Pular para o conteúdo principal

A espera finalmente acabou.*


         Este último sábado foi dia do lançamento oficial do disco de estréia da Rattle, Tales of the Dark Cult, e o Portal Soterorock foi conferir o que aconteceu na festa, que ainda contou com as bandas Acanon e Portal. Ocorrida em um bom horário, uma matinê, o evento atraiu bastante gente para o Dubliners Irish Pub e rendeu performances interessantes para quem estava presente.

          Primeira a subir no palco e apresentando nova formação, a Acanon tocou desfalcada do seu baixista, mas nesse caso menos foi mais. Quando o grupo começou o show eu estava afastado do palco e com várias pessoas na minha frente e não percebi que a banda tocava só com a dupla de vocais, o baterista e o guitarrista. O som estava impressionantemente pesadíssimo e muito bem tocado, a guitarra e a bateria tomaram bem o espaço sonoro do lugar, ganhando volume sem piedade. Antes deles anunciarem que estavam sem o baixista achei ser interessante essa formação diante do peso sonoro que os quatro estavam fazendo. Imagine como seria com o time completo! Abriram bem a festa.

      Depois entrou a Portal, que curiosamente também estava sem a presença do seu baixista. O inicio da apresentação sinalisava que este não seria um show tão bom, ou empolgante, mas mesmo assim não deixou de ter o seu valor. Ao contrário da banda anterior, a Portal não tinha um som volumoso e acabou sofrendo com isso em alguns momentos quando entrava um solo de guitarra e se percebia a necessidade de mais um instrumento para preencher a musica, que ficava nitidamente vazia. Mas mesmo assim eles seguiram, o esforço dos integrantes foi louvavel e arrancaram alguns tímidos aplausos.

        Encerrando o evento, a Rattle fez o show do seu mais recente trabalho, que estava há muito tempo aguardado por fãns. Levando mais tempo para ficar pronto por conta da troca de integrante da banda, o Tales of the Dark Cult foi muito bem recebido e festejado, ganhando uma boa receptividade ao vivo dos admiradores e tendo um empenho exemplar dos seus autores. Isso proporcionou uma performance mais calorosa e mais agitada da banda, que dialogou bem com o público. Bem fiel às versões do estúdio, o conjunto iniciou os trabalhos com a intro de Zé do Caixão e se destacou em faixas como Whispers, Hell of the Living Dead e Call of Duty, um problema técnico no microfone foi logo resolvido e as rodas de pogo finalmente se fizeram presentes no local.


        Foi um bom encerramento de evento e uma bom lançamento de uma obra feita com um bom nível de qualidade e que teve uma boa atenção de quem foi prestigiar o grupo. O tempo de aguardo aumentou as expectativas sobre o lançamento disco, mas isso nem de longe foi um problema. A banda afinada e bem entrosada atendeu ao que cada um ansiava ali, colocando um final à longa espera.


*Matéria originalmente publicada em 22/09/2015

Popular Posts

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava

Sexto guia de singles de bandas baianas. Por Leonardo Cima.

Mais uma vez o Portal SoteroRock traz a sua lista de singles de bandas e artistas baianos, lançados ao longo desse período pandêmico no qual nos encontramos neste 2020. Para essa ocasião, a diversidade ainda marca uma forte presença nessa seleta. Rock, pop, metal, eletrônico, folk e o grande leque que se abre a partir desses gêneros vão aparecer para você aqui enquanto faz a sua leitura. Então, abra a sua mente, saiba um pouco sobre cada um dos trabalhos citados aqui, siga cada um nas redes sociais (se possível, é claro!) e, óbvio, escute as canções!! Se você acha que faltou algum artista/banda aqui nessa matéria, mande uma mensagem inbox pelo nosso perfil do Instagram, que iremos escutar! Midorii Kido - Sou o que Sou Para quem acha que o rock já se esgotou em termos de abraçar minorias e até mesmo acredita que é conservador, este primeiro single da drag queen Midorii Kido é um tapa na face daqueles que professam dessa maneira contra o gênero. Sou o que Sou é um rock forte,

O garage noir da The Futchers. Por Leonardo Cima.

Nesses últimos dois meses, o selo SoteroRec teve a honra e a felicidade de lançar na sua série Retro Rocks, os trabalhos de uma das bandas mais interessantes que a cena local já teve e que, infelizmente, não teve uma projeção devidamente extensa. Capitaneada por Rodrigo "Sputter" Chagas (vocal da The Honkers), a The Futchers foi a sua banda paralela idealizada e montada por ele próprio no final do ano de 2006. A propósito, o nome Futchers vem inspirado da dislexia do compositor britânico Billy Childish, que escreve as palavras da mesma maneira que as fala. Ele, ao lado de mais quatro integrantes, também de bandas locais da época, começaram os ensaios com uma proposta sonora voltada mais para o mood e o garage rock, se distanciando um pouco dos seus respectivos trabalhos nos grupos anteriores. Relembrando um pouco daquele período e como observador, esse "peso" de não ter que se repetir musicalmente recaía um pouco mais sobre Rodrigo. Não que houvesse isso