Pular para o conteúdo principal

Bananada em São Paulo.*


O Portal Soterorock esteve na última sexta-feira (25 de setembro) em São Paulo no festival Bananada... Espera... Como poderia estar o Portal Soterorock em dois lugares ao mesmo tempo? Em São Paulo e fazendo a 1ª edição do Soterorock Sessions no Taverna em Salvador??? Estaria o Portal Soterorock desrespeitando as leis da física?? A resposta é que o leitor ousado do Soterorock, que aqui vos escreve, decidiu fazer um comentário do show do O Terno e Boogarins que aconteceu na cidade da garoa.

Primeiramente o evento: Bananada. Um evento gratuito originalmente goiano que dava a cara na capital paulista... Sim, isso mesmo, estamos falando de um festival goiano. O que acontece que se faz rock na terra do sertanejo assim como se faz rock na terra do axé e há mais bandas de rock do que estereotipado sertanejo. O evento tratou-se de reunir três bandas goianas: Carne doce, Hellbenders e a já internacionalmente conhecida Boogarins com a paulista O Terno. O local: Largo São Francisco. Onde diabos ficaria este largo. Bem meus caros, este largo fica bem no centro de São Paulo, próximo a Meca roqueira: Shopping Center Grandes Galerias, ou popularmente conhecida como Galeria do Rock (onde todo roqueiro deve pelo menos uma vez visitar) e de outros locais como Rua 25 de Março, a igreja de Santa Ifigênia e ao Teatro Municipal.

O evento começou as 19:30 com a banda Carne Doce. Inicialmente meio tímida, a banda foi aos poucos conquistando o público paulista. Canções com estilo mais regionais como Fruta elétrica foi cativando o público, atingindo o ápice quando o show já estava no final. O seu disco encontra-se disponível no SoundCloud. Foi só o show da Carne Doce acabar para cair o maior toró. Porém, o mesmo não afugentou o público que se manteve fiel para a vinda da segunda banda goiana da noite Hellbenders. Som pesado e com bastante Riffs a lá Queen of the Stone Age, levou o público a fazer moshs e cantar muito. O disco da banda também se encontra disponível no SoundCloud.

Terminando o show da Hellbenders e a chuva começou a diminuir. Me surgiu então a dúvida: Qual é a próxima banda O Terno ou Boogarins? A resposta veio a seguir: As duas bandas entraram juntas. As bandas dividiram o palco na primeira música e logo a seguir O Terno deu espaço para a banda goiana. Para quem não conhece, Boogarins faz um som psicodélico a lá Tame Impala, tem um disco aclamado pela crítica chamado Plantas que Curam disponível no Youtube. Disco esse que infelizmente não saiu no Brasil e quem quiser adquirir terá que desembolsar uma grana pesada (Na loja baratos afins na Galeria do Rock o vinil está saindo por R$120)! Infelizmente é mais um caso de uma banda nacional que faz mais sucesso na Europa que no Brasil, fato este que pode se comprovar pela agenda da banda para o mês de outubro e novembro: Inglaterra, Holanda, Bélgica, Dinamarca, Noruega, Suíça, Espanha, Portugal e França. Durante o show Boogarins não fez menos do que o esperado, tocou quatro músicas com boa participação do público.

No meio da quarta música a carro chefe Lucifernandis do grupo goiano, O Terno entra com O Cinza, é a vez do Boogarins dar espaço. Para quem também não conhece O Terno, a banda é um trio paulista que tem ganhado espaço no cenário nacional. O Terno está em seu segundo disco, o homônimo O Terno seguido do aclamado e premiado disco 66. A banda toca pela terceira vez em Salvador no Pelourinho, Largo Pedro Arcanjo, dia 9 de Outubro com as bandas Circo Litoral e Squadro. Mas voltando ao Show, O terno tocou mais quatro músicas e as duas bandas dividiram o palco novamente para tocar o clássico do Clube da Esquina O Trem Azul com uma pegada bem psicodélica.


Chegamos então ao fim do show, um show curto, porém muito animado, com grande presença do público jovem. Público este que me alegrou muito por demonstrar estar antenado com bandas nacionais de qualidade. Me fez pensar que o rock nacional tem salvação. No dia seguinte vou até a galeria do Rock para comprar uma camisa do Boogarins e poucas horas depois voltar a Salvador.


*Matéria originalmente publicada em 01/10/2015, por Rodrigo Vergne.

Popular Posts

"Carnaval, carnaval, carnaval / Fico tão triste quando chega o carnaval" Por Sérgio Moraes

Com uma sonoridade ímpar desde os idos de 1985, a Banda Organoclorados (Alagoinhas-Bahia), Lançou seu mais recente vídeo “No Carnaval a Gente Esquece”. Você pode ouvir nas plataformas de vídeo espalhadas pela web ou aqui! 



O vídeo faz um paralelo visual da vida cotidiana, euforia e desespero se misturando na obscuridade dos dias turbulentos que vivemos. Misturando imagens de alegria (num simples passeio pela calçadão das ruas com a banda) e desilusões diárias (Coquetel Molotov e afins). A sonoridade blues-Rock da canção é bem vinda, pois, a participação especial de Lucas Costa na gaita harmônica abrilhanta ainda mais as imagens e a sonoridade de “No Carnaval a Gente Esquece”.
Veja e tire suas próprias conclusões deste belo vídeo, letra e composição dos cinco caras!
Organoclorados é: Alan Gustavo - guitarra; André G - baixo; Artur W - guitarra e voz; Joir Rocha - bateria; Roger Silva - teclados.
Título: Trecho da letra de Luiz Melodia “Quando o Carnaval Chegou.”

Tem muito som no tabuleiro do rock aqui na Bahia. Por Leonardo Cima.

Depois do nosso hiato no ano de 2018, retomamos às nossas atividades aqui no site em 2019. É bem verdade que escrevemos menos do que esperávamos e pretendíamos, porém continuamos observando o que acontecia na cena ao longo desses doze meses que se passaram. Bastante som foi lançado, várias propostas sonoras diferentes ganharam a luz do dia e mantiveram esse ano como os seus antecessores: agitado em volume e em alta qualidade de produção.
Teve banda/artista apostando em single, ou fazendo as suas primeiras investidas solo, projetos musicais saindo do papel, banda lançando novidade depois de muito tempo sem disponibilizar um novo trabalho, ou seja, uma considerável quantidade de impulsos motivadores levaram à todas essas novidades da cena rocker da Bahia.
Então, resolvi fazer essas micro resenhas para compensar a minha baixa frequência por aqui pelo site no ano que passou e para fazer justiça com esses lançamentos, trazendo alguns títulos nessa matéria. Mas, frisando, essa não é uma lista…

Depois do inferno...Tem outro Inferno...Por Sérgio Moraes

Ouvir bandas novas já faz parte da rotina de quem faz este site acontecer. Há quem duvide e não acredite que escutamos tudo atentamente, letra por letra, acorde por acorde. Nosso trampo é sério porque amamos tudo isso. 
Amo mais ainda quando alguns amigos voltam do inferno com boas novas. É o caso da banda D.D.I (Depois do Inferno), projeto novo de André Jegue (que mantem sozinho o projeto “Funciona Face” e Ex-integrante da não tão distante BR-64) e também André Batista – Bateria, Rodrigo Magalhães - Contrabaixo Mateus Galvão – Guitarra. Todos remanescentes de outras bandas da cidade. 
A DDI nasce com uma identidade própria já marcada pelos trabalhos anteriores dos caras, o que me deixa bastante contente. Quando André Jegue se dedica a cantar Hardcore seus vocais ficam lindos e agressivos não devendo nada a bandas como Dead Fish (Referência relevante do gênero). 
A D.D.I liberou duas ótimas músicas do seu próximo trabalho, “Depois do Inferno” e “Facada do Cão”, (Ouça as duas!). Ambas…