidade na nossa maratona especial da quarta edição do Soterorock Sessions, aqui vai mais uma postagem da série Discoteca Básica Soterorock Apresenta. Dessa vez, trazendo mais uma atração do nosso evento, a banda Entre 4 Paredes. Com diversas influências musicais, que vão do pop rock, até o post punk, passando pelo rock nacional e o gótico, o sexteto traz para essa matéria bons sons que merecem uma audição mais atenta e, junto a eles, as suas relações com cada um desses discos. Pegue carona nas dicas do grupo e deguste cada segundo musical dessa lista!
David Vertigo (tecladista)
Suicide - Suicide


O disco que inventou o cyberpunk antes dele existir. O trabalho de estreia homônino da dupla Suicide (Alan Vega nos vocais e Martin Rev no sintetizador) mostra da forma mais crua possível o que bandas de Industrial, EBM e afins só exibiriam décadas mais tarde:  niilismo, subversão, falta de esperança, ódio, inconformismo... Com timbres minimalistas, baterias repetitivas, vocais nonse…

"Carnaval, carnaval, carnaval / Fico tão triste quando chega o carnaval" Por Sérgio Moraes

Com uma sonoridade ímpar desde os idos de 1985, a Banda Organoclorados (Alagoinhas-Bahia), Lançou seu mais recente vídeo “No Carnaval a Gente Esquece”. Você pode ouvir nas plataformas de vídeo espalhadas pela web ou aqui! 



O vídeo faz um paralelo visual da vida cotidiana, euforia e desespero se misturando na obscuridade dos dias turbulentos que vivemos. Misturando imagens de alegria (num simples passeio pela calçadão das ruas com a banda) e desilusões diárias (Coquetel Molotov e afins). A sonoridade blues-Rock da canção é bem vinda, pois, a participação especial de Lucas Costa na gaita harmônica abrilhanta ainda mais as imagens e a sonoridade de “No Carnaval a Gente Esquece”.
Veja e tire suas próprias conclusões deste belo vídeo, letra e composição dos cinco caras!
Organoclorados é: Alan Gustavo - guitarra; André G - baixo; Artur W - guitarra e voz; Joir Rocha - bateria; Roger Silva - teclados.
Título: Trecho da letra de Luiz Melodia “Quando o Carnaval Chegou.”