Pular para o conteúdo principal

A estrada, a diversão e o rock em primeiro lugar.*


            A Lo Han é uma das bandas mais antigas dessa cidade em atividade. Muita gente não sabe, ou ainda não se deu conta desse fato, e até mesmo os integrantes não falam muito (ou não falam) sobre isso. Mas é verdade que ela completa nesse ano de 2015 dez anos de carreira, e com ela, surge o seu o seu primeiro cd, um trabalho cheio com onze músicas autorais batizado de Get High. Acho importante começar essa resenha frisando o seu tempo de estrada porque este foi um dos principais fatores que formou o som do grupo.

            O conjunto começou como uma banda de covers, com uma proposta de tocar rocks clássicos setentistas e quase nada além disso. Um repertório que continha de Led Zeppelin a Deep Purple, passando pelo southern rock, e na melhor das hipóteses mais modernas um Whitesnake aqui e ali. Mas o tempo foi passando e foi surgindo a vontade natural de compor as suas próprias músicas e essa longa estrada, de constantes apresentações na noite baiana, serviu para dar ao grupo a identidade bem expressada em seu disco de estréia. Produzido pelo bluesman baiano Alvaro Assmar, Get High navega bem pela década de 1970 se tornando uma boa mistura musical desse período.

            As duas primeira canções, Time e Dance With the Devil, mostram bem este misto musical. A primeira soa como um bom rock sulista norte-americano, com introdução de órgão que fica bem evidente pela faixa e a segunda é uma música que faz o AC/DC e o Led Zeppelin cruzarem a mesma esquina ao mesmo tempo. Get High é o primeiro ponto alto do cd, tendo uma cara mais pessoal da banda, que imprime mais personalidade nesta composição com bons riffs e solos de órgão, além de ser pegajosa. I'll Only Rest When I'm Dead tem uma pegada de bar de beira de estrada, onde todo mundo bebe um bom nectar -seja na mesa ou no balcão do bar-, se entretêm jogando conversa fora, flerta com uma garota (ou garoto) e se diverte. O violão e, principalmente, a slide guitar dão um tom certeiro  a esse clima. Sex, Drugs and Music foi a primeira música desse trabalho que foi disponibilizada e ela traduz bem a atmosfera divertida que a banda tem em seus shows. Foi uma boa escolha. Depois, Bullet aparece com uma pegada mais arrastada e mais hard rock, com solo de guitarra bem executado e refrão pegajoso.

            Waiting for You é uma balada que já poderia ser esperada por um grupo dessa linha do rock. Solo de guitarra logo de cara, piano ao fundo durante a levada radiofônica da bateria até chegar o ápice da música no refrão com boas guitarras duplas. Green Lies retoma o ritmo acelerado do disco com mais um hard rock de bons solos de guitarra e o órgão aparecendo com muita evidência de forma belíssima, diga-se de passagem. The Falllen Butterfly é mais uma velha conhecida do repertório dos rapazes. Talvez seja uma das mais divertidas do álbum, com toda vontade que o rock tem de deixar as coisas mais insanas, da letra a canção, sem deixar nada de fora. Em Fight for Your Faith a banda se direciona para o final da obra com uma melodia mais alegre e serena, porém com um solo de guitarra nervoso no final, até chegar a The World Will Change Your Mind, faixa que encerra muito bem Get High com uma pegada mais psicodélica, transitando entre elementos de Pink Floyd e de Deep Purple, além de possuir uma bela letra reflexiva.


            O resultado desse primeiro disco da Lo Han é bem satisfatório e o grupo entrega um bom disco para aqueles que almejavam um trabalho só de inéditas do sexteto. Com certeza eles não reinventaram, ou inovaram, essa vertente setentista do rock com esse cd de estréia e acho que eles não se propuseram a fazer isso em momento algum, mesmo com várias passagens inspiradas, imprimindo muita assinatura pessoal dos seus integrantes e isso é um dos bons aspectos da obra. Cada componente fez muito bem o seu papel, executando bons solos de guitarra, bons arranjos vocais, de órgãos e teclados e uma cozinha que se comunica sem ruido algum.

               O conjunto soube usar as suas influencias a seu favor e soube fazer um disco que não renegou a trajetória atuante da banda na cena local ao longo de todos esses anos. Para quem curte um bom classic rock, não pense duas vezes antes de escutar o Get High. Você, inclusive, pode perceber que vem algo bom quando vê a arte da capa feita pelo ilustrador Kin Noise. E para quem não gosta de rock setentista, passe a mil léguas desse disco, mas quando puder, dê uma boa chance de ouvir algo com qualidade. Você pode se surpreender com a diversão que vai ter.


*Matéria originalmente publicada em 25/11/2015.

Popular Posts

O melhor do que eu não escrevi no Portal Soterorock em 2018. Por Leo Cima.

Neste ano de 2018 o Portal Soterorock resolveu tirar alguns dias de folga. Algo próximo a trezentos e sessenta e cinco dias, quase um ano, é verdade. Porém, é fato que, depois de dez anos cobrindo a cena roqueira local, com textos ou podcasts, sem incentivo financeiro algum, o site decidiu que seria o momento certo para dar um tempinho nas atividades daqui, para priorizar e atender a outras demandas não menos importantes. Mas, mesmo distante das publicações, nos mantivemos atentos ao movimento do cenário, observando quem se manteve atuante, seja em estúdio, ou nos palcos.
Muita coisa aconteceu este ano na cena rocker da Bahia, desde discos lançados até uma boa frequência regular de shows na capital baiana, mesmo com um número cada vez menor de casas que recebe o gênero por aqui. E é esse segundo item que ganhará destaque aqui nesta matéria, em uma outra oportunidade falarei sobres os lançamentos baianos de 2018, vamos com calma. O fato é que, fazendo visitas a eventos, seja como um pag…

“As Dez Caras do Rock Baiano” com Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute)

Chegando ao final da sua primeira fase, a série “As Dez Caras do Rock Baiano” traz em sua quinta entrevista uma das grandes personalidades já presente na cena local há muitos anos: o vocalista da The Honkers, Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute, como preferir). Nessa conversa, que foi uma das mais longas e intrigantes dessa série e realizada na época da volta da banda aos palcos soteropolitanos, Rodrigo falou sobre o que chama a sua atenção no cenário, o cuidado que um artista têm que tomar com a sua própria arte, como a quantidade de informação influencia no jeito raso de ser do novo roqueiro e sobre as intenções para o futuro da The Honkers, além de se mostrar como um autor de livros de auto ajuda em potencial. Você já sabe, se ajeite com firmeza na cadeira e embarque nessa entrevista dessa grande figura do rock da Bahia. 
SRP - Como foi ficar um ano longe da The Honkers? 

Rodrigo Chagas - Zorra... Normal, hehe. Cansei na sétima música. 

SRP – O que achou do retorno da The Honkers aos pa…

Série “As DEZ Caras do Rock Baiano” - Com Caroline Lima, (Voz na Chá de Pensamentos), apresentando "Kansu" o seu mais novo projeto!

A série “As 10 Caras do Rock Baiano” traz desta vez Caroline Lima, integrante do projeto experimental de música e arte Kansu Project , duo que conta também com Sérgio da Mata dividindo as composições. Na última quinta feira (28/03/2013), ás 22:30, foi lançado na página da Kansu Project no facebook o remix de “A Little Bit of Me”, seu primeiro single e, nesse ótimo papo descontraído e espontâneo, Caroline nos falou sobre o interessante processo de produção e gravação das músicas da dupla, suas influências e suas impressões sobre a cena local. Então se ajeite em sua cadeira, aproveite a entrevista, dê um curtir na página do grupo e “FEEL FREE”. 
SRP – O que é a Kansu Project, é um duo? E o que sgnifica? 
Caroline Lima - É um duo sim. Sou eu e Sergio da Mata, meu amigo de adolescência. Sobre o significado... foi a junção dos nomes de personagens de livros que escrevemos em 2002, também é o nome de uma província da China e o nome deriva desse idioma...alguns traduzem como "orquídea&quo…