Pular para o conteúdo principal

Ainda como antes, mas já pensando fora da caixa.*


            As vezes, quando se escuta uma canção, não é necessário muito esforço para viajar para o passado. Isso pode ocorrer por conta da memoria afetiva em relação a obra, ou simplesmente pelas referencias que ficam explicitas em um trabalho artístico musical. Isso não chega a ser algo negativo e depende muito de quem escuta para dizer se isso é bom, ou se é ruim. O fato é que o novo EP dos baianos da HAO faz uma verdadeira viajem no tempo por meio dessas canções recém lançadas.

            A Imoralidade das Rosas possui seis faixas cheias de energia jovial e são envoltas por uma neblina espessa e carregada do clima das bandas californianas e das demais localidades bombadas do rock no hemisfério norte, lá pelos idos do inicio dos anos 1990. Em alguns momentos se pode fechar os olhos e sentir essa atmosfera um tanto quanto presente e aguçando os sentidos.

            O disco começa com Intro (fire flying flowers), e como o titulo já sugere, é uma introdução viajada, com texturas de guitarra que parece emular a aproximação de um OVNI em uma área remota e que decide pairar sobre a casa onde o individuo se encontra escutando o cd. Ela não aponta a direção que o disco vai tomar, mas é um bom começo. I will Save Me traz a banda ainda com um pé dentro do seu EP de estréia, com o violão já dando as caras por aqui. Com influencia forte de Blind Melon nos arranjos e nos vocais, a faixa tem um ótimo solo e um desfecho psicodélico dentro de uma boa viagem. What You Fell começa swingada e bem influenciada pelo funk rock californiano do verão do ano de 1991, algo bem familiar para ouvidos atentos que já se antenavam desde aquela época. Explosões interessantes no meio da canção e uma boa guitarra com pedal wah wah dá uma sensação ondular, sinuosa, que conduz bem o final da canção.

Groova Lua é primeira das três das faixas cantadas em português desse trabalho. Ela começa óbvia, com um rock surfista praieiro desgastado por bandas como O Surto e Charlie Brown Jr., mas surpreende em alguns momentos, com balanço e bom uso dos vocais rasgados. Mais uma vez, a sequencia final da canção empolga com boas viradas de bateria e coral de vozes dos seus versos finais. Lambada D'outr'eu tem uma energia raivosa, com punch na bateria, solos de guitarra bem dedilhada e uma mistura musical que passeia entre a psicodelia do primeiro disco do Pearl Jam e obscuridades do Pink Floyd. Maya é a cereja do bolo de A Imoralidade das Rosas. É o melhor momento do disco, ela é grande, poética e bonita, com um violão flamenco se sobressaindo à levada triste, porem vívida, dos outros instrumentos da banda. Nos momentos em que o violão trabalha sozinho, a faixa ganha um ar de mistério e instiga o ouvinte, que consegue muito bem imaginar imagens sobrepostas e dessincronizadas de uma bela dama dançando, girando e sorrindo dentro de sua cabeça. Nota-se que houve um cuidado maior no trato dessa trilha, muito por se diferenciar das demais em vários aspectos. Talvez seja esse o caminho que eles provavelmente sigam adiante. É uma faixa épica, que merece uma atenção especial e que pode surpreender os ouvidos casuais e os mais apurados.


            Neste novo trabalho a HAO se mantêm em um mesmo nível de qualidade sonora em relação ao seu disco anterior. Se pode notar que há uma expansão no conhecimento musical dos rapazes que, mesmo com os dois pés fortemente fincados no rock norte americano noventista já se arriscam musicalmente em outras vertentes, apontando para direções interessantes, pensando mais fora da caixa. Se percebe também que a banda manteve elementos que funcionaram antes, como os solos de guitarra e o diálogo da cozinha. Os vocais estridentes, algumas vezes demasiados, poderiam ser repensados e amadurecidos para uma próxima oportunidade e o saxofone fez falta na gravação. A Imoralidade das Rosas instiga, é um bom EP e planta o questionamento no ouvinte: o que será que virá da HAO daqui para frente?


*Matéria originalmente publicada em 05/11/2015.

Popular Posts

O melhor do que eu não escrevi no Portal Soterorock em 2018. Por Leo Cima.

Neste ano de 2018 o Portal Soterorock resolveu tirar alguns dias de folga. Algo próximo a trezentos e sessenta e cinco dias, quase um ano, é verdade. Porém, é fato que, depois de dez anos cobrindo a cena roqueira local, com textos ou podcasts, sem incentivo financeiro algum, o site decidiu que seria o momento certo para dar um tempinho nas atividades daqui, para priorizar e atender a outras demandas não menos importantes. Mas, mesmo distante das publicações, nos mantivemos atentos ao movimento do cenário, observando quem se manteve atuante, seja em estúdio, ou nos palcos.
Muita coisa aconteceu este ano na cena rocker da Bahia, desde discos lançados até uma boa frequência regular de shows na capital baiana, mesmo com um número cada vez menor de casas que recebe o gênero por aqui. E é esse segundo item que ganhará destaque aqui nesta matéria, em uma outra oportunidade falarei sobres os lançamentos baianos de 2018, vamos com calma. O fato é que, fazendo visitas a eventos, seja como um pag…

“As Dez Caras do Rock Baiano” com Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute)

Chegando ao final da sua primeira fase, a série “As Dez Caras do Rock Baiano” traz em sua quinta entrevista uma das grandes personalidades já presente na cena local há muitos anos: o vocalista da The Honkers, Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute, como preferir). Nessa conversa, que foi uma das mais longas e intrigantes dessa série e realizada na época da volta da banda aos palcos soteropolitanos, Rodrigo falou sobre o que chama a sua atenção no cenário, o cuidado que um artista têm que tomar com a sua própria arte, como a quantidade de informação influencia no jeito raso de ser do novo roqueiro e sobre as intenções para o futuro da The Honkers, além de se mostrar como um autor de livros de auto ajuda em potencial. Você já sabe, se ajeite com firmeza na cadeira e embarque nessa entrevista dessa grande figura do rock da Bahia. 
SRP - Como foi ficar um ano longe da The Honkers? 

Rodrigo Chagas - Zorra... Normal, hehe. Cansei na sétima música. 

SRP – O que achou do retorno da The Honkers aos pa…

Série “As DEZ Caras do Rock Baiano” - Com Caroline Lima, (Voz na Chá de Pensamentos), apresentando "Kansu" o seu mais novo projeto!

A série “As 10 Caras do Rock Baiano” traz desta vez Caroline Lima, integrante do projeto experimental de música e arte Kansu Project , duo que conta também com Sérgio da Mata dividindo as composições. Na última quinta feira (28/03/2013), ás 22:30, foi lançado na página da Kansu Project no facebook o remix de “A Little Bit of Me”, seu primeiro single e, nesse ótimo papo descontraído e espontâneo, Caroline nos falou sobre o interessante processo de produção e gravação das músicas da dupla, suas influências e suas impressões sobre a cena local. Então se ajeite em sua cadeira, aproveite a entrevista, dê um curtir na página do grupo e “FEEL FREE”. 
SRP – O que é a Kansu Project, é um duo? E o que sgnifica? 
Caroline Lima - É um duo sim. Sou eu e Sergio da Mata, meu amigo de adolescência. Sobre o significado... foi a junção dos nomes de personagens de livros que escrevemos em 2002, também é o nome de uma província da China e o nome deriva desse idioma...alguns traduzem como "orquídea&quo…