Pular para o conteúdo principal

Bananada em São Paulo.*


O Portal Soterorock esteve na última sexta-feira (25 de setembro) em São Paulo no festival Bananada... Espera... Como poderia estar o Portal Soterorock em dois lugares ao mesmo tempo? Em São Paulo e fazendo a 1ª edição do Soterorock Sessions no Taverna em Salvador??? Estaria o Portal Soterorock desrespeitando as leis da física?? A resposta é que o leitor ousado do Soterorock, que aqui vos escreve, decidiu fazer um comentário do show do O Terno e Boogarins que aconteceu na cidade da garoa.

Primeiramente o evento: Bananada. Um evento gratuito originalmente goiano que dava a cara na capital paulista... Sim, isso mesmo, estamos falando de um festival goiano. O que acontece que se faz rock na terra do sertanejo assim como se faz rock na terra do axé e há mais bandas de rock do que estereotipado sertanejo. O evento tratou-se de reunir três bandas goianas: Carne doce, Hellbenders e a já internacionalmente conhecida Boogarins com a paulista O Terno. O local: Largo São Francisco. Onde diabos ficaria este largo. Bem meus caros, este largo fica bem no centro de São Paulo, próximo a Meca roqueira: Shopping Center Grandes Galerias, ou popularmente conhecida como Galeria do Rock (onde todo roqueiro deve pelo menos uma vez visitar) e de outros locais como Rua 25 de Março, a igreja de Santa Ifigênia e ao Teatro Municipal.

O evento começou as 19:30 com a banda Carne Doce. Inicialmente meio tímida, a banda foi aos poucos conquistando o público paulista. Canções com estilo mais regionais como Fruta elétrica foi cativando o público, atingindo o ápice quando o show já estava no final. O seu disco encontra-se disponível no SoundCloud. Foi só o show da Carne Doce acabar para cair o maior toró. Porém, o mesmo não afugentou o público que se manteve fiel para a vinda da segunda banda goiana da noite Hellbenders. Som pesado e com bastante Riffs a lá Queen of the Stone Age, levou o público a fazer moshs e cantar muito. O disco da banda também se encontra disponível no SoundCloud.

Terminando o show da Hellbenders e a chuva começou a diminuir. Me surgiu então a dúvida: Qual é a próxima banda O Terno ou Boogarins? A resposta veio a seguir: As duas bandas entraram juntas. As bandas dividiram o palco na primeira música e logo a seguir O Terno deu espaço para a banda goiana. Para quem não conhece, Boogarins faz um som psicodélico a lá Tame Impala, tem um disco aclamado pela crítica chamado Plantas que Curam disponível no Youtube. Disco esse que infelizmente não saiu no Brasil e quem quiser adquirir terá que desembolsar uma grana pesada (Na loja baratos afins na Galeria do Rock o vinil está saindo por R$120)! Infelizmente é mais um caso de uma banda nacional que faz mais sucesso na Europa que no Brasil, fato este que pode se comprovar pela agenda da banda para o mês de outubro e novembro: Inglaterra, Holanda, Bélgica, Dinamarca, Noruega, Suíça, Espanha, Portugal e França. Durante o show Boogarins não fez menos do que o esperado, tocou quatro músicas com boa participação do público.

No meio da quarta música a carro chefe Lucifernandis do grupo goiano, O Terno entra com O Cinza, é a vez do Boogarins dar espaço. Para quem também não conhece O Terno, a banda é um trio paulista que tem ganhado espaço no cenário nacional. O Terno está em seu segundo disco, o homônimo O Terno seguido do aclamado e premiado disco 66. A banda toca pela terceira vez em Salvador no Pelourinho, Largo Pedro Arcanjo, dia 9 de Outubro com as bandas Circo Litoral e Squadro. Mas voltando ao Show, O terno tocou mais quatro músicas e as duas bandas dividiram o palco novamente para tocar o clássico do Clube da Esquina O Trem Azul com uma pegada bem psicodélica.


Chegamos então ao fim do show, um show curto, porém muito animado, com grande presença do público jovem. Público este que me alegrou muito por demonstrar estar antenado com bandas nacionais de qualidade. Me fez pensar que o rock nacional tem salvação. No dia seguinte vou até a galeria do Rock para comprar uma camisa do Boogarins e poucas horas depois voltar a Salvador.


*Matéria originalmente publicada em 01/10/2015, por Rodrigo Vergne.

Popular Posts

Discoteca Básica Soterorock Apresenta: Entre 4 Paredes

Dando continuidade na nossa maratona especial da quarta edição do Soterorock Sessions, aqui vai mais uma postagem da série Discoteca Básica Soterorock Apresenta. Dessa vez, trazendo mais uma atração do nosso evento, a banda Entre 4 Paredes. Com diversas influências musicais, que vão do pop rock, até o post punk, passando pelo rock nacional e o gótico, o sexteto traz para essa matéria bons sons que merecem uma audição mais atenta e, junto a eles, as suas relações com cada um desses discos. Pegue carona nas dicas do grupo e deguste cada segundo musical dessa lista!
David Vertigo (tecladista)
Suicide - Suicide


O disco que inventou o cyberpunk antes dele existir. O trabalho de estreia homônino da dupla Suicide (Alan Vega nos vocais e Martin Rev no sintetizador) mostra da forma mais crua possível o que bandas de Industrial, EBM e afins só exibiriam décadas mais tarde:  niilismo, subversão, falta de esperança, ódio, inconformismo... Com timbres minimalistas, baterias repetitivas, vocais nonse…

Todo dia é dia de rock. Por Leo Cima.

Aconteceu, no final de semana em que se celebrou o dia mundial do rock, o festival Rock Concha 2019. Evento que, neste ano, comemorou trinta anos da sua primeira edição. Houve um hiato de um pouco mais de vinte anos nas suas atividades, porém, há quase uma década, a festa vem acontecendo de maneira assídua a cada ano e já pode ser considerada como certa no calendário cultural da cidade.
Para esta ocasião, a produção do evento apostou em um lineup que propôs fugir de repetir nomes escalados nos anos anteriores, se mantendo atrativo neste sentido e oferecendo ao seu público bandas relevantes na cena nacional e local, com algumas delas há bastante tempo sem vir à Salvador, outras lançando trabalho novo, ou comemorando décadas de estrada. A falta de roadies durante algumas apresentações foi percebida em dois momentos, nos shows da Drearylands e da Alquímea, mas nada que comprometesse o desempenho de ambas no palco!
No sábado, quem abriu o evento foi a Drearylands. Comemorando vinte anos …

As 10 Caras do Rock Baiano” com Paulo Diniz (Banda Weise)

A penúltima entrevista da série “As 10 Caras do Rock Baiano” traz Paulo Diniz, vocalista e guitarrista da banda Weise. O grupo está lançando o seu mais novo trabalho, o cd intitulado “Aquele Que Superou o Fim dos Tempos”, e neste papo o entrevistado falou sobre o seu processo de gravação, sobre seus shows e as dinâmicas dos seus instrumentos no palco e também sobre as suas impressões da cena baiana de rock. Para não perder o costume, ajeite-se na cadeira e aproveite o papo com o rapaz. 
SoteroRockPolitano - É o segundo disco de vocês, certo? O que mudou no som da Weise desde o seu primeiro disco até esse último que está sendo lançado?  Paulo Diniz - Na verdade nós lançamos até agora somente EPs, que foi o "Fora do Céu", depois um outro que não tinha nome, e o terceiro que era uma previa de duas músicas do álbum que vamos lançar agora...