Pular para o conteúdo principal

Ao ponto e adiante.*


Um trabalho como este, lançado neste ano de 2016, não poderia passar despercebido aqui no Portal Soterorock. O disco em questão traz à tona, mais uma vez, o trabalho musical de um artista bastante atuante e presente na cena baiana (seja no palco, ou fora dele), e evidencia a sua qualidade quanto compositor, letrista e músico de primeira linha. Em seu segundo EP, Direto ao Ponto, Duda Spínola traz consigo uma boa quantidade da sua ótima percepção musical e acerta em seu resultado final.

Ao longo das nove faixas do cd, o cantor e compositor diversifica sem atirar para qualquer lado em suas canções, mirando justamente no que vê e, assim, criando uma unidade sólida e consistente dentro do seu universo. Composto por cinco canções inéditas, mais três do seu primeiro trabalho e mais uma lançada recentemente na coletânea Outro Jeito – Da Bahia Para o Mundo, Duda mostra também o quanto é competente dentro do estúdio, uma vez que ao vivo o seu desempenho chama a atenção pela sua técnica apurada junto a sua banda.

O disco abre com Quem é Você, faixa que segue um hard rock suave com refrão grudento e bom solo de guitarra, um aquecimento adequado para Sozinho no Universo, que surge mais vigorosa com guitarra de presença e cozinha idem. Com uma letra um tanto quanto existencial, ou que apenas mostra os dilemas da vida de um indivíduo que pode ser eu ou você, ela é frenética da maneira dela e passa uma certa urgência em seu conjunto. A terceira canção é o blues rock Ele e Ela. Muito bem equilibrada entre estes dois gêneros, ela conta a história de dois amantes que aparentemente não iriam se dar bem, mas que as boas surpresas da vida também acabam conspirando para as pessoas. O seu groove marca bem essa saga. Em Não me Diga Não, um teclado marca uma presença forte na trilha e a conduz a um refrão forte e certeiro. O solo de guitarra nela é poderosíssimo! Palavra é uma balada de mão cheia, com letra inspirada e melodia digna dos bons arranjos que possui. A guitarra com um efeito tremolo na medida certa, riffs apropriados, baixo e bateria com sonoridades que casam perfeitamente com a melodia dão um clima de anoitecer e reflexão ao lado da sua letra. É uma verdadeira pérola!

Espelho, música inclusa na coletânea já citada por aqui e primeira extra do Direto ao Ponto, se adéqua bem ao contexto da obra, muito pelo fato dela ser contemporânea às cinco anteriores. Um pouco mais pesada, ela não foge da sonoridade das que vieram antes dela e mantem a boa sequência das composições. O caminho para o final do disco é feito com mais três faixas bônus, todas extraídas do seu debut e são elas: Ponto Final, A Vida me Chama Lá Fora e A Vida Disse Não. Utilizar canções de discos anteriores em um novo trabalho é um risco que muito artista corre quando o faz. É 50/50 de dar certo ou errado, mas aqui, neste caso, deu muito certo e não comprometeu o desempenho do EP. Spínola soube escolher muito bem as canções bônus que entraram no cd. Mesmo com uma sonoridade um pouco diferente, ambas possuem qualidade e se aproximam muito das canções compostas exclusivamente para este disco.


Direto ao Ponto mostra com muita nitidez o caminho escolhido pelo compositor para seguir em sua carreira. Registro muito bem feito de um artista competente e carismático. Retorno a dizer que no disco e ao vivo ele mostra a sua competência como compositor, cantor e guitarrista, elementos raros de se encontrar em uma pessoa só. A forte influência de BRock em sua música, assim como o southern hard rock e seus companheiros de banda (claro), ajudam ele a moldar a sua identidade musical com muita personalidade. Há um bom caminho a ser trilhado pelo Duda Spínola e esse é um dos pontos significativos da sua trajetória. 


*Matéria originalmente publicada em 19/11/2016.

Popular Posts

Resenha: Revista Ozadia, número zero.

Sou um apreciador recente de quadrinhos, e já há algum tempo venho acompanhando o que vem sendo feito de bom neste ramo e fico salivando por novidades dos meus autores preferidos. Ao mesmo tempo que, assim como no rock, é muito bom saber que há uma movimentação local na produção de HQ’s e que essas produções saem de mãos talentosas e possuidoras de uma liberdade criativa que se iguala à música que aprecio. A mais recente novidade é a edição de número zero da revista Ozadia, que é uma compilação de cinco histórias eróticas escritas pelas mãos de sete quadrinistas e roteiristas daqui da Bahia. Lançada com o apoio do selo Quadro a Quadro e ganhando popularidade a cada dia que passa, a revista tem dois aspectos importantes para ser lida mais de uma vez: uma ótima fluência no seu texto e traços inspiradíssimos de seus desenhos. De Ricardo Cidade e Alex Lins, “Especimen” abre a Ozadia com uma ótima ficção cientifica pornográfica, onde a heroína sai em busca de coleta de amostras de um

As 10 Caras do Rock Baiano - Com a Banda Vômitos, "Punk Rock pra mendigo!"

O Portal Soterorockpolitano foi buscar na cidade de Barreiras os entrevistados da oitava entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano”, são eles o guitarrista Rick Rodriguez e o vocalista Tito Blasphemer, da banda Vômitos. Nessa entrevista eles falam sobre as condições da cena da sua cidade e do esforço para mante-la ativa, suas influências e a inspiração para as suas letras, além da repercussão do clipe da música “Facada”, que já chegou a mais de 3.000 visualizações no Youtube. Então, ajeite-se na sua cadeira e fique ligado para não tomar uma facada no bucho. Soterorockpolitano - Como e quando surgiu a banda? Rick Rodriguez - A banda surgiu em 2007, tínhamos um interesse em comum, que era o punk rock, e isso nos motivou a formar a banda na época, começamos tocando músicas dos Ramones, que era nossa banda preferida e logo em seguida começamos a compor, e ter nossas próprias músicas. Tito Blasphemer - Estávamos cansados da cena de nossa cidade, bandas que

4 Discos de Rock Baiano, a compilação das cinco publicações. Por Leonardo Cima.

Movidos pelo resgate da memória da cena independente da Bahia, no qual o selo SoteroRec tem feito com o Retro Rocks desde o inicio deste ano  e por todas as ações que o cenário também tem feito nesse sentido, decidimos trazer uma compilação especial do nosso site para você que nos acompanha.  Em 2017, o Portal Soterorock fez uma série de matérias que destacava alguns dos principais discos de rock lançados na Bahia ao longo dos anos. Essa série se chamava "4 Discos de Rock Baiano" e como o nome sugere, quatro discos eram referenciados nas matérias.  Foram ao todo cinco publicações com bandas/artistas de gerações distintas reunidas nesta coletânea.  Você vai encontrar aqui pontuações sobre as obras e o mais importante: o registro público sobre elas, para que possam ser revisitadas e referenciadas ao longo dos anos. Passar em branco é que não pode! O aspecto positivo de se visitar essas postagens é a de ver que a maioria das bandas e artistas citados nelas ainda estão em ativida