Pular para o conteúdo principal

Bananada em São Paulo.*


O Portal Soterorock esteve na última sexta-feira (25 de setembro) em São Paulo no festival Bananada... Espera... Como poderia estar o Portal Soterorock em dois lugares ao mesmo tempo? Em São Paulo e fazendo a 1ª edição do Soterorock Sessions no Taverna em Salvador??? Estaria o Portal Soterorock desrespeitando as leis da física?? A resposta é que o leitor ousado do Soterorock, que aqui vos escreve, decidiu fazer um comentário do show do O Terno e Boogarins que aconteceu na cidade da garoa.

Primeiramente o evento: Bananada. Um evento gratuito originalmente goiano que dava a cara na capital paulista... Sim, isso mesmo, estamos falando de um festival goiano. O que acontece que se faz rock na terra do sertanejo assim como se faz rock na terra do axé e há mais bandas de rock do que estereotipado sertanejo. O evento tratou-se de reunir três bandas goianas: Carne doce, Hellbenders e a já internacionalmente conhecida Boogarins com a paulista O Terno. O local: Largo São Francisco. Onde diabos ficaria este largo. Bem meus caros, este largo fica bem no centro de São Paulo, próximo a Meca roqueira: Shopping Center Grandes Galerias, ou popularmente conhecida como Galeria do Rock (onde todo roqueiro deve pelo menos uma vez visitar) e de outros locais como Rua 25 de Março, a igreja de Santa Ifigênia e ao Teatro Municipal.

O evento começou as 19:30 com a banda Carne Doce. Inicialmente meio tímida, a banda foi aos poucos conquistando o público paulista. Canções com estilo mais regionais como Fruta elétrica foi cativando o público, atingindo o ápice quando o show já estava no final. O seu disco encontra-se disponível no SoundCloud. Foi só o show da Carne Doce acabar para cair o maior toró. Porém, o mesmo não afugentou o público que se manteve fiel para a vinda da segunda banda goiana da noite Hellbenders. Som pesado e com bastante Riffs a lá Queen of the Stone Age, levou o público a fazer moshs e cantar muito. O disco da banda também se encontra disponível no SoundCloud.

Terminando o show da Hellbenders e a chuva começou a diminuir. Me surgiu então a dúvida: Qual é a próxima banda O Terno ou Boogarins? A resposta veio a seguir: As duas bandas entraram juntas. As bandas dividiram o palco na primeira música e logo a seguir O Terno deu espaço para a banda goiana. Para quem não conhece, Boogarins faz um som psicodélico a lá Tame Impala, tem um disco aclamado pela crítica chamado Plantas que Curam disponível no Youtube. Disco esse que infelizmente não saiu no Brasil e quem quiser adquirir terá que desembolsar uma grana pesada (Na loja baratos afins na Galeria do Rock o vinil está saindo por R$120)! Infelizmente é mais um caso de uma banda nacional que faz mais sucesso na Europa que no Brasil, fato este que pode se comprovar pela agenda da banda para o mês de outubro e novembro: Inglaterra, Holanda, Bélgica, Dinamarca, Noruega, Suíça, Espanha, Portugal e França. Durante o show Boogarins não fez menos do que o esperado, tocou quatro músicas com boa participação do público.

No meio da quarta música a carro chefe Lucifernandis do grupo goiano, O Terno entra com O Cinza, é a vez do Boogarins dar espaço. Para quem também não conhece O Terno, a banda é um trio paulista que tem ganhado espaço no cenário nacional. O Terno está em seu segundo disco, o homônimo O Terno seguido do aclamado e premiado disco 66. A banda toca pela terceira vez em Salvador no Pelourinho, Largo Pedro Arcanjo, dia 9 de Outubro com as bandas Circo Litoral e Squadro. Mas voltando ao Show, O terno tocou mais quatro músicas e as duas bandas dividiram o palco novamente para tocar o clássico do Clube da Esquina O Trem Azul com uma pegada bem psicodélica.


Chegamos então ao fim do show, um show curto, porém muito animado, com grande presença do público jovem. Público este que me alegrou muito por demonstrar estar antenado com bandas nacionais de qualidade. Me fez pensar que o rock nacional tem salvação. No dia seguinte vou até a galeria do Rock para comprar uma camisa do Boogarins e poucas horas depois voltar a Salvador.


*Matéria originalmente publicada em 01/10/2015, por Rodrigo Vergne.

Popular Posts

O melhor do que eu não escrevi no Portal Soterorock em 2018. Por Leo Cima.

Neste ano de 2018 o Portal Soterorock resolveu tirar alguns dias de folga. Algo próximo a trezentos e sessenta e cinco dias, quase um ano, é verdade. Porém, é fato que, depois de dez anos cobrindo a cena roqueira local, com textos ou podcasts, sem incentivo financeiro algum, o site decidiu que seria o momento certo para dar um tempinho nas atividades daqui, para priorizar e atender a outras demandas não menos importantes. Mas, mesmo distante das publicações, nos mantivemos atentos ao movimento do cenário, observando quem se manteve atuante, seja em estúdio, ou nos palcos.
Muita coisa aconteceu este ano na cena rocker da Bahia, desde discos lançados até uma boa frequência regular de shows na capital baiana, mesmo com um número cada vez menor de casas que recebe o gênero por aqui. E é esse segundo item que ganhará destaque aqui nesta matéria, em uma outra oportunidade falarei sobres os lançamentos baianos de 2018, vamos com calma. O fato é que, fazendo visitas a eventos, seja como um pag…

“As Dez Caras do Rock Baiano” com Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute)

Chegando ao final da sua primeira fase, a série “As Dez Caras do Rock Baiano” traz em sua quinta entrevista uma das grandes personalidades já presente na cena local há muitos anos: o vocalista da The Honkers, Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute, como preferir). Nessa conversa, que foi uma das mais longas e intrigantes dessa série e realizada na época da volta da banda aos palcos soteropolitanos, Rodrigo falou sobre o que chama a sua atenção no cenário, o cuidado que um artista têm que tomar com a sua própria arte, como a quantidade de informação influencia no jeito raso de ser do novo roqueiro e sobre as intenções para o futuro da The Honkers, além de se mostrar como um autor de livros de auto ajuda em potencial. Você já sabe, se ajeite com firmeza na cadeira e embarque nessa entrevista dessa grande figura do rock da Bahia. 
SRP - Como foi ficar um ano longe da The Honkers? 

Rodrigo Chagas - Zorra... Normal, hehe. Cansei na sétima música. 

SRP – O que achou do retorno da The Honkers aos pa…

Série “As DEZ Caras do Rock Baiano” - Com Caroline Lima, (Voz na Chá de Pensamentos), apresentando "Kansu" o seu mais novo projeto!

A série “As 10 Caras do Rock Baiano” traz desta vez Caroline Lima, integrante do projeto experimental de música e arte Kansu Project , duo que conta também com Sérgio da Mata dividindo as composições. Na última quinta feira (28/03/2013), ás 22:30, foi lançado na página da Kansu Project no facebook o remix de “A Little Bit of Me”, seu primeiro single e, nesse ótimo papo descontraído e espontâneo, Caroline nos falou sobre o interessante processo de produção e gravação das músicas da dupla, suas influências e suas impressões sobre a cena local. Então se ajeite em sua cadeira, aproveite a entrevista, dê um curtir na página do grupo e “FEEL FREE”. 
SRP – O que é a Kansu Project, é um duo? E o que sgnifica? 
Caroline Lima - É um duo sim. Sou eu e Sergio da Mata, meu amigo de adolescência. Sobre o significado... foi a junção dos nomes de personagens de livros que escrevemos em 2002, também é o nome de uma província da China e o nome deriva desse idioma...alguns traduzem como "orquídea&quo…