Pular para o conteúdo principal

A elegância sutil de André.*


Mais um quinze de julho se aproxima e mais uma primavera será completada pelo cantor e compositor André L. R. Mendes e, como de costume, ele estará lançando mais um disco da sua frutífera carreira solo, o seu sexto trabalho: Todas as Cores. Lançar um disco novo é sempre um momento de comemoração, de celebração para um artista (ou banda), e fazer isso no dia do seu aniversário é sempre algo mais que especial, um presente para si próprio e para quem já espera a sua chegada como ouvinte e admirador.

Aqui, o André L. R. Mendes retorna com um álbum feito com os mesmos recursos que boa parte dos seus discos foram feitos em sua trajetória artística: laptop, iphone e instrumentos de corda. Em um método totalmente independente, criativo e na melhor maneira dentro do ideal punk do “do it yourself”, no qual o artista se envolve para fazer canções cada vez mais interessantes e com uma visão melhorada sobre si mesmo e sobre o ambiente a sua volta. É uma maneira cada vez melhor de se expressar, tendo a tecnologia a seu favor, utilizada de maneira inteligente nessas novas dez faixas do cd.

O disco abre com Vida, faixa que tem uma boa levada de violão, refrão dos melhores e com uma guitarra elegante sutilmente distorcida, dando um tom bem diferente à canção sem perder a essência da composição. O seu solo de guitarra no final seguida da calmaria do violão são elementos que se destacam na trilha. Em seguida vem Amsterdã, composição que o artista disponibilizou nas redes sociais para degustação auditiva antes do lançamento é um pouco mais animada que a anterior e versa sobre conquistar algo e ainda assim sentir um certo vazio. Uma inquietude que talvez faça parte da natureza humana. Cine Perfeição começa com um bom diálogo entre violão e piano, com programação synthpop, guitarras ao fundo e fade out em seu fim. Não Chora Menina tem uma boa melodia e traz em sua letra um recado para alguém que está passando por um momento adverso e que as coisas são passageiras, mesmo se nada pareça sair do lugar. O xilofone dá um bom tom na canção e mantém a atmosfera otimista. Naufrágios surge de maneira mais intimista e melancólica, com violão e ukulele, com boa mensagem sobre cair, levantar e seguir em frente.

Naturalmente, assim como a anterior, é mais uma faixa que o músico disponibilizou na rede antes de lançar o Todas as Cores, com um videoclipe muito bacana e divertido, que pode arrancar um sorriso maroto de quem o assiste e fazer lembrar do cheiro da tinta guache que costumava ficar grudado nas mãos. É mais uma que tem uma boa mensagem de como aquilo que se vive está em você e o negócio é seguir adiante. Certo pra Nós é uma das melhores faixas do álbum, com uma bela melodia de violão, belo solo e uma guitarra bem discreta ao fundo no seu ápice. Não me Chame pra Lugares, traz violão e teclado com versos que falam de certa forma sobre locais a serem evitados por conta da futilidade de quem os compõe. A nona composição, Intimidade, é uma bela declaração de amor e Amor, que encerra o disco, conta com uma batida de sonoridade diferente, guitarra como textura de fundo e um texto trazendo pontos de vista interessantes para algumas coisas e infindáveis situações boas que nos trazem um bom sentimento de satisfação.

Acredito que este seja o melhor disco da já longínqua carreira do André L. R. Mendes. É sempre bom acompanhar o processo de criação de mais uma nova obra sua e de perceber que cada vez mais ele detém um bom controle dos recursos que escolhe para gravar os seus cds, mantendo um bom nível da qualidade do seu resultado final. As letras sempre revelam a sua maneira de como vê as coisas, o que deixa o trabalho mais original e interessante. É sempre bom seguir e evoluir, esse é o caminho.

Assista ao vídeo de Naturalmente: https://www.youtube.com/watch?v=8wd5OBInduQ

Acesse o site do André L. R. Mendes: http://www.andremendesmusica.com.br/



*Matéria originalmente publicada em 14/07/2016.

Popular Posts

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava

Sexto guia de singles de bandas baianas. Por Leonardo Cima.

Mais uma vez o Portal SoteroRock traz a sua lista de singles de bandas e artistas baianos, lançados ao longo desse período pandêmico no qual nos encontramos neste 2020. Para essa ocasião, a diversidade ainda marca uma forte presença nessa seleta. Rock, pop, metal, eletrônico, folk e o grande leque que se abre a partir desses gêneros vão aparecer para você aqui enquanto faz a sua leitura. Então, abra a sua mente, saiba um pouco sobre cada um dos trabalhos citados aqui, siga cada um nas redes sociais (se possível, é claro!) e, óbvio, escute as canções!! Se você acha que faltou algum artista/banda aqui nessa matéria, mande uma mensagem inbox pelo nosso perfil do Instagram, que iremos escutar! Midorii Kido - Sou o que Sou Para quem acha que o rock já se esgotou em termos de abraçar minorias e até mesmo acredita que é conservador, este primeiro single da drag queen Midorii Kido é um tapa na face daqueles que professam dessa maneira contra o gênero. Sou o que Sou é um rock forte,

O garage noir da The Futchers. Por Leonardo Cima.

Nesses últimos dois meses, o selo SoteroRec teve a honra e a felicidade de lançar na sua série Retro Rocks, os trabalhos de uma das bandas mais interessantes que a cena local já teve e que, infelizmente, não teve uma projeção devidamente extensa. Capitaneada por Rodrigo "Sputter" Chagas (vocal da The Honkers), a The Futchers foi a sua banda paralela idealizada e montada por ele próprio no final do ano de 2006. A propósito, o nome Futchers vem inspirado da dislexia do compositor britânico Billy Childish, que escreve as palavras da mesma maneira que as fala. Ele, ao lado de mais quatro integrantes, também de bandas locais da época, começaram os ensaios com uma proposta sonora voltada mais para o mood e o garage rock, se distanciando um pouco dos seus respectivos trabalhos nos grupos anteriores. Relembrando um pouco daquele período e como observador, esse "peso" de não ter que se repetir musicalmente recaía um pouco mais sobre Rodrigo. Não que houvesse isso