Pular para o conteúdo principal

Aquecendo as turbinas.*


Na última sexta teve mais uma noite de rock autoral no The Other Place, lá em Brotas, e o Portal Soterorock foi conferir esse quase warm up do Festival Soterorock, que começa ainda em agosto e em todos os finais de semana de setembro com vinte e seis atrações. Foram três bandas nessa edição da Sextas From Hell, evento cada vez mais presente e consolidado na cena local, sendo que duas delas estão no line up da festa que está por vir.

É sempre bom ir em um som no Other Place. Bom clima, pessoas descontraídas, motos belíssimas e a presença sempre constante de velhos e novos conhecidos da cena, que é sempre ótimo trocar ideias e risos com eles. Mais uma vez a conversa fluiu antes dos shows de maneira espontânea entre as pessoas que estavam lá como em uma boa confraternização. No bar, a cerva artesanal e o hell burguer estavam sendo servidos de maneira atenciosa ao som de bandas diversas que saiam das caixas de som do lugar, mantendo o bom clima do local. Se você ainda não foi lá, vá!

Com pontualidade, o evento teve início com o cantor e compositor Duda Spínola, mais um que eu estava devendo uma presença em seu show e que finalmente pude conferir seu som de perto. Tendo lançado recentemente o seu cd, Direto ao Ponto, o repertório da apresentação foi todo em cima das músicas deste seu trabalho. Ao vivo as canções soaram mais pesadas que no estúdio, mais pegajosas inclusive, com um bom groove e uma boa pegada, tudo isso vindo de uma banda bem ensaiada e bastante entrosada. Duda, além de cantar muito bem, executou ótimos solos de guitarra e a cozinha manteve com segurança as canções, que estavam excelentes. Mostrou de fato que não é um menino certinho e esquentou bem o lugar com qualidade de primeira. Sozinho no Universo e Não me Diga Não foram bons momentos na sua performance.

A segunda a se apresentar foi a Game Over Riverside, que aproveitou o clima do show anterior para manter a casa quente. O conjunto se mostrou à vontade em sua apresentação e entregou bastante energia para a audiência. Mesmo optando por começar com canções de características mais psicodélicas, o punch delas se manteve forte nas passagens mais intensas. O quinteto aproveitou a ocasião para tocar uma música há muito tempo não presente no seu repertório, Paper Plane com sua veia grunge atraiu olhares curiosos e a sequência final com quatro músicas mais pesadas e velozes, encerrou a apresentação dos rapazes de maneira empolgante. Só não precisava tocar novamente a canção da passagem de som. Sadness Online e I Can’t Hardly Wait fez muita gente se balançar. Encerrando a noite, a Motherfucker levou o seu hard rock com pegada Motorhead para o palco. Havia muito tempo que não os via ao vivo e o quarteto mostrou algumas mudanças com relação a seu repertório e sua formação. Com um outro baixista e como seu setlist formado por músicas autorais a banda deu continuidade ao que as atrações anteriores vinham fazendo, mesmo tendo um não tão breve problema na bateria.


As horas avançavam e o que restava era voltar para casa em um longo caminho até a cidade baixa. Mais um pouco de papo sobre ficção científica e sobre coisas estranhas que acontecem renderam mais alguns panos para a manga. Com uma quantidade de gente relativamente boa, o que se viu foi bastante empolgação e vontade em cima do palco, um bom aquecimento mesmo para o iminente Festival Soterorock, uma vez que o Duda Spínola e a G.O.R. estão escalados para ele. Essa foi mais uma boa oportunidade de ver o quanto a cena tem bandas com qualidade e possuidoras de boas performances. Não perca a próxima!


*Matéria originalmente publicada em 10/08/2016.

Popular Posts

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava

Sexto guia de singles de bandas baianas. Por Leonardo Cima.

Mais uma vez o Portal SoteroRock traz a sua lista de singles de bandas e artistas baianos, lançados ao longo desse período pandêmico no qual nos encontramos neste 2020. Para essa ocasião, a diversidade ainda marca uma forte presença nessa seleta. Rock, pop, metal, eletrônico, folk e o grande leque que se abre a partir desses gêneros vão aparecer para você aqui enquanto faz a sua leitura. Então, abra a sua mente, saiba um pouco sobre cada um dos trabalhos citados aqui, siga cada um nas redes sociais (se possível, é claro!) e, óbvio, escute as canções!! Se você acha que faltou algum artista/banda aqui nessa matéria, mande uma mensagem inbox pelo nosso perfil do Instagram, que iremos escutar! Midorii Kido - Sou o que Sou Para quem acha que o rock já se esgotou em termos de abraçar minorias e até mesmo acredita que é conservador, este primeiro single da drag queen Midorii Kido é um tapa na face daqueles que professam dessa maneira contra o gênero. Sou o que Sou é um rock forte,

O garage noir da The Futchers. Por Leonardo Cima.

Nesses últimos dois meses, o selo SoteroRec teve a honra e a felicidade de lançar na sua série Retro Rocks, os trabalhos de uma das bandas mais interessantes que a cena local já teve e que, infelizmente, não teve uma projeção devidamente extensa. Capitaneada por Rodrigo "Sputter" Chagas (vocal da The Honkers), a The Futchers foi a sua banda paralela idealizada e montada por ele próprio no final do ano de 2006. A propósito, o nome Futchers vem inspirado da dislexia do compositor britânico Billy Childish, que escreve as palavras da mesma maneira que as fala. Ele, ao lado de mais quatro integrantes, também de bandas locais da época, começaram os ensaios com uma proposta sonora voltada mais para o mood e o garage rock, se distanciando um pouco dos seus respectivos trabalhos nos grupos anteriores. Relembrando um pouco daquele período e como observador, esse "peso" de não ter que se repetir musicalmente recaía um pouco mais sobre Rodrigo. Não que houvesse isso