Pular para o conteúdo principal

“Benvenuti, ma non si sentono a casa!”*


No sábado o rock continuou com força na cidade de Salvador. Assim como no dia anterior, vários shows de rock se fizeram presentes aqui na capital baiana e o evento escolhido para a resenha foi em um lugar no qual ainda não havia recebido a visita do site, o Buk Porão. Localizado ao lado da Escadaria do Passo, Pelourinho, o espaço é um “inferninho” no melhor sentido da palavra dentro do universo rock’n roll, no qual toda banda baiana que se preze deveria tocar por lá pelo menos uma vez na vida. É apertado? É! É calorento? É! Vai gente para ver as bandas? Sim! É acolhedor? Com muita certeza!

As bandas do line up da noite foram a Game Over Riverside, Fridha e Desafio Urbano, com as duas primeiras tendo algo em comum, que é o fato de ambas serem bandas dos anos 2000 e que estão retornando a cena depois de um hiato de longos anos, e mesmo assim fazendo um som com muita entrega e vigor de outrora. Juntamente com um grupo mais novo no cenário que também não deixou a desejar em sua apresentação.

Uma das frases escritas em uma das paredes da casa entregava a atmosfera da noite: “Seja bem vindo, mas não se sinta em casa!”. Isso dava ao lugar um clima que parece ter saído realmente de um dos livros do próprio Bukowski. Na descida para o porão, havia algumas pessoas conversando no caminho e um outro grupo tocando o repertório de Raul Seixas aos pulmões, isso até a primeira banda começar a tocar. Nos primeiros acordes de Deep Waters o som da Game Over Riverside já havia tomado todo o espaço e a banda seguiu sem dar muita trégua entre as canções para quem os assistia.

Com o repertório todo em cima do seu disco de estreia com lançamento previsto para o mês de abril, o quinteto tocou todas as seis músicas interagindo bem com a audiência nos temas mais fortes (trazendo pessoas curiosas para a frente do palco) e nos momentos psicodélicos. A presença de palco inquieta do vocalista Sérgio Moraes e do guitarrista John-John Oliveira retomaram os tempos antigos da banda e garantiram para o grupo um bis com mais duas músicas não previstas no setlist. I Can’t Hardly Wait e God in a Talk Show encerraram a apresentação com vigor e boa receptividade do público.

Depois foi a vez da Desafio Urbano se apresentar na noite. Com um som fincado no hard core, o conjunto passeou por outros estilos dentro dessa vertente, com sons mais groovados e em certos momentos com uma cadência mais trash. Com letras que falam sobre temas sociais e de persistência pessoal, o grupo manteve o ambiente bem animado, provocando rodas de pogo em espaços improváveis onde ganhei algumas cotoveladas de leve, porém possíveis e com boa parte das pessoas cantando suas canções.

Encerrando o evento, a outra veterana da festa, a Fridha, fez uma apresentação não menos empolgante do que as duas anteriores. Repertório bem ensaiado e com dois vocalistas de carisma ímpar a banda fez um som forte, com uma mistura boa de groove, new metal, elementos de hip hop e reggae, tudo isso sendo bem executado com peso por cada integrante. Houve até momento de entrega de camisinhas e Bobby (um dos vocais) sendo surpreendido por uma misteriosa rajada de vento vinda de um ventilador que resolveu funcionar do nada. Antes deles terminarem o show, tive que me retirar para não perder a carona, mas o curioso é que quando saía do lugar, já em cima do porão, dava para sentir o chão de madeira vibrando ao som dos rapazes. Foi interessante!


Ao fim, foi muito proveitosa essa primeira experiência no Buk Porão! Acho muito válido o fato de um grupo de rock ter a experiência de também poder tocar em um lugar como esse, independentemente do tipo de estrutura oferecida. Há muito tempo vem acontecendo shows de rock por lá, então se pode considerar que esta é mais uma opção para as bandas mostrarem os seus trabalhos. Foi empolgante, abriu o apetite, saí da minha dieta da lactose, comi uma bela de uma pizza e arrisquei a parlare un convincente falso italiana! Hai capito? E foi sem o google traduttore.


*Matéria originalmente publicada em 01/03/2016.

Popular Posts

O melhor do que eu não escrevi no Portal Soterorock em 2018. Por Leo Cima.

Neste ano de 2018 o Portal Soterorock resolveu tirar alguns dias de folga. Algo próximo a trezentos e sessenta e cinco dias, quase um ano, é verdade. Porém, é fato que, depois de dez anos cobrindo a cena roqueira local, com textos ou podcasts, sem incentivo financeiro algum, o site decidiu que seria o momento certo para dar um tempinho nas atividades daqui, para priorizar e atender a outras demandas não menos importantes. Mas, mesmo distante das publicações, nos mantivemos atentos ao movimento do cenário, observando quem se manteve atuante, seja em estúdio, ou nos palcos.
Muita coisa aconteceu este ano na cena rocker da Bahia, desde discos lançados até uma boa frequência regular de shows na capital baiana, mesmo com um número cada vez menor de casas que recebe o gênero por aqui. E é esse segundo item que ganhará destaque aqui nesta matéria, em uma outra oportunidade falarei sobres os lançamentos baianos de 2018, vamos com calma. O fato é que, fazendo visitas a eventos, seja como um pag…

“As Dez Caras do Rock Baiano” com Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute)

Chegando ao final da sua primeira fase, a série “As Dez Caras do Rock Baiano” traz em sua quinta entrevista uma das grandes personalidades já presente na cena local há muitos anos: o vocalista da The Honkers, Rodrigo Chagas (Sputter ou Bubute, como preferir). Nessa conversa, que foi uma das mais longas e intrigantes dessa série e realizada na época da volta da banda aos palcos soteropolitanos, Rodrigo falou sobre o que chama a sua atenção no cenário, o cuidado que um artista têm que tomar com a sua própria arte, como a quantidade de informação influencia no jeito raso de ser do novo roqueiro e sobre as intenções para o futuro da The Honkers, além de se mostrar como um autor de livros de auto ajuda em potencial. Você já sabe, se ajeite com firmeza na cadeira e embarque nessa entrevista dessa grande figura do rock da Bahia. 
SRP - Como foi ficar um ano longe da The Honkers? 

Rodrigo Chagas - Zorra... Normal, hehe. Cansei na sétima música. 

SRP – O que achou do retorno da The Honkers aos pa…

Série “As DEZ Caras do Rock Baiano” - Com Caroline Lima, (Voz na Chá de Pensamentos), apresentando "Kansu" o seu mais novo projeto!

A série “As 10 Caras do Rock Baiano” traz desta vez Caroline Lima, integrante do projeto experimental de música e arte Kansu Project , duo que conta também com Sérgio da Mata dividindo as composições. Na última quinta feira (28/03/2013), ás 22:30, foi lançado na página da Kansu Project no facebook o remix de “A Little Bit of Me”, seu primeiro single e, nesse ótimo papo descontraído e espontâneo, Caroline nos falou sobre o interessante processo de produção e gravação das músicas da dupla, suas influências e suas impressões sobre a cena local. Então se ajeite em sua cadeira, aproveite a entrevista, dê um curtir na página do grupo e “FEEL FREE”. 
SRP – O que é a Kansu Project, é um duo? E o que sgnifica? 
Caroline Lima - É um duo sim. Sou eu e Sergio da Mata, meu amigo de adolescência. Sobre o significado... foi a junção dos nomes de personagens de livros que escrevemos em 2002, também é o nome de uma província da China e o nome deriva desse idioma...alguns traduzem como "orquídea&quo…