Pular para o conteúdo principal

Apresentações animalescas e momentos inspirados.*


            Sábado ainda teve rock na cidade de Salvador com bandas de fora da cidade e lançamento de disco em um mesmo evento. O Portal Soterorock não poderia ficar de fora e rumou para o Dubliners Irish Pub para conferir as apresentações dos grupos Silver Haze, Aphorism, Buster, Ingrena (DF) e Chuva Negra (SP). A quantidade de pessoas já no aguardo pelo inicio das apresentações chamou a atenção. Muita gente compareceu para ver os conjuntos e enquanto start não era dado, conversas e mais conversas ajudavam a passar o tempo.

            Terminada a espera, a primeira banda a subir no palco foi a Silver Haze. Entrando na grade de bandas de ultíssima hora o trio aqueceu as PA's para um Irish Pub ainda vazio do lado de dentro, tocando um hard core californiano de canções próprias por vezes alternadas por covers. O público já chegava timidamente para vê-los tocar, porém, com menos de trinta minutos de show, o grupo executou seu rápido repertório. A segunda a se apresentar foi a Aphorism, que fez o show do lançamento oficial do seu segundo cd, Exercícios de Insubmissão. A banda ao vivo impressiona, e muito. O grupo é bem entrosado com instrumentistas que não titubeiam, um vocalista furioso e incansável, e um baterista preciso e bastante afortunado nas investidas em seu instrumento. O som dos caras é uma parede sonora imponente bem definida, que vai do crust ao death, passando pelo sludge, e que atraiu muita gente que estava do lado de fora para dentro do lugar e acabou ganhando aplausos calorosos no final. Essa foi uma das melhores apresentações já vistas pelo Portal Soterorock nesse ano. Se você ainda não os viu ao vivo, não perca a próxima oportunidade.

            Na sequencia se apresentou a veterana Buster, tocando seu punk rock californiano com pitadas leves de hard rock e cantado em inglês. Eles tiveram alguns problemas técnicos que atrapalharam o andamento do inicio da apresentação, mas que foi logo contornado. A experiencia da banda aliada ao bom humor do vocalista ajudaram bastante na performance do conjunto e terminaram o show empolgando quem ficou atento aos rapazes. Tudo isso em trinta minutos. Direto de Brasília e pela primeira vez em Salvador, a Ingrena derramou seu punk rock crossover pelo pub. A banda estava empolgada e com muita energia, instigando a platéia o tempo todo sem parar e sem perder o fôlego. Não houve trégua nem mesmo nas considerações do vocalista entre as músicas, onde a sua respiração ofegante entregava o seu entusiasmo. Ainda teve espaço para uma citação de Uma Teoria Duvidosa, da FuncionaFace. A apresentação poderia durar um pouco mais. "Esqueça a Maçã"!

            Encerrando a noite, os paulistanos da Chuva Negra subiram ao palco e tocaram seu hard core melódico para algumas pessoas que ainda estavam presentes na casa. É claro que não era mais a mesma quantidade de gente do inicio do evento, pois já eram quase três da manhã, mas tinha o suficiente para publico e banda se divertirem um com o outro dentro do bom show dos rapazes. A banda enfrentou com muito bom humor alguns problemas técnicos no decorrer da apresentação e que estavam sendo contornados pelo técnico de som do espaço. Sem cansaço, o som foi tocado com vontade e agradou quem ficou para assistir.

            Terminadas as apresentações, entre uma conversa e outra, ainda teve espaço para um momento inspirado do projeto FuncionaFace, que criou uma nova musica-poesia-filosofia-questionamento-existencialista, inspirada em Robocop, presente (nos vários sentidos da palavra), Presença de Anita, Ana Paula Arósio e Fernanda Montenegro. Agora é só aguardar o vídeo viralizar na internet.


*Matéria originalmente publicada em 01/10/2015.

Popular Posts

Discoteca Básica Soterorock Apresenta: Entre 4 Paredes

Dando continuidade na nossa maratona especial da quarta edição do Soterorock Sessions, aqui vai mais uma postagem da série Discoteca Básica Soterorock Apresenta. Dessa vez, trazendo mais uma atração do nosso evento, a banda Entre 4 Paredes. Com diversas influências musicais, que vão do pop rock, até o post punk, passando pelo rock nacional e o gótico, o sexteto traz para essa matéria bons sons que merecem uma audição mais atenta e, junto a eles, as suas relações com cada um desses discos. Pegue carona nas dicas do grupo e deguste cada segundo musical dessa lista!
David Vertigo (tecladista)
Suicide - Suicide


O disco que inventou o cyberpunk antes dele existir. O trabalho de estreia homônino da dupla Suicide (Alan Vega nos vocais e Martin Rev no sintetizador) mostra da forma mais crua possível o que bandas de Industrial, EBM e afins só exibiriam décadas mais tarde:  niilismo, subversão, falta de esperança, ódio, inconformismo... Com timbres minimalistas, baterias repetitivas, vocais nonse…

Todo dia é dia de rock. Por Leo Cima.

Aconteceu, no final de semana em que se celebrou o dia mundial do rock, o festival Rock Concha 2019. Evento que, neste ano, comemorou trinta anos da sua primeira edição. Houve um hiato de um pouco mais de vinte anos nas suas atividades, porém, há quase uma década, a festa vem acontecendo de maneira assídua a cada ano e já pode ser considerada como certa no calendário cultural da cidade.
Para esta ocasião, a produção do evento apostou em um lineup que propôs fugir de repetir nomes escalados nos anos anteriores, se mantendo atrativo neste sentido e oferecendo ao seu público bandas relevantes na cena nacional e local, com algumas delas há bastante tempo sem vir à Salvador, outras lançando trabalho novo, ou comemorando décadas de estrada. A falta de roadies durante algumas apresentações foi percebida em dois momentos, nos shows da Drearylands e da Alquímea, mas nada que comprometesse o desempenho de ambas no palco!
No sábado, quem abriu o evento foi a Drearylands. Comemorando vinte anos …

As 10 Caras do Rock Baiano” com Paulo Diniz (Banda Weise)

A penúltima entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano” traz Paulo Diniz, vocalista e guitarrista da banda Weise. O grupo está lançando o seu mais novo trabalho, o cd intitulado “Aquele Que Superou o Fim dos Tempos”, e neste papo o entrevistado falou sobre o seu processo de gravação, sobre seus shows e as dinâmicas dos seus instrumentos no palco e também sobre as suas impressões da cena baiana de rock. Para não perder o costume, ajeite-se na cadeira e aproveite o papo com o rapaz. 
SoteroRockPolitano - É o segundo disco de vocês, certo? O que mudou no som da Weise desde o seu primeiro disco até esse último que está sendo lançado?  Paulo Diniz - Na verdade nós lançamos até agora somente EPs, que foi o "Fora do Céu", depois um outro que não tinha nome, e o terceiro que era uma previa de duas músicas do álbum que vamos lançar agora...