Ainda como antes, mas já pensando fora da caixa.*


            As vezes, quando se escuta uma canção, não é necessário muito esforço para viajar para o passado. Isso pode ocorrer por conta da memoria afetiva em relação a obra, ou simplesmente pelas referencias que ficam explicitas em um trabalho artístico musical. Isso não chega a ser algo negativo e depende muito de quem escuta para dizer se isso é bom, ou se é ruim. O fato é que o novo EP dos baianos da HAO faz uma verdadeira viajem no tempo por meio dessas canções recém lançadas.

            A Imoralidade das Rosas possui seis faixas cheias de energia jovial e são envoltas por uma neblina espessa e carregada do clima das bandas californianas e das demais localidades bombadas do rock no hemisfério norte, lá pelos idos do inicio dos anos 1990. Em alguns momentos se pode fechar os olhos e sentir essa atmosfera um tanto quanto presente e aguçando os sentidos.

            O disco começa com Intro (fire flying flowers), e como o titulo já sugere, é uma introdução viajada, com texturas de guitarra que parece emular a aproximação de um OVNI em uma área remota e que decide pairar sobre a casa onde o individuo se encontra escutando o cd. Ela não aponta a direção que o disco vai tomar, mas é um bom começo. I will Save Me traz a banda ainda com um pé dentro do seu EP de estréia, com o violão já dando as caras por aqui. Com influencia forte de Blind Melon nos arranjos e nos vocais, a faixa tem um ótimo solo e um desfecho psicodélico dentro de uma boa viagem. What You Fell começa swingada e bem influenciada pelo funk rock californiano do verão do ano de 1991, algo bem familiar para ouvidos atentos que já se antenavam desde aquela época. Explosões interessantes no meio da canção e uma boa guitarra com pedal wah wah dá uma sensação ondular, sinuosa, que conduz bem o final da canção.

Groova Lua é primeira das três das faixas cantadas em português desse trabalho. Ela começa óbvia, com um rock surfista praieiro desgastado por bandas como O Surto e Charlie Brown Jr., mas surpreende em alguns momentos, com balanço e bom uso dos vocais rasgados. Mais uma vez, a sequencia final da canção empolga com boas viradas de bateria e coral de vozes dos seus versos finais. Lambada D'outr'eu tem uma energia raivosa, com punch na bateria, solos de guitarra bem dedilhada e uma mistura musical que passeia entre a psicodelia do primeiro disco do Pearl Jam e obscuridades do Pink Floyd. Maya é a cereja do bolo de A Imoralidade das Rosas. É o melhor momento do disco, ela é grande, poética e bonita, com um violão flamenco se sobressaindo à levada triste, porem vívida, dos outros instrumentos da banda. Nos momentos em que o violão trabalha sozinho, a faixa ganha um ar de mistério e instiga o ouvinte, que consegue muito bem imaginar imagens sobrepostas e dessincronizadas de uma bela dama dançando, girando e sorrindo dentro de sua cabeça. Nota-se que houve um cuidado maior no trato dessa trilha, muito por se diferenciar das demais em vários aspectos. Talvez seja esse o caminho que eles provavelmente sigam adiante. É uma faixa épica, que merece uma atenção especial e que pode surpreender os ouvidos casuais e os mais apurados.


            Neste novo trabalho a HAO se mantêm em um mesmo nível de qualidade sonora em relação ao seu disco anterior. Se pode notar que há uma expansão no conhecimento musical dos rapazes que, mesmo com os dois pés fortemente fincados no rock norte americano noventista já se arriscam musicalmente em outras vertentes, apontando para direções interessantes, pensando mais fora da caixa. Se percebe também que a banda manteve elementos que funcionaram antes, como os solos de guitarra e o diálogo da cozinha. Os vocais estridentes, algumas vezes demasiados, poderiam ser repensados e amadurecidos para uma próxima oportunidade e o saxofone fez falta na gravação. A Imoralidade das Rosas instiga, é um bom EP e planta o questionamento no ouvinte: o que será que virá da HAO daqui para frente?


*Matéria originalmente publicada em 05/11/2015.
Share:

Online

Bandas

32 Dentes 4 Discos de Rock Baiano 4ª Ligação A Flauta Vértebra Aborígines Acanon Ádamas Almas Mortas Amor Cianeto André dias André L. R. Mendes Anelis Assumpção Antiporcos Apanhador Só Aphorism Aqui tem Rock Baiano Aurata Awaking Baiana System Bauhaus Bilic Black Sabbath Blessed in Fire Blue in the Face Boogarins Búfalos Vermelhos e a Orquestra de Elefantes Buster Calafrio Callangazoo Carburados Rock Motor Cardoso Filho Carne Doce Cartel Strip Club Cascadura Casillero Céu Charles Bukowski Charlie Chaplin Chuva Negra Cidadão Instigado Circo de Marvin Circo Litoral Cólera Dão David Bowie Declinium Derrube o Muro Desafio Urbano Desrroche Destaques dez caras do rock Documentário Downloads Du Txai e Os Indizíveis Duda Spínola Enio Entrevistas Erasy Eric Assmar Espúria Eva Karize Exoesqueleto Festival Festival Soterorock Filipe Catto Free?Gobar Fresno Fridha Funcionaface Game Over Riverside Giovani Cidreira HAO Heavy Lero Hellbenders Ifá Incubadora Sonora Ingrena Invena Inventura Irmão Carlos Ironbound Jack Doido Jackeds Jardim do Silêncio Jato Invisível Kalmia Kazagastão KZG Lançamentos Latromodem Leandro Pessoa Lee Ranaldo Limbo Lírio Lo Han Locomotiva Mad Monkees Madame Rivera Mais uma Cara do Rock Baiano MAPA Marcia Castro Maria Bacana Maus Elementos Messias Modus Operandi Motherfucker Mulheres Q Dizem Sim Murilo Sá Nalini Vasconcelos Neurática Not Names Novelta O Quadro O Terno Old Stove Olhos Para o Infinito Órbita Móbile Organoclorados Os Canalhas Os Elefantes Elegantes Os Jonsóns Os Tios Overfuzz Ozzmond palco do rock Pancreas Pastel de Miolos Pesadelo Pirombeira Pitty Portal Pós-punk Prime Squad Programas Quadrinhos Rattle Resenha de discos Resenha do cd Resenhas Reverendo T Reverento T Rivermann Rock Rock Baiano Rock Baiano em Alta Rock de camaçari Ronco Scambo Show Shows Shows. Cascadura Siba Singles Soft Porn Som do Som Sons que Ecoam Squadro Subaquático Super Amarelo Surrmenage Tangente Teenage Buzz Tentrio Test The Baggios The Cross The Honkers The Pivos Theatro de Seraphin Thrunda Titãs Tony Lopes Tsunami Universo Variante Úteros em Fúria Vamoz! Van der Vous Vende-$e Vivendo do Ócio Wado Wander Wildner Weise Wry

Matérias

Antigas

Mais Populares

Resenhas