Pular para o conteúdo principal

Apresentações animalescas e momentos inspirados.*


            Sábado ainda teve rock na cidade de Salvador com bandas de fora da cidade e lançamento de disco em um mesmo evento. O Portal Soterorock não poderia ficar de fora e rumou para o Dubliners Irish Pub para conferir as apresentações dos grupos Silver Haze, Aphorism, Buster, Ingrena (DF) e Chuva Negra (SP). A quantidade de pessoas já no aguardo pelo inicio das apresentações chamou a atenção. Muita gente compareceu para ver os conjuntos e enquanto start não era dado, conversas e mais conversas ajudavam a passar o tempo.

            Terminada a espera, a primeira banda a subir no palco foi a Silver Haze. Entrando na grade de bandas de ultíssima hora o trio aqueceu as PA's para um Irish Pub ainda vazio do lado de dentro, tocando um hard core californiano de canções próprias por vezes alternadas por covers. O público já chegava timidamente para vê-los tocar, porém, com menos de trinta minutos de show, o grupo executou seu rápido repertório. A segunda a se apresentar foi a Aphorism, que fez o show do lançamento oficial do seu segundo cd, Exercícios de Insubmissão. A banda ao vivo impressiona, e muito. O grupo é bem entrosado com instrumentistas que não titubeiam, um vocalista furioso e incansável, e um baterista preciso e bastante afortunado nas investidas em seu instrumento. O som dos caras é uma parede sonora imponente bem definida, que vai do crust ao death, passando pelo sludge, e que atraiu muita gente que estava do lado de fora para dentro do lugar e acabou ganhando aplausos calorosos no final. Essa foi uma das melhores apresentações já vistas pelo Portal Soterorock nesse ano. Se você ainda não os viu ao vivo, não perca a próxima oportunidade.

            Na sequencia se apresentou a veterana Buster, tocando seu punk rock californiano com pitadas leves de hard rock e cantado em inglês. Eles tiveram alguns problemas técnicos que atrapalharam o andamento do inicio da apresentação, mas que foi logo contornado. A experiencia da banda aliada ao bom humor do vocalista ajudaram bastante na performance do conjunto e terminaram o show empolgando quem ficou atento aos rapazes. Tudo isso em trinta minutos. Direto de Brasília e pela primeira vez em Salvador, a Ingrena derramou seu punk rock crossover pelo pub. A banda estava empolgada e com muita energia, instigando a platéia o tempo todo sem parar e sem perder o fôlego. Não houve trégua nem mesmo nas considerações do vocalista entre as músicas, onde a sua respiração ofegante entregava o seu entusiasmo. Ainda teve espaço para uma citação de Uma Teoria Duvidosa, da FuncionaFace. A apresentação poderia durar um pouco mais. "Esqueça a Maçã"!

            Encerrando a noite, os paulistanos da Chuva Negra subiram ao palco e tocaram seu hard core melódico para algumas pessoas que ainda estavam presentes na casa. É claro que não era mais a mesma quantidade de gente do inicio do evento, pois já eram quase três da manhã, mas tinha o suficiente para publico e banda se divertirem um com o outro dentro do bom show dos rapazes. A banda enfrentou com muito bom humor alguns problemas técnicos no decorrer da apresentação e que estavam sendo contornados pelo técnico de som do espaço. Sem cansaço, o som foi tocado com vontade e agradou quem ficou para assistir.

            Terminadas as apresentações, entre uma conversa e outra, ainda teve espaço para um momento inspirado do projeto FuncionaFace, que criou uma nova musica-poesia-filosofia-questionamento-existencialista, inspirada em Robocop, presente (nos vários sentidos da palavra), Presença de Anita, Ana Paula Arósio e Fernanda Montenegro. Agora é só aguardar o vídeo viralizar na internet.


*Matéria originalmente publicada em 01/10/2015.

Popular Posts

Tem muito som no tabuleiro do rock aqui na Bahia. Por Leonardo Cima.

Depois do nosso hiato no ano de 2018, retomamos às nossas atividades aqui no site em 2019. É bem verdade que escrevemos menos do que esperávamos e pretendíamos, porém continuamos observando o que acontecia na cena ao longo desses doze meses que se passaram. Bastante som foi lançado, várias propostas sonoras diferentes ganharam a luz do dia e mantiveram esse ano como os seus antecessores: agitado em volume e em alta qualidade de produção.
Teve banda/artista apostando em single, ou fazendo as suas primeiras investidas solo, projetos musicais saindo do papel, banda lançando novidade depois de muito tempo sem disponibilizar um novo trabalho, ou seja, uma considerável quantidade de impulsos motivadores levaram à todas essas novidades da cena rocker da Bahia.
Então, resolvi fazer essas micro resenhas para compensar a minha baixa frequência por aqui pelo site no ano que passou e para fazer justiça com esses lançamentos, trazendo alguns títulos nessa matéria. Mas, frisando, essa não é uma lista…

"Carnaval, carnaval, carnaval / Fico tão triste quando chega o carnaval" Por Sérgio Moraes

Com uma sonoridade ímpar desde os idos de 1985, a Banda Organoclorados (Alagoinhas-Bahia), Lançou seu mais recente vídeo “No Carnaval a Gente Esquece”. Você pode ouvir nas plataformas de vídeo espalhadas pela web ou aqui! 



O vídeo faz um paralelo visual da vida cotidiana, euforia e desespero se misturando na obscuridade dos dias turbulentos que vivemos. Misturando imagens de alegria (num simples passeio pela calçadão das ruas com a banda) e desilusões diárias (Coquetel Molotov e afins). A sonoridade blues-Rock da canção é bem vinda, pois, a participação especial de Lucas Costa na gaita harmônica abrilhanta ainda mais as imagens e a sonoridade de “No Carnaval a Gente Esquece”.
Veja e tire suas próprias conclusões deste belo vídeo, letra e composição dos cinco caras!
Organoclorados é: Alan Gustavo - guitarra; André G - baixo; Artur W - guitarra e voz; Joir Rocha - bateria; Roger Silva - teclados.
Título: Trecho da letra de Luiz Melodia “Quando o Carnaval Chegou.”

Depois do inferno...Tem outro Inferno...Por Sérgio Moraes

Ouvir bandas novas já faz parte da rotina de quem faz este site acontecer. Há quem duvide e não acredite que escutamos tudo atentamente, letra por letra, acorde por acorde. Nosso trampo é sério porque amamos tudo isso. 
Amo mais ainda quando alguns amigos voltam do inferno com boas novas. É o caso da banda D.D.I (Depois do Inferno), projeto novo de André Jegue (que mantem sozinho o projeto “Funciona Face” e Ex-integrante da não tão distante BR-64) e também André Batista – Bateria, Rodrigo Magalhães - Contrabaixo Mateus Galvão – Guitarra. Todos remanescentes de outras bandas da cidade. 
A DDI nasce com uma identidade própria já marcada pelos trabalhos anteriores dos caras, o que me deixa bastante contente. Quando André Jegue se dedica a cantar Hardcore seus vocais ficam lindos e agressivos não devendo nada a bandas como Dead Fish (Referência relevante do gênero). 
A D.D.I liberou duas ótimas músicas do seu próximo trabalho, “Depois do Inferno” e “Facada do Cão”, (Ouça as duas!). Ambas…