Pular para o conteúdo principal

Ao vivo, de perto, presente.*


Mais uma sexta feira e mais uma noite de Festival Soterorock. Foi o seu quinto dia, retornando ao The Other Place, em Brotas, para mais uma sequência do velho e ótimo rock autoral baiano. Admito que, como nas demais datas (nas anteriores a esta e as que ainda estão por vir), a minha curiosidade e ânsia por ver as bandas desta noite tocando de maneira confortável para elas e proporcionando um grande som para quem foi vê-las eram grandes. Até agora, o festival tem sido um ambiente de ótimas performances dos grupos e a expectativa, não só a minha, mas a de quem tem acompanhado os shows (seja pelas resenhas, fotos, chats e presencialmente), só faz aumentar de maneira positiva. Isso não é a toa, o cenário vive uma boa fase e é natural que se espere momentos bons a serem vivenciados em ocasiões como essa.

Na chegada ao The Other Place dava para perceber um bom clima emanando no local. Algumas pessoas já circulavam pela casa e a quantidade delas só fez aumentar no decorrer dos primeiros minutos da abertura dos portões do lugar até o início da primeira banda a se apresentar. De última hora, por conta de questões maiores, a Theatro de Seraphin não pôde se apresentar nesta noite, o que se levou a esticar um pouco o começo das atividades. Isso deu uma boa brecha para quem estava por lá para bater bons papos, tomar uma cerveja gelada, dar boas gargalhadas e ainda colocar em dia as diversas resenhas do show do Lee Ranaldo que aconteceu na noite anterior na capital baiana.

Abrindo a noite a banda Pancreas fez as honras da casa toando o seu punk rock com influências pop e BRock oitentista. Canções rápidas, outras pesadas, e também bem humoradas, muitas delas conhecidas de boa parte das pessoas que assistiam a performance do quarteto, deram o tom da presença dos rapazes no festival. Como forma de homenagem, o vocalista Shinna Voxzelicks trocou de “figurino” algumas vezes, vestindo camisas de diversas bandas da cena local e, inclusive, usou um chapéu de cangaceiro para cantar uma de suas músicas, Ela Gosta de Forró. No repertório também teve espaço para a sua versão de Help! e Remédio, da Jato Invisível, com direito a participação especial de Alex Costa nos vocais. O show foi crescendo em animação até a banda encerrá-lo com Eu Quero Você Pra Mim, onde teve gente pulando, gente quase mostrando a calcinha e gente aquecida para a noite toda. Depois, a Declinium veio direto de Camaçari para fazer o seu som imersivo. Imersivo em vários aspectos, inclusive na sua entrega total das suas composições e presença de palco. Detentores de um carisma imenso, o conjunto vive um dos seus melhores momentos da carreira, executando muito bem as suas músicas e fazendo o público presente cantar junto em vários momentos da sua performance. E não foi uma ou duas vezes, foram várias vezes. Fênix, Marte e a belíssima Calor são alguns bons exemplos disso, e cada uma delas seguidas de aplausos calorosos.

Outro fato interessante foi a presença de algumas músicas no seu setlist que eu ainda não conhecia ao vivo, mostrando as possibilidades que eles se permitem em seus shows. Como não poderia ser diferente, foi pedido bis e eles atenderam com uma ainda inédita, mas que vem sendo tocada com frequência por eles, Velho Homem. Foi bem bonito! Encerrando a noite, a Rivermann subiu ao palco do festival para fazer um som bem característico das guitar bands noventistas. Havia um bom tempo em que devia uma visita em um show dos rapazes e a espera valeu bem a pena.

A experiência ao vivo supera a qualidade que já existe em seu EP e singles, pois há bastante surpresa em sua performance. Músicas como Estilhaços (contando com a Sioux Costa nos vocais) e Vermes e Flores ganharam versões estendidas com bastante guitarra, bateria segura e baixo pulsante. A Presença de palco dos quatro transita entre a introspecção em seus instrumentos e a explosão em alguns momentos, com as guitarras bem altas no melhor estilo sonicyouthiano e em sincronia com os demais instrumentos. A apresentação do conjunto se encerrou com Ninguém É Tão Doce, um possível hit em potencial da cena local. Muito bom.


Todas as três bandas deste dia subiram com muita vontade ao palco do The Other Place e deram de bandeja ao ótimo público que compareceu por lá para prestigiar o Festival Soterorock excelentes apresentações, dignas de serem presenciadas de muito perto. Foi bom que muita gente viu e levou consigo na memória uma boa noite de rock autoral baiano de competência e qualidade inquestionável. Deu para ver isso no sorriso que cada um que estava ali carregava no rosto. Uma constatação recorrente dentro do festival. Cada um vendo e ouvindo o que gosta.


*Matéria originalmente publicada em 20/09/2016.

Popular Posts

Resenha: Revista Ozadia, número zero.

Sou um apreciador recente de quadrinhos, e já há algum tempo venho acompanhando o que vem sendo feito de bom neste ramo e fico salivando por novidades dos meus autores preferidos. Ao mesmo tempo que, assim como no rock, é muito bom saber que há uma movimentação local na produção de HQ’s e que essas produções saem de mãos talentosas e possuidoras de uma liberdade criativa que se iguala à música que aprecio. A mais recente novidade é a edição de número zero da revista Ozadia, que é uma compilação de cinco histórias eróticas escritas pelas mãos de sete quadrinistas e roteiristas daqui da Bahia. Lançada com o apoio do selo Quadro a Quadro e ganhando popularidade a cada dia que passa, a revista tem dois aspectos importantes para ser lida mais de uma vez: uma ótima fluência no seu texto e traços inspiradíssimos de seus desenhos. De Ricardo Cidade e Alex Lins, “Especimen” abre a Ozadia com uma ótima ficção cientifica pornográfica, onde a heroína sai em busca de coleta de amostras de um

As 10 Caras do Rock Baiano - Com a Banda Vômitos, "Punk Rock pra mendigo!"

O Portal Soterorockpolitano foi buscar na cidade de Barreiras os entrevistados da oitava entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano”, são eles o guitarrista Rick Rodriguez e o vocalista Tito Blasphemer, da banda Vômitos. Nessa entrevista eles falam sobre as condições da cena da sua cidade e do esforço para mante-la ativa, suas influências e a inspiração para as suas letras, além da repercussão do clipe da música “Facada”, que já chegou a mais de 3.000 visualizações no Youtube. Então, ajeite-se na sua cadeira e fique ligado para não tomar uma facada no bucho. Soterorockpolitano - Como e quando surgiu a banda? Rick Rodriguez - A banda surgiu em 2007, tínhamos um interesse em comum, que era o punk rock, e isso nos motivou a formar a banda na época, começamos tocando músicas dos Ramones, que era nossa banda preferida e logo em seguida começamos a compor, e ter nossas próprias músicas. Tito Blasphemer - Estávamos cansados da cena de nossa cidade, bandas que

4 Discos de Rock Baiano, a compilação das cinco publicações. Por Leonardo Cima.

Movidos pelo resgate da memória da cena independente da Bahia, no qual o selo SoteroRec tem feito com o Retro Rocks desde o inicio deste ano  e por todas as ações que o cenário também tem feito nesse sentido, decidimos trazer uma compilação especial do nosso site para você que nos acompanha.  Em 2017, o Portal Soterorock fez uma série de matérias que destacava alguns dos principais discos de rock lançados na Bahia ao longo dos anos. Essa série se chamava "4 Discos de Rock Baiano" e como o nome sugere, quatro discos eram referenciados nas matérias.  Foram ao todo cinco publicações com bandas/artistas de gerações distintas reunidas nesta coletânea.  Você vai encontrar aqui pontuações sobre as obras e o mais importante: o registro público sobre elas, para que possam ser revisitadas e referenciadas ao longo dos anos. Passar em branco é que não pode! O aspecto positivo de se visitar essas postagens é a de ver que a maioria das bandas e artistas citados nelas ainda estão em ativida