Pular para o conteúdo principal

A verdadeira sauna.*


         A Lei de Murphy é uma droga. Quando um pão cai no chão, sempre cai com o lado da manteiga virado para baixo, um gato sempre cai em pé e quando mais você precisa de um ônibus para ir ao Rio Vermelho, ele resolve demorar um século para passar. Quanto mais eu me agoniava de chegar ao Dubliners Irish Pub nesta última sexta, parecia que o ônibus demorava mais ainda.

            A minha pressa tinha um bom motivo: o melhor do punk rock clássico, local e gringo em uma só noite, dentro da turnê Sauna Punk Rock Tour/Hey Mizera Sound 2015. Os finlandeses do Ozzmond e da Blueintheface, os baianos da Derrube o Muro e Pastel de Miolos, além da paulistana Cólera se encontrariam em uma noite que prometia no mínimo ser memorável. E assim foi! Chegando aos arredores do lugar da festa já se podia perceber uma quantidade maior de pessoas em relação a outras noites já resenhadas por aqui. A demora na espera do tal ônibus acabou me custando as apresentações dos finlandeses, mas por outro lado foi notório que a organização do evento conseguiu aplicar o horário de início das atividades com pontualidade e também de agilizar na arrumação do palco nos intervalos entre as bandas.

            Entrando no pub, a Derrube o Muro estava no inicio do seu show e já tratava de manter o local movimentado. Banda com um bom tempo de estrada, com dois vocalistas inspirados e um púbico que acompanhava as suas letras, o seu ótimo crossover/punk/hardcore foi um combustível adequado para deixar o ambiente aquecido. Quem ficou do lado de fora perdeu uma boa apresentação dos rapazes. Depois deles subiu ao palco a Pastel de Miolos. Cada vez mais entrosada a banda tocou uma música atrás da outra sem dar sossego para o lugar que estava ainda mais cheio. Foi nesse momento em que circular pelo pub começou a se tornar algo difícil de tanta gente presente. O som estava ótimo e a empolgação na roda de pogo foi ficando cada vez maior e melhor. Em um determinado instante os seguranças do local (certamente desavisados de como é a dança nesses sons) interromperam a roda acreditando que pudesse haver algum tumulto, fazendo com que, sabiamente, os integrantes da PDM esclarecessem que não havia confusão alguma ali e que não haveria. Teve até quem me pedisse com educação para segurar a sua long neck para poder entrar na roda.

Com tudo já normalizado, a apresentação seguiu com pessoas cantando junto as suas canções, com ponto alto em “Ruas”, “Homem Serio” e “É Essa Porcaria que me Faz Feliz”. Ainda teve a cover de “Beat on the Brat” (Ramones) acompanhados pelo Ozzmond e Kimmo Pengerkoski (baixista da Blueintheface), cantando a canção contentes e empolgados como todo bom gringo roqueiro em terras baianas. Foi o verdadeiro prelúdio da sauna! Fechando a noite, a banda Cólera (SP) tocou para um Dubliners Irish Pub lotado. Um pouco antes do começar da sua apresentação já era quase impossível sair do lugar de tanta gente presente para ver o show. Há quatro anos sem se apresentar na cidade, com a sua mais recente formação e sendo uma das principais referências do punk rock brasileiro, os paulistanos fizeram um show intenso e sem firulas. Foi punk rock direto e muito bem tocado com direito a roda de pogo que ia da frente do palco até próximo às mesas depois do banheiro e com a audiência cantando a todo pulmão todas as músicas.

Eu disse TODAS AS MUSICAS, todas elas como se fossem hinos nacionais. Naquele mar de gente tinha cidadão entrando em transe frenético, indivíduos de todas as idades, alem de moshes incontáveis com pessoas sendo engolidas pelas silhuetas das mãos em riste acompanhando os refrões. Já da metade para o final da apresentação o chão já estava encharcado de suor e bebida, proporcionando alguns inevitáveis escorregões de pessoas, que foram ajudadas de prontidão por desconhecidos que estavam próximos. Perto do final a banda continuava empolgada e o publico respondia bem, com o ar condicionado já não dando mais conta do recado. Todo mundo suava litros nessa altura do show, com o baterista precisando ser abanado pelo roadie da casa, mas sem perder o seu ritmo. Foi a verdadeira sauna punk que o titulo desta turnê sugere. Com mais de uma hora de show a banda foi até onde conseguiu ir bravamente com muita competência, sinceridade e entrega.

Foi um dos melhores shows já vistos pelo Portal Soterorockpolitano em uma noite muito divertida e boa demais. Quem pôde ir viu que valeu a pena e quem não foi, vai ter que se contentar em ouvir as histórias de quem foi. Tenho certeza que já têm várias sendo contadas por aí e todas elas bem épicas.

*Matéria originalmente publicada em 17/04/2015

Popular Posts

"Carnaval, carnaval, carnaval / Fico tão triste quando chega o carnaval" Por Sérgio Moraes

Com uma sonoridade ímpar desde os idos de 1985, a Banda Organoclorados (Alagoinhas-Bahia), Lançou seu mais recente vídeo “No Carnaval a Gente Esquece”. Você pode ouvir nas plataformas de vídeo espalhadas pela web ou aqui! 



O vídeo faz um paralelo visual da vida cotidiana, euforia e desespero se misturando na obscuridade dos dias turbulentos que vivemos. Misturando imagens de alegria (num simples passeio pela calçadão das ruas com a banda) e desilusões diárias (Coquetel Molotov e afins). A sonoridade blues-Rock da canção é bem vinda, pois, a participação especial de Lucas Costa na gaita harmônica abrilhanta ainda mais as imagens e a sonoridade de “No Carnaval a Gente Esquece”.
Veja e tire suas próprias conclusões deste belo vídeo, letra e composição dos cinco caras!
Organoclorados é: Alan Gustavo - guitarra; André G - baixo; Artur W - guitarra e voz; Joir Rocha - bateria; Roger Silva - teclados.
Título: Trecho da letra de Luiz Melodia “Quando o Carnaval Chegou.”

Tem muito som no tabuleiro do rock aqui na Bahia. Por Leonardo Cima.

Depois do nosso hiato no ano de 2018, retomamos às nossas atividades aqui no site em 2019. É bem verdade que escrevemos menos do que esperávamos e pretendíamos, porém continuamos observando o que acontecia na cena ao longo desses doze meses que se passaram. Bastante som foi lançado, várias propostas sonoras diferentes ganharam a luz do dia e mantiveram esse ano como os seus antecessores: agitado em volume e em alta qualidade de produção.
Teve banda/artista apostando em single, ou fazendo as suas primeiras investidas solo, projetos musicais saindo do papel, banda lançando novidade depois de muito tempo sem disponibilizar um novo trabalho, ou seja, uma considerável quantidade de impulsos motivadores levaram à todas essas novidades da cena rocker da Bahia.
Então, resolvi fazer essas micro resenhas para compensar a minha baixa frequência por aqui pelo site no ano que passou e para fazer justiça com esses lançamentos, trazendo alguns títulos nessa matéria. Mas, frisando, essa não é uma lista…

Depois do inferno...Tem outro Inferno...Por Sérgio Moraes

Ouvir bandas novas já faz parte da rotina de quem faz este site acontecer. Há quem duvide e não acredite que escutamos tudo atentamente, letra por letra, acorde por acorde. Nosso trampo é sério porque amamos tudo isso. 
Amo mais ainda quando alguns amigos voltam do inferno com boas novas. É o caso da banda D.D.I (Depois do Inferno), projeto novo de André Jegue (que mantem sozinho o projeto “Funciona Face” e Ex-integrante da não tão distante BR-64) e também André Batista – Bateria, Rodrigo Magalhães - Contrabaixo Mateus Galvão – Guitarra. Todos remanescentes de outras bandas da cidade. 
A DDI nasce com uma identidade própria já marcada pelos trabalhos anteriores dos caras, o que me deixa bastante contente. Quando André Jegue se dedica a cantar Hardcore seus vocais ficam lindos e agressivos não devendo nada a bandas como Dead Fish (Referência relevante do gênero). 
A D.D.I liberou duas ótimas músicas do seu próximo trabalho, “Depois do Inferno” e “Facada do Cão”, (Ouça as duas!). Ambas…