Pular para o conteúdo principal

Bananada em São Paulo.*


O Portal Soterorock esteve na última sexta-feira (25 de setembro) em São Paulo no festival Bananada... Espera... Como poderia estar o Portal Soterorock em dois lugares ao mesmo tempo? Em São Paulo e fazendo a 1ª edição do Soterorock Sessions no Taverna em Salvador??? Estaria o Portal Soterorock desrespeitando as leis da física?? A resposta é que o leitor ousado do Soterorock, que aqui vos escreve, decidiu fazer um comentário do show do O Terno e Boogarins que aconteceu na cidade da garoa.

Primeiramente o evento: Bananada. Um evento gratuito originalmente goiano que dava a cara na capital paulista... Sim, isso mesmo, estamos falando de um festival goiano. O que acontece que se faz rock na terra do sertanejo assim como se faz rock na terra do axé e há mais bandas de rock do que estereotipado sertanejo. O evento tratou-se de reunir três bandas goianas: Carne doce, Hellbenders e a já internacionalmente conhecida Boogarins com a paulista O Terno. O local: Largo São Francisco. Onde diabos ficaria este largo. Bem meus caros, este largo fica bem no centro de São Paulo, próximo a Meca roqueira: Shopping Center Grandes Galerias, ou popularmente conhecida como Galeria do Rock (onde todo roqueiro deve pelo menos uma vez visitar) e de outros locais como Rua 25 de Março, a igreja de Santa Ifigênia e ao Teatro Municipal.

O evento começou as 19:30 com a banda Carne Doce. Inicialmente meio tímida, a banda foi aos poucos conquistando o público paulista. Canções com estilo mais regionais como Fruta elétrica foi cativando o público, atingindo o ápice quando o show já estava no final. O seu disco encontra-se disponível no SoundCloud. Foi só o show da Carne Doce acabar para cair o maior toró. Porém, o mesmo não afugentou o público que se manteve fiel para a vinda da segunda banda goiana da noite Hellbenders. Som pesado e com bastante Riffs a lá Queen of the Stone Age, levou o público a fazer moshs e cantar muito. O disco da banda também se encontra disponível no SoundCloud.

Terminando o show da Hellbenders e a chuva começou a diminuir. Me surgiu então a dúvida: Qual é a próxima banda O Terno ou Boogarins? A resposta veio a seguir: As duas bandas entraram juntas. As bandas dividiram o palco na primeira música e logo a seguir O Terno deu espaço para a banda goiana. Para quem não conhece, Boogarins faz um som psicodélico a lá Tame Impala, tem um disco aclamado pela crítica chamado Plantas que Curam disponível no Youtube. Disco esse que infelizmente não saiu no Brasil e quem quiser adquirir terá que desembolsar uma grana pesada (Na loja baratos afins na Galeria do Rock o vinil está saindo por R$120)! Infelizmente é mais um caso de uma banda nacional que faz mais sucesso na Europa que no Brasil, fato este que pode se comprovar pela agenda da banda para o mês de outubro e novembro: Inglaterra, Holanda, Bélgica, Dinamarca, Noruega, Suíça, Espanha, Portugal e França. Durante o show Boogarins não fez menos do que o esperado, tocou quatro músicas com boa participação do público.

No meio da quarta música a carro chefe Lucifernandis do grupo goiano, O Terno entra com O Cinza, é a vez do Boogarins dar espaço. Para quem também não conhece O Terno, a banda é um trio paulista que tem ganhado espaço no cenário nacional. O Terno está em seu segundo disco, o homônimo O Terno seguido do aclamado e premiado disco 66. A banda toca pela terceira vez em Salvador no Pelourinho, Largo Pedro Arcanjo, dia 9 de Outubro com as bandas Circo Litoral e Squadro. Mas voltando ao Show, O terno tocou mais quatro músicas e as duas bandas dividiram o palco novamente para tocar o clássico do Clube da Esquina O Trem Azul com uma pegada bem psicodélica.


Chegamos então ao fim do show, um show curto, porém muito animado, com grande presença do público jovem. Público este que me alegrou muito por demonstrar estar antenado com bandas nacionais de qualidade. Me fez pensar que o rock nacional tem salvação. No dia seguinte vou até a galeria do Rock para comprar uma camisa do Boogarins e poucas horas depois voltar a Salvador.


*Matéria originalmente publicada em 01/10/2015, por Rodrigo Vergne.

Popular Posts

Marte caindo e aliens entre nós. Por Leonardo Cima.

No sábado do dia 25/01, a banda Marte em Queda lançou o seu trabalho de estreia e esse foi o momento para conferir de perto não só uma, mas duas das bandas que estão mais em alta atividade na cena daqui nesse último ano e meio. O segundo grupo em questão é o My Friend is a Gray, parceiros de jornada do trio baiano e que abriu a noite de som no já marcante Brooklyn Pub Criativo. Com o local sempre pontual no inicio dos sons, comecei a acompanhar a festa pela live do perfil do pub no Instagram no caminho para lá, o que me deixou mais ansioso em chegar e percebendo, já in loco, o quanto não deu para ter, pelo vídeo, a noção de quanta gente compareceu ao evento. É comum o lugar receber uma boa quantidade de gente nas noites de sábado, mas logo de cara, um grupo de pessoas que se aglomerava na parede de vidro do seu lado de fora, para assistir ao som, chamou a atenção. Meio que em zig zag e  me espremendo, adentrei no Brooklyn e a MFIAG, escalada para abrir a noite, já estava

Sexto guia de singles de bandas baianas. Por Leonardo Cima.

Mais uma vez o Portal SoteroRock traz a sua lista de singles de bandas e artistas baianos, lançados ao longo desse período pandêmico no qual nos encontramos neste 2020. Para essa ocasião, a diversidade ainda marca uma forte presença nessa seleta. Rock, pop, metal, eletrônico, folk e o grande leque que se abre a partir desses gêneros vão aparecer para você aqui enquanto faz a sua leitura. Então, abra a sua mente, saiba um pouco sobre cada um dos trabalhos citados aqui, siga cada um nas redes sociais (se possível, é claro!) e, óbvio, escute as canções!! Se você acha que faltou algum artista/banda aqui nessa matéria, mande uma mensagem inbox pelo nosso perfil do Instagram, que iremos escutar! Midorii Kido - Sou o que Sou Para quem acha que o rock já se esgotou em termos de abraçar minorias e até mesmo acredita que é conservador, este primeiro single da drag queen Midorii Kido é um tapa na face daqueles que professam dessa maneira contra o gênero. Sou o que Sou é um rock forte,

O garage noir da The Futchers. Por Leonardo Cima.

Nesses últimos dois meses, o selo SoteroRec teve a honra e a felicidade de lançar na sua série Retro Rocks, os trabalhos de uma das bandas mais interessantes que a cena local já teve e que, infelizmente, não teve uma projeção devidamente extensa. Capitaneada por Rodrigo "Sputter" Chagas (vocal da The Honkers), a The Futchers foi a sua banda paralela idealizada e montada por ele próprio no final do ano de 2006. A propósito, o nome Futchers vem inspirado da dislexia do compositor britânico Billy Childish, que escreve as palavras da mesma maneira que as fala. Ele, ao lado de mais quatro integrantes, também de bandas locais da época, começaram os ensaios com uma proposta sonora voltada mais para o mood e o garage rock, se distanciando um pouco dos seus respectivos trabalhos nos grupos anteriores. Relembrando um pouco daquele período e como observador, esse "peso" de não ter que se repetir musicalmente recaía um pouco mais sobre Rodrigo. Não que houvesse isso