Pular para o conteúdo principal

A Máquina Zero volume 2 em campanha no Catarse.*


            Todo mundo sabe o quanto é duro fazer rock ou qualquer outro tipo de música que seja independente. Agora, imagine fazer quadrinhos independente? Vá um pouco mais além e pense nisso sendo feito na Bahia! O selo baiano Quadro-a-Quadro mais uma vez arregaça as mangas e inicia uma campanha no Catarse para viabilizar o tão aguardado segundo volume da revista Máquina Zero, uma coletânea de historias em quadrinhos que reúne autores locais, nacionais e estrangeiros.

            Surgida com o seu primeiro volume em 2013 e com o intuito de ter uma nova edição a cada dois anos, a graphic novel é levada adiante pela paixão dos seus organizadores e autores por essa expressão artistica que cresce em popularidade a cada ano. Naquela ocasião, a Máquina Zero teve uma ótima recepção de público e crítica, chegando a ser indicada aqui no Brasil ao troféu HQ Mix (2013) e a ser uma das finalistas do prêmio de Quadrinho Independente do Festival de Angoulême, na França.

            Para este segundo volume, os editores investem agora em talentosos artistas nacionais como Ricardo Cidade e Júlio Shimamoto, e de quadrinistas internacionais como o marfinense Benjamin Kouadio, o finlandês Tommi Musturi e o paraguaio Roberto Goiriz. Isso só para citar alguns, de um total de trinta e cinco autores espalhados em vinte e uma histórias de temas variados. A campanha da Máquina Zero volume 2 já chegou a metade da sua meta e segue com a expectativa de que mais pessoas apoiem o projeto, que tem previsão de entrega para a segunda quinzena de novembro deste ano.

            Ainda há tempo de investir na obra e as categorias de apoio atendem a todos os bolsos. As recompensas são ótimas, que vão da versão digital da revista, até a sua versão física acompanhada de prints exclusivos feitos para a campanha do Catarse (estes não serão vendidos posteriormente). Além desses, há recompensas que incluem o seu primeiro volume já esgotado nas comic shops e o nome de todos os apoiadores nos agradecimentos.


            É também muito bom ver a produção baiana independente de quadrinhos fazer as suas movimentações e esperamos que a meta seja atingida. Para saber um pouco mais sobre a campanha da Máquinha Zero volume 2, que vai até o dia 15/09/2015, é só acessar o site do Catarse neste link: https://www.catarse.me/maquinazerov2.


*Matéria originalmente publicada em 20/08/2015.

Popular Posts

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava

Como na profundidade do cosmo. Por Leonardo cima.

Bem no começo desse ano, em janeiro, antes de toda essa agonia que nos encontramos, de pandemia e quarentena, a banda soteropolitana Vernal lançou o seu mais recente trabalho, Epicteto. Essa ressalva inicial do período desse lançamento se faz presente pelo fato de trazer uma recordação recente, de se botar na praça algo novo e poder circular livremente por aí pelas gigs e se esbarrar com os seus autores em um palco tocando as suas canções. Digo isso de maneira geral, até. As produções da cena continuaram e continuam em meio a quarentena, mas esse sabor de presenciar as coisas de perto já começa a pesar, de certa maneira, e visitar esse disco da Vernal também é visitar esse período de cerca de dois meses e meio, ou três (quase!), de liberdade sem restrições que ainda gozávamos. Olhando mais para dentro desse momento, o trio estava vivendo uma boa projeção na cena, com boa frequência de shows e aparição em canais de comunicação alternativa, alguns deles em seus passos iniciai

O garage noir da The Futchers. Por Leonardo Cima.

Nesses últimos dois meses, o selo SoteroRec teve a honra e a felicidade de lançar na sua série Retro Rocks, os trabalhos de uma das bandas mais interessantes que a cena local já teve e que, infelizmente, não teve uma projeção devidamente extensa. Capitaneada por Rodrigo "Sputter" Chagas (vocal da The Honkers), a The Futchers foi a sua banda paralela idealizada e montada por ele próprio no final do ano de 2006. A propósito, o nome Futchers vem inspirado da dislexia do compositor britânico Billy Childish, que escreve as palavras da mesma maneira que as fala. Ele, ao lado de mais quatro integrantes, também de bandas locais da época, começaram os ensaios com uma proposta sonora voltada mais para o mood e o garage rock, se distanciando um pouco dos seus respectivos trabalhos nos grupos anteriores. Relembrando um pouco daquele período e como observador, esse "peso" de não ter que se repetir musicalmente recaía um pouco mais sobre Rodrigo. Não que houvesse isso