Pular para o conteúdo principal

Baianofornicação.*


Pode até não parecer, mas o título acima se refere muito mais a série de TV Californication (estrelada pelo David Duchovny, o agente Fox Mulder, de Arquivo X), do que com o título do álbum da famosa banda californiana. Tem muito do som dos californianos dentro das canções do quarteto baiano? Estaria mentindo se dissesse que não, mas assim como no estado da Califórnia, a Bahia tem as suas aventuras e desventuras como as mostradas na série norte americana e que ocorrem a todo instante em localidades litorâneas como a nossa e que se sobressaem aqui neste registro com muita evidência.

Essas situações não passaram despercebidas pelo disco Modo Hard, da Circo de Marvin. Lançado no ano passado, o cd levou o grupo a tocar em vários lugares, inclusive em dois festivais baianos, o Palco do Rock e o Rock Concha, mostrando nos dois uma boa presença de palco. Além disso, o som dos rapazes caiu nas graças do produtor Rick Bonadio (sinceramente, não tenho certeza se isso é uma coisa boa), que teceu publicamente comentários positivos sobre a sua música e seu visual. Há muito mais no som dos caras do que foi afirmado pelo produtor no vídeo, que deve ter percebido isso quando o disco chegou em suas mãos.

A obra começa com a faixa título mostrando muito groove, com uma linha de baixo que foi beber na fonte do funk, em Foi Mal há uma velocidade foofighterniana e variações dançantes antes de chegar no refrão, além de contar com a participação especial do Away de Petrópolis no fim. Caroline narra uma boa história sobre sair da monotonia no meio da madrugada com uma garota que lembra a Sasha Grey, sob uma trilha sonora sinuosa e swingada. Essas Garotas é uma das melhores faixas do álbum, radiofônica, com ótimo refrão e bons solos de guitarra. Leve é uma balada que não funciona muito bem no contexto do álbum, mesmo com um refrão esforçado e em Novo Fim há trechos que lembram uma canção da Scambo, mas tem bons efeitos na voz e refrão grudento. Liquidação é um ataque ao capitalismo e como isso atinge o indivíduo, talvez seja a única faixa que lembra bastante o Red Hot Chilli Peppers de fato. O Mundo não Sorri pra Gente como Eu tem introdução de baixo interessante e boa sacada nas vozes dos personagens do texto narrando situações extremamente adversas do cotidiano.

A faixa Só que Não é mais um ponto alto do cd, com levada pop de guitarra influenciada pelo John Frusciante, de cozinha conversando bem entre si e com letra para o cidadão dedicar para aquela pessoa que acha que te faz de otário. Você Me Fudeu é a balada que funciona no disco e fala das vantagens em reatar um relacionamento por motivos especiais, mesmo depois de experimentar uma fossa pesada e com um bom refrão. Tem até violino no final! Vai Lá tem uma pegada inquieta e dá um destaque maior para a bateria e Química é uma ótima trilha com mudanças de andamento no refrão, bom solo de guitarra e uma forma inteligente de falar sobre uma musa. Filme da Vida é uma faixa acústica que encerra o cd contendo uma letra reflexiva sobre a vida.

Modo Hard é um disco bem gravado, porém de alto e baixos, mas com boas soluções para não sair do trilho da sua personalidade musical. O perfil comercial do conjunto é explicito e isso não é demérito algum, muito pelo contrário, ser uma banda pronta para atender as exigências do mercado é muito positivo para quem faz parte dela, para quem quer avançar o seu território e para a cena. Para quem gosta de um som com pegada groovada e pesada nos momentos certos e cantando histórias de um cotidiano agitado, se jogue. O Hank Moody ouviria em seu conversível.

O site da Circo de Marvin: http://www.circodemarvin.com.br/



*Matéria originalmente publicada em 03/02/2016.

Popular Posts

Discoteca Básica Soterorock Apresenta: Entre 4 Paredes

Dando continuidade na nossa maratona especial da quarta edição do Soterorock Sessions, aqui vai mais uma postagem da série Discoteca Básica Soterorock Apresenta. Dessa vez, trazendo mais uma atração do nosso evento, a banda Entre 4 Paredes. Com diversas influências musicais, que vão do pop rock, até o post punk, passando pelo rock nacional e o gótico, o sexteto traz para essa matéria bons sons que merecem uma audição mais atenta e, junto a eles, as suas relações com cada um desses discos. Pegue carona nas dicas do grupo e deguste cada segundo musical dessa lista!
David Vertigo (tecladista)
Suicide - Suicide


O disco que inventou o cyberpunk antes dele existir. O trabalho de estreia homônino da dupla Suicide (Alan Vega nos vocais e Martin Rev no sintetizador) mostra da forma mais crua possível o que bandas de Industrial, EBM e afins só exibiriam décadas mais tarde:  niilismo, subversão, falta de esperança, ódio, inconformismo... Com timbres minimalistas, baterias repetitivas, vocais nonse…

Todo dia é dia de rock. Por Leo Cima.

Aconteceu, no final de semana em que se celebrou o dia mundial do rock, o festival Rock Concha 2019. Evento que, neste ano, comemorou trinta anos da sua primeira edição. Houve um hiato de um pouco mais de vinte anos nas suas atividades, porém, há quase uma década, a festa vem acontecendo de maneira assídua a cada ano e já pode ser considerada como certa no calendário cultural da cidade.
Para esta ocasião, a produção do evento apostou em um lineup que propôs fugir de repetir nomes escalados nos anos anteriores, se mantendo atrativo neste sentido e oferecendo ao seu público bandas relevantes na cena nacional e local, com algumas delas há bastante tempo sem vir à Salvador, outras lançando trabalho novo, ou comemorando décadas de estrada. A falta de roadies durante algumas apresentações foi percebida em dois momentos, nos shows da Drearylands e da Alquímea, mas nada que comprometesse o desempenho de ambas no palco!
No sábado, quem abriu o evento foi a Drearylands. Comemorando vinte anos …

As 10 Caras do Rock Baiano” com Paulo Diniz (Banda Weise)

A penúltima entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano” traz Paulo Diniz, vocalista e guitarrista da banda Weise. O grupo está lançando o seu mais novo trabalho, o cd intitulado “Aquele Que Superou o Fim dos Tempos”, e neste papo o entrevistado falou sobre o seu processo de gravação, sobre seus shows e as dinâmicas dos seus instrumentos no palco e também sobre as suas impressões da cena baiana de rock. Para não perder o costume, ajeite-se na cadeira e aproveite o papo com o rapaz. 
SoteroRockPolitano - É o segundo disco de vocês, certo? O que mudou no som da Weise desde o seu primeiro disco até esse último que está sendo lançado?  Paulo Diniz - Na verdade nós lançamos até agora somente EPs, que foi o "Fora do Céu", depois um outro que não tinha nome, e o terceiro que era uma previa de duas músicas do álbum que vamos lançar agora...