Pular para o conteúdo principal

Ainda como antes, mas já pensando fora da caixa.*


            As vezes, quando se escuta uma canção, não é necessário muito esforço para viajar para o passado. Isso pode ocorrer por conta da memoria afetiva em relação a obra, ou simplesmente pelas referencias que ficam explicitas em um trabalho artístico musical. Isso não chega a ser algo negativo e depende muito de quem escuta para dizer se isso é bom, ou se é ruim. O fato é que o novo EP dos baianos da HAO faz uma verdadeira viajem no tempo por meio dessas canções recém lançadas.

            A Imoralidade das Rosas possui seis faixas cheias de energia jovial e são envoltas por uma neblina espessa e carregada do clima das bandas californianas e das demais localidades bombadas do rock no hemisfério norte, lá pelos idos do inicio dos anos 1990. Em alguns momentos se pode fechar os olhos e sentir essa atmosfera um tanto quanto presente e aguçando os sentidos.

            O disco começa com Intro (fire flying flowers), e como o titulo já sugere, é uma introdução viajada, com texturas de guitarra que parece emular a aproximação de um OVNI em uma área remota e que decide pairar sobre a casa onde o individuo se encontra escutando o cd. Ela não aponta a direção que o disco vai tomar, mas é um bom começo. I will Save Me traz a banda ainda com um pé dentro do seu EP de estréia, com o violão já dando as caras por aqui. Com influencia forte de Blind Melon nos arranjos e nos vocais, a faixa tem um ótimo solo e um desfecho psicodélico dentro de uma boa viagem. What You Fell começa swingada e bem influenciada pelo funk rock californiano do verão do ano de 1991, algo bem familiar para ouvidos atentos que já se antenavam desde aquela época. Explosões interessantes no meio da canção e uma boa guitarra com pedal wah wah dá uma sensação ondular, sinuosa, que conduz bem o final da canção.

Groova Lua é primeira das três das faixas cantadas em português desse trabalho. Ela começa óbvia, com um rock surfista praieiro desgastado por bandas como O Surto e Charlie Brown Jr., mas surpreende em alguns momentos, com balanço e bom uso dos vocais rasgados. Mais uma vez, a sequencia final da canção empolga com boas viradas de bateria e coral de vozes dos seus versos finais. Lambada D'outr'eu tem uma energia raivosa, com punch na bateria, solos de guitarra bem dedilhada e uma mistura musical que passeia entre a psicodelia do primeiro disco do Pearl Jam e obscuridades do Pink Floyd. Maya é a cereja do bolo de A Imoralidade das Rosas. É o melhor momento do disco, ela é grande, poética e bonita, com um violão flamenco se sobressaindo à levada triste, porem vívida, dos outros instrumentos da banda. Nos momentos em que o violão trabalha sozinho, a faixa ganha um ar de mistério e instiga o ouvinte, que consegue muito bem imaginar imagens sobrepostas e dessincronizadas de uma bela dama dançando, girando e sorrindo dentro de sua cabeça. Nota-se que houve um cuidado maior no trato dessa trilha, muito por se diferenciar das demais em vários aspectos. Talvez seja esse o caminho que eles provavelmente sigam adiante. É uma faixa épica, que merece uma atenção especial e que pode surpreender os ouvidos casuais e os mais apurados.


            Neste novo trabalho a HAO se mantêm em um mesmo nível de qualidade sonora em relação ao seu disco anterior. Se pode notar que há uma expansão no conhecimento musical dos rapazes que, mesmo com os dois pés fortemente fincados no rock norte americano noventista já se arriscam musicalmente em outras vertentes, apontando para direções interessantes, pensando mais fora da caixa. Se percebe também que a banda manteve elementos que funcionaram antes, como os solos de guitarra e o diálogo da cozinha. Os vocais estridentes, algumas vezes demasiados, poderiam ser repensados e amadurecidos para uma próxima oportunidade e o saxofone fez falta na gravação. A Imoralidade das Rosas instiga, é um bom EP e planta o questionamento no ouvinte: o que será que virá da HAO daqui para frente?


*Matéria originalmente publicada em 05/11/2015.

Popular Posts

Tem muito som no tabuleiro do rock aqui na Bahia. Por Leonardo Cima.

Depois do nosso hiato no ano de 2018, retomamos às nossas atividades aqui no site em 2019. É bem verdade que escrevemos menos do que esperávamos e pretendíamos, porém continuamos observando o que acontecia na cena ao longo desses doze meses que se passaram. Bastante som foi lançado, várias propostas sonoras diferentes ganharam a luz do dia e mantiveram esse ano como os seus antecessores: agitado em volume e em alta qualidade de produção.
Teve banda/artista apostando em single, ou fazendo as suas primeiras investidas solo, projetos musicais saindo do papel, banda lançando novidade depois de muito tempo sem disponibilizar um novo trabalho, ou seja, uma considerável quantidade de impulsos motivadores levaram à todas essas novidades da cena rocker da Bahia.
Então, resolvi fazer essas micro resenhas para compensar a minha baixa frequência por aqui pelo site no ano que passou e para fazer justiça com esses lançamentos, trazendo alguns títulos nessa matéria. Mas, frisando, essa não é uma lista…

Discoteca Básica Soterorock Apresenta: Entre 4 Paredes

Dando continuidade na nossa maratona especial da quarta edição do Soterorock Sessions, aqui vai mais uma postagem da série Discoteca Básica Soterorock Apresenta. Dessa vez, trazendo mais uma atração do nosso evento, a banda Entre 4 Paredes. Com diversas influências musicais, que vão do pop rock, até o post punk, passando pelo rock nacional e o gótico, o sexteto traz para essa matéria bons sons que merecem uma audição mais atenta e, junto a eles, as suas relações com cada um desses discos. Pegue carona nas dicas do grupo e deguste cada segundo musical dessa lista!
David Vertigo (tecladista)
Suicide - Suicide


O disco que inventou o cyberpunk antes dele existir. O trabalho de estreia homônino da dupla Suicide (Alan Vega nos vocais e Martin Rev no sintetizador) mostra da forma mais crua possível o que bandas de Industrial, EBM e afins só exibiriam décadas mais tarde:  niilismo, subversão, falta de esperança, ódio, inconformismo... Com timbres minimalistas, baterias repetitivas, vocais nonse…

"Carnaval, carnaval, carnaval / Fico tão triste quando chega o carnaval" Por Sérgio Moraes

Com uma sonoridade ímpar desde os idos de 1985, a Banda Organoclorados (Alagoinhas-Bahia), Lançou seu mais recente vídeo “No Carnaval a Gente Esquece”. Você pode ouvir nas plataformas de vídeo espalhadas pela web ou aqui! 



O vídeo faz um paralelo visual da vida cotidiana, euforia e desespero se misturando na obscuridade dos dias turbulentos que vivemos. Misturando imagens de alegria (num simples passeio pela calçadão das ruas com a banda) e desilusões diárias (Coquetel Molotov e afins). A sonoridade blues-Rock da canção é bem vinda, pois, a participação especial de Lucas Costa na gaita harmônica abrilhanta ainda mais as imagens e a sonoridade de “No Carnaval a Gente Esquece”.
Veja e tire suas próprias conclusões deste belo vídeo, letra e composição dos cinco caras!
Organoclorados é: Alan Gustavo - guitarra; André G - baixo; Artur W - guitarra e voz; Joir Rocha - bateria; Roger Silva - teclados.
Título: Trecho da letra de Luiz Melodia “Quando o Carnaval Chegou.”