Pular para o conteúdo principal

Aquecendo as turbinas.*


Na última sexta teve mais uma noite de rock autoral no The Other Place, lá em Brotas, e o Portal Soterorock foi conferir esse quase warm up do Festival Soterorock, que começa ainda em agosto e em todos os finais de semana de setembro com vinte e seis atrações. Foram três bandas nessa edição da Sextas From Hell, evento cada vez mais presente e consolidado na cena local, sendo que duas delas estão no line up da festa que está por vir.

É sempre bom ir em um som no Other Place. Bom clima, pessoas descontraídas, motos belíssimas e a presença sempre constante de velhos e novos conhecidos da cena, que é sempre ótimo trocar ideias e risos com eles. Mais uma vez a conversa fluiu antes dos shows de maneira espontânea entre as pessoas que estavam lá como em uma boa confraternização. No bar, a cerva artesanal e o hell burguer estavam sendo servidos de maneira atenciosa ao som de bandas diversas que saiam das caixas de som do lugar, mantendo o bom clima do local. Se você ainda não foi lá, vá!

Com pontualidade, o evento teve início com o cantor e compositor Duda Spínola, mais um que eu estava devendo uma presença em seu show e que finalmente pude conferir seu som de perto. Tendo lançado recentemente o seu cd, Direto ao Ponto, o repertório da apresentação foi todo em cima das músicas deste seu trabalho. Ao vivo as canções soaram mais pesadas que no estúdio, mais pegajosas inclusive, com um bom groove e uma boa pegada, tudo isso vindo de uma banda bem ensaiada e bastante entrosada. Duda, além de cantar muito bem, executou ótimos solos de guitarra e a cozinha manteve com segurança as canções, que estavam excelentes. Mostrou de fato que não é um menino certinho e esquentou bem o lugar com qualidade de primeira. Sozinho no Universo e Não me Diga Não foram bons momentos na sua performance.

A segunda a se apresentar foi a Game Over Riverside, que aproveitou o clima do show anterior para manter a casa quente. O conjunto se mostrou à vontade em sua apresentação e entregou bastante energia para a audiência. Mesmo optando por começar com canções de características mais psicodélicas, o punch delas se manteve forte nas passagens mais intensas. O quinteto aproveitou a ocasião para tocar uma música há muito tempo não presente no seu repertório, Paper Plane com sua veia grunge atraiu olhares curiosos e a sequência final com quatro músicas mais pesadas e velozes, encerrou a apresentação dos rapazes de maneira empolgante. Só não precisava tocar novamente a canção da passagem de som. Sadness Online e I Can’t Hardly Wait fez muita gente se balançar. Encerrando a noite, a Motherfucker levou o seu hard rock com pegada Motorhead para o palco. Havia muito tempo que não os via ao vivo e o quarteto mostrou algumas mudanças com relação a seu repertório e sua formação. Com um outro baixista e como seu setlist formado por músicas autorais a banda deu continuidade ao que as atrações anteriores vinham fazendo, mesmo tendo um não tão breve problema na bateria.


As horas avançavam e o que restava era voltar para casa em um longo caminho até a cidade baixa. Mais um pouco de papo sobre ficção científica e sobre coisas estranhas que acontecem renderam mais alguns panos para a manga. Com uma quantidade de gente relativamente boa, o que se viu foi bastante empolgação e vontade em cima do palco, um bom aquecimento mesmo para o iminente Festival Soterorock, uma vez que o Duda Spínola e a G.O.R. estão escalados para ele. Essa foi mais uma boa oportunidade de ver o quanto a cena tem bandas com qualidade e possuidoras de boas performances. Não perca a próxima!


*Matéria originalmente publicada em 10/08/2016.

Popular Posts

O melhor do que eu não escrevi no Portal Soterorock em 2018. Por Leo Cima.

Neste ano de 2018 o Portal Soterorock resolveu tirar alguns dias de folga. Algo próximo a trezentos e sessenta e cinco dias, quase um ano, é verdade. Porém, é fato que, depois de dez anos cobrindo a cena roqueira local, com textos ou podcasts, sem incentivo financeiro algum, o site decidiu que seria o momento certo para dar um tempinho nas atividades daqui, para priorizar e atender a outras demandas não menos importantes. Mas, mesmo distante das publicações, nos mantivemos atentos ao movimento do cenário, observando quem se manteve atuante, seja em estúdio, ou nos palcos.
Muita coisa aconteceu este ano na cena rocker da Bahia, desde discos lançados até uma boa frequência regular de shows na capital baiana, mesmo com um número cada vez menor de casas que recebe o gênero por aqui. E é esse segundo item que ganhará destaque aqui nesta matéria, em uma outra oportunidade falarei sobres os lançamentos baianos de 2018, vamos com calma. O fato é que, fazendo visitas a eventos, seja como um pag…

“As Dez Caras do Rock Baiano” com Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute)

Chegando ao final da sua primeira fase, a série “As Dez Caras do Rock Baiano” traz em sua quinta entrevista uma das grandes personalidades já presente na cena local há muitos anos: o vocalista da The Honkers, Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute, como preferir). Nessa conversa, que foi uma das mais longas e intrigantes dessa série e realizada na época da volta da banda aos palcos soteropolitanos, Rodrigo falou sobre o que chama a sua atenção no cenário, o cuidado que um artista têm que tomar com a sua própria arte, como a quantidade de informação influencia no jeito raso de ser do novo roqueiro e sobre as intenções para o futuro da The Honkers, além de se mostrar como um autor de livros de auto ajuda em potencial. Você já sabe, se ajeite com firmeza na cadeira e embarque nessa entrevista dessa grande figura do rock da Bahia. 
SRP - Como foi ficar um ano longe da The Honkers? 

Rodrigo Chagas - Zorra... Normal, hehe. Cansei na sétima música. 

SRP – O que achou do retorno da The Honkers aos pa…

Série “As DEZ Caras do Rock Baiano” - Com Caroline Lima, (Voz na Chá de Pensamentos), apresentando "Kansu" o seu mais novo projeto!

A série “As 10 Caras do Rock Baiano” traz desta vez Caroline Lima, integrante do projeto experimental de música e arte Kansu Project , duo que conta também com Sérgio da Mata dividindo as composições. Na última quinta feira (28/03/2013), ás 22:30, foi lançado na página da Kansu Project no facebook o remix de “A Little Bit of Me”, seu primeiro single e, nesse ótimo papo descontraído e espontâneo, Caroline nos falou sobre o interessante processo de produção e gravação das músicas da dupla, suas influências e suas impressões sobre a cena local. Então se ajeite em sua cadeira, aproveite a entrevista, dê um curtir na página do grupo e “FEEL FREE”. 
SRP – O que é a Kansu Project, é um duo? E o que sgnifica? 
Caroline Lima - É um duo sim. Sou eu e Sergio da Mata, meu amigo de adolescência. Sobre o significado... foi a junção dos nomes de personagens de livros que escrevemos em 2002, também é o nome de uma província da China e o nome deriva desse idioma...alguns traduzem como "orquídea&quo…