Pular para o conteúdo principal

Ao ponto e adiante.*


Um trabalho como este, lançado neste ano de 2016, não poderia passar despercebido aqui no Portal Soterorock. O disco em questão traz à tona, mais uma vez, o trabalho musical de um artista bastante atuante e presente na cena baiana (seja no palco, ou fora dele), e evidencia a sua qualidade quanto compositor, letrista e músico de primeira linha. Em seu segundo EP, Direto ao Ponto, Duda Spínola traz consigo uma boa quantidade da sua ótima percepção musical e acerta em seu resultado final.

Ao longo das nove faixas do cd, o cantor e compositor diversifica sem atirar para qualquer lado em suas canções, mirando justamente no que vê e, assim, criando uma unidade sólida e consistente dentro do seu universo. Composto por cinco canções inéditas, mais três do seu primeiro trabalho e mais uma lançada recentemente na coletânea Outro Jeito – Da Bahia Para o Mundo, Duda mostra também o quanto é competente dentro do estúdio, uma vez que ao vivo o seu desempenho chama a atenção pela sua técnica apurada junto a sua banda.

O disco abre com Quem é Você, faixa que segue um hard rock suave com refrão grudento e bom solo de guitarra, um aquecimento adequado para Sozinho no Universo, que surge mais vigorosa com guitarra de presença e cozinha idem. Com uma letra um tanto quanto existencial, ou que apenas mostra os dilemas da vida de um indivíduo que pode ser eu ou você, ela é frenética da maneira dela e passa uma certa urgência em seu conjunto. A terceira canção é o blues rock Ele e Ela. Muito bem equilibrada entre estes dois gêneros, ela conta a história de dois amantes que aparentemente não iriam se dar bem, mas que as boas surpresas da vida também acabam conspirando para as pessoas. O seu groove marca bem essa saga. Em Não me Diga Não, um teclado marca uma presença forte na trilha e a conduz a um refrão forte e certeiro. O solo de guitarra nela é poderosíssimo! Palavra é uma balada de mão cheia, com letra inspirada e melodia digna dos bons arranjos que possui. A guitarra com um efeito tremolo na medida certa, riffs apropriados, baixo e bateria com sonoridades que casam perfeitamente com a melodia dão um clima de anoitecer e reflexão ao lado da sua letra. É uma verdadeira pérola!

Espelho, música inclusa na coletânea já citada por aqui e primeira extra do Direto ao Ponto, se adéqua bem ao contexto da obra, muito pelo fato dela ser contemporânea às cinco anteriores. Um pouco mais pesada, ela não foge da sonoridade das que vieram antes dela e mantem a boa sequência das composições. O caminho para o final do disco é feito com mais três faixas bônus, todas extraídas do seu debut e são elas: Ponto Final, A Vida me Chama Lá Fora e A Vida Disse Não. Utilizar canções de discos anteriores em um novo trabalho é um risco que muito artista corre quando o faz. É 50/50 de dar certo ou errado, mas aqui, neste caso, deu muito certo e não comprometeu o desempenho do EP. Spínola soube escolher muito bem as canções bônus que entraram no cd. Mesmo com uma sonoridade um pouco diferente, ambas possuem qualidade e se aproximam muito das canções compostas exclusivamente para este disco.


Direto ao Ponto mostra com muita nitidez o caminho escolhido pelo compositor para seguir em sua carreira. Registro muito bem feito de um artista competente e carismático. Retorno a dizer que no disco e ao vivo ele mostra a sua competência como compositor, cantor e guitarrista, elementos raros de se encontrar em uma pessoa só. A forte influência de BRock em sua música, assim como o southern hard rock e seus companheiros de banda (claro), ajudam ele a moldar a sua identidade musical com muita personalidade. Há um bom caminho a ser trilhado pelo Duda Spínola e esse é um dos pontos significativos da sua trajetória. 


*Matéria originalmente publicada em 19/11/2016.

Popular Posts

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava

Sexto guia de singles de bandas baianas. Por Leonardo Cima.

Mais uma vez o Portal SoteroRock traz a sua lista de singles de bandas e artistas baianos, lançados ao longo desse período pandêmico no qual nos encontramos neste 2020. Para essa ocasião, a diversidade ainda marca uma forte presença nessa seleta. Rock, pop, metal, eletrônico, folk e o grande leque que se abre a partir desses gêneros vão aparecer para você aqui enquanto faz a sua leitura. Então, abra a sua mente, saiba um pouco sobre cada um dos trabalhos citados aqui, siga cada um nas redes sociais (se possível, é claro!) e, óbvio, escute as canções!! Se você acha que faltou algum artista/banda aqui nessa matéria, mande uma mensagem inbox pelo nosso perfil do Instagram, que iremos escutar! Midorii Kido - Sou o que Sou Para quem acha que o rock já se esgotou em termos de abraçar minorias e até mesmo acredita que é conservador, este primeiro single da drag queen Midorii Kido é um tapa na face daqueles que professam dessa maneira contra o gênero. Sou o que Sou é um rock forte,

O garage noir da The Futchers. Por Leonardo Cima.

Nesses últimos dois meses, o selo SoteroRec teve a honra e a felicidade de lançar na sua série Retro Rocks, os trabalhos de uma das bandas mais interessantes que a cena local já teve e que, infelizmente, não teve uma projeção devidamente extensa. Capitaneada por Rodrigo "Sputter" Chagas (vocal da The Honkers), a The Futchers foi a sua banda paralela idealizada e montada por ele próprio no final do ano de 2006. A propósito, o nome Futchers vem inspirado da dislexia do compositor britânico Billy Childish, que escreve as palavras da mesma maneira que as fala. Ele, ao lado de mais quatro integrantes, também de bandas locais da época, começaram os ensaios com uma proposta sonora voltada mais para o mood e o garage rock, se distanciando um pouco dos seus respectivos trabalhos nos grupos anteriores. Relembrando um pouco daquele período e como observador, esse "peso" de não ter que se repetir musicalmente recaía um pouco mais sobre Rodrigo. Não que houvesse isso