Pular para o conteúdo principal

Ainda como antes, mas já pensando fora da caixa.*


            As vezes, quando se escuta uma canção, não é necessário muito esforço para viajar para o passado. Isso pode ocorrer por conta da memoria afetiva em relação a obra, ou simplesmente pelas referencias que ficam explicitas em um trabalho artístico musical. Isso não chega a ser algo negativo e depende muito de quem escuta para dizer se isso é bom, ou se é ruim. O fato é que o novo EP dos baianos da HAO faz uma verdadeira viajem no tempo por meio dessas canções recém lançadas.

            A Imoralidade das Rosas possui seis faixas cheias de energia jovial e são envoltas por uma neblina espessa e carregada do clima das bandas californianas e das demais localidades bombadas do rock no hemisfério norte, lá pelos idos do inicio dos anos 1990. Em alguns momentos se pode fechar os olhos e sentir essa atmosfera um tanto quanto presente e aguçando os sentidos.

            O disco começa com Intro (fire flying flowers), e como o titulo já sugere, é uma introdução viajada, com texturas de guitarra que parece emular a aproximação de um OVNI em uma área remota e que decide pairar sobre a casa onde o individuo se encontra escutando o cd. Ela não aponta a direção que o disco vai tomar, mas é um bom começo. I will Save Me traz a banda ainda com um pé dentro do seu EP de estréia, com o violão já dando as caras por aqui. Com influencia forte de Blind Melon nos arranjos e nos vocais, a faixa tem um ótimo solo e um desfecho psicodélico dentro de uma boa viagem. What You Fell começa swingada e bem influenciada pelo funk rock californiano do verão do ano de 1991, algo bem familiar para ouvidos atentos que já se antenavam desde aquela época. Explosões interessantes no meio da canção e uma boa guitarra com pedal wah wah dá uma sensação ondular, sinuosa, que conduz bem o final da canção.

Groova Lua é primeira das três das faixas cantadas em português desse trabalho. Ela começa óbvia, com um rock surfista praieiro desgastado por bandas como O Surto e Charlie Brown Jr., mas surpreende em alguns momentos, com balanço e bom uso dos vocais rasgados. Mais uma vez, a sequencia final da canção empolga com boas viradas de bateria e coral de vozes dos seus versos finais. Lambada D'outr'eu tem uma energia raivosa, com punch na bateria, solos de guitarra bem dedilhada e uma mistura musical que passeia entre a psicodelia do primeiro disco do Pearl Jam e obscuridades do Pink Floyd. Maya é a cereja do bolo de A Imoralidade das Rosas. É o melhor momento do disco, ela é grande, poética e bonita, com um violão flamenco se sobressaindo à levada triste, porem vívida, dos outros instrumentos da banda. Nos momentos em que o violão trabalha sozinho, a faixa ganha um ar de mistério e instiga o ouvinte, que consegue muito bem imaginar imagens sobrepostas e dessincronizadas de uma bela dama dançando, girando e sorrindo dentro de sua cabeça. Nota-se que houve um cuidado maior no trato dessa trilha, muito por se diferenciar das demais em vários aspectos. Talvez seja esse o caminho que eles provavelmente sigam adiante. É uma faixa épica, que merece uma atenção especial e que pode surpreender os ouvidos casuais e os mais apurados.


            Neste novo trabalho a HAO se mantêm em um mesmo nível de qualidade sonora em relação ao seu disco anterior. Se pode notar que há uma expansão no conhecimento musical dos rapazes que, mesmo com os dois pés fortemente fincados no rock norte americano noventista já se arriscam musicalmente em outras vertentes, apontando para direções interessantes, pensando mais fora da caixa. Se percebe também que a banda manteve elementos que funcionaram antes, como os solos de guitarra e o diálogo da cozinha. Os vocais estridentes, algumas vezes demasiados, poderiam ser repensados e amadurecidos para uma próxima oportunidade e o saxofone fez falta na gravação. A Imoralidade das Rosas instiga, é um bom EP e planta o questionamento no ouvinte: o que será que virá da HAO daqui para frente?


*Matéria originalmente publicada em 05/11/2015.

Popular Posts

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava

Sexto guia de singles de bandas baianas. Por Leonardo Cima.

Mais uma vez o Portal SoteroRock traz a sua lista de singles de bandas e artistas baianos, lançados ao longo desse período pandêmico no qual nos encontramos neste 2020. Para essa ocasião, a diversidade ainda marca uma forte presença nessa seleta. Rock, pop, metal, eletrônico, folk e o grande leque que se abre a partir desses gêneros vão aparecer para você aqui enquanto faz a sua leitura. Então, abra a sua mente, saiba um pouco sobre cada um dos trabalhos citados aqui, siga cada um nas redes sociais (se possível, é claro!) e, óbvio, escute as canções!! Se você acha que faltou algum artista/banda aqui nessa matéria, mande uma mensagem inbox pelo nosso perfil do Instagram, que iremos escutar! Midorii Kido - Sou o que Sou Para quem acha que o rock já se esgotou em termos de abraçar minorias e até mesmo acredita que é conservador, este primeiro single da drag queen Midorii Kido é um tapa na face daqueles que professam dessa maneira contra o gênero. Sou o que Sou é um rock forte,

O garage noir da The Futchers. Por Leonardo Cima.

Nesses últimos dois meses, o selo SoteroRec teve a honra e a felicidade de lançar na sua série Retro Rocks, os trabalhos de uma das bandas mais interessantes que a cena local já teve e que, infelizmente, não teve uma projeção devidamente extensa. Capitaneada por Rodrigo "Sputter" Chagas (vocal da The Honkers), a The Futchers foi a sua banda paralela idealizada e montada por ele próprio no final do ano de 2006. A propósito, o nome Futchers vem inspirado da dislexia do compositor britânico Billy Childish, que escreve as palavras da mesma maneira que as fala. Ele, ao lado de mais quatro integrantes, também de bandas locais da época, começaram os ensaios com uma proposta sonora voltada mais para o mood e o garage rock, se distanciando um pouco dos seus respectivos trabalhos nos grupos anteriores. Relembrando um pouco daquele período e como observador, esse "peso" de não ter que se repetir musicalmente recaía um pouco mais sobre Rodrigo. Não que houvesse isso